Finalmente “algumas boas notícias” – Nev

Finalmente “algumas boas notícias” – Nev

Roma (NEV), 12 de novembro de 2020 – Chama-se “Boas novas. O Evangelho de Marco feito sob medida para você” o livro recém-lançado, fruto do trabalho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), do Serviço de Educação e Educação (SIE*) da própria FCEI e de Claudiana Editrice. O texto é o Evangelho de Marcos em edição especial facilitada, também indicada para crianças com Dificuldades Específicas de Aprendizagem (DSA), repleta de ilustrações, mapas, insights e curiosidades. “Uma boa notícia” foi apresentada online no passado dia 12 de novembro, num encontro promovido pela FCEI com a Riforma e apresentado pelo coordenador do SIE Gian Mário Gillio.

O pároco e secretário executivo da FCEI Luca Barattomoderador do debate na web, explicou que “o protestantismo sempre sentiu que deveria quebrar todas as barreiras que poderiam impedir um relacionamento com a Bíblia”.

Para Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que assinou a apresentação do volume, o texto é “um trabalho de divulgação, que visa devolver o Evangelho de Marcos aos leitores, não só para pessoas com dificuldades de aprendizagem, mas que é muito adequado para aqueles que estão totalmente em jejum do mundo dos Evangelhos. Uma ferramenta verdadeiramente válida para a evangelização”.

“Ler todo o evangelho não é uma experiência comum, mesmo para quem frequenta a igreja”, acrescentou. Eugênio Bernardini, presidente da editora Claudiana, que distribui este volume. Para Bernardini, “a esperança é que seja o quarto mais vendido da história entre Claudiana e FCEI. De fato, há 50 anos foi lançado “Conte a Bíblia para seus meninos”, que fez grande sucesso na Itália e também recebeu um prêmio na exposição editorial infantil de Bolonha – e foram anos em que os protestantes eram menos conhecidos do que hoje. O segundo best-seller chegou anos depois, em 1998, “O povo do livro”, 10 mil exemplares, mas o terceiro foi o maior sucesso, “O povo da Bíblia: vida e costumes”, traduzido em 8 idiomas, impresso em 200 mil exemplares. Aqui então esperamos como Claudiana que também este livro possa continuar este caminho positivo”.

Patrícia Barbanotti, professor primário, formado em História da Igreja e em Ciências Bíblicas e Teológicas pela Faculdade Valdense de Teologia de Roma, é o editor dos textos do volume. “Quem lê um trecho tem as ferramentas para lidar com todo o texto – disse -. Nossa esperança é que isso faça você querer ler tudo. Além disso, para nós que trabalhamos neste projeto tem sido uma lição de humildade poder simplificar o texto para pessoas que têm um léxico mais limitado. Esperamos ter contribuído para uma operação de alfabetização, trabalho que deveria ser feito também com muitos outros textos do Antigo Testamento, para transmitir sua beleza”.

Ao lado de Barbanotti, Eric Noffke, que supervisionou o texto bíblico. Em um vídeo, o professor de Novo Testamento da Faculdade Valdense de Teologia em Roma e presidente da Sociedade Bíblica Italiana explicou o motivo da escolha do Evangelho de Marcos “para começar com este que esperamos que se torne uma série para ajudar os leitores a entrar na Bíblia “, como “é um evangelho “simples por natureza”, nascido precisamente para dar testemunho desta “boa nova”. Noffke também sublinhou “a dimensão ecumênica deste projeto, a partir da tradução da Bíblia italiana da Reforma”.

E justamente por falar em ecumenismo, ela também falou no encontro online Silvia Guetta, professor da Universidade de Florença, estudioso da história da educação judaica, que apreciou “o compromisso com o diálogo, para criar pontes”. “O que mais me impressionou – explicou – é a grande atenção na dinâmica relacional – na escuta e na fala – muito importante, um clima de relacionamento ativo com os discípulos, agora mais do que nunca assume um significado significativo”.

Aqui fica o link para comprar o livro, cada exemplar custa 14,5 euros.


*A SIE é o setor especializado na formação bíblica das jovens gerações no espírito ecumênico, da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Assim a ecoteologia une os cristãos

Assim a ecoteologia une os cristãos

Foto Riccardo Chiarini / Unsplash Roma (NEV), 14 de julho de 2020 - Mais um encontro com o pensamento protestante no Interris.it, graças à entrevista de James Galeazzi pastora Daniela DiCarlo. Daniela DiCarlo Os temas delineados vão do ecumenismo à unidade entre os cristãos, passando pela bioética e pela violência contra a mulher. Da necessidade de uma "conversão ecológica" a uma autocrítica corajosa em relação aos caminhos ainda por trilhar, o pastor Di Carlo identifica alguns marcos que podem fazer a diferença no caminho cristão, mas também em geral na sociedade como um todo . “Certamente ainda não é hora de falar sobre recepção eucarística ou sacerdócio feminino – começa Di Carlo -. Porém, é muito importante que as igrejas, unidas, digam uma palavra radical sobre a criação”. Leia a entrevista com Daniela Di Carlo em Interris.it. ...

Ler artigo
Franzoni, o ecumenismo e as igrejas ‘aproximadas’

Franzoni, o ecumenismo e as igrejas ‘aproximadas’

Roma (NEV), 12 de novembro de 2018 – A conferência "História e Profecia: O Legado de João Franzoni. A comunidade cristã de base de São Paulo comemora Giovanni Franzoni em seu nonagésimo aniversário". Entre as várias iniciativas, uma mesa redonda na sala de teatro da Abadia de San Paolo fuori le Mura que contou com a presença do pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). “Giovanni Franzoni foi certamente um mestre – começou Negro em seu discurso -. Tive o privilégio de trabalhar ao lado dele primeiro como jovem editor do Com Nuovi Tempi e depois como diretor do Confronti. Mestre em jornalismo e mestre em heresia; e depois um irmão mais velho na fé, que me ensinou sobretudo a sempre me questionar profundamente, a não me contentar com fórmulas óbvias, estereótipos. Me pediram para falar sobre o ecumenismo de Giovanni, o que não é fácil porque Franzoni pouco escreveu sobre ecumenismo e pouco se preocupou em teorizá-lo, mas o viveu, principalmente a partir daquela experiência de ecumenismo prático que foi a revista Com Nuovi Tempi”. Negro passou então a citar um artigo do Confronti de 1991, intitulado "Por uma igreja aproximada", no qual Franzoni refletia sobre a relação entre as comunidades populares e o protestantismo, a partir de seu discurso feito dias antes na Assembleia da FCEI em Santa Severa . Na nota Franzoni propôs uma nova classificação das igrejas sujeitas ao ecumenismo distinguindo entre igrejas dogmáticas, igrejas tautológicas e igrejas 'aproximadas'. “Segundo João, somente as franjas 'heréticas' das igrejas podem tornar o ecumenismo real – disse Negro – porque colocam a abordagem do mistério da salvação manifestado no Evangelho acima da auto-reprodução ou conservação das igrejas eles mesmos. Comunidades de base e igrejas protestantes, nos moldes dessa igreja 'aproximada', poderiam e deveriam fazer mais juntas. Sonhava com uma espécie de federação, ou melhor, sonhava com nossas igrejinhas acolhendo as comunidades de base. Mas foi um sonho um tanto difícil de realizar. No entanto, acredito que sua visão de uma igreja 'aproximada' permanece muito atual”, concluiu. A reunião também contou com a presença Luís Sandri, Paolo Lojudice, Alberto Melloni, Marinella Perroni, Ana Maria Marlia. O ator Marco Baliani leu trechos do livro de Franzoni "A terra é de Deus. Na sala, entre outros, o fundador do Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX) John Novelli e monsenhor Louis Bettazzi. ...

Ler artigo
Ucrânia.  Cessar-fogo e negociações agora, convocação da Cúpula dos Povos

Ucrânia. Cessar-fogo e negociações agora, convocação da Cúpula dos Povos

Roma (NEV), 12 de junho de 2023 – A Cúpula Internacional pela Paz na Ucrânia intitulada "Se você quer paz, construa a paz" terminou ontem em Viena, Áustria. Na Cúpula Internacional dos Povos também representantes da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e do Interfaith Centre for Peace (CIPAX). Cerca de 400 pessoas de 40 países reuniram-se trazendo a voz de movimentos, redes pela paz e ONGs, incluindo a Emergência. Quarenta e oito horas antes do início da conferência global de paz, a reserva do local anfitrião foi abruptamente cancelada. Acusado de "suspeita de propaganda", a iniciativa, no entanto, ocorreu apesar das tentativas de censura. Na declaração final, os organizadores pedem a paz por meios pacíficos, um cessar-fogo imediato e negociações. “Somos uma coalizão ampla e politicamente diversa que representa movimentos pela paz e a sociedade civil, incluindo crentes, em muitos países. Estamos firmemente unidos na crença de que a guerra é um crime contra a humanidade e que não há solução militar para a crise atual”, diz o documento. A referência a "representantes de fés" ​​foi apoiada por Maria Elena Lacquaniticoordenadora do GLAM, da Christine Mattiello E Luciano Ardesirespectivamente presidente e vice-presidente da CIPAX, ed. Eric Luzzetti da Igreja Baptista, para sublinhar o empenho de mediação que as religiões podem (e devem?) realizar para a resolução dos conflitos a todos os níveis. Por fim, a Cúpula convida a sociedade civil de todos os países a se unir em uma semana de mobilização global de sábado, 30 de setembro a domingo, 8 de outubro de 2023. Abaixo segue a íntegra da Declaração. Paz por meios pacíficos. Cessar-fogo e negociações agora! Nós, os organizadores da Cúpula Internacional da Paz na Ucrânia, conclamamos os líderes de todos os países a apoiar um cessar-fogo imediato e negociações para acabar com a guerra na Ucrânia. Somos uma coalizão ampla e politicamente diversa que representa movimentos pela paz e a sociedade civil, incluindo pessoas de fé, em muitos países. Estamos firmemente unidos na crença de que a guerra é um crime contra a humanidade e que não há solução militar para a crise atual. Estamos profundamente alarmados e tristes com a guerra. Centenas de milhares de pessoas foram mortas e feridas, e milhões estão deslocadas e traumatizadas. Cidades e vilas em toda a Ucrânia, assim como o ambiente natural, foram destruídos. Mortes e sofrimento muito maiores ainda podem ocorrer se o conflito escalar para o uso de armas nucleares, um risco que é maior hoje do que em qualquer outro momento desde a crise dos mísseis cubanos. Condenamos a invasão ilegal da Ucrânia pela Rússia. As instituições criadas para garantir a paz e a segurança na Europa falharam e o fracasso da diplomacia levou à guerra. Agora, a diplomacia é urgentemente necessária para acabar com o conflito armado antes que ele destrua a Ucrânia e coloque a humanidade em perigo. O caminho para a Paz deve assentar nos princípios da segurança comum, do respeito internacional pelos direitos humanos e da autodeterminação de todas as comunidades. Apoiamos todas as negociações que possam fortalecer a lógica da paz em vez da ilógica da guerra. Afirmamos nosso apoio à sociedade civil ucraniana na defesa de seus direitos. Comprometemo-nos a fortalecer nosso diálogo com aqueles na Rússia e na Bielo-Rússia que arriscam suas vidas para se opor à guerra e proteger a democracia. Convidamos a sociedade civil de todos os países a se juntar a nós em uma semana de mobilização global (sábado, 30 de setembro a domingo, 8 de outubro de 2023) para um cessar-fogo imediato e negociações de paz para acabar com esta guerra. Viena, 11 de junho de 2023 "Todos devemos fazer a nossa parte para cumprir a tarefa da paz"(Albert Einstein) A Cimeira tem entre os seus organizadores o International Peace Office (IPB), Codepink, Assembleia do Fórum Social Mundial, Transform Europe, Europe4Peace, International Federation of Reconciliation (IFOR), Peace in Ukraine, Campaign for Peace Disarmament and Common Security (CPDCS). . Entre os organizadores e apoiadores locais: Action Alliance for Peace, Active Neutrality and Nonviolence (AbFaNG), Institute for Intercultural Research and Cooperation (IIRC), WILPF Austria, ATTAC Austria, IFOR Austria, ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.