Fórum Ecumênico África-Europa sobre Migração

Fórum Ecumênico África-Europa sobre Migração

Roma (NEV), 21 de março de 2023 – De 15 a 19 de março deste ano, representantes da Conferência das Igrejas de toda a África (AACC), da Comissão de Igrejas para Migrantes na Europa (CCME), de instituições e igrejas alemãs e do Conselho Mundial de Igrejas (WCC/CEC) reuniram-se durante quatro dias em Hamburgo para trocar experiências e ideias sobre migração e para discutir “teologia da migração”. Organizado pela Missionsakademie, em várias sessões e workshops, os cerca de 50 participantes conheceram várias organizações que trabalham com migrantes em Hamburgo.

“A relação entre as igrejas africanas e europeias tem uma longa história – explicam os promotores do encontro -. Se nos últimos tempos nos sentimos irmãos e irmãs em Cristo, inseridos no mundo ecumênico, reconhecemos também a escravidão, o racismo e o passado colonial. No presente e no futuro, nos concentraremos em encontrar as mesmas bases do mesmo Evangelho: há mais coisas que nos unem do que aquelas que nos dividem”.

“O debate e as discussões destes dias foram caracterizados pela honestidade e respeito”, disse ele Fiona Kendall, vice-moderador do CCME, que representou no fórum a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). “As igrejas, em ligação com as bases e os políticos, estão em uma posição única para serem defensoras e agentes de mudança. Podemos ser muito mais eficazes se compartilharmos nosso conhecimento e experiência.”

“A migração sempre fez parte da experiência humana – lê-se no texto das conclusões da conferência -, continuará a sê-lo e é parte integrante da história bíblica. Igrejas e governos, dentro de suas respectivas possibilidades, têm a responsabilidade de garantir que as pessoas migrem com dignidade e que, quando os migrantes chegam aos países de acolhimento, sejam acolhidos com compaixão e empatia. […] Racismo é pecado. Todos os comportamentos e respostas racistas à migração nunca devem ser tolerados. Opomo-nos ao redirecionamento e transporte forçado de requerentes de asilo, incluindo os de ascendência africana, para a África, como o acordo Reino Unido-Ruanda. Os migrantes fazem parte da humanidade e a criminalização da migração é contrária ao Evangelho. Incentivamos as igrejas em todo o mundo a se oporem a políticas que vão nessa direção. Nosso trabalho é desencorajar a migração irregular e combater o tráfico de pessoas, práticas que impedem muitas pessoas de experimentar o amor e a bondade de Deus.Precisamos nos concentrar mais em enfrentar os fatores que levam as pessoas a migrar também de maneiras que colocam suas vidas em risco. Isso inclui pobreza, conflitos e guerras, a crise climática e todas as suas consequências e a inacessibilidade dos caminhos legais. Os legados da escravidão africana, do colonialismo e das missões coloniais têm implicações significativas para os migrantes africanos à medida que se movem em busca de melhores oportunidades ou fogem do perigo na Europa. Nós, representantes das Igrejas na África e na Europa, devemos trabalhar juntos e promover a descolonização do sistema econômico, teológico e educacional e o fim do neocolonialismo. As igrejas africanas e as comunidades da diáspora migrante enfrentam racismo, discriminação e divisões intra-africanas. As igrejas devem pedir a seus governos que respeitem a proteção dos direitos humanos ao lidar com questões relacionadas à migração”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Cuidar de pacientes em relação à religião

Cuidar de pacientes em relação à religião

Roma (NEV), 12 de abril de 2019 - Cuidar dos doentes significa cuidar da pessoa, em todos os seus aspectos, inclusive religiosos. É por isso que a Autoridade de Saúde Social do CTO Gaetano Pini realiza um curso de formação dirigido a profissionais de saúde, mas aberto a toda a população intitulado: “Acompanhamento da pessoa que sofre e da família nos cuidados de saúde nas três religiões monoteístas e na espiritualidade budista”. No dia 15 de abril, das 14h às 18h, representantes de diversas religiões se sentarão à mesa para conversar com profissionais de saúde e cidadãos e explicar como cuidar dos pacientes, conforme sejam cristãos, islâmicos, judeus ou budistas. O encontro é organizado pela Capelania e Gabinete de Formação da ASST Gaetano Pini-CTO e pelas Associações AILS e ALOMAR, em colaboração com o Grupo Juntos para Cuidar de Nós, nascido do encontro de realidades sanitárias e religiosas Colégio IPASVI de Enfermeiras Milan -Lodi-Monza e Brianza, Biblioteca Ambrosiana, Associação Médica Judaica e Comunidade Religiosa Islâmica Italiana Após cumprimentos do Dr. Francesco Laurelligerente geral da ASST Gaetano Pini-CTO, intervirá Rav Alfonso ArbibRabino Chefe da Comunidade Judaica de Milão, Daniela DiCarlopastora valdense, Abd al-Sabur TurriniDiretor Geral da Comunidade Religiosa Islâmica Italiana (Coreis), Tenzin Khentsevenerável monge budista de tradição tibetana, Mons. Pierfrancesco Fumagallimédico da Ambrosiana. “Muitas vezes encontramos doentes e famílias de diferentes religiões no mesmo quarto que se encontram convivendo durante o período de internação no mesmo ambiente. Por isso, considero importante ajudar os profissionais de saúde a entender como cuidar das pessoas como um todo e aprender a fazer a ponte entre as diferentes religiões, cada uma com suas especificidades e implicações também no tratamento de patologias, em o nome da integração", explica padre Simone, capelão da ASST Gaetano Pini-CTO. ...

Ler artigo
Quando os migrantes querem rezar

Quando os migrantes querem rezar

foto de Corey Collins @unsplash Roma (NEV), 19 de janeiro de 2023 – “A realidade do pluralismo religioso é muito mais difundida e enraizada do que ainda está institucionalizada, […] comunidades que são lugares onde os desenraizados encontram esperança e também a possibilidade de redenção". E depois um "postal de Lampedusa". Onde são guardados muitos objetos religiosos que os migrantes carregam em barcos pelo Mediterrâneo. “Temos uma narrativa que nos diz que aquele objeto é socialmente perigoso, perturbador, oneroso. Tentamos demonstrar que esse objeto é um recurso, é um capital humano e social, e é um pecado no sentido bíblico não usar esse talento, não alugar esse capital”. Com estas palavras, respectivamente Maurizio Ambrosini e Paolo Naso, dois dos autores de Quando os imigrantes querem rezar. Comunidade, pluralismo, bem-estar (ed. il Mulino, 2022), com Samuel David Mollyconcluíram uma reunião ontem à noite, no Campidoglio, a partir de seu último trabalho. A apresentação do livro e a posterior mesa redonda contaram com a presença do vereador da cidade Carla Fermariello para Roberto Gualtieri Prefeito de Roma, Tobias ZeviConselheiro para Políticas de Patrimônio e Habitação de Roma Capital, Frank Hippolytuspresidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Yassine Laframpresidente da União das Comunidades Islâmicas na Itália, o ex-ministro Luciana Lamorgeseprefeito, marco impagliazzopresidente da Comunidade de Sant'Egidio, Mons. Lúcio Eles parecem do dicastério para o diálogo inter-religioso e Mons. Siluan Șpan, bispo da diocese ortodoxa romena na Itália. A nomeação foi moderado por Cláudio Paravatidiretor da revista e Centro de Estudos Confronti. Aqui está o vídeo e a gravação completa da reunião de ontem no Campidoglio, editada pela Radio Radicale: ...

Ler artigo
Estão em curso em Roma as reuniões da Comissão Metodista-Católica Romana

Estão em curso em Roma as reuniões da Comissão Metodista-Católica Romana

Os dois co-presidentes da Comissão: o católico Shane Mackinley e o metodista Edgardo Colon-Emeric (foto christianunity.va) Roma (NEV), 3 de outubro de 2022 – A XII série de encontros de diálogo teológico da Comissão Internacional Metodista-Católica Romana (MERCIC) começou esta manhã com um culto na igreja metodista de Ponte Sant'Angelo, em Roma. Hospedado pelo Escritório Ecumênico Metodista de Roma (MEOR) – cujo diretor, pároco Matthew Lafertyé também co-secretário do MERCIC -, a Comissão abordará o tema da unidade e missão nos próximos cinco anos. O culto de abertura ofereceu a liturgia da Renovação da Aliança, tradição metodista introduzida pelo fundador do movimento, João Wesley (1703-1791). Nesta ocasião, o pároco da igreja da Ponte Sant'Angelo dirigiu suas saudações à Comissão, Daniel Pratt Morris-Chapmano moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trottae o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Daniele Garrone. As reuniões da Comissão, nomeada conjuntamente pelo Conselho Metodista Mundial e pelo Dicastério do Vaticano para a promoção da unidade dos cristãos, durarão até 8 de outubro próximo. A Comissão é co-presidida pelo pastor metodista Edgardo Colon-Emericreitor da Duke Divinity School (EUA) e por Mons. Shane Mackinlay da diocese de Sandhurst (Austrália). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.