Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Detalhe da capa de uma das publicações da Comissão de Igrejas para Migrantes na Europa (CCME) – fonte

Roma (NEV), 19 de maio de 2022 – Estas são as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK).


Igrejas são convidadas a homenagear refugiados que morreram nas fronteiras da Europa

Tendo em vista o Dia Mundial do Refugiado, que se celebra a 20 de junho, a Conferência das Igrejas Europeias (KEK), juntamente com a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME), convida-nos a comemorar os milhares de migrantes e refugiados que perderam vida no Mediterrâneo, bem como noutras fronteiras, dentro e à volta da Europa. Para saber mais, leia o artigo em italiano em Riforma.it


Paris, maio de 2022. Treinamento para comunidades mais seguras e fortes na Europa (SASCE)

Igrejas francesas estudam como garantir comunidades seguras

Mais uma etapa, na França, do projeto de segurança e proteção de comunidades religiosas e locais de culto. O programa de treinamento conduzido pela Conferência das Igrejas Européias passou por Paris desta vez. O evento contou com a presença de líderes e funcionários da igreja francesa. Estamos a falar do projeto Comunidades Mais Seguras e Fortes na Europa (Comunidades mais seguras e fortes na Europa – SESA). A etapa francesa representa um momento particularmente significativo, já que o país sofreu vários ataques terroristas nos últimos anos. Algumas igrejas também foram diretamente afetadas. Durante o encontro, o Secretário Executivo de Direitos Humanos do CEC, Elizabeth Kitanovic, apresentou diversos materiais, incluindo guias práticos, vídeos e recomendações do SASCE para a construção de uma equipe de gerenciamento de risco para emergências. Leia mais clicando aqui.

Projeto SASE

O SASCE é um projeto dedicado à proteção de locais de culto e comunidades na Europa, fruto de uma parceria inter-religiosa entre o KEK e outras realidades. Entre eles: Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu, Assuntos de Fé e União Budista Europeia. A iniciativa é apoiada pela Comissão Europeia com uma subvenção de 3 milhões de euros.


Assembleia ECEN 2022: os desafios que vivemos

A próxima Assembleia da European Christian Environmental Network (ECEN – European Christian Environmental Network) decorrerá numa plataforma virtual de 13 a 15 de junho de 2022. Título desta edição: “Os desafios que estamos a viver”. Entre os temas: futuro sustentável, segurança energética, European Green Deal e vulnerabilidade climática do ponto de vista das igrejas. “Os impactos da pandemia não travaram as alterações climáticas nem a degradação ambiental – lê-se no relatório -. A Covid-19 trouxe à tona muitas preocupações relacionadas à dependência humana da criação”. Em suma, é preciso avaliar os novos dados científicos e oferecer espaços de participação, também para as comunidades de fé. “A troca de experiências é, nesta situação, mais importante do que nunca” escrevem os organizadores, que também trabalharão os temas da cooperação para a ecologia e o cuidado da criação, tendo em vista a Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CEC ) previsto para setembro em Karlsruhe, Alemanha.

Para saber mais, clique aqui. Para se inscrever clique AQUI.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Quem são os imigrantes?  – Neve

Quem são os imigrantes? – Neve

Roma (NEV), 27 de outubro de 2022 – Trazendo "Luta e verdade, a partir de palavras e dados". O escritor disse isso esta manhã Djarah Kan, na apresentação do 32.º “Dossiê Estatístico da Imigração 2021”, editado pelo Idos, em colaboração com o Confronti e o Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V". A referência é justamente às análises contidas no relatório – 493 páginas, informações estatísticas e análises elaboradas por uma pluralidade de estudiosos, projeto apoiado pelo Otto per mille da Tábua Valdense. Uma ferramenta na “caixa de ferramentas” de qualquer pessoa, por diversos motivos, que lida com (ou quer entender) migração. Na reunião desta manhã, moderada por Cláudio Paravatidiretor do Confronti e apresentador do Protestantesimo on Rai Tre, compareceu, além de Kan, Luca Di Sciullo, presidente do centro de estudos e pesquisas IDOS, don Mussie Zerai (conectado do Canadá), padre e ativista eritreu, fundador da agência Habeisha, moderador da Mesa Valdense Alessandra Trottao jornalista Eleanor Camillio sociólogo da Universidade Estadual de Milão Maurizio Ambrosinio prefeito de Prato Mateus Biffonidelegar às políticas de Imigração e integração da Anci, em ligação de vídeo, Paulo de Nardis, presidente do Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V". os números falam No que diz respeito aos migrantes que desembarcaram na Itália entre 2021-2022, segundo o relatório, "se olharmos para os fluxos migratórios rumo à Itália, as nacionalidades declaradas pelos migrantes são atribuíveis aos países que mais sofrem com a pressão das mudanças climáticas ". Entre 2021 e 2022 “entre os principais países de origem encontramos: Tunísia, Egipto, Bangladesh, Afeganistão, Síria, Costa do Marfim, Eritreia, Guiné, Paquistão e Irão”. No início de 2022 "havia 3.561.540 cidadãos extracomunitários a residir legalmente em Itália, um número que aumentou, face ao ano anterior (quando eram 3.373.876), de 187.664 unidades (+5,6%) e que, no entanto, continua ainda mais baixo do que os 3.615.826 no início de 2020 e os 3.717.406 no início de 2019. Quanto ao contributo dos migrantes para a economia, a análise apresentada “confirma também para 2020 um saldo positivo entre receitas e despesas atribuíveis à imigração: face a saídas de 28,9 mil milhões, as receitas ascenderam a 30,2 mil milhões, garantindo um saldo positivo de quase 1,3 mil milhões de euros ”. É um dos dados contidos no dossiê discutido esta manhã em Roma, no Teatro Dom Orione, e ao mesmo tempo em todas as regiões italianas. “A dimensão do saldo – explica o Relatório – diminuiu sem dúvida face a 2019, quando tínhamos assistido a um ganho de 4 mil milhões de euros para o Estado, mas sabe-se que a pandemia em parte agravou a fragilidade social e económica, em parte detonou novos. O valor das despesas durante o ano de 2020 aumentou assim, com particular destaque para as despesas com redes de segurança social, que quase duplicaram face a 2019. No entanto, refira-se que as escolhas metodológicas efetuadas seguiram um percurso de estimativa parcimonioso”. “Não há respostas fáceis para fenômenos complexos como #migrações. Interdependências entre mudanças climáticas, guerras” e a necessidade de sair. A intervenção do @Mode_Valdese na apresentação de #dossierestatísticoimigração @Confronti_CNT @8x1000Waldensian pic.twitter.com/qs7vmKSyJr — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 27 de outubro de 2022 “No geral, confirma-se o que emergiu dos Dossiês anteriores, segundo os quais os estrangeiros contribuem tanto para a estabilidade do tecido produtivo do país como para o seu sistema de proteção social, incluindo a educação”, conclui o texto. AQUI a lista de apresentações do Dossiê em andamento hoje em toda a Itália. AQUI o comunicado de imprensa CS_Hoje a apresentação do Dossiê Estatístico de Imigração 2022 ocorreu após a apresentação de Idos. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Para a Semana da Liberdade

Para a Semana da Liberdade

Roma (NEV), 7 de fevereiro de 2023 – Aproxima-se a Semana da Liberdade promovida pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Dedicada aos temas dos direitos e da laicidade, a Semana decorre em torno do 17 de fevereiro, data em que ocorre o aniversário da concessão dos direitos civis aos valdenses, em decorrência da Carta-Patente expedida pelo rei Carlo Alberto, em 1848. Algumas semanas depois, em 29 de março de 1848, os mesmos direitos foram concedidos aos judeus. Até esta data, os valdenses eram proibidos de frequentar escolas públicas e de exercer profissões liberais (exceto notário e médico, mas exclusivamente para outros valdenses). Fora de seu "gueto alpino", os valdenses não podiam nem mesmo possuir imóveis. O dia 17 de fevereiro não é apenas um dia de comemoração para os valdenses e para todos os protestantes, mas também uma data simbólica. Na verdade, representa o primeiro passo da liberdade religiosa na Itália. EU'Assembleia Geral da FCEIentre outras coisas, relançou em 2018 a proposta de estabelecer o dia 17 de fevereiro como o Dia Nacional da Liberdade de Consciência, Pensamento e Religião. Inúmeras iniciativas estão previstas durante a Semana da Liberdade, presencial e online. Haverá também as tradicionais fogueiras, que são acesas nos vales valdenses e em outras localidades italianas onde os valdenses estão presentes. Dentre os principais eventos, destacamos a conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismos, democraciasprogramado para sexta-feira 17 de fevereiro e sábado 18 de fevereiro em Roma (respectivamente no Salão da Igreja Valdense na via Marianna Dionigi e na Biblioteca Jurídica Central do Palácio da Justiça). O evento de dois dias é promovido pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revista Confronti, a Biblioteca Jurídica Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Primeiro atendimento, por ordem de horário, aquele agendado pelo Fundação do Centro Cultural Valdense da Torre Pellice (Turim). Aqui estão os detalhes: FACEBOOK / YOUTUBE – quarta-feira 8, no contexto de “A noite dos incêndios valdenses. noite de direitos“reunião sobre o tema "A noite dos fogos, a conquista das Liberdades“. Com Stephen Tallia, Bruna Peyrot E David Rosso. Às 17h30 no canal do YouTube e na página do Facebook da Fundação Centro Cultural Valdense. Para saber mais: Vá para a guia NEV. 17 DE FEVEREIRO PARA OS VALDENSES Para saber os demais agendamentos para o Dia da Liberdade 2023: SIGA O LOGO EM Agenda evangélica e ecumênica (nev.it) ...

Ler artigo
“Selecionar quem desembarca é desumano e contrário às normas”

“Selecionar quem desembarca é desumano e contrário às normas”

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 8 de novembro de 2022 - "Como evangélicos, não podemos aceitar que migrantes que já sofreram violência e às vezes tortura sejam selecionados na chegada de acordo com critérios que não são apenas imorais e incompatíveis com nossa fé, mas também contrários aos padrões marítimos internacionais ". Assim afirmou o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, Daniele Garrone, criticando “as instituições europeias que não se encarregam de um problema que não pode ser transmitido apenas aos países mais expostos aos fluxos migratórios. Precisamos de um plano de recolocação europeu – prossegue o presidente da FCEI – no qual todos os países da UE terão de colaborar e que preveja sanções para quem não cumprir um dever fundamental de solidariedade entre os parceiros. As migrações - continua Garrone - confirmam-se, de facto, como uma das provas da estabilidade e da qualidade democrática das instituições europeias. É necessário um esforço conjunto de todos os países da UE para resgatar refugiados no mar, acolhê-los e, acima de tudo, abrir alternativas legais e seguras às passagens irregulares muitas vezes geridas por organizações criminosas internacionais. Como igrejas evangélicas, há anos estamos fortemente comprometidos com a gestão de corredores humanitários que restauram a esperança e a dignidade dos refugiados que fogem da guerra e da perseguição. Estamos prontos – conclui o presidente da FCEI – para trabalhar com os nossos parceiros ecuménicos e com as igrejas irmãs na Europa para promover uma política europeia de gestão da ajuda, redistribuição dos refugiados e expansão dos corredores humanitários”. artigo anterior9 de novembro: Dia mundial contra o fascismo e o antissemitismoPróximo artigoBienal de ecocomunidades pelo desarmamento climático e conversão ambiental Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.