Tempo de Criação.  Jubileu da Terra: novos ritmos, nova esperança

Tempo de Criação. Jubileu da Terra: novos ritmos, nova esperança

Roma (NEV), 3 de junho de 2020 – Em nome do Programa de Justiça Econômica e Ecológica do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) foi convidada a participar do webinar internacional do Tempo da Criação, intitulado “Jubileu para a Terra: novos ritmos, nova esperança”.

Entre outros, o coordenador estará presente Antonella Visintin, coordenador do GLAM. A iniciativa conta com vários parceiros, incluindo a Rede Cristã Europeia para o Meio Ambiente (ECEN).

O Tempo da Criação é um período litúrgico ecumênico que vai de 1º de setembro a 4 de outubro, que deu seus primeiros passos com a Assembleia Ecumênica Européia em Graz (Áustria) em 1997 e que envolve igrejas cristãs de todas as tradições em todo o mundo.

O webinar da Temporada da Criação 2020 será realizado no dia 8 de junho de 2020, das 16h às 17h30, e também será uma oportunidade para apresentar o novo guia de celebrações, disponível no site do CMI neste link:

O webinar internacional visa aumentar a conscientização e inspirar as igrejas a abordar o tema deste ano e é promovido pelo Comitê Diretor do Temporada da Criação. Será realizado em vários idiomas: inglês, espanhol, italiano, polonês, português.

Para se inscrever clique AQUI


caixas de som

Rute Valério – Tearfunds

Rei Crizaldo – Miquéias Global

Martin Kopp – Comissão de Ecologia e Justiça Climática da Federação Protestante Francesa

Pe. Joshtrom Kureethadam – Setor de ecologia e criação do dicastério vaticano para a promoção do desenvolvimento humano integral

Ruth Padilha de Borst – Sociedade Teológica na América Latina

eles moderam

pastor Chad Rimmer – Federação Luterana Mundial (FLM)

pastor Dave Bookless – Em Rocha


O cuidado com a criação é um daqueles aspectos da vida que merece atenção especial no período pós-coronavírus. Este ano, como nos anos anteriores, cristãos de todas as origens e tradições ao redor do mundo serão convidados a celebrar o Tempo da Criação.

A comissão diretiva ecumênica do Tempo da Criação, à qual também pertence o ECEN, preparou um guia litúrgico, que já está disponível para ampla utilização. O tema deste ano é “Jubileu pela Terra”. O convite para participar e organizar celebrações é dirigido a igrejas, paróquias e comunidades de todo o mundo. Várias iniciativas estão planejadas, incluindo webinars, serviços de oração, um grupo no Facebook, documentação detalhada e fotos.

Para acessar todos os materiais, acesse www.SeasonOfCreation.org

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

desafios e riscos, entre fé e ecologia

desafios e riscos, entre fé e ecologia

Foto NEV/er Roma (NEV), 20 de junho de 2022 – Recebemos e publicamos o relatório completo da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) que participou da 14ª Assembleia da Rede Cristã Europeia para o Ambiente (ECEN ). A Assembleia, intitulada “Os desafios que vivemos”, decorreu de 13 a 15 de junho. Entre os principais temas que surgiram estavam o risco de ecocídio e teocídio; a necessidade de transformação em todos os níveis, espiritual e prático; o desejo de esperança e reconciliação; justiça climática. Abaixo, a reportagem do GLAM. O contexto A European Christian Environmental Network (ECEN) é uma rede que trabalha em estreita colaboração com a Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e em colaboração com o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), bem como com o Conselho das Conferências Episcopais Católicas Romanas na Europa (CCEE). A ECEN costuma organizar uma Assembleia Internacional a cada dois anos. As Assembléias ECEN fornecem uma ampla plataforma ecumênica para cooperação e compartilhamento entre representantes das igrejas anglicana, ortodoxa, protestante e católica romana. A última Assembleia foi realizada em junho de 2021 em formato online e a anterior foi realizada em 2018 em Katowice, pouco antes da COP24 em que pela primeira vez Greta Thunberg falou em um escritório da ONU. Os fatores contextuais incluem as diferentes formas como a espécie humana continua a afetar o equilíbrio vital do planeta (incluindo a proliferação de guerras e sua crescente violência nos ecossistemas) e os efeitos em termos de poluição e mudanças climáticas. Comprometem-se tanto as temperaturas como o ciclo da água (e com ele a hidrelétrica) e a biodiversidade terrestre e marinha. Face aos compromissos que a ONU tenta arrancar aos Governos durante as Conferências das partes para as alterações climáticas, a mesma Europa que quer ser ambiciosa (o European Green Deal e o compromisso de alcançar a neutralidade climática até 2050) ainda considera as renováveis ​​como uma diversificação e não uma linha prioritária, mantendo uma dependência energética que corre o risco de passar para terras raras de combustíveis fósseis. A avaliação dos resultados alcançados pelos esforços dos governos a nível global para reduzir as emissões de CO2 6 anos após a assinatura do histórico acordo de Paris (COP21 2015, que entrou em vigor em 2016) e os novos dados científicos na avaliação do os progressos das alterações climáticas, apresentados no âmbito do 6.º Relatório de Avaliação do IPCC, são motivos de crescente preocupação. Nesta situação, o networking e a troca de experiências estão se tornando mais importantes do que nunca. A montagem Os objetivos da Assembleia ECEN definidos no convite foram: Oferecer um espaço de compartilhamento e intercâmbio de ações ambientais em igrejas na Europa e no mundo, e intensificar o trabalho das igrejas na Europa e a cooperação com parceiros, com atenção especial às preocupações dos jovens. Enfatizar a dimensão ética, espiritual e teológica do compromisso ambiental das igrejas. Destaque os esforços das Igrejas para uma ação global coordenada sobre mudança climática e desenvolvimento sustentável e apoie o tema do desenvolvimento sustentável e justiça ecológica na Assembleia do CMI 2022 agendada para setembro em Karlsruhe, Alemanha. Fornecer às igrejas orientação e apoio em seu trabalho ambiental e desenvolver sua capacidade de trabalhar em rede, cooperar e agir em conjunto. As intervenções Na sessão teológica introdutória, o arcebispo luterano sueco Karl Gustav Hammar (1943) expressou a urgência da mudança e o anúncio da esperança a partir de Romanos 12 e Filipenses 2. Devemos viver na tensão produzida por estar no mundo de forma crítica, não porque estejamos menos expostos ao pecado, mas pela fé , procurando fazer a vontade de Deus, para dar sinais do reino. Devemos deixar-nos guiar pela humildade, feita de justiça e simplicidade, para mudar o exterior. A teologia deve ser transformadora, kenótica (do grego kenosisesvaziamento), ecológico. Guiados pela fé, a teologia e a experiência nos dizem que é necessário um novo sistema econômico para superar o consumismo, a legitimação da posse baseada no ego, na propriedade e na violência. Rute Valério (da Zâmbia, para a Tearfund – uma agência cristã internacional de assistência e desenvolvimento com sede no Reino Unido) enfatizou que a transformação requer cooperação. Além disso, ele falou sobre o papel da impaciência na vida cristã. É tempo de enfrentar os desafios com a oração, a ação, o testemunho da esperança. Desafios que não são enfrentados com as mesmas ferramentas em diferentes contextos. E isso, segundo Valerio, produz injustiça climática. No debate, foi mencionado o tema do ecocídio, que está destruindo a resiliência da criação (David Colemann, Escócia). Fala-se também em “teocídio”, considerando que o espírito do mundo vem de Deus, é seu sopro; a extinção foi chamada de blasfêmia. Mais do que a sessão com deputados do Parlamento Europeu e com o diretor de A Rocha (1983, rede internacional de organizações ambientais de origem cultural cristã), a oportunidade de continuar a refletir sobre os fundamentos da nossa fé foi durante o dedicado painel no 11º Assembleia do Conselho Ecumênico (Karlsruhe, 31 de agosto – 8 de setembro). Durante esta sessão, de facto, emergiram os temas, em particular, da interpretação antropocêntrica das Escrituras, da fronteira entre o humano e o não-humano, do uso de mordomia em vez de parcerias e suas consequências. Em Karlsruhe, a Assembleia do Concílio Ecumênico deu a si mesma uma indicação cristológica (o amor de Cristo move o mundo rumo à reconciliação e à unidade). Presume-se que o foco no amor, na compaixão, na reconciliação, na cura e na unidade, no contexto de uma emergência de saúde global e de uma guerra multiterritorial, marcará seus documentos na história do Concílio Ecumênico. Foi dada especial atenção ao envolvimento dos jovens e às suas preocupações específicas relacionadas com o cuidado de um futuro sustentável. A estreita colaboração com o Conselho Ecumênico da Juventude da Europa e com a Federação Mundial de Estudantes Cristãos/Movimento Estudantil Cristão – Europa, foi parte essencial do processo. Além disso, durante a Assembleia, foram apresentados os materiais para o Tempo da Criação e as iniciativas do movimento sueco www.walkforfuture.se, criado para organizar a peregrinação de 103 dias rumo à COP26. Por fim, surgiu a preocupação com o futuro do ECEN, em particular no que diz respeito à decisão do CEC de alterar as suas relações organizacionais e financeiras, e de cooperar de diversas formas com as redes que gravitam para ele (ECEN, Rede de Ação da Igreja no Trabalho e na Vida ( CALL) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME). Os relatórios para a Assembleia estarão disponíveis em www.ecen.org Para saber mais Abaixo alguns links compartilhados no chat da Assembleia https://www.spiegel.de/wissenschaft/abstimmung-im-eu-parlament-vorschlag-zur-taxonomie-faellt-ueberraschend-durch-a-681ff121-6322-43eb-9379-34461966ffe2https://casa-comun-2022.de/ ...

Ler artigo
Dia Mundial de Oração 2019

Dia Mundial de Oração 2019

Detalhe da obra de Rezka Arnuš Roma (NEV), 20 de fevereiro de 2019 - Cultos e encontros de oração serão realizados em mais de 170 países ao redor do mundo por ocasião do Dia Mundial de Oração (GMP) 2019, uma iniciativa ecumênica consolidada organizada por mulheres e destinada a todas as comunidades . O material deste ano foi preparado pelas mulheres cristãs da Eslovênia. A data oficial do dia é sexta-feira, 1º de março, mas também serão realizados eventos e reuniões antes e depois. Na Itália, o GMP é organizado pelo comitê ecumênico presidido por Marialuisa Garçom, da Igreja Metodista de Trieste, que disse à agência NEV: “Até hoje, 20 de fevereiro, temos a adesão de mais de 40 grupos de mulheres de toda a Itália que celebrarão este Dia de Oração. Os materiais de preparação incluem um livrinho com a liturgia, o estudo bíblico, o programa da catequese, uma apresentação em Power Point e as fichas geo-históricas da Eslovênia - explica Cameriero -. Tudo pode ser solicitado enviando um e-mail para [email protected]. Na liturgia são apresentadas 5 mulheres do país, nascidas em diferentes períodos históricos; há quem tenha conhecido o socialismo comunista, depois da Segunda Guerra Mundial, a discriminação religiosa, até aos dias de hoje onde as mulheres ciganas vivem na marginalização social e sem perspetivas, para elas e para os seus filhos, de integração no trabalho e na sociedade”. O tema da Jornada Mundial de Oração 2019, intitulada "Vinde, tudo está preparado", é a parábola do grande banquete do Evangelho de Lucas 14, 15-24, onde Jesus compara o reino de Deus a um banquete. Jesus fala de um homem que havia convidado muitos convidados, mas todos recusaram o convite, com uma desculpa. O senhorio, cheio de indignação, decidiu então hospedar os pobres, marginalizados e deficientes em vez dos convidados, para que a festa ainda pudesse acontecer. A pintura do artista Rezka Arnuš para o Dia Mundial de Oração 2019 O pôster do GMP 2019 foi criado por Rezka Arnuš, artista com visão reduzida, e representa seu país em relação à história bíblica: ao centro, uma mesa repleta de especialidades do país; ao redor, mulheres eslovenas dançando em trajes tradicionais e pessoas com várias deficiências. As arrecadações arrecadadas por ocasião do GMP financiarão projetos na Eslovênia voltados para mulheres, incluindo vítimas de tráfico de pessoas, mulheres desfavorecidas e mães em dificuldade. Em particular, o produto das arrecadações do GMP italiano será doado ao projeto da ONG eslovena "Centro de luta contra o tráfico de seres humanos". “As mulheres receptoras vítimas de tráfico – prossegue Marialuisa Garçom – serão incluídos num curso de formação psicossocial, de saúde e profissional. A ONG também faz o possível para conseguir uma autorização de residência de longa duração”. O GMP nasceu em 1887 nos Estados Unidos da América no rescaldo da guerra de secessão, por iniciativa de um grupo de mulheres protestantes que envolveu mulheres de todas as confissões cristãs, dando vida a um movimento ecuménico mundial. ...

Ler artigo
De massacre em massacre.  Dez anos depois de Lampedusa

De massacre em massacre. Dez anos depois de Lampedusa

Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV), 6 de março de 2023 – A imagem é de partir o coração: uma praia com os destroços de um barco, alguns sapatos e um macacão de criança. Nada se sabe sobre o corpo que deveria conter, exceto que foi engolido pelo mar durante a última tragédia migratória, a que ocorreu em Cutro, perto de Crotone, na madrugada de 27 de fevereiro. Uma avaliação inicial assume quase 70 vítimas, mas teme-se um número muito maior.Cutro como Lampedusa, no ano em que teremos que recordar 10 anos desde o massacre de 3 de outubro de 2013, quando houve 368 vítimas. Estima-se que 26.000 migrantes morreram no Mediterrâneo em dez anos.Dez anos é muito tempo e 26.000 mortos são um fardo moral intolerável para a consciência italiana e europeia. Portanto, é possível e necessário nos perguntar o que tem sido feito para proteger a vida dos migrantes na rota do Mediterrâneo.Após o massacre de Lampedusa, foram ativados dispositivos de salvamento marítimo como o Mare Nostrum ou Sofia: unidades da Guarda Costeira, da Guardia di Finanza e, posteriormente, de várias marinhas europeias foram assim utilizadas para patrulhar as rotas migratórias e garantir o resgate no caso de um naufrágio. Foi uma temporada curta, contada em filmes e dramas de televisão que exaltaram o profissionalismo das forças militares italianas; capitães e capitães que presenciaram o nascimento de crianças a bordo tornaram-se heróis folclóricos expressando o espírito humanitário italiano. Nessa mesma fase intervieram as primeiras ONGs, associações privadas que lançaram unidades de busca e salvamento e, sempre naqueles anos, colaboraram eficazmente com os meios militares.Então, por volta de 2017, o clima mudou. A presença de navios de resgate em vez de uma guarnição humanitária tornou-se um "fator de atração" da imigração irregular, um ímã que, em vez de desencorajar as saídas, as encorajou. O fator pull – fator de atração – tornou-se a palavra-chave, esquecendo-se porém de outra: fator push. E é por isso que as pessoas estão dispostas a sacrificar qualquer dinheiro guardado e a confiar na cínica loteria de uma viagem organizada por criminosos sem escrúpulos. Por que eles fazem isso? porque são pais e mães inconscientes e irresponsáveis, como alguns ministros italianos moralmente fora do tempo e fora do lugar? Não, fazem-no porque estão desesperados, desprovidos da mais remota esperança de que a sua permanência na Líbia, nas zonas desertas da África subsaariana, nos campos de refugiados do Norte de África lhes garanta o mínimo para viver e olhar para o futuro .E assim começou a guerra contra as ONGs, desprezadas como "táxis marítimos", acusadas de cumplicidade com os contrabandistas.Assim chegamos a algumas semanas atrás, quando outro pacote de medidas definidas como "por segurança" complicou ainda mais as ações de resgate, alongou os tempos de cada operação de resgate e obrigou os navios a fazer longas viagens para chegar aos portos designados com base no o mais irracional dos critérios: o mais longe possível da zona crítica de salvamento.O resultado está diante de nós: menos navios em zonas de resgate, operações mais lentas e resgates mais difíceis. As vítimas de Cutro são consequência direta desse dispositivo. Aqueles que, por outro lado, acusam os migrantes de serem responsáveis ​​pelas mortes sobem em vidro ensaboado com argumentos ilógicos e desumanos.Nesse contexto, os corredores humanitários promovidos também pelas igrejas evangélicas italianas indicam um importante caminho, corroborado pelas recentes declarações da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que os citou como eixo estratégico das políticas europeias de imigração. Mas cuidado, corredores humanitários para alguns milhares de pessoas não podem ser o álibi de uma Europa que constrói muros e fecha fronteiras. Para se tornarem um eixo estratégico das políticas europeias de imigração, o número atual de corredores humanitários deve aumentar significativamente. Ao mesmo tempo, é ainda necessário reforçar os mecanismos de salvamento no mar, pelo menos até que os canais migratórios ordinários inutilizem as migrações irregulares. Isso sugere a lógica das coisas.Se, por outro lado, se prefere enfurecer-se com as vítimas, significa que perdemos não só o caminho da racionalidade, mas também o do direito e dos princípios humanitários. Aqui é possível ouvir a transmissão do Culto evangelico e em particular a transmissão do domingo, 5 de março de 2023. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.