Finalmente “algumas boas notícias” – Nev

Finalmente “algumas boas notícias” – Nev

Roma (NEV), 12 de novembro de 2020 – Chama-se “Boas novas. O Evangelho de Marco feito sob medida para você” o livro recém-lançado, fruto do trabalho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), do Serviço de Educação e Educação (SIE*) da própria FCEI e de Claudiana Editrice. O texto é o Evangelho de Marcos em edição especial facilitada, também indicada para crianças com Dificuldades Específicas de Aprendizagem (DSA), repleta de ilustrações, mapas, insights e curiosidades. “Uma boa notícia” foi apresentada online no passado dia 12 de novembro, num encontro promovido pela FCEI com a Riforma e apresentado pelo coordenador do SIE Gian Mário Gillio.

O pároco e secretário executivo da FCEI Luca Barattomoderador do debate na web, explicou que “o protestantismo sempre sentiu que deveria quebrar todas as barreiras que poderiam impedir um relacionamento com a Bíblia”.

Para Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que assinou a apresentação do volume, o texto é “um trabalho de divulgação, que visa devolver o Evangelho de Marcos aos leitores, não só para pessoas com dificuldades de aprendizagem, mas que é muito adequado para aqueles que estão totalmente em jejum do mundo dos Evangelhos. Uma ferramenta verdadeiramente válida para a evangelização”.

“Ler todo o evangelho não é uma experiência comum, mesmo para quem frequenta a igreja”, acrescentou. Eugênio Bernardini, presidente da editora Claudiana, que distribui este volume. Para Bernardini, “a esperança é que seja o quarto mais vendido da história entre Claudiana e FCEI. De fato, há 50 anos foi lançado “Conte a Bíblia para seus meninos”, que fez grande sucesso na Itália e também recebeu um prêmio na exposição editorial infantil de Bolonha – e foram anos em que os protestantes eram menos conhecidos do que hoje. O segundo best-seller chegou anos depois, em 1998, “O povo do livro”, 10 mil exemplares, mas o terceiro foi o maior sucesso, “O povo da Bíblia: vida e costumes”, traduzido em 8 idiomas, impresso em 200 mil exemplares. Aqui então esperamos como Claudiana que também este livro possa continuar este caminho positivo”.

Patrícia Barbanotti, professor primário, formado em História da Igreja e em Ciências Bíblicas e Teológicas pela Faculdade Valdense de Teologia de Roma, é o editor dos textos do volume. “Quem lê um trecho tem as ferramentas para lidar com todo o texto – disse -. Nossa esperança é que isso faça você querer ler tudo. Além disso, para nós que trabalhamos neste projeto tem sido uma lição de humildade poder simplificar o texto para pessoas que têm um léxico mais limitado. Esperamos ter contribuído para uma operação de alfabetização, trabalho que deveria ser feito também com muitos outros textos do Antigo Testamento, para transmitir sua beleza”.

Ao lado de Barbanotti, Eric Noffke, que supervisionou o texto bíblico. Em um vídeo, o professor de Novo Testamento da Faculdade Valdense de Teologia em Roma e presidente da Sociedade Bíblica Italiana explicou o motivo da escolha do Evangelho de Marcos “para começar com este que esperamos que se torne uma série para ajudar os leitores a entrar na Bíblia “, como “é um evangelho “simples por natureza”, nascido precisamente para dar testemunho desta “boa nova”. Noffke também sublinhou “a dimensão ecumênica deste projeto, a partir da tradução da Bíblia italiana da Reforma”.

E justamente por falar em ecumenismo, ela também falou no encontro online Silvia Guetta, professor da Universidade de Florença, estudioso da história da educação judaica, que apreciou “o compromisso com o diálogo, para criar pontes”. “O que mais me impressionou – explicou – é a grande atenção na dinâmica relacional – na escuta e na fala – muito importante, um clima de relacionamento ativo com os discípulos, agora mais do que nunca assume um significado significativo”.

Aqui fica o link para comprar o livro, cada exemplar custa 14,5 euros.


*A SIE é o setor especializado na formação bíblica das jovens gerações no espírito ecumênico, da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

OvershootDay, recursos de 2023 concluídos.  Comissão GLAM: mitigar não basta

OvershootDay, recursos de 2023 concluídos. Comissão GLAM: mitigar não basta

Foto de Dikaseva / Unsplash Roma (NEV), 16 de maio de 2023 – A Itália esgotou todos os recursos para o ano de 2023. E estamos apenas em maio. É chamado dia de ultrapassagem e significa o “dia da vitória”. A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) intervém com um texto por ocasião deste triste recorde, não só na Itália. Em 15 de maio, a Itália, juntamente com as Bahamas e o Chile, figura entre os 29 países que alcançaram oultrapassagem, ou a data em que se esgotam os recursos disponibilizados pelo planeta para o ano corrente. Faltam apenas 4 meses e duas semanas para o início do ano, confirmando a tendência de consumo de biocapacidade de 2021 e 2022, replicando assim um modelo que há mais de vinte anos consideramos inaceitável: produção, consumo, produção, consumo…. O que é ainda mais preocupante é que a pegada ecológica do nosso país não está entre as piores. Atrás de nós outros 28 países, à frente de outros 33 com melhor pegada ecológica ou com maior biocapacidade, liderados pela virtuosa Jamaica que ultrapassagem em 20 de dezembro. O que é desanimador é que dos 28 países à nossa frente, 15 são europeus, acompanhados pelo Canadá, Estados Unidos da América, Austrália, Japão, Rússia, Israel, Catar, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e alguns notoriamente ' países 'pobres'. Estamos, portanto, a falar daquela parte do mundo onde se concentra toda a riqueza financeira do planeta, esse mundo dito 'evoluído, civilizado, emancipado' e rico mas que, poderíamos acrescentar, parece carecer de visão e perspectiva. Perante esta realidade paradoxal e difícil de inverter, hoje não queremos centrar a atenção nos hábitos de um único indivíduo que continuamente apelamos à consciencialização, mas sim voltarmo-nos para as responsabilidades dos governos, olhar para as políticas daqueles países que, como o nosso, declaram em termos de sustentabilidade, as oportunidades que advêm do financiamento, nomeadamente por exemplo o Plano Nacional de Recuperação e Resiliência (PNRR) que movimenta enormes capitais. Como sabemos, está centrado na “digitalização, revolução verde, transição energética, mobilidade sustentável”, formalmente no cumprimento da sustentabilidade social e ambiental que envolve o cumprimento e adoção de medidas fiscalizadoras no setor de compras no que diz respeito à infiltração da máfia e regras de rebate , mas é necessário monitorizar tanto o impacto das obras individuais e o seu consumo de solo, como, a montante, a sua necessidade e utilidade para o bem comum. Portanto, supervisione os projetos que serão implementados e dê a máxima atenção ao setor financeiro, acendendo o sinal vermelho para as empresas, indústrias e, principalmente, setores de comércio intensivos em energia. Não podemos continuar fazendo com que gerem lucros com promessas de conversões que na verdade são transações lavagem verdede aparência. O objetivo de mitigação (e ainda mais de adaptação) em relação ao dia de saturação da biocapacidade e das mudanças climáticas não é suficiente. É necessário ser mais ambicioso, entrando no mérito das escolhas de políticas industriais e urbanísticas para aumentar a biocapacidade, por um lado, e reduzir a pegada ecológica, por outro. Não desistamos, continuemos acreditando que a mudança é possível e que, como gritam os jovens de sexta-feira nas praças, não existe planeta B, lembrando que no ano passado modificamos os artigos 9º e 41º da Constituição, para fortalecer o direito à bem-estar das gerações vindouras. Um significado ampliado para os crentes, onde a geração é toda a Criação. A Comissão GLAM ...

Ler artigo
“Os direitos humanos são a coisa mais importante”

“Os direitos humanos são a coisa mais importante”

Martin juge. Foto FLM/Albin Hillert Roma (NEV/CELI CS11), 30 de abril de 2021 – É o convidado de honra do Sínodo Luterano, totalmente digital pela primeira vez e encerrando amanhã. Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), trouxe ao Sínodo uma profunda reflexão sobre o sistema. Papel da igreja, direitos humanos, ecumenismo, tradição e inovação, justiça de gênero. Estas são apenas algumas das palavras-chave usadas por Junge, que falou para quase 100 pessoas reunidas para a 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Título do atual Sínodo: “Continuidade, mudança, futuro. Misericórdia como responsabilidade da Igreja". O secretário da FLM, Junge, falou da misericórdia como uma "preocupação evangélica profundamente espiritual" e dos direitos humanos como "o desenvolvimento cultural e histórico mais importante do século XX". A pandemia questionou os sistemas e o conceito de liberdade. Além disso, no contexto atual, é necessário defender-se prontamente contra a intolerância, o ódio e a violência. Fenômenos que parecem estar crescendo e estão chamando as igrejas e a sociedade como um todo para intervir. A indiferença, para Junge, é um dos males de nosso tempo. “A misericórdia é a antítese da indiferença”, diz o secretário-geral, que nos chama a superar estes tempos “de competição implacável e lutas raivosas pela supremacia ou sobrevivência”. “Você já amou o seu próximo o suficiente?” Essa é uma das questões sobre as quais Junge quis refletir, lembrando que na história esse é o “pedido constante de Jesus diante da violência, da exclusão e da opressão”. Um pedido de amor e justiça. O próprio Jesus lutou "diante da mulher adúltera, do publicano, das crianças, da estrangeira siro-fenícia, e sempre fez a pergunta implícita ou expressa abertamente: onde está a misericórdia?" Quebre o ciclo da violência E é «o que representa, em última análise, a cruz de Cristo, a última tentativa de Deus de afastar a desgraça de nós, seres humanos, de quebrar o ciclo da violência, da exclusão e da marginalização, com o próprio Deus a expor-se e a entregar-se a esta violência e marginalização ao portas da cidade de Jerusalém". Trabalho com refugiados Quando cerca de 50 milhões de refugiados estavam em movimento na Europa após a Segunda Guerra Mundial, o Serviço Mundial da WLF foi estabelecido. As igrejas luteranas em todo o mundo ainda hoje colaboram na ação humanitária global no espírito da caridade cristã. Junge usou palavras de apreço pelo trabalho diaconal na Itália, incluindo o chamado "Dublinati", e acrescentou: "Seu trabalho na área está em maravilhosa harmonia com nosso trabalho global. Sim, mais do que isso, nosso trabalho global, com quase 3 milhões de pessoas que apoiamos todos os anos em parceria com a Agência das Nações Unidas para Refugiados, pega seu trabalho e o expande em escala global. […] junto com as 148 Igrejas membros da FLM vocês fazem parte integral deste trabalho”. O futuro da igreja Junge então abordou grandes questões atuais, incluindo a crise de valores na Europa e além: solidariedade, democracia, estado de direito, direitos humanos, liberdade de imprensa. “Um silêncio insuportável caiu sobre os direitos humanos hoje. Ainda os considero a mais importante conquista cultural e histórica do século passado. A ausência deles abre a porta para o arbítrio, violência e terror, um pesadelo para todos os que vivem vidas estigmatizadas e oprimidas e, em última análise, um pesadelo para todos sem distinção”, continuou Junge. “Precisamos de fundamentos confiáveis, um sistema de coordenadas que nos ajude a classificar a imensurável complexidade da vida, dos relacionamentos e das diversas áreas da vida em que nos movemos. A incerteza e o medo se espalharam. E onde isso acontece – continuou o secretário –, o tom da interação fica mais áspero. As sociedades se polarizam em campos opostos, muitas vezes em uma irreconciliabilidade dissonante. Vivemos em uma época em que parece difícil viver Junto. Da proximidade passamos à inimizade. Da cooperação ao confronto. Vivemos em uma era de crescente alienação uns dos outros. E então a pandemia vem e joga tudo em mais confusão.” Quanto às perspectivas para as igrejas, Junge disse: “O futuro da igreja não está em seu passado. A pretensão de querer ser igreja hoje como foi igreja ontem falhará”. E, citando um teólogo americano de origem eslovaca, disse: “A tradição é a fé viva de pessoas que já morreram, à qual podemos acrescentar nosso capítulo, desde que tenhamos o dom da vida. O tradicionalismo é a fé morta de pessoas vivas que temem que todo o edifício desmorone se você o mudar”. gênero Finalmente, em seu discurso articulado, Junge abordou os temas da justiça de gênero e do ecumenismo, também do ponto de vista teológico. Sobre o tema “gênero”, Junge concluiu: “A questão da justiça de gênero está profundamente enraizada na mensagem libertadora de Jesus Cristo e, portanto, é uma questão relevante e importante que a Igreja deve abordar neste momento”. E agora, na Itália, a Comissão de Justiça do Senado agendou a discussão do projeto de lei Zan (ddlZan) contra a discriminação e a violência com base na orientação sexual, gênero, identidade de gênero e capacidade (após discussões acaloradas e alegações obscuras que duraram semanas). No contexto italiano, portanto, ressoam com particular força as palavras de Junge: "Em última análise, trata-se de compreender a que tipo de partilha nos conduz a mensagem libertadora de Jesus Cristo, que no fundo diz que Deus nos acolhe e nos liberta para viver nossas vidas, não com base no que fazemos ou em quem somos, mas com base em quem Deus é e no que Deus faz por nós em Jesus Cristo. Esta é a mensagem central da justificação somente pela fé. […] O Apóstolo Paulo diz em sua carta aos Gálatas, lembrando à comunidade que as diferenças e categorias existentes com as quais tentamos distinguir, separar e às vezes subordinar as pessoas umas das outras são, do ponto de vista de Deus, irrelevantes, senão contrárias ao que fez em Cristo: nem grego nem judeu, diz Paulo, nem escravo nem livre, nem mulher nem homem, mas um em Cristo (Gálatas 3:28)”. Questão de números? Finalmente, o secretário-geral da Federação Luterana Mundial Junge também mencionou os temas da reconciliação, da Ceia do Senhor, das feridas ainda abertas entre confissões e possíveis saídas. E falou de números, uma questão que se faz sentir particularmente num contexto minoritário como o das igrejas luteranas e protestantes na Itália, mas “se o crescimento só é o horizonte da Igreja… algo está errado. O importante são os conteúdos, é com eles que queremos chegar ao maior número de pessoas. Primeiro vem o conteúdo, depois o crescimento. Não o outro". Para saber mais: leia a entrevista com Martin Junge Leia o discurso completo de Martin Junge no Sínodo Veja todos os especiais do Sínodo Luterano 2021 ...

Ler artigo
Cardeal Zuppi, Garrone: “Um companheiro de estrada”

Cardeal Zuppi, Garrone: “Um companheiro de estrada”

Cardeal Matteo Maria Zuppi, Arcebispo de Bolonha, Presidente da Conferência Episcopal Italiana, do site chiesacattolica.it Roma (NEV), 26 de maio de 2022 – Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, enviou ao cardeal Mateus Maria Zuppinomeado presidente da Conferência Episcopal Italiana, uma carta de votos para o novo cargo. “Queira receber nossas saudações fraternas pelo importante e certamente nada fácil serviço à sua Igreja à qual você foi chamado – lê-se na carta -. Muitas foram as ocasiões em que representantes das nossas Igrejas, a vários níveis, já a puderam encontrar, encontrando nela não só uma interlocutora solícita, mas uma companheira de caminhada no caminho da comum vocação cristã; também por isso sua nomeação nos alegrou. Estamos confiantes de que, sob a sua presidência, o caminho ecumênico realizado nos últimos anos, também em termos de acolhida aos migrantes, salvaguarda da criação e da liberdade religiosa na Itália e no mundo, poderá continuar e se desenvolver. Por favor, considere a Federação disponível para estudar juntos a possibilidade de novos caminhos para nos ajudar a desenvolver nossa comunhão ecumênica”. Finalmente, uma referência à Bíblia. “Nós vos saudamos – conclui Garrone – com o texto do Antigo Testamento (Sl 92, 14ss.) que o lecionário “Um dia uma Palavra” indica para hoje, a Ascensão de nosso Senhor Jesus Cristo: [Quelli che sono] plantados na casa do Senhor, florescerão nos átrios do nosso Deus. Na velhice ainda darão frutos,serão verdes e viçosos, para anunciar quão justo é o Senhor..." ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.