Um mês após o terremoto na Síria e Türkiye

Um mês após o terremoto na Síria e Türkiye

İskenderun, Hatay, Türkiye. Foto de Çağlar Oskay, unsplash

Roma (NEV), 6 de março de 2023 – 45 mil mortos, segundo outras estimativas até 50 mil. 580.000 crianças deslocadas, segundo a Unicef. Passou um mês desde o sismo que devastou vastos territórios entre a Turquia e a Síria a 6 de fevereiro e as consequências, com os holofotes apagados e todas as pessoas salvas que foi possível retirar dos escombros, são dramáticas.

E também estamos começando a entender qual será o impacto econômico do terremoto. De acordo com as últimas estimativas do Banco Mundial, os danos materiais chegariam a 5,1 bilhões de dólares somente na Síria. Um valor considerado preliminar: os danos são estimados entre 2,7 bilhões e 7,9 bilhões, enquanto os custos de reconstrução podem dobrar. Danos a edifícios residenciais representariam quase metade do total, um terço atribuível a edifícios não residenciais e pouco menos de um quinto dos danos à infraestrutura, como estradas ou sistemas de eletricidade e água. Em outro relatório divulgado no início da semana passada, o Banco Mundial também estimou os danos à propriedade somente na Turquia em pelo menos US$ 34,2 bilhões.

Após o terremoto, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália lançou uma assinatura para arrecadar fundos para intervenções em favor das populações.

Mais de 43 mil euros, até à data, o valor angariado. Como eles serão usados?

“Estamos presentes no Líbano há anos como Mediterranean Hope (MH), o programa de migrantes e refugiados da Federação – declara marta bernardini, coordenadora do MS – ; por isso temos buscado formas de ajuda próximas aos locais onde atuamos, sobretudo para a população síria, que já apoiamos através do trabalho da Medical Hope e dos corredores humanitários. Pensamos, portanto, em envolver as realidades já ativadas no campo humanitário e nossos contatos com o mundo sírio”.

Parte dos fundos será, portanto, doada à Sirian Eyes, uma organização sem fins lucrativos ativa no campo nas áreas da Síria afetadas pelo terremoto. Esta realidade é uma das referências da Nation Station, uma bomba de gasolina requalificada pelos cidadãos, após as explosões no porto de Beirute em agosto de 2020, que se tornou um polo cultural e um centro social onde decorrem diversas atividades e onde a Esperança Mediterrânica está constantemente presente.

Uma segunda organização que receberá ajuda das igrejas evangélicas na Itália se chama Sams Syria e lida principalmente com assistência médica e de saúde. E nas próximas semanas, os operadores da FCEI no Líbano vão continuar a perceber como usar os restantes fundos, que atividades apoiar e também como poder intervir directamente, se possível, em particular nos aspectos sanitários da emergência, o fio comum da intervenção da Medical Hope.

“Queremos aproveitar esta oportunidade para agradecer a quem apoiou e continua a apoiar esta iniciativa, iremos constantemente atualizar sobre o que podemos fazer no nosso pequeno caminho”, declara o secretário executivo da FCEI, pároco Luca Baratto.

Na verdade, as inscrições estão sempre abertas e quem quiser contribuir pode encontrar as referências no final deste artigo*.


Além da iniciativa da FCEI, recordamos o compromisso das igrejas metodista e valdense, que destinaram 500.000 euros do Otto por mil para a população atingida pelo terremoto.


A Medical Hope é financiada principalmente por igrejas batistas italianas. A Esperança Mediterrânea e os corredores humanitários, criados pela FCEI com os Valdenses Tavola e Diaconia, são promovidos com fundos provenientes em grande parte do Otto per mille Valdensian.


*Perdoar:

razão para “assinatura do terremoto Türkiye – Síria – Líbano”

Conta corrente em nome da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália
Unicredit Bank – Via Vittorio Emanuele Orlando, 70, 00185 Roma
IBAN: IT26X0200805203000104203419
BIC: Bic/rápido: UNCRITM1704

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Corredores humanitários da Líbia, Garrone: “A Constituição nos ensina. Acolher a todos”

Corredores humanitários da Líbia, Garrone: “A Constituição nos ensina. Acolher a todos”

Foto de Benedetta Fragomeni Roma (NEV), 1º de julho de 2022 - "As Constituições comprometem nossas nações a uma postura precisa: honrar a vocação civil e cultural contida em nossas Cartas" é o significado de projetos como os corredores humanitários, que, portanto, "não devem ser considerados como a atividade de pessoas dispostas, ou almas piedosas”. Ele disse isso esta manhã Daniele Garrone, presidente da FCEI, que através do seu programa para migrantes e refugiados, Mediterranean Hope, e juntamente com o ACNUR, Tavola Valdese e S. Egidio, promoveu e implementou corredores humanitários. Teve lugar ontem à noite, 30 de junho, a chegada do segundo voo da Líbia ao aeroporto de Fiumicino, no âmbito de um protocolo assinado com os Ministérios dos Negócios Estrangeiros e do Interior. “Porque a seca, a crise climática, as guerras vão continuar. Portanto, esta é uma resposta razoável e sensata a uma tendência em andamento. E é algo a dizer à política, em particular à Europa”, acrescentou Garrone. Por fim, uma referência à Ucrânia e à solidariedade demonstrada nos últimos meses para com a população que foge da guerra: "conseguimos acolher milhões deles, porque há evidentemente refugiados que nos mobilizam mais do que outros... Se forem" de nossas", se estiverem um pouco menos distantes”, comentou o presidente das igrejas protestantes. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=pSW3fn5dhz0[/embed] "Pedimos ao Parlamento italiano que restabeleça com urgência a figura do Fiador da Imigração cancelada por Bossi-Fini - disse Marco eu vou recheado, presidente do S.Egídio – : precisamos mobilizar as forças da sociedade civil para ampliar os caminhos humanitários e jurídicos. Pedimos para estender o instrumento de corredores humanitários também aos migrantes econômicos, que aumentarão devido à guerra na Ucrânia; pedimos para alargar o conceito de reagrupamento familiar, que é essencial para a integração. Por fim, pedimos ao governo que amplie o decreto de escoamento, que ainda é insuficiente. O sistema italiano está com déficit de pessoal”. Charlote Sami, porta-voz do ACNUR na Itália, sublinhou que "formas seguras de proteção são mais necessárias do que nunca em um mundo que em junho deste ano ultrapassou o limiar trágico e terrível dos 100 milhões de pessoas que foram forçadas a deixar suas casas, entre os deslocados e refugiados. Um número recorde que nunca havia sido registrado antes. Cerca de metade das pessoas que chegaram ontem, maioritariamente de origem eritreia e sudanesa, serão acolhidas por igrejas protestantes: nove serão acolhidos na Sicília, em Scicli, pela Casa das Culturas da FCEI, e 34 no Piemonte e outras regiões do norte, pela Diaconia Valdense. O programa de corredores humanitários implementado pelas igrejas evangélicas é financiado pelo Otto per mille da Igreja Valdense e Metodista. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Mulheres e a Bíblia” no início, boom de matrículas

Mulheres e a Bíblia” no início, boom de matrículas

Arquivo. 9 de março de 2015, assinatura no Senado do Apelo Ecumênico contra a violência promovido pela FDEI. Foto Elena Ribet Roma (NEV), 12 de março de 2021 – Atualmente, há 159 inscrições para o curso de teologia online "Violência e poder: mulheres e a Bíblia", que começa no domingo, 14 de março. Estamos falando de 159 homens e mulheres, católicos e protestantes, entre diáconos, teólogos, universitários, professores. Além disso, pastores probatórios, estudantes de faculdades teológicas, candidatos ao ministério e pessoas de diversas origens ecumênicas. Por exemplo, representantes de igrejas latino-americanas, de uma faculdade pontifícia, da Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI), da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Algumas inscrições vêm da Suíça, Argentina e Colômbia. Nos círculos protestantes e reformados, as inscrições vieram de áreas batistas, valdenses, luteranas, metodistas, do Exército de Salvação (SE), bem como de igrejas adventistas e pentecostais. Foto do cartaz do FDEI – detalhe. Imagem de Silvia Gastaldi – aquarela Ester O curso é organizado e promovido pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). “Este é o sinal claro de uma necessidade que se faz presente – declarou o presidente da FDEI, pároco Gabriela Lio -. Estou muito feliz com essa incrível variedade de inscritos. A esperança é que este seja apenas o começo”. Essa necessidade de conhecimento nasce do desejo “de uma abordagem diferente, uma abertura à leitura dos textos bíblicos para redescobrir contextos e histórias que obscureceram o feminino por séculos – continuou Lio -. O trabalho do FDEI é assim. Contra a violência contra a mulher, sempre, e à luz da palavra”. O curso será ministrado por corinne lanoirestudioso da Bíblia e professor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Protestante de Paris, e por Letizia Tomassoneteóloga, professora do curso de "Estudos Feministas e de Gênero" na Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Os encontros serão realizados no Zoom de 14 de março a 9 de maio de 2021. Para informações, escreva para [email protected] As pessoas inscritas no curso receberão referências bíblicas e bibliografia aprofundada para cada encontro, além do link para se conectar à plataforma zoom onde será possível interagir com dúvidas e comentários. Os não inscritos ainda poderão acompanhar o curso em vídeo aula, diferido, na página do Facebook da igreja valdense em Florença, neste link. Segue abaixo o calendário de reuniões. Baixe o cartaz do curso de Teologia Bíblica em pdf 1ª REUNIÃO Como lemos a Bíblia. Até as matriarcas sofrem violência de gênero 14 de março das 17:00 às 19:00 zoom 2ª REUNIÃO Histórias de violência e patriarcado 28 de março das 17:00 às 19:00 zoom 3ª REUNIÃO O silêncio das mulheres 18 de abril das 17:00 às 19:00 zoom 4ª REUNIÃO Violência econômica e de poder 9 de maio das 17:00 às 19:00 zoom A Federação de Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) é um movimento de mulheres pertencentes às igrejas batista, metodista, valdense e outras organizações de mulheres na área evangélica (luteranas, adventistas, Exército de Salvação e Igreja Reformada do Ticino). Organiza e participa em iniciativas conjuntas com organizações de mulheres protestantes a nível internacional e mantém relações com organizações de mulheres católicas e seculares a nível nacional e local. Entre as iniciativas, a promoção do Apelo Ecumênico contra a violência contra as mulheres, assinado pela Igreja Católica, a Federação das Igrejas Protestantes da Itália, a Sagrada Arquidiocese Ortodoxa da Itália e Malta, a Diocese Ortodoxa Romena, a administração das paróquias da Patriarcado de Moscou, Igreja Ortodoxa Copta, Igreja Apostólica Armênia, Igreja Católica Bizantina Ucraniana, Igreja Católica Nacional Polonesa dos Estados Unidos da América e Canadá. ...

Ler artigo
Diário da Assembléia-Sínodo Batista, Metodista e Valdense

Diário da Assembléia-Sínodo Batista, Metodista e Valdense

Roma (NEV), 22 de agosto de 2022 – No coração dos vales valdenses no Piemonte, mais precisamente na Torre Pellice, as vozes protestantes das igrejas batista, metodista e valdense se entrelaçam. Reunidas aqui desde domingo, 21 de agosto, as delegações trabalham para fazer um balanço de mais de 30 anos de colaboração. E lançar as bases para o futuro, sob a bandeira de oportunidades cada vez maiores de intercâmbio, encontro, reconhecimento mútuo e unidade de propósito. Os temas: problemas éticos colocados pela ciência. Fé, gênero e sexualidade. Adoração e liturgia. Relações Ecumênicas. Formação Pastoral. Estas igrejas reformadas estão a fazer um caminho simultaneamente voltado para fora, através de trabalhos diaconais, serviços pessoais, relações de ajuda, apoio e cuidado, luta contra a pobreza e a injustiça, construindo uma cultura sobre temas ecológicos e teológicos… E um caminho para dentro, de renovação das respectivas identidades, para alimentar as respectivas raízes. Como ele observa Sara Tourn em seu editorial sobre Riforma, é também "o momento de olhar 'para dentro' e, falando de colaborações territoriais, formação, multiculturalismo, e depois batismo, evangelização, tentar responder à pergunta básica: como e por que continuar esta comunhão viagem”. O trabalho em andamento na Torre Pellice em uma sessão conjunta batista, metodista e valdense está repleto de debates e reflexões. A votação de uma moção programática final está marcada para amanhã. Existem muitas iniciativas paralelas. Abaixo estão os links para mais informações. “Deus é um artista. Deus é um poeta" – A apresentação do livro de Paulo rico "Deus. Apologia”, narrado por Pedro Ciaccio. É o décimo segundo volume da editora Claudiana “I libri di Paolo Ricca”. O autor foi apresentado pelo pastor batista Lydia Maggi, que apresentou o texto, escreve Ciaccio, “como uma mão estendida, que conta sinteticamente o mundo que tentou emancipar-se de Deus e da visão de Deus das outras religiões. No meio há uma reflexão que olha para o horizonte bíblico, para recuperar uma 'gramática' para falar de Deus”. Autismo: um "espectro" que não assusta - De Samuel Rev. Na consulta pré-sinodal “Frontiere Diaconali” foi explorado o tema dos transtornos do espectro do autismo. Organizado pela Diaconia Valdense. Jovem de idade e de espírito – De Gian Mario Gillio. O pré-sínodo da Federação da Juventude Evangélica na Itália (FGEI). Música, jogos, ideias… e a “beleza de mil vozes”. Descolonizando o olhar sobre as migrações – De Cláudio Geymonat. Pré-Sínodo da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.