Reflexões sob a égide do Exército de Salvação

Reflexões sob a égide do Exército de Salvação

Roma (NEV), 9 de agosto de 2022 – “Deus é… Em que palavra você pensou imediatamente? Nossa visão de Deus influencia a maneira como olhamos para nós mesmos, para os outros e para o mundo ao nosso redor”. É assim que o Exército de Salvação (EdS) apresenta uma série de episódios intitulada “Reflexões sob o guarda-chuva”.
Lançada com reel nas redes sociais da EdS, a série convida você a assistir e ouvir. “Neste verão, mergulhe na palavra de Deus”, diz a promoção.
De acordo com o Exército de Salvação, “é incrivelmente importante construir nosso alicerce sobre quem é Deus, com base nas verdades de Sua Palavra, e não no estado temporário de nossos sentimentos”.
Vários compromissos durante as semanas de verão, para aprender sobre as palavras e atributos de Deus: “Não importa quais tenham sido suas experiências com Deus, os cristãos ou a igreja, saiba disso: o Deus do universo criou você, Ele o ama e está procurando ativamente por você” escreve a EdS.
Para acompanhar as reflexões sob o guarda-chuva, pesquise nas redes sociais EdS.

As palavras exploradas até agora são: a trindade. A asseidade. Imutabilidade. O infinito. Santidade.


O Exército de Salvação (EdS)

A EdS é membro da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e nasceu na Inglaterra em 1865 por William Booth, um ex-pastor metodista, para atender às necessidades espirituais e materiais das massas do nascente proletariado industrial que lotava as grandes cidades da Inglaterra, exploradas naquela época além da imaginação. A sua organização, essencialmente episcopal, estrutura-se em torno da metáfora militar, de onde deriva o seu nome, “Exército de Salvação”, em inglês The Salvation Army, onde os membros são denominados “soldados” e os pastores “oficiais” com várias patentes (principalmente tenente, capitão e major). Na Itália, a EdS iniciou seus trabalhos em 1887, quando o capitão James B. Vint abriu o primeiro corpo em Roma. Em 1892, o próprio William Booth veio para a Itália e a obra rapidamente se espalhou para o norte, e depois para o sul, na Campânia, Puglia, Lucania, chegando finalmente à Sicília no primeiro pós-guerra. O reconhecimento como instituição moral pelo Presidente da República ocorreu em 1965. Em 2009 obtiveram o reconhecimento como associação de culto com o nome “Exército de Salvezza na Itália”. Hoje está presente em cerca de 40 localidades e conta com cerca de 2.000 fiéis.

Para visitar o site clique AQUI

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Esplendores e misérias da Copa do Mundo

Esplendores e misérias da Copa do Mundo

Foto de Lionel Andrés Messi tirada de seu site oficial, messi.com Roma (NEV), 19 de dezembro de 2022 – A vigésima segunda edição da Copa do Mundo da FIFA no Qatar terminou. Foi uma Copa do Mundo bastante polêmica, principalmente pelo número impressionante de trabalhadores que morreram durante a construção dos estádios e da infraestrutura necessária. Em um artigo de Pete Pattisson E Niamh McIntyre de 23 de fevereiro de 2021, em Guardião falou de 6.500 trabalhadores migrantes do subcontinente indiano que estão desaparecidos. Para fazer uma comparação, trinta e dois anos atrás, o boletim relativo da Itália '90 era de 24 mortos e 678 feridos, o que já era um número muito alto e inaceitável. Esta figura se eleva sobre todas as outras questões controversas. Entre eles, destaca-se o impacto ambiental de sete novos estádios, embora com todas as precauções para limitar as emissões, num país essencialmente sem campeonato nacional de futebol: a expressão “catedral no deserto” nunca pareceu tão adequada . Além disso, há a questão da corrupção direta ou indireta, do tipo “investir em mim vai render para você”. As notícias que nos chegam do Parlamento Europeu não são reconfortantes deste ponto de vista. Por último, mas não menos importantehá a questão dos direitos humanos, em particular no que diz respeito aos cidadãos estrangeiros (ou seja, 87% da população do Catar), mulheres e homossexuais. Questões polêmicas monumentais, que deram origem nos países ocidentais a movimentos que pedem o boicote à Copa do Mundo. Esses movimentos tiveram adesão considerável, mas sucesso limitado. De fato, as partidas do Catar 2022 tiveram público adequado para o evento e uma das finais mais emocionantes já vistas em campo. O Catar merecia sediar a Copa do Mundo? Não, não era. Por outro lado, o mesmo pode ser dito da Itália 1934, Argentina 1978 e Rússia 2018, três ocasiões para os respectivos regimes se mostrarem belos e respeitáveis ​​aos olhos do mundo. O mesmo poderia ser dito para a atribuição dos Jogos Olímpicos. A esse respeito, lembro que se falava em suborno de membros do Comitê Olímpico Internacional com o objetivo de atribuir as Olimpíadas de Inverno de 2002 a Salt Lake City. Talvez o Qatar 2022 deva ser uma oportunidade para refletir sobre nossa sociedade. De facto, sem o consentimento dos países ocidentais e da confederação mais forte, nomeadamente a UEFA, decisões tão importantes não são tomadas. A UEFA tem um grande poder político e há poucos dias conseguiu, por exemplo, obter o monopólio do jogo de futebol nos países da União Europeia, instituição que tem no livre mercado e na livre concorrência uma das suas bandeiras. Ou seja, sem o apoio dos “nossos” países e dos nossos representantes eleitos democraticamente, a Copa do Mundo não teria acontecido na Rússia (que já ocupava o Donbass) e no Catar. Diante do grande número de mortes relacionadas ao trabalho e das condições dos trabalhadores estrangeiros no Catar, a pergunta que devemos fazer não é “Que tipo de sociedade existe no Catar”, mas “Que tipo de sociedade somos nós?” O presidente da FIFA, Gianni Infantino, e ex-vice-presidente do Parlamento Europeu, Eva Kaili (presos por terem recebido dinheiro de um "país do Golfo", segundo o Ministério Público de Bruxelas) tiveram um jogo fácil para dizer que as críticas da Europa ao Qatar são hipócritas, dadas as milhares de pessoas que mata no Mediterrâneo. E precisamente a alegada corrupção das instituições europeias evidencia a forte permeabilidade da nossa sociedade, economicamente viciada e fundada na dívida pública e privada, relativamente a quem tem reservas monetárias ou energéticas inimagináveis, como a Rússia ou o Qatar. Longe de mim dizer que morar na Itália ou no Catar é a mesma coisa. A questão é que em nossa fatia do mundo, que muitas vezes reivindica uma primazia moral, com igrejas, partidos e movimentos que reivindicam as raízes cristãs de nossa civilização, agora falta uma cultura de confissão do pecado, que foi substituída por uma cultura de repressão. Refiro-me à confissão do pecado no sentido protestante, ou seja, aquela consciência da própria insuficiência e maldade que só pode esperar o perdão na intervenção sobrenatural de Deus. Já a cultura da repressão é autoabsoluta: «Eh, o mundo é assim; o que posso fazer sobre isso?” É por isso que a Copa do Mundo é um sucesso de qualquer maneira. É por isso que o governo do futebol tem esse poder. É por isso que o dinheiro se torna o ídolo a ser adorado e obtido a qualquer custo. Estamos prontos para nos indignar com os contratos milionários dos jogadores de futebol, mas a cultura da repressão bloqueia as verdadeiras questões: "Quem tem dinheiro para pagar 100 milhões de dólares por ano por um jogador como Kylian Mbappé? Como ele conseguiu o dinheiro? O que há para ele?" Talvez a resposta a essas perguntas nos assuste, porque no final nos leva a nos questionarmos e como aceitamos uma sociedade injusta. O futebol, como tudo o que move as massas, deve ser objecto de uma análise cuidada e séria, precisamente porque nos diz quem somos. Quando desprezamos o futebol, nos colocamos fora de nossa sociedade de forma irresponsável. Quando toleramos violência, homofobia, misoginia nos estádios, toleramos violência, homofobia, misoginia em nossa sociedade. O estádio é o espelho e o ginásio do que acontece lá fora. Neste quadro sombrio, porém, não podemos afastar a luz que emana do futebol, uma luz que atrai bilhões de pessoas a um espetáculo litúrgico, vivido de forma espiritual. É a luz da redenção de comunidades esquecidas e marginalizadas; é a luz dos heróis dessas comunidades, que não são divindades que desceram do céu, mas pessoas que "conseguiram" das periferias do mundo. Ontem assistimos ao culminar da extraordinária carreira de Lionel Messi, terceiro filho (de quatro) de uma trabalhadora e de uma faxineira. Ele mostrou algum talento futebolístico quando criança, mas aos 11 anos foi diagnosticado com hipopituitarismo, uma glândula pituitária com defeito, com consequências potencialmente graves para o crescimento e desenvolvimento. Nenhum clube na Argentina estava disposto a pagar os cerca de US$ 1.000 por mês necessários para tratar aquela criança, mas na Europa o Barcelona se ofereceu para apoiar seu tratamento, fazendo com que ele e sua família se mudassem para a Espanha. O grande sucesso como futebolista profissional no Barcelona fez com que fosse alvo de várias invejas, que o atingiram com comparações injustas: «Nunca serás como Diego Armando Maradona: ele era D10svocê no máximo é Pulga!» Ontem “A Pulga” Lionel Andrés Messi ergueu a Copa da FIFA aos céus. Será retórica, será fumo construído pelos patrocinadores, mas como não ver aquela luz que brilha apesar da corrupção, da hipocrisia e por vezes da gestão criminosa do futebol e da nossa sociedade? Pedro Ciaccio ...

Ler artigo
Por que somos bem-vindos – Nev

Por que somos bem-vindos – Nev

Roma (NEV), 20 de abril de 2022 – Os primeiros dias de acolhida às famílias ucranianas que chegaram da Polônia há poucos dias, por iniciativa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Ontem realizou-se o segundo encontro do curso de formação online dedicado às famílias e comunidades de acolhimento, "Acolher os que fogem da guerra". Maria Elena Lacquaniti com a jovem ucraniana e as duas crianças, acolhidas pelos batistas de Civitavecchia, à chegada a Roma Nós conhecemos Maria Elena Lacquanitibatista e membro da GLAM, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente da FCEI, membro da igreja batista de Civitavecchia que hospeda uma jovem mãe com dois filhos pequenos, recém-chegados a Roma na última quinta-feira. “Decidimos acolher – explicou – porque sempre o fizemos. Já há alguns anos recebemos em uma casa nossa um casal nigeriano, que acompanhamos em todas as suas dificuldades por cerca de dez anos, desde o desembarque em um navio em Civitavecchia, até 2020, quando se tornaram totalmente independentes”. Nigerianos como os dois meninos recentemente recebidos em Palermo pelo centro valdense La Noce, depois de terem sido rejeitados por uma família que se dispôs a acolher pessoas que fugiam da Ucrânia. Mas há alguma diferença? “Não há diferença, não pode haver. Infelizmente, porém, tenho percebido que existe uma forma de acolhimento com algumas ressalvas em função da cor da pele…”, acrescentou Lacquaniti. Quais são as expectativas e emoções do anfitrião? “Sinto-me tranquila, mas lembro-me sempre que estamos a receber pessoas que estão a sofrer, de desconforto grave, de emergência. Tampouco me preocupei quando quis recebê-lo em nossa casa, mesmo que pequena – concluiu -. Esperamos poder iluminar de alguma forma o futuro dessas pessoas”. A mãe e os dois filhos foram acolhidos em uma estrutura da igreja batista de Civitavecchia e toda a comunidade está envolvida no processo de acolhimento. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Migrantes, evangélicos italianos para igrejas protestantes da UE: “Solidariedade e compromisso”

Migrantes, evangélicos italianos para igrejas protestantes da UE: “Solidariedade e compromisso”

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 10 de novembro de 2022 - Uma carta às igrejas protestantes em toda a Europa pedindo "solidariedade e compromisso" no acolhimento de migrantes. A iniciativa vem da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que há poucos dias em nota também se manifestou contra a “seleção” de pessoas a serem desembarcadas em território italiano. “O novo governo italiano – explicou Paulo Naso, pessoa de contacto para as relações institucionais e internacionais do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI - adoptou recentemente uma política ilegal e imoral para gerir o desembarque de refugiados dos vários navios de ONGs envolvidos em operações de busca e salvamento. Esta política é triste e insustentável. A intenção do governo de permitir “pousos seletivos” acabou fracassando, mas estamos profundamente preocupados com possíveis desenvolvimentos políticos negativos. Faremos o possível, mas é claro que o problema é europeu”, conclui Naso. Segue abaixo o texto da carta – em italiano e abaixo em inglês – assinada pelo presidente da FCEI, Daniele Garronee dirigido às igrejas irmãs e comunidades protestantes em toda a Europa, no qual se refere à parábola do bom samaritano: Queridas irmãs, queridos irmãos em Cristo, Escrevo da Itália onde, mais uma vez, assistimos ao desembarque de milhares de migrantes resgatados por ONGs engajadas em operações de busca e salvamento no mar. Evangelicamente, sou o próximo homem ferido que encontramos na estrada "que desce de Jerusalém para Jericó" (Lucas 10:30). Muitas vezes não respondemos a essas mulheres, homens e crianças que batem à nossa porta. Escrevo para pedir o apoio de suas igrejas para uma ação conjunta de pressão sobre seus governos para que assumam suas responsabilidades no acolhimento das cotas programadas de refugiados que desembarcam na Itália ou em outros países mediterrâneos. Hoje não temos justificativas: sabemos muito bem do que fogem, de quais tragédias e de quais violências e, tanto por razões evangélicas quanto pela tradição de proteção dos direitos humanos que caracteriza a União Europeia, devemos levantar a voz e rejeitar projetos ilegais , imorais e insustentáveis ​​como os "muros" em defesa da fortaleza Europa, os "bloqueios navais", as rejeições de refugiados, os obstáculos colocados no caminho de quem faz busca e salvamento no mar. A Itália, tal como a Grécia, Espanha e Malta são os países mais expostos a esta pressão migratória que, em determinadas épocas do ano, atinge picos excepcionalmente elevados. Pela nossa parte, estamos empenhados em acolher e recompensar o nosso Governo por operar dentro da legalidade europeia e na tradição humanitária que tem caracterizado o nosso país. No entanto, a Itália e os outros países mais expostos não podem ficar sozinhos. A questão da migração não é italiana nem espanhola, mas europeia e, como tantas vezes já dissemos, a Europa – a nossa Europa – começa em Lampedusa. Para isso pedimos o seu empenho e a sua solidariedade. Ao mesmo tempo, queridas irmãs, queridos irmãos, propomos mais uma vez uma ação conjunta para promover aqueles "corredores humanitários" que salvaram milhares de vidas humanas nos últimos anos. Esta proposta enquadra-se perfeitamente nos compromissos europeus de abrir "caminhos complementares" para abrir vias legais e seguras para os refugiados acederem aos países onde pretendem asilo. Unidos na fé, na oração e no testemunho do Senhor que ama e salva a humanidade, renovamos nosso apoio a todas as igrejas irmãs e agências ecumênicas que trabalham no setor de migração. Neste espírito de fraternidade evangélica, espero que seja possível trabalharmos juntos. fraternalmente Prof. Passado. Daniele Garrone, presidente da FCEI Prezadas irmãs e irmãos em Cristo,Escrevo da Itália onde, mais uma vez, apoiamos o desembarque demilhares de migrantes resgatados por ONGs envolvidas em missões de busca e salvamento no mar. Comogente de fé, reconhecemos os que estão no mar como nossos próximos, feridos na beira do caminho, ao encontrá-los no caminho “que desce de Jerusalém para Jericó” (Lc 10,30). Muitas vezes deixamos de atender a essas mulheres, homens e crianças que batem à nossa porta.Estou escrevendo para pedir o apoio de suas igrejas em um chamado conjunto à ação, urgentemente seugovernos assumam a responsabilidade por sua cota designada de chegada de refugiados à Itália e outros países mediterrâneos. Agora não temos mais desculpas: conhecemos bem as violações dos direitos humanos e os atos de violência dos quais as pessoas são forçadas a fugir para chegar às nossas costas.Nosso mandato cristão nos obriga a responder, assim como o compromisso da União Européia de proteger os direitos humanos. Elevamos nossa voz coletiva em dissidência contra os mecanismos ilegais, imorais e inaceitáveis ​​que atuam como “muros de proteção” para defender uma “fortaleza europeia”. Opomo-nos aos sistemas de dissuasão, bloqueios navais, retrocessos e obstáculos impostos contra refugiados que buscam resgate no mar. Os países da Itália, Grécia, Espanha e Malta enfrentam pressões para responder aos fluxos migratórios, testemunhando números especialmente altos de chegadas durante determinadas épocas do ano. Da nossa parte, comprometemo-nos a receber e acolher e apelamos ao nosso governo para que opere dentro das leis e práticas europeias de acordo com a longa tradição humanitária mantida pelo nosso país. No entanto, a Itália e os outros países de resposta direta não podem ser deixados sozinhos. As questões que giram em torno da migração dizem respeito à Europa como um todo, não apenas à Itália ou à Espanha, e reiteramos a afirmação de que a Europa– a nossa Europa – começa em Lampedusa. Por isso pedimos hoje o seu empenho e solidariedade.No mesmo fôlego, queridas irmãs e irmãos, pedimos mais uma vez um apelo conjunto à ação, para promover os corredores humanitários que proporcionaram segurança a milhares de vidas humanas nos últimos anos. Esses corredores estão em perfeito alinhamento com o compromisso europeu de abrir e expandir caminhos complementares e aumentar a passagem segura e legal para os refugiados chegarem aos países onde podem solicitar asilo.Unidos na fé, na oração e no testemunho público do Senhor que ama e salva a humanidade, reafirmamos nosso apoio a cada uma das igrejas irmãs e agências ecumênicas que participam do trabalho de serviço aos migrantes. Nesse espírito de unidade cristã, espero que trabalhemos juntos.Seu em Cristo,Daniele Garrone ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.