Corredores humanitários, 97 refugiados afegãos chegaram hoje a Roma

Corredores humanitários, 97 refugiados afegãos chegaram hoje a Roma

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI)

Roma (NEV), 23 de fevereiro de 2023 – Hoje, quinta-feira, 23 de fevereiro, um grupo de 97 refugiados afegãos chegou do Paquistão como parte do programa Corredores Humanitários implementado pela Caritas Italiana (em nome da CEI – Conferência Episcopal Italiana), FCEI (Federação das Igrejas Evangélicas da Itália), Mesa Valdense e Comunidade de Sant’Egidio.

Esta última chegada também é feita com base nos protocolos assinados com o governo italiano em novembro de 2021, para um total de 1200 pessoas que fugiram do Afeganistão e foram acolhidas na Itália por igrejas e sociedade civil.

Os cidadãos afegãos que chegaram serão acolhidos em várias dioceses, igrejas, comunidades, de norte a sul, e em particular no Trentino-Alto Ádige, Vêneto, Lombardia, Piemonte, Toscana, Lácio, Puglia e Calábria. São famílias e pessoas solteiras, algumas das quais se reunirão na Itália com parentes que já moram há algum tempo em nosso país.

O instrumento dos corredores humanitários tem garantido a fuga de contextos de guerra e graves violações de direitos a requerentes de asilo, refugiados e pessoas vulneráveis ​​que de outra forma nunca teriam conseguido chegar ao território europeu.

Vestir Marco Pagniello, diretor da Caritas Italiana, explica que “além do tipo de intervenção assegurada (Corredores Humanitários, Corredores Universitários, evacuações humanitárias, acolhimento de emergência), o compromisso da Caritas foi implementar um sistema de acolhimento e integração cujo fulcro eram as comunidades. De facto, desde o início, as famílias, as paróquias e os institutos religiosos têm garantido a necessária assistência a quem chega ao nosso país”. Isso foi possível graças ao projeto APRI (dos quatro verbos do Papa “Acolher, Proteger, Promover, Integrar”) que permitiu ao longo do tempo enfrentar com eficácia e competência estes importantes desafios, sensibilizando as comunidades envolvidas sobre o real valor de hospitalidade. Envolver o território e as comunidades – continua o diretor da Caritas Italiana – significa fornecer aos cidadãos as ferramentas para compreender e acompanhar um fenômeno complexo como a migração, sem passar por ela, ajudando assim a mudar sua percepção e, portanto, a narrativa: o migrante não é mais o estranho que entra em nossa casa, mas uma pessoa frágil com um nome e uma história que merecem tanto consideração quanto respeito”.

Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, declara: “Hoje damos as boas-vindas a essas famílias afegãs, mulheres, homens, crianças que estão deixando para trás um país onde os direitos são pisoteados todos os dias. Eles terão a chance de reconstruir suas vidas na Itália, na Europa, e para nós é um privilégio acompanhá-los nessa jornada. Esperamos, perante uma situação de emergência que infelizmente continua a poder continuar a acolher e estamos prontos para o fazer, confirmemos o nosso compromisso”. E acrescenta: “Ao mesmo tempo, acreditamos que a comunidade internacional deve se responsabilizar pelo que está acontecendo no Afeganistão, pelas violações dos direitos humanos, especialmente das mulheres e meninas. O que lemos todos os dias, enfim, a negação do direito à educação, é intolerável. Nossos pensamentos para as pessoas que ficaram naquele país. Acreditamos que é importante para a Europa acolher outras pessoas em perigo, através dos corredores humanitários e de todas as outras ferramentas disponíveis, e ao mesmo tempo trabalhar para restaurar a paz e os direitos da população afegã”.

“Numa época de esquecimento das guerras e suas trágicas consequências, não esquecemos o sofrimento dos afegãos”, declara o presidente da Comunidade de Sant’Egidio, marco impagliazzo. “Hoje começa uma nova vida para muitas famílias, seguras na Itália, graças aos corredores humanitários, fruto da colaboração virtuosa entre instituições e sociedade civil que mostra o quanto é possível salvar vidas humanas, acolher e integrar. Com a chegada de hoje, esgota-se a cota de acolhimento estabelecida para Sant’Egidio no protocolo assinado em 4 de novembro de 2021 com os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores. A nossa Comunidade está pronta para acolher outras pessoas e esperamos que as instituições alarguem o protocolo, de forma a responder ao sofrimento, em particular, de muitas mulheres afegãs”.


O projeto dos corredores humanitários é financiado em grande parte pelo Otto per mille Valdensian, o sistema de recepção é garantido pela Waldensian Diaconia.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Cecilie Johnsen, unsplash Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – Jim Hodgson é jornalista e ativista dos peregrinos Rainbow of Faith, um coletivo global de cristãos LGBT+ e redes cristãs, igrejas, alianças e ativistas, e é membro da equipe das Igrejas Unidas do Canadá há anos, onde atuou como coordenador do programa, com uma longa experiência na América Latina e no Caribe. Nós o encontramos em Karlsruhe, por ocasião da XI Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas. Jim Hodgson “Globalmente – explica – nascemos como uma coalizão europeia trabalhando em direitos e inclusão de pessoas trans e queer, antes de Busan, na Coréia, por ocasião da anterior Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas em 2013, e desde então temos começou a desenvolver um trabalho constante de advocacia. Construímos bases sólidas para aprimorar e desenvolver esse diálogo, para ajudar as igrejas também a conversarem entre si sobre os temas e demandas que estamos atendendo. Há um relatório que foi recebido pelo Comitê Central (ver nota ao final do artigo, ed.). Também publicamos um texto, "Reconciliação das margens - histórias pessoais de pessoas queer de fé", que reúne as histórias pessoais de 28 pessoas queer, crentes de todo o mundo". O que se entende por inclusão? “É um avanço, falar primeiro com a gente. O termo "inclusão" é fraco, nós o usamos, mas gostaríamos de muito mais. Se pensarmos bem, Jesus foi muito além da inclusão, ele convidou todos para sua mesa, para compartilhar sua comida, para conversar com ele, sem perguntar quem eram, independente de sua condição, de sua religião, de quem eram, a começar por os servos, desde o mínimo. Estamos longe do “caminho de Jesus” quando falamos de 'inclusão' mas ainda é uma primeira etapa“. Quanto ao futuro e à complexa relação das pessoas lgbtqia+ com as crenças, declinadas e diversificadas de formas diversas nos muitos países aqui presentes, “as nossas são perspectivas à margem, de uma viagem, de uma peregrinação e esperamos receber a devida atenção . Não ficaremos calados quando nossa resposta determinada for necessária. Mas pedimos às igrejas que não causem mais danos. Infelizmente vemos em muitos lugares do mundo que a igreja é parte do problema. Meu trabalho está na América Latina há anos e lá tenho observado o crescente fenômeno de grupos religiosos conservadores se aliando a movimentos políticos igualmente conservadores, um exemplo é o presidente do Brasil Jair Bolsonaro. Isso é muito decepcionante e perigoso para quem luta pelos direitos humanos e exige respeito para todos e não apenas para quem está no poder”. Esses movimentos e igrejas conservadoras, segundo a ativista canadense, “afirmam que promovemos o que chamam de “ideologia de gênero” e que tentaríamos impô-la, impor “nossos valores”, mas não é verdade. Na sociedade civil deve haver espaço para todos e a liberdade religiosa não pode significar a liberdade de impor seus valores, sua visão”. Como está sendo esse diálogo no Concílio Ecumênico? “O feedback até agora é incrivelmente positivo. Em Busan houve uma manifestação contra nós, enquanto aqui o clima é claramente diferente. Os participantes da Assembleia estão muito atentos, demonstraram muito interesse pelas nossas disputas e pelas nossas histórias pessoais. Eles parecem muito felizes em nos receber aqui." O que você espera das igrejas? “O que buscamos hoje e amanhã é um sinal da vontade de continuar o confronto. Continuam os encontros e as conversas ecumênicas (na cúpula de Karlsruhe há um grupo ad hoc, Conversa Ecumênica n.11*) e o trabalho conjunto, a discussão cada vez mais aprofundada sobre a sexualidade e pode haver uma nova recomendação nos textos finais. Estou otimista com o futuro: o caminho é o do diálogo”. *As Conversas Ecumênicas são elaboradas para serem aprofundadas e vinculadas ao trabalho potencial das comissões do CMI e outros programas. Eles são extraídos de insights de redes do CMI, igrejas membros e parceiros e/ou relacionados a preocupações ecumênicas emergentes. Os resultados das Conversas serão compartilhados com os comitês da assembléia e relatórios detalhados serão compartilhados com os futuros órgãos governamentais. Cada Conversa Ecumênica acontece no mesmo grupo durante 4 dias e é aberta aos participantes da assembléia com direito a palavra. Os participantes nas conversas ecumênicas são todos os participantes oficiais da assembléia mais alunos e professores (delegados, delegados representantes, delegados observadores, conselheiros da assembléia, conselheiros da delegação, observadores, convidados, alunos e professores). Segue abaixo a apresentação da Conversa Ecumênica n.11, "Conversas de Caminho: um convite a caminhar juntos sobre os temas da sexualidade humana" Durante a Assembleia anterior do Conselho Mundial de Igrejas, dia 10, em Busan, em resposta às questões levantadas durante as conversas ecumênicas, sessões de trabalho e outras apresentações sobre os desafios que as questões da sexualidade humana têm colocado para as igrejas membros do CMI e seus constituintes, a assembleia através do Comitê de Diretrizes do Programa fez a seguinte recomendação: 'Ao estar ciente das questões que dividem as igrejas, o CMI pode servir como um espaço seguro para entrar em diálogo e discernimento moral sobre questões que as igrejas consideram desafiadoras. Exemplos que foram ouvidos com força nesta assembléia incluem questões de gênero e sexualidade humana. Questões controversas têm seu lugar dentro desse espaço seguro na agenda comum, lembrando que a tolerância não é suficiente, mas o resultado final é o amor e o respeito mútuo.' Em resposta à recomendação acima, o Secretário-Geral do WCC formou um grupo de funcionários e um Grupo de Referência em Sexualidade Humana para trabalhar em um documento que foi apresentado ao Conselho Executivo do WCC em novembro de 2019. O Conselho Executivo recebeu o documento e recomendou “ encaminhando o relatório ao comitê central para informação com a sugestão de que a 11ª Assembléia do CMI poderia ter uma conversa ecumênica sobre este assunto'. O objetivo desta conversa ecumênica é criar um espaço de diálogo e discussão sobre a sexualidade humana como ela é realizada em diferentes contextos da irmandade do CMI e como a conversa pode ser realizada no futuro, enfatizando o amor e a reconciliação”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Consulta metodista para começar a partir de 19 de maio

Consulta metodista para começar a partir de 19 de maio

No sábado, dia 20, após um discurso introdutório do Comitê Permanente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (Opcemi), três temas centrais serão discutidos. Em primeiro lugar, a aproximação (em 2025) do 50º aniversário do Pacto de Integração com a Igreja Valdense: de onde viemos e para onde vamos? A discussão será apresentada pelo professor e pastor Daniele Garrone. O segundo tema “forte” será a ação social. Apresentado por um relatório de Luciano Cirica, o assunto também será discutido com representantes de obras sociais: o Instituto Metodista de Intra-Verbania, segunda casa de acolhida para imigrantes (IEEMI); o Centro Casa mia – Emilio Nitti de Ponticelli (NA) e a Opera diaconale de Scicli. Mas Ecumene também vai falar… Ecumene: depois da inauguração, há um ano, de um primeiro lote de obras de reabilitação, a operação está concluída. Mas aqui faremos um balanço do papel da Ecúmena para nossas igrejas (introdução por Sérgio Aquilante). Esses enunciados são realidades não tanto “da” Igreja Metodista, mas que “da” Igreja Metodista se colocam a serviço de toda a Igreja. Também falaremos sobre o orçamento, e as contribuições para o ano de 2022, ainda parcialmente marcado pela pandemia. A noite de sábado será um momento de festa, com a participação do Coro Triveneto Ghanaian. No domingo de manhã será realizado o culto litúrgico de renovação da Aliança, com Santa Ceia e a participação de alguns elementos do Coro da Igreja Metodista Coreana de Roma. Um traço tangível das obras será mantido na crônica analítica que será elaborada por David Trangoni. As próprias obras também serão filmadas em vídeo para uso do Comitê Permanente da Opcemi (Trabalho para Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália). ...

Ler artigo
Emissões zero.  Zero precariedade.  Sem tumores.  O futuro do planeta começa aqui

Emissões zero. Zero precariedade. Sem tumores. O futuro do planeta começa aqui

Imagem retirada de fridaysforfutureitalia.it Roma (NEV), 13 de abril de 2022 – A Assembleia Nacional Italiana do Sextas-feiras para o Futuro (FFF)movimento estudantil mundial que desde 2018 se organiza pela defesa do meio ambiente, ao lado de figuras como a jovem ativista Greta Thunberg. A igreja batista da via dei Bastioni, em Civitavecchia, desempenhou um papel importante na organização e apoio da assembléia, que reuniu cerca de 100 jovens de toda a Itália. Juntamente com os batistas, Arch e a Igreja dos Salesianos também os acolheram. Na via dei Bastioni, o Batista nos diz Maria Elena Lacquaniti, 20 meninos e meninas foram acolhidos. Com mochilas, sacos-cama e esteiras, estes jovens animaram as salas habitualmente dedicadas à catequese e outras atividades da igreja. “Esses meninos são uma alegria, lindos não só porque são jovens, mas porque são simples, com uma beleza natural – diz Lacquaniti -. E com sentido de responsabilidade e consciência que hipoteca um futuro certamente melhor nas suas mãos”. A Assembleia da FFF desenvolveu-se em torno de mesas temáticas sobre ambiente e trabalho, energia, política, alterações climáticas. Civitavecchia, explica novamente Lacquaniti, “foi escolhida porque era um território atormentado pela servidão industrial e turística, com os grandes navios de cruzeiro que insistem na costa. Em 60 anos, a mortalidade por poluição cresceu exponencialmente. Além disso, um projeto ambicioso e viável que prevê um avanço industrial com emissões zero está atualmente pendente no Ministério da Indústria”. Parques eólicos offshore (ou seja, usinas construídas offshore que exploram a energia eólica) seriam capazes de absorver a produção da usina a carvão de Torrevaldaliga Nord (TVN). Sua transformação, diz Lacquaniti, daria trabalho e sobretudo ajudaria a reter os jovens na região. “Trata-se de 'ambientalizar' o porto, com uma nova concepção de logística. Tudo isso, nos ensinam os jovens da FFF, levaria a sair da precariedade e do câncer”. A Assembleia reafirma essencialmente que “o futuro do planeta é protegido pela combinação entre meio ambiente e trabalho. E pela primeira vez a Civitavecchia está totalmente envolvida, através dos trabalhadores dos setores mais exigentes”, relata novamente Lacquaniti. Ele também participou das obras Stephanie Barça, professor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (Portugal), online. “A chantagem ocupacional por 40 anos bloqueou tanto os movimentos operários quanto os ecologistas – disse o estudioso -. Enquanto a transição energética, com o envolvimento de todas as partes, conduz à saída do isolamento”. Renato Di Nicola, da Campanha "Pelo clima, fora do fóssil!" em vez disso, falou de modalidades e de novos objetivos comuns. Dentre elas, o envolvimento dos trabalhadores em todos os movimentos ambientalistas. Cooperação entre os movimentos. A transição energética, que se entende como “uma revolução”, e a mudança, que “deve ser programada diariamente e individualmente. O sistema não muda o sistema”, disse Di Nicola. E, novamente, a responsabilidade individual e um empurrão de baixo são necessários para sair do fóssil. Entre as propostas, também uma coleta de assinaturas para contestar o aumento das concessionárias de aquecimento e eletricidade. E a dissolução em massa de contratos com gerentes de fósseis. A este respeito, alerta o ativista, “estamos à espera que um gestor sério intervenha nesta matéria, caso contrário só corremos o risco de haver sempre o fóssil por trás do gestor verde”. Por fim, é preciso "começar a pensar seriamente que todo condomínio, escritório, atividade comercial, agrícola - e também toda igreja, todo templo, todo local de culto, acrescenta Lacquaniti juntando-se à voz de Di Nicola - pode ser produtor de energia". Foto MEL / Igreja Batista de Civitavecchia Os três dias terminaram com uma assembleia plenária, a que se seguiu a procissão da cidade que desde o parque da Resistência chegou ao centro da cidade. “Entre cantos, palavras de ordem, música, danças, também nós da igreja batista marchamos com uma bandeira levada pelos adultos e outra pelas crianças da escola dominical. Parece-me que esses jovens representaram bem o futuro que Renato Di Nicola pede para visualizar para realizá-lo em suas vidas, escolhas e esperanças”, conclui Maria Elena Lacquaniti. O documento final será divulgado no site da FFF nos próximos dias. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.