16 dias para superar a violência, 15/16 dias.  Feminicídio última fase

16 dias para superar a violência, 15/16 dias. Feminicídio última fase

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022

Roma (NEV), 9 de dezembro de 2022 – Hoje conclui a série de episódios que viram a publicação, dia a dia, das reflexões do dossiê “16 dias contra a violência” organizado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Os 16 dias vão de 25 de novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, a 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. Para ver todos os episódios, clique aqui.


DIAS 15 e 16: 9/10 DEZEMBRO

O feminicídio última fase da violência


SOLICITAR
discutir


Como forçar os homens a superar seus desejos de vingança?

Guglielmina, Franca, Nadia, Simona, Silvana, Maria, Alessia, Alexandra e muitos outros, de 6 de janeiro a 25
Outubro, dois dias atrás, enquanto escrevíamos isto, estou mulheres que morreram por feminicídio em 2022.

Se você percorrer os lugares onde eles aconteceramnão tem lugar nem região para esses feminicídios que ele seja salvo. Pequenas vilas, cidades, espalhadas em todo o território nacional. No entanto, a Itália em 2013 juntou-se a um lei à Convenção de Istambul, que deu indicações e métodos para superar o tema da violência na Europa. O ponto chave é a colaboraçãoração que os Estados tiveram que estabelecer com centros anti-violência administrados por mulheres.

Na Itália, isso é alcançado apenas parcialmente,
o financiamento está constantemente em risco
de centros anti-violência, o
treinamento planejado para aumentar a conscientização sobre as forças
da ordem, as estruturas sociais e o
nitari, mas é sobretudo o sistema judicial,
dividido entre penal e civil, que se comporta em
forma gravemente inconsistente e que põe
Eu arrisco a vida das mulheres.
Muitas vezes a sentença de separação
civil, que segue um julgamento criminal de culpa
voluntariamente, prevê a guarda compartilhada de menores.
Os tribunais civis, ao decidirem, não tomam
conta de todo o processo judicial que o
mulheres se comprometeram a sair da violência
linha de pesca, mas contam com o aconselhamento de psicólogos
que acreditam que mães afetadas por síndrome
da mãe maliciosa. Obrigar os pais a
manter contato, em muitos casos define
as vidas de mulheres e crianças estão em risco. É muito
muitas vezes é difícil reverter isso rapidamente
julgamentos.


VERSÍCULO BÍBLICO

Não cobice a casa do seu próximo;
não cobices a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo. (Êxodo 20, 17)

COMENTE

Quantas vezes temos que ler novamente
que um homem mata “sua mulher” porque ela se afastou dele ou se retirou de seu domínio. A mulher como propriedade. Como até mesmo os 10 mandamentos sugerem. No entanto, a história da interpretação bíblica e teológica de certas partes das Escrituras do Antigo e do Novo Testamento em que esse conceito de propriedade é questionado ou em que se destaca que não faz parte da mensagem libertadora já se foi há muito tempo. .

Mas para isso não devemos retirar esses versos, devem permanecer, devem estar ali para denunciar uma prática violenta. É verdade, mesmo que pareça o contrário, hoje há menos violência, mas muitas vezes ela se tornou mais sutil. Como então, as mulheres também são mortas hoje porque são vistas como algo que pode ser descartado de acordo com os sentimentos de cada um. Mas todos nós não somos propriedade de alguém. Até mesmo Deus nos deu liberdade, não para fazermos o que quisermos, mas para sermos pessoas responsáveis ​​umas pelas outras. Somos chamados a nos libertar de impulsos que inicialmente podem nos manter acorrentados.


ORAÇÃO

Rezamos para que as vozes das mulheres abusadas sejam ouvidas,
que ações e mudanças significativas ocorram
no tratamento das mulheres em todos os setores da sociedade.

Amém.


A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol).

Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade.

A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma.


“16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Água, seca e arredores

Água, seca e arredores

Foto de Aaron Lee - Unsplash Torre Pellice (TO), 24 de agosto de 2022 – Começa hoje com a introdução assinada por Maria Elena Lacquaniti, coordenadora da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), um ciclo de insights sobre água, seca e entorno. A ocasião é a aproximação do "Tempo da Criação", um período litúrgico ecumênico global que começa todos os anos em 1º de setembro e termina em 4 de outubro, e que deu seus primeiros passos com a Assembleia Ecumênica Europeia de Graz (Áustria) em 1997. “Para onde foi a água do planeta Terra?” pergunta Lacquaniti. O documento fala da crise hídrica, sim, mas também de propostas. Palavras-chave: mudanças climáticas; fator de poluição; dispersão e desperdício; transição energética; opções políticas e administrativas. Direção a seguir: a da justiça climática e econômica. Até o momento, escreve GLAM, “grandes intervenções foram introduzidas na Austrália e na América. A primeira aprovou uma das leis ambientais mais ambiciosas do mundo. A resolução compromete-se a reduzir as emissões de gases nocivos em 43% em relação aos níveis de 2005, até 2030, ou em apenas oito anos (Repubblica.it 04/08/22). A segunda com a Inflation Reduction Act aprovada pelo Senado (lei de redução da inflação), que prevê a destinação de mais de 400 bilhões e uma série de intervenções que levam à redução pela metade das emissões das empresas até 2030”. As igrejas são chamadas a fazer a sua parte. Baixe aqui o documento completo: Água e seu entorno – INTRO Para saber mais: O Dossiê GLAM para a Temporada da Criação sobre o tema da empatia. Idéias homiléticas, meditações, liturgias, materiais e percepções disponíveis para todas as pessoas interessadas em celebrar o período litúrgico ecumênico que ocorre entre 1º de setembro e 4 de outubro. Vídeos jovens GLAM para água. ...

Ler artigo
Nariz.  A liberdade religiosa não é uma questão partidária.  É o coração da democracia

Nariz. A liberdade religiosa não é uma questão partidária. É o coração da democracia

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2023 - A agência NEV está inaugurando um ciclo de entrevistas para abordar os temas da conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias", realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Vamos começar com Paulo Nasocoordenadora da Comissão de Estudos do Diálogo da Integração da FCEI, consultora para as relações institucionais do programa de refugiados e migrantes FCEI/Mediterrâneo Esperança, além de professora da Universidade Sapienza e membro da comissão científica do Centro Studi Confronti. Por que uma conferência sobre pluralismo e liberdade religiosa? É fácil dizer: relançar uma questão que há anos se esquiva do debate parlamentar, esmagada por outras prioridades e interesses. Nesse sentido, foi uma operação corajosa, que deve ser creditada aos promotores, principalmente à Fondazione Basso e à revista Confronti, que tiveram a força de relançar o debate sobre um tema certamente complexo, mas cada vez mais urgente. Por que urgente? A liberdade religiosa é garantida. A urgência reside no fato de que em poucas décadas o perfil religioso da Itália mudou como nunca se poderia imaginar e o "fator R" da religião adquiriu uma importância crescente na dinâmica social e cultural de um país multicultural como a Itália. tornou-se objetivamente. E um fenômeno novo não pode ser governado com ferramentas velhas e enferrujadas como a legislação da era fascista sobre os "cultos admitidos": aquela legislação ainda em vigor, desde o título, expressa sua intenção discriminatória e seletiva, e ainda hoje distingue juridicamente confissões reconhecidas e outras (a maioria) que não o são. É uma lei que determina quais ministros de religião e quais confissões têm livre acesso a espaços protegidos (prisões, hospitais, centros para imigrantes, residências para idosos) e quais não. É a lei que, ao não proteger o edifício do culto, cria dificuldades inultrapassáveis ​​a diversas comunidades que padecem de limitação do direito constitucional ao exercício do culto privado e público (art. 19º). Na ausência de normas rígidas sobre o assunto, algumas comunidades de fé são privadas do direito fundamental de se reunir em locais dignos e legalmente reconhecidos. "Não, a mesquita não" é apenas a expressão mais virulenta de uma intolerância à diversidade religiosa que, há poucos dias em Tortona, se traduziu no incêndio de um centro islâmico. Mas se isto é racismo islamofóbico, a outro nível da convivência multirreligiosa ordinária, é normal que em Milão, a cidade europeia e intercultural por excelência, não exista uma mesquita digna desse nome? E por que as igrejas pentecostais têm que se contentar com locais improváveis ​​e periféricos? Ou que dezenas de denominações religiosas que possuem instalações adequadas não conseguem obter a sua conversão para fins de culto? E os acordos previstos no art. 8 da Constituição? Sim, existem, mas eles "abrangem" apenas 10% do número total de não católicos que teriam direito a fazê-lo: todos juntos não ultrapassam quinhentas mil pessoas (comparações de dados IDOS de 2022): valdenses e metodistas, batistas, luteranos e anglicanos pelo protestantismo histórico; adventistas, pentecostais (das Assembleias de Deus e da igreja apostólica) para a área evangélica em sentido amplo; Judeus; budistas (da União Budista Italiana e da Soka Gakkai); ortodoxos gregos, hindus e mórmons. Por outro lado, os muçulmanos (mais de dois milhões de pessoas, incluindo um número crescente de italianos), os ortodoxos romenos (quase dois milhões), as testemunhas de Jeová (mais de 400.000, principalmente italianos), os sikhs (cerca de 100.000), um número crescente de evangélicos independentes (300.000), outras comunidades de fé para pelo menos 100.000 atendimentos. Este é o limite do art. 8: não a sua substância jurídica, mas a sua escassa e débil implementação, sorvida de critérios nem sempre compreensíveis, a ponto de parecer discricionária: isto sim, aquilo não. Falando francamente, acredita que existem as condições políticas para que este Parlamento possa pôr a mão numa disposição tão complicada e controversa como uma lei sobre a liberdade religiosa e de consciência? Desde o pós-guerra, o debate sobre a liberdade religiosa tem sido o campo de batalha de exércitos ideológicos opostos: católicos contra secularistas, crentes contra não crentes, direita contra esquerda, ocidentais contra multiculturalistas. Chegou a hora de uma trégua, na verdade de uma reconciliação sobre uma questão que, além de estar no centro da democracia liberal, está no centro de muitos eventos na Itália e no mundo. Sobre uma questão legal e constitucional de grande repercussão como esta, como já aconteceu em outros momentos da vida política italiana, é fundamental que o Parlamento decida por ampla maioria. O desafio é superar a lógica partidária para assumir a proteção da liberdade religiosa e da consciência - mesmo aqueles que não acreditam ou acreditam de forma não convencional têm seus direitos e devem ser reconhecidos e protegidos - como questão central de importância democrática universal. Renunciando à linguagem dos "tempos que não estão maduros" ou das "outras prioridades", representantes de diversas forças políticas - governo e oposição - se manifestaram dispostos a abrir o canteiro de obras sobre o tema. Correndo o risco de parecer ingênuo, é correto dar crédito às aberturas que registramos e que, creio, devem ser levadas muito a sério. Não só pela atenção às minorias, mas pela qualidade da República. ...

Ler artigo
Os corredores humanitários estão na moda?

Os corredores humanitários estão na moda?

Na ocasião, destacamos como ações como as dos corredores humanitários não devem ser entendidas como gestos de caridade de almas piedosas, a serem aprovadas e possivelmente incentivadas, mas como têm a ver com os princípios de nossa república democrática constitucional e com uma visão da União Europeia fundada na proteção e promoção dos direitos humanos. Como tal, são uma "boa prática", como dizem, que também poderia ser adoptada pelos Estados e, pensamos, deveria substituir as devoluções violentas que ocorrem na chamada rota dos Balcãs e a externalização da mesma prática quando confiada a Estados de qualidade democrática duvidosa ou inexistente. No entanto, a crescente aclamação pelos corredores humanitários parece ter um lado preocupante: pode ser o lado nobre de uma moeda, que por outro tem características de fechamento: limitação ao trabalho de busca e salvamento de ONGs, contraposto a uma retórica de crescente condenação e estigmatização como um fator de atração da imigração “ilegal”, apesar do fato de que noventa por cento dos resgates marítimos são realizados por forças estatais; continuação da política de bloqueio, prosseguida apoiando na operação de contra partida os Estados de onde os migrantes se dirigem para a Europa, financiando em troca de bloqueios, contando talvez com o facto de alguns destes parceiros não terem uma marcada propensão para os bons costumes … A Europa fez isso com a Turquia, Itália (não agora!) Com o apoio da Guarda Costeira da Líbia e, mais recentemente, com a Tunísia. Sabemos por fontes confiáveis ​​o que isso significa, por exemplo, para aqueles que são trazidos de volta à Líbia: serem mantidos em centros de detenção ou simplesmente serem empurrados para trás em um macabro "jogo do ganso". Ninguém se pergunta o que poderia ser feito de mais razoável e humano com o dinheiro investido em operações de blindagem de fronteira, especialmente no mar. Eu uso os dois adjetivos “razoável” e “humano” de propósito. Muitos pensam que falar de humano significa se render à areia movediça de um sentimentalismo irrealista e que ser razoável requer uma certa dose de cinismo. É aqui que se sente dramaticamente a falta de política, já há muito suplantada pela propaganda perene, orientada para os humores e não para os projetos, jogada nas emergências imediatas e desprovida de análises que vão além do contingente e sem programas prospectivos . Diante de um fenômeno epocal como os movimentos populacionais causados ​​por guerras, ditaduras, fome e mudanças climáticas, cujas linhas de desenvolvimento os especialistas já podem nos descrever nas próximas décadas, precisamos de análises documentadas e não de percepções; precisamos de raciocínios, projetos realistas e baseados naqueles valores aos quais o Ocidente chegou depois de ter praticado e sofrido (há sempre um perpetrador e uma vítima) tudo o que ainda hoje em muitas partes do mundo obriga milhões de seres a fugir dos humanos, forçados a buscar em outro lugar o que lhes é negado; valores aos quais o Ocidente chegou depois de sofrer intolerância religiosa, ditaduras, duas guerras mundiais, escravidão, exploração… O patamar democrático e constitucional a que chegámos depois deste passado sangrento foi vivido e apresentado como uma descoberta que não só nos tirou do túnel do obscurantismo e da opressão, que não só resolveu os nossos problemas, mas que tinha em si o potencial para ser universalizáveis, a serem implementados globalmente. O verdadeiro desafio que o fenómeno migratório coloca à Europa é este: que política está à altura dos princípios que a Europa colocou na base do seu projeto? Qual é a postura que corresponde à sua visão? Para responder, precisamos de realismo e visão juntos, paciência e ousadia, cultura e coração. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.