“Cuidem-se”

“Cuidem-se”

Matheus Ferrero, unsplash

Roma (NEV), 3 de janeiro de 2022 – Encontrar energia e impulso para concretizar o compromisso de cuidar uns dos outros. Não no sentido privado mas na dimensão mais pública, que vai “além da simpatia e do conhecimento”, ou seja, cuidar dos outros, de todos os outros. Esta é a mensagem central do vídeo com o qual o moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta queria enviar votos de felicidades para 2022.

Aqui o vídeo completo:

De chiesavaldese.org.

artigo anteriorUma noite em um jantar com Desmond Tutu
Próximo artigo501 anos atrás, a excomunhão de Martinho Lutero

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

um compromisso escrito na pele

um compromisso escrito na pele

À esquerda, a tatuagem da palavra filoxenia em grego Novi Sad (NEV), 2 de junho de 2018 – Há quem escreva seu amor na pele, tendo o nome da pessoa amada tatuado no corpo. Aconteceu também na Conferência das Igrejas da Europa (KEK), em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio – 5 de junho). Em resposta à mensagem do estudo bíblico sobre o tema da hospitalidade, proferida pelo pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), um jovem participante do encontro europeu teve a palavra tatuada no braço filoxenia – amor, amizade para o estrangeiro – central no discurso do negro sobre a hospitalidade. Patriarca Inácio Afrém II; foto CEC. A hospitalidade foi o tema de todo o dia de ontem, 1 de junho. Além de negro, ele falou sobre isso Inácio Aprhem IIPatriarca de Antioquia da Igreja Siríaca Ortodoxa. “A hospitalidade é inerente ao ser cristão. A natureza de Deus é o amor e como cristãos devemos aprender com o nosso Mestre celestial”, disse o patriarca que sublinhou como o Oriente Médio tem uma longa história de hospitalidade que começa desde os tempos da Bíblia e chega até os dias atuais. “Hoje – recordou Aphrem II – um terço da população do Líbano é composta por refugiados sírios” que encontraram refúgio naquela nação. O pastor Meletis Meletiadis; foto CEC. O pastor também falou sobre hospitalidade Meletis Meletiadisilustrando o compromisso da Igreja Evangélica Grega com os migrantes: "Queremos que a sua primeira experiência na Europa seja de acolhimento, amizade, respeito e dignidade". Finalmente, a Assembleia saudou com gratidão Doris Peschke que após anos de serviço deixa o secretariado geral da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME). ...

Ler artigo
cuidado com as sirenes do populismo

cuidado com as sirenes do populismo

Roma (NEV/chiesavaldese.org), 11 de fevereiro de 2020 – O Sínodo da Igreja Evangélica Valdense do Rio da Prata foi realizado entre 1 e 3 de fevereiro. O site Chiesavaldese.org falou sobre isso com o diácono Alessandra Trottaque foi membro do próprio Sínodo como moderador da Mesa Valdense, órgão máximo de decisão das igrejas metodista e valdense. Trotta destacou a riqueza de fazer parte de uma igreja que tem expressão no Sul do mundo e outra no Norte do mundo, falando de “uma oportunidade única para uma visão alargada e integrada de temas e desafios comuns que a globalização nos apresenta cada vez mais interligados, mas muitas vezes em tensão. Basta pensar no tema da salvaguarda da criação, que a sessão italiana escolheu como tema da noite pública do próximo sínodo”. A moderadora antecipou a ativação de novos programas de intercâmbio, visitas e participação em experiências de formação e se perguntou "Como viver uma grande história de testemunho e resistência ao longo dos séculos, como aquela de onde viemos como valdenses, na qual somos enraizado (para as igrejas do Rio da Prata também feito das agruras e agruras da experiência imigratória), sem fazer dele um objeto de culto, um fóssil a ser guardado numa vitrine de museu mas considerando-o um recurso a ser gasto de forma que seja significativo, compreensível, crível para hoje". Os desafios são grandes: “Aí também paira a palavra crise: econômica, política (com os olhos voltados para o que está acontecendo nas vizinhas Colômbia e Venezuela), mas sobretudo uma crise espiritual e motivacional, que faz caminhar com um olhar baixo que impede vos de reconhecer e valorizar – como pediu contundentemente uma deputada num dos seus discursos – os lugares, os espaços onde, por outro lado, se manifestam o entusiasmo, as energias positivas, as ações proféticas. Um pedido profundamente sentido pelos mais novos”. Entre as palavras-chave enucleadas pelo moderador Trotta: formação, competência, horizontalidade, gênero, corporeidade entendida como trama global de relações e experiências da vida concreta que interagem com o caminho da fé. Uma “formação coletiva sobre o tema da educação cristã, na qual se reconhecem claramente as linhas da teologia da libertação e da educação popular, que caracterizam a reflexão e a prática das igrejas valdenses (e de outras igrejas protestantes) naquela região”. Entre as estratégias que surgiram para o trabalho presente e futuro, a da transformação pessoal e social, a escuta, a formação de "equipes pastorais" de leigos e leigas, a tematização da "realidade predominantemente rural das igrejas […] que na Itália e no mundo são os que sofrem mais que os outros pela falta de reconhecimento (de seus próprios valores e valor) e que mais que os outros sofrem o encanto das sereias dos populismos e dos nacionalismos identificadores agressivos”, argumenta Trotta , que regressa à Itália também com uma segunda "surpresa: a forte preocupação com que olhamos para o crescimento (financeiramente sustentado a nível internacional) dos fundamentalismos evangélicos como uma ameaça à própria existência de Igrejas mais abertas e dialogantes, fez com que alvo de ataques cada vez mais agressivos no quadro de um projeto político que visa a aprovação de leis de cariz confessional, que visam um forte controlo da vida privada das pessoas, limitando direitos e liberdades”. Leia a contribuição completa do moderador Trotta em chiesavaldese.org ...

Ler artigo
#CECWACC2019.  Notícias falsas, teologia falsa

#CECWACC2019. Notícias falsas, teologia falsa

Anders Gadegaard Helsinque (NEV), 10 de abril de 2019 – A conferência organizada pela Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa e pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi aberta hoje em Helsinque, Finlândia). 50 delegados de várias igrejas e organismos ecumênicos europeus estão discutindo o tema: “O que nos deixa com tanta raiva? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação”. O trabalho começou com um culto na igreja alemã em Helsinque, cuja pregação foi supervisionada pelo pároco Juha Rajamaki sobre o texto de Marcos 14:53-61, o julgamento contra Jesus, Rajamäki destacou como Jesus ofereceu muitas respostas às barreiras do ódio e da raiva: silêncio, mas também palavras fortes; a luz da esperança que ilumina a sepultura escura; e finalmente, a partir de si mesmo, no sentido de fazer aos outros o que gostaríamos que nos fizessem. O pastor luterano dinamarquês Anders Gadegaardpresidente do grupo de comunicação do KEK, em vez disso, deu o primeiro relatório sobre "Falsa teologia, falsas notícias". “O poder sempre tentou manipular a informação para seus interesses. Informação gratuita e crítica representa uma garantia”, começou Gadegaard. “Passamos da pós-verdade para as fake news em pouco tempo e agora estamos caminhando para uma cultura da mentira, que tende a aceitar e legitimar o fato de que existem mentiras. Para nós cristãos - continuou - distinguir a realidade ou a mentira na informação passa pela revelação de Jesus, sobre a qual medimos qualquer outro fato. Para nós o Filho do homem, Deus que se faz homem, é a encarnação da verdade, assim como Jesus na cruz, e este é o critério a partir do qual partimos para codificar as mensagens. A partir daqui começamos a entender o que é verdadeiro e o que é falso: o quanto o que ouvimos difere de Jesus”. “Isso – continuou o luterano dinamarquês – nos permite ser críticos de todo poder humano, dos partidos, das personalidades, dos poderes financeiros, instituições e organizações, e também nos permite ser autocríticos. Ser crítico, no sentido de ser construtivo, solidário com a sociedade e para a sociedade, e ser autocrítico, consciente da imperfeição de cada sociedade”. Ao abordar o tema dos valores e modelos cristãos, Gadegaard falou em “desobediência civil”. “Embora eu preferisse falar da coragem civil – disse -, que é a inspiração que herdamos do evangelho. Todo cristão é chamado a ser corajoso pelo bem da maioria”. Sobre o tema da “falsa teologia”, inserida num contexto secular e ambíguo, Gadegaard afirmou: “Visto que vivemos num mundo imperfeito, todo fundamentalismo é uma falsidade, é um abuso, porque renuncia à crítica, na qual se baseia em vez disso, o movimento de reforma do século XVI. A Reforma, nesse sentido, continua ininterrupta. Devemos continuar a renovar-nos sempre, tanto na crítica teológica como no jornalismo. A ideia de que atos terroristas podem ser cometidos em nome de "deus" é uma falsa teologia; assim como a chamada 'teologia da prosperidade' é falsa teologia, quando equipara o sucesso na sociedade com a bênção divina”. “Mesmo aqueles que acreditam que o mundo espiritual e natural são dois reinos diferentes e devem ser separados um do outro, propõem uma falsa teologia, em contradição com as duas naturezas de Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, em suas naturezas completamente unidas e interligadas. , misturado, e não dividido, como Lutero já explicou. Se misturarmos política e religião, teremos uma teocracia. Se os separarmos totalmente, perdemos os critérios de uma ética social”. Outra falsa teologia identificada por Gadegaard é a "nacionalista, segundo a qual todos afirmam viver onde nasceram como se fosse um direito dado por Deus. Vimos isso no nazismo, onde o conceito evangélico de Deus que escolhe foi distorcido. Deus escolhe quem acredita, mas como se reconhece quem é crente? Qualquer um pode acreditar, onde quer que tenha nascido. Esse tipo de interpretação é o oposto do ensino cristão que é transnacional porque transcende a ideia de fronteiras. Não há nada de errado em ter orgulho da própria identidade pessoal, da qual precisamos – concluiu Gadegaard –, mas isso se renova e enriquece continuamente no encontro com os outros. Reunir diferentes identidades é um enriquecimento do ponto de vista cristão. Jesus incluiu os estrangeiros por sua fé. E qualquer tipo de discurso de ódio está em contradição com a atitude cristã”. Os trabalhos continuarão amanhã em Estocolmo com as eleições para o novo comitê diretivo e serão concluídos em Helsinque na sexta-feira, 12 de abril. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.