Parentes substitutos.  Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Parentes substitutos. Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI – openai.com (ER/NEV)

Roma (NEV), 16 de março de 2023 – 2 milhões de ajudantes e cuidadores domésticos, especialmente mulheres, mas não só. Cerca de metade dos quais são invisíveis e pagos fora dos livros. Apenas os trabalhadores do setor de serviços e mecânicos são numericamente mais numerosos, com 4,1 e 2,3 milhões de pessoas, respectivamente. Os que trabalham no setor doméstico superam os professores e os que trabalham nos transportes (ver Il Sole 24 Ore neste artigo).

Estamos falando de mulheres e homens que cozinham; lavam e passam roupas; limpam cozinhas, salas e banheiros; que cuidam dos filhos dos outros; que acompanham os idosos na jornada, longa ou curta, da velhice. O trabalho doméstico é, na maioria dos casos, realizado por mulheres, tanto no que diz respeito a quem é pago para fazer este trabalho como nas famílias (em todos os países europeus há uma percentagem mais elevada de mulheres do que de homens que se ocupam dos cuidados com os filhos, tarefas domésticas e cozinha, dados ISTAT). No entanto, pesa sobre os cuidadores e trabalhadores domésticos uma “substituição” de papéis, que implica também um envolvimento relacional, emocional, existencial. Bem como, em alguns casos, a falta de reconhecimento social e econômico.

Essas pessoas vivem conosco, em nossa sociedade, em nossas casas, frequentam nossas igrejas.

Pedimos ao ministro de evangelização da Igreja Batista de Roma Trastevere, pároco Ivano De Gasperisum testemunho.

“A ajuda doméstica é um tema sempre presente que preocupa os ricos, mas não só. Este tema também questiona as comunidades religiosas e os círculos de fé. Devemos sempre ter clareza sobre os limites entre experimentar um privilégio, um apoio e o que poderíamos definir como exploração real”, diz o pastor.

“É o pão de cada dia para nós – continua De Gasperis – acompanhar essas irmãs, essas famílias, esses irmãos. Freqüentemente, famílias inteiras estão envolvidas neste trabalho, às vezes esposas e maridos são separados porque trabalham em famílias diferentes. Eles vivem em situações difíceis. Recentemente, conversei com uma mulher que queria parar. Porque quase se tornam mães dos filhos que cuidam. Há mães que se desinteressam completamente dos filhos naturais. Mães e pais que delegam, que confiam quase totalmente a educação dos filhos a babás; empregadas domésticas que quase se tornam esposas de maridos com quem talvez não haja mais um bom relacionamento. Onde talvez existam casais divorciados. Em alguns casos, esses colaboradores se veem tendo que fazer a mediação entre um e outro”.

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI – openai.com (ER/NEV)

…”sacrificar-se como membros da família”

A estas “nossas irmãs”, a estes “nossos irmãos”, é pedido que “vivam para os outros, portanto, que se sacrifiquem como se fossem membros da família. Eles se dirigem aos empregadores como ‘minha avó’. Eles vivem juntos, às vezes desenvolvendo patologias”, continua o pastor. Algumas dessas pessoas têm contato limitado com o mundo exterior, “justamente pelo trabalho delicado que realizam. Alguns empregadores até os fazem prometer não ver ninguém, trancam os cuidadores e os idosos durante anos” (pense no período da pandemia).

Essas pessoas “tornam-se mães, esposas, filhas. Às vezes, eles são mal pagos ou, se pagos honestamente, certamente não são pagos por esse tipo de ‘performance’. Fala-se inclusive de um novo perfil psicopatológico, a ‘síndrome italiana’. Uma forma de depressão. Pensemos, por exemplo, em quantos são obrigados a chorar à distância. Ou, de volta ao seu país de origem, encontram-se em casa com maridos que já eram um casal estável com outra mulher e com filhos que as odeiam porque se sentiram abandonadas quando suas mães vieram trabalhar na Itália”.


Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico

No próximo dia 23 de março (às 10h na Sala Salvadori da Câmara dos Deputados, em Roma) a segunda papel do Relatório 2023 Família (Net) Trabalho, “Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico”. Editado pelo Centro de Estudos e Investigação Idos, este relatório centra-se na necessidade familiar de mão-de-obra estrangeira no sector dos cuidados e assistência ao domicílio. Entre os palestrantes também Júlia Gori, oficiais de projeto do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), “Esperança do Mediterrâneo”, representando a campanha “Fui estrangeiro” à qual a própria FCEI adere. Giulia Gori vai chamar a atenção para a questão da falhada regularização de 2020 (“Fui estrangeira” de facto faz um acompanhamento atento das práticas, donde resulta que ao fim de três anos alguns territórios já realizaram cerca de metade delas). Além disso, a proposta de superação do sistema de cotas do decreto de fluxo, cotas que, aliás, não contemplam as pessoas que exercem o trabalho doméstico, portanto, impossibilitadas de regularizar-se. Em cima da mesa, fui estrangeiro ainda põe o pedido de abertura a autorizações de residência para trabalho ou a uma regularização que permita a saída do trabalho não declarado.

O Relatório 2023 será apresentado na íntegra em novembro deste ano e está dividido em 4 capítulos, cada um dos quais a cargo de um dos parceiros do projeto, promovido pela Assindatcolf em parceria com o Censis, Effe (European Federation for Family Employment & Home Care), Fundação de Estudos de Consultores Trabalhistas e Centro de Estudos e Pesquisas Idos.


Para saber mais:

01/03/2023 Migrantes, Assindatcolf-Idos: para o setor doméstico fluxos fechados há 12 anos, cuidadores e trabalhadores domésticos não estão mais disponíveis

09/03/2023 Migrantes, Assindatcolf: Governo estende decreto de fluxo também a empregadas domésticas e cuidadoras

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Mulheres de fé.  Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina

Mulheres de fé. Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina

Roma (NEV), 30 de setembro de 2020 - A conferência organizada pelo Centro de Estudos sobre Liberdade de Religião, Crença e Consciência (LIREC) intitulada "Mulheres de Fé. Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina". A presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), pastora, participa Gabriela Lio. A conferência faz parte do "Projeto Saber" dedicado ao estudo das minorias religiosas na Itália e das diferentes formas como estas últimas se inserem no contexto social italiano. O objetivo é promover o diálogo e a troca de experiências através dos testemunhos de alguns representantes de diferentes religiões, comprometidos com a promoção e proteção dos princípios fundamentais da dignidade do homem e da mulher. As organizadoras escrevem no convite da iniciativa: “As mulheres de fé desempenham um papel vital não apenas dentro de suas respectivas comunidades religiosas, mas também na sociedade multicultural e multirreligiosa de hoje”. A conferência, anteriormente adiada devido às disposições da emergência do coronavírus, será realizada em plataforma digital no dia 5 de outubro de 2020, das 16h30 às 19h. Para participar, cadastre-se no seguinte link: PLANO 16h30 Saudações Sen. Valéria Fedeli Pedro Nocita Presidente Honorário do Centro de Estudos LIREC Apresentar e moderar Raffaella DiMarzio Diretor do Centro de Estudos LIREC CAIXAS DE SOM Gabriela Lio Presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) Mariangela Fala Presidente da Fundação Maitreya e da Mesa Inter-religiosa de Roma Paula Cavallari Professor de história e filosofia, promoveu o Observatório Inter-religioso contra a violência contra as mulheres (OIVD) do qual é presidente. Swamini Hamsananda Ghiri Freira hindu e vice-presidente da União Hindu Italiana França Coen Co-presidente da Federação Italiana de Judaísmo Progressista e vice-presidente da Religiões pela Paz seção italiana. Elizabeth Nistri Presidente da Federação Feminina para a Paz Mundial-Itália Susana Giovannini Membro da Igreja Pentecostal Betel e do Grupo de Diálogo Inter-religioso pela Paz de Cosenza Marisa Iannucci Islamologista e ativista de direitos humanos. presidente da ônus vitalício. Os parceiros do evento são: a Associação Internacional para a Defesa da Liberdade Religiosa (AIDLR), a revista Consciência e Liberdade, o Observatório Inter-religioso sobre a Violência contra a Mulher (OIVD) e a Federação Feminina para a Paz no Mundo-Itália (WFWP). ...

Ler artigo
Relatórios GLAM

Relatórios GLAM

Saarah Yasmin Latif - foto tirada de 23 de maio de 2023 – Inauguramos um novo serviço intitulado “La GLAM sinaliza”. Dirigido pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), em colaboração com a agência de notícias NEV, consiste na divulgação de notícias e informações sobre, em particular, a Criação e a proteção do meio ambiente. Dupla oportunidade para os leitores do NEV, mensalmente. Para quem gosta de síntesea notícia em três linhas. Para quem gosta de aprofundarlinks para os materiais integrais, com artigos e documentos especificamente selecionados e/ou traduzidos para você pela GLAM. Corredores ecológicos para insetos polinizadores. Em que estágio está o projeto? Fotos e comentários sobre o projeto dos "corredores ecológicos". Ainda há muito trabalho a ser feito, pessoas a serem envolvidas, oásis a serem criados para permitir a livre circulação de insetos ao longo da bota. De Lampedusa a Bolzano, toda a Itália deve ter oásis que fazem tudo isso. Para solicitar o documento sobre o projeto polinizador com depoimentos e fotos, escreva [email protected] O "Desafio Verde do Ramadã" de uma geração do milênio Saarah Yasmin Latif ajuda as pessoas de todas as tradições religiosas a conectar sua fé com ações individuais e coletivas para sustentar a terra. Por exemplo, com o e-book gratuito Quarenta Hadiths Verdes: Provérbios do Profeta Maomé sobre justiça ambiental e sustentabilidade. Fonte: Revista Sojourners / leia aqui: Muçulmanos e o movimento ambientalista Islã e ecologia: "Meio ambiente, saúde e liberdade de crença como direitos invioláveis" A intervenção do professor Manuel Olivares no contexto da conferência do Centro de Estudos LIREC, realizada no dia 4 de maio passado na Pontifícia Universidade Salesiana. Do Ramadão "ecológico" às mesquitas "verdes", às dimensões éticas e filosóficas da atitude humana perante a natureza. Fonte: Islã e Ecologia; palestra na conferência LIREC (viverealtrimenti.com) Índia, a maior democracia do mundo. Pillay: "Levante-se, vamos juntos" Jerry Pillay fala de discipulado transformador, justiça, paz, emergência climática e novos modos de vida. "A Índia, por centenas de anos, mostrou ao mundo que a unidade na diversidade é possível e que as pessoas podem viver pacificamente em seu pluralismo religioso, étnico e linguístico". Anexo: Discurso completo do Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), Pastor Jerry Pillay, por ocasião da XXIX Assembleia Geral do Conselho Nacional de Igrejas da Índia. em italiano Em inglês ...

Ler artigo
“Estar enraizado no novo”.  Um documento ecumênico pós-Covid

“Estar enraizado no novo”. Um documento ecumênico pós-Covid

Roma (NEV), 21 de julho de 2020 - Até o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negro, aderiu a "Criar raízes no novo", o documento ecumênico para a era pós-Covid elaborado e proposto por um grupo de "cidadãos e cidadãs pertencentes a diferentes confissões cristãs" em Milão. O objetivo do documento é ajudar as comunidades a se questionarem e se comprometerem, tanto políticas quanto teologicamente, no rescaldo da pandemia, partindo da convicção de que a experiência que vivemos "com seu forte impacto traumático, mesmo na morte, tornou deixar cair a máscara ao tempo do passado recente, para nos mostrar os aspectos claramente patológicos do nosso estilo de vida pessoal e colectivo". “A pandemia pôs a nu o facto de vivermos juntos numa casa comum”, lê-se no texto, o que leva os redatores a sublinhar a interdependência que vivemos no nosso planeta e a pensar em termos de cooperação e solidariedade enraizada na justiça, na cuidado e sustentabilidade, em poucas palavras no que aprendemos a chamar de "ecologia integral". Entre a vontade de regressar à “normalidade” e a de enveredar por um caminho de regeneração, que caracterizou a era Covid, o documento exorta-nos a aproveitar “os kairòs, o momento certo, para agir e fazer bom uso dos nossos dons”. serviço do bem comum, fazendo a nossa parte, evitando sufocar prematuramente o desejo de renascer devido ao chamado insidioso de voltar à doentia 'normalidade' de antes". São cinco temas, Velha e Nova Pobreza-Refugiados, Migrantes e Cidadania-Saúde-Crise Ambiental, Cuidado e Salvaguarda da Criação-Europa, declinados segundo a ordem análises/compromisso/pedidos, que são analisados ​​e levados ao conhecimento do leitor . O documento também contém uma oração e uma seção bibliográfica que reúne artigos e documentos elaborados por diferentes entidades ou pesquisadores e especialistas nestes temas. Leia todo o documento AQUI. Para inscrições, escreva para [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.