A sabedoria subversiva das mulheres.  Vídeo

A sabedoria subversiva das mulheres. Vídeo

Foto por DESIGNECOLOGIST – Unsplash

Roma (NEV), 13 de abril de 2021 – As mulheres vivem “à margem das religiões, mas têm grande sabedoria”. A pastora diz isso Letizia Tomassoneapresentando o encontro organizado e promovido pela associação “Il Granello di Senape” de Pistoia.

O encontro, intitulado “A sabedoria subversiva das mulheres”, contou com a participação de Antonieta Poderosa, Marisa Iannucci E França Coen.

O pastor Tomassone, na introdução, quis trazer uma lembrança do filósofo Elena Pulcinique desapareceu no dia 9 de abril devido à covid, aos 71 anos.

Elena Pulcini “Ela lidava com o ambiente e os relacionamentos – diz Tomassone -. Ele nos deu muito sobre a ética do cuidado, sobre como cuidar também do nosso planeta. Sem o qual qualquer discurso sobre justiça não pode ter espaço. Lamentamos que Elena não esteja mais entre nós – continua o pároco -, mas também somos muito gratos pelo que ela nos deixou. E pensamos que seu pensamento pode render frutos na elaboração de uma saída para esse impasse em que nos encontramos hoje”.

Nestes tempos de violação de todos os direitos, e em particular dos direitos das mulheres, o encontro sobre a Sabedoria da Mulher quer partilhar reflexões que atravessam a sociedade e as religiões. Os direitos das mulheres, reiteram as organizadoras, “são direitos humanos”.

No final desta página publicamos o link para a gravação completa da consulta.

No vídeo você pode ouvir as palavras sobre o “caminho da alegria” de Antonieta Poderosa. O teólogo fala sobre a responsabilidade da mulher. E da “paixão feminina”, aquela que deseja “um banquete para todos, um espaço para todos. A paixão por descobrir o mistério, por sair dessa mentalidade monolítica que fez estragos a nível político, na geografia mundial e a nível religioso”.

Marisa Iannucci, especialista em direito, economia política e feminismos muçulmanos, trata do tema do imamato feminino. “A palavra feminina precisa ser pública, para explorar o que há de ambíguo e abusado nas fontes – afirma a estudiosa -. Precisamos subverter a ideia de que os homens lideram e as mulheres seguem. Um passo à frente foi dado com cursos para ministros de culto muçulmanos, mas são iniciativas de ministérios e universidades. Ainda há muito o que fazer nas comunidades, apesar do fato de que a história islâmica está repleta de biografias de mulheres estudiosas e juristas. Estamos diante de uma regressão perigosa”. No entanto, lembra Iannucci, “a autoridade da sabedoria no Islã não é hierárquica”.

França Coen, co-presidente da Federação Italiana de Judaísmo Progressista, menciona as rabinas, a situação italiana e os Acordos, “que do ponto de vista político criam diferenças profundas”. E fala, por isso, de tectos de cristal (ou pergaminho), de protesto e subversão, nestes termos: “às mulheres é pedido não só que estudem e aprendam, mas também que actuem. Para criar nossos próprios modelos através dos quais podemos fazer com que nossas interpretações originais sejam compreendidas”.


O encontro também contou com a colaboração do grupo “Diálogo Judaico-Cristão Islâmico (DECI)” de Florença. O DECI é um grupo de diálogo inter-religioso formado por membros da comunidade judaica, das igrejas protestante, católica e ortodoxa e da comunidade islâmica de Florença.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Histórias sem fim.  O podcast.  Quaresma ou Tempo da Paixão?

Histórias sem fim. O podcast. Quaresma ou Tempo da Paixão?

Foto Sam Bloom - Unsplash Roma (NEV), 17 de março de 2021 – Este episódio do podcast "NEVerending stories", o podcast da agência de notícias NEV, é dedicado ao tempo da paixão, o período de espera pela Páscoa que na tradição cristã também é chamado " Quaresma". Por que as igrejas protestantes preferem chamar esse período litúrgico de "Tempo da Paixão"? Conversamos sobre isso com o pastor Luke Elderscom o reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau e com Maria Elena Lacquanitida Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. ...

Ler artigo
Estamos prontos, e você?

Estamos prontos, e você?

Roma (NEV), 9 de maio de 2022 – “Estamos prontos e vocês?” é a campanha lançada hoje pela revista e centro de estudos Confronti, pela Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e pelos Italianos Sem Cidadania, para pedir que a lei da cidadania, conhecida como "Ius Scholae", seja votada no Parlamento até o final da legislatura. Os signatários da campanha acreditam que “chegou a hora de as forças políticas que se disseram a favor da lei, muitas vezes fazendo dela uma bandeira, tomarem as providências necessárias para serem coerentes com os compromissos assumidos”.A campanha começa com uma carta aberta ao Primeiro-Ministro, Mario Draghi, e às forças políticas que compõem o governo dispostas a votar a lei. Entre os primeiros signatários Edith Bruck, Oliviero Toscani, Paolo Fresu, Gad Lerner, Luigi Manconi, Igiaba Scego, Corrado Augias, Maurizio Ambrosini, Valerio Carocci, Orchestra of Piazza Vittorio, Little Orchestra of Tor Pignattara, Roberto Zaccaria, Mohamed Keita, Giacomo Marramao. Após o lançamento, a campanha de recolha de assinaturas vai continuar com o objetivo de envolver o maior número possível de cidadãos. O apelo diz: "Pedimos que nos ouçam e dêem o passo que há anos hesitam em dar: aprovar uma lei que nos reconheça como seus concidadãos, irmãs e irmãos de uma República que na sua Constituição reconhece os direitos fundamentais direitos de todos os cidadãos "sem distinção de sexo, raça, língua, religião, opiniões políticas, condições pessoais e sociais" (Art.3)". “Aguardamos a resposta da política – declararam os promotores da campanha –, mas não apenas com as declarações de circunstância: desta vez esperamos que a lei seja agendada no Parlamento o mais rapidamente possível e levada a votação. No dia que a gente votar, aí a gente vai fazer uma grande festa na praça com todo mundo, inclusive os políticos. Até então, permanecemos vigilantes e esperando." A lei, se entrasse em vigor, permitiria que homens e mulheres muito jovens, que cresceram e estudaram na Itália durante anos, adquirissem a cidadania italiana. “Centenas de milhares de pessoas, de estudantes, à espera de poder dar o seu contributo para o crescimento do país como cidadãos; e nós com eles”, concluíram os promotores. Você pode se inscrever na campanha acessando o site www.noisiamoprontievoi.it. ...

Ler artigo
Corpos brancos e corpos negros

Corpos brancos e corpos negros

Noom Peerapong, unsplash De Pedro CiaccioMembro do Conselho da FCEI, Presidente da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” – Giovanni não sabe para qual mulher olhar: a melancólica e deprimida Lídia ou a jovem e cheia de vida Valentina? Vamos falar sobre A noite por Michelangelo Antonioni. A câmera consegue transmitir o charme de ambos. sensualidade de Lídia (Jeanne Moreau) e Valentina (Monica Vitti) está fechada no rosto: nos olhos, na boca, nos cabelos. O dilema de Giovanni (Marcello Mastroianni) é o de uma burguesia hipocritamente casta, que tolera a infidelidade conjugal, mas não a sexualidade vulgar (adjetivo negativo que deriva, não por acaso, do latim Vulgoisto é, pelo povo como uma classe inferior). Antes mesmo de Valentina entrar em cena, Giovanni e Lídia vagam pela noite milanesa e vão a uma boate onde se apresentam uma dançarina e uma dançarina contorcionista: ele de cueca, ela de cueca e sutiã. Ambos são negros: seus corpos estão expostos à câmera. Faz parte do espetáculo uma brincadeira que a mulher joga com uma taça de vinho, que passa entre os pés, pernas, braços, até que o vinho seja bebido pela dançarina de cabeça para baixo, tudo acompanhado por um sax travesso. Enquanto isso acontece no palco, Lídia bebe e compõe sua bebida em um copo comum. Corria o ano de 1961 e talvez agora seja difícil rastrear os nomes das duas dançarinas negras, o que não é relatado nas várias páginas da internet dedicadas a A noite. Quem sabe quem eram, de onde vinham, quanto ganhavam. Quem sabe se eles apareceram em outros filmes. No entanto, seus corpos estavam mais expostos do que os rostos de Moreau e Mastroianni. Hoje não prestamos mais atenção a isso, mas, contorcionismo à parte, nem Moreau, nem Vitti, nem Mastroianni poderiam ter se mostrado assim, pelo menos não antes de dez anos. Qual era a diferença entre Jeanne Moreau e a dançarina anônima? A cor da pele que, no caso de Moreau, coincidia com a do público a quem o filme se destinava. É claro que o corpo branco deve ser tratado com modéstia, enquanto o corpo negro pode ser facilmente exibido: enfim, “eles” não andam nus na África? Mesmo em um grande filme como A noite de um diretor sensível como Antonioni, o corpo negro e anônimo se oferece ao olhar do público branco, está à disposição do olhar branco. Imagine o que poderia acontecer em filmes mais "comerciais". Podemos pensar que isso foi um pecado dos anos sessenta, del estrondoda Itália burguesa que quer ser "Italietta". Mas basta ligar um noticiário hoje para ver, por exemplo, os rostos de crianças pixeladas, que ficam irreconhecíveis, protegidas do olhar do público. Claro, progresso. Mas essas são crianças brancas; e o que acontece com as crianças negras? Os seus rostos e, mais uma vez, os seus corpos são expostos, e muitas vezes por aqueles que trabalham por eles, pelas associações e organizações que trabalham para ajudar e apoiar as pessoas mais desfavorecidas. Quase todas as campanhas de combate à fome na África mostram corpos negros. Eles não têm nome, podem estar desnutridos ou sorridentes e saudáveis, mas o que importa é que são negros. Quem é o destinatário dessas imagens? O olhar branco. Assim como em 1961. Este fim de semana será realizada a primeira edição do Festival de Cinema de Rosarno, uma pequena tentativa de sair dessa dicotomia preto-branco, porque não é uma lei da natureza que as imagens devam ser oferecidas principalmente ao olhar branco. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.