Zuínglio.  Palestra pública na Faculdade Valdense de Teologia

Zuínglio. Palestra pública na Faculdade Valdense de Teologia

Um quadro do filme “Zwingli” de Stefan Haupt

Roma (NEV), 8 de outubro de 2019 – A palestra pública do Prof. Emidio Campi da Universidade de Zurique intitulado “Ulrich Zwinglio. Problemas e perspectivas dos estudos atuais”. O encontro é às 18 na via Pietro Cossa 42. Baixe o folheto.

A iniciativa faz parte dos 500 anos do início da Reforma em Zurique. O ano de 2019 é, de fato, uma espécie de “jubileu zwingliano”, no qual recordamos a figura do reformador suíço que em 1º de janeiro de 1519 pregou pela primeira vez na Grossmünster de Zurique.

500 anos depois dessa data, comemora-se o nascimento da Igreja Reformada de Zurique, cidade onde hoje vivem cerca de 400.000 protestantes. São muitas as iniciativas organizadas durante este ano para falar de Zwingli, a quem o filme homónimo de Stefan Hauptfinanciado pela Igreja Reformada de Zurique e lançado na Suíça em 17 de janeiro.

A coluna Protestantismo, veiculada no RaiDue, dedicou o episódio de 7 de abril a Zuínglio, apresentando trechos em italiano do filme de Haupt. Com o título “Zwingli, a palavra desencadeada”, a coluna editada pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) conta a história de 500 anos atrás na Suíça, quando estourou o incêndio da Reforma Protestante. Em Zurique, um jovem padre abala os alicerces da igreja, desencadeando um processo de reforma que dura até hoje. Aqui está a apresentação do episódio.


Para saber mais:

Vá para a guia sobre Huldrych Zwinglio

Trailer do filme de Stefan Haupt no idioma original

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Beirute.  Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Beirute. Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Roma (NEV), 2 de abril de 2019 – De 23 a 25 de março, 1.600 jovens de 43 países se reuniram em Beirute, Líbano, com os irmãos da comunidade ecumênica e monástica de Taizé (França). Os cristãos do Oriente Médio e do Ocidente descobriram como um intercâmbio ecumênico pode ser frutífero e inspirador. O encontro em Beirute foi idealizado e organizado pela juventude cristã do Líbano que convenceu os responsáveis ​​das suas respectivas igrejas a convidar os irmãos de Taizé e os jovens de todo o mundo para rezar juntos em Beirute. O Conselho Ecumênico de Igrejas do Oriente Médio (MECC) apoiou o projeto. Durante 18 meses, 120 jovens se reuniram semanalmente, em grupos mistos, para planejar a vinda de 1.600 participantes de países do Oriente Médio, Europa e Líbano. Organizaram transporte, refeições, locais para os workshops, impressão de um livrinho com todas as letras e canções, divulgação do encontro e um CD com canções de Taizé em árabe. Por último, mas não menos importante, eles procuraram por famílias que receberam participantes não libaneses por cinco dias. "Para muitos deles foi a primeira experiência de trabalho ecumênico", disse o pároco Rima Nasrallah do comitê gestor. “Eles aprenderam que as pessoas de outras igrejas oram e leem a Bíblia de maneira diferente. E eles experimentaram que a cooperação ecumênica requer muito esforço, energia e paciência. Mas também experimentaram que todo esforço vale a pena quando, no final, todos fazem parte do evento”. “Foi uma grande oportunidade de descobrir e vivenciar as tradições e a vida libanesa”, disse ele Mena Shawky da Igreja Ortodoxa Copta no Egito. Shawky foi enviado pela ECHOS, a Comissão de Jovens do Conselho Mundial de Igrejas (WCC). “Foi a primeira vez que rezei com os irmãos de Taizé e adorei, porque rezamos todos com a mesma língua e com o mesmo coração”. Entre os participantes, vindos entre outros do Egito, Jordânia, Irã, Iraque, Palestina, 30 jovens vieram de Aleppo na Síria. Sua igreja local foi gravemente afetada pelos oito anos de guerra. Muitos membros morreram nos bombardeios ou emigraram para países ocidentais. “É bom que pessoas de outros países estejam aqui para nos ouvir”, disse Sarah, uma jovem síria. Falando sobre o tema principal da conferência, "Os justos crescerão como o cedro no Líbano" (Salmo 92), eles refletiram sobre suas raízes, sobre o que alimenta sua fé e como eles podem alcançar uns aos outros como os ramos da o cedro que crescem horizontalmente. “Quando você não tem fé, é fácil ter medo”, disse Amir, um jovem cristão copta do Egito. Pertence a uma igreja que foi atingida várias vezes nos últimos anos por ataques terroristas. “Ao ler este versículo, nunca pensei que o cedro pudesse ser um símbolo de fé”, disse uma jovem sueca. Para ela, sempre foi apenas uma árvore. “Os cristãos do Oriente Médio têm uma conexão muito mais próxima com o que está escrito na Bíblia. Eles vivem no mesmo contexto que é falado na Bíblia”, disse ele. E um estudante protestante da Alemanha ficou feliz por estar em um contexto não ocidental: “é bom conhecer a experiência de jovens em países como Síria, Iraque ou Palestina”, disse ele. A comunidade de Taizé tem uma forte ligação com o Líbano desde 1982, quando alguns irmãos visitaram o país durante a guerra civil. “Admiramos a profunda fé dos cristãos no Líbano. E admiramos sua capacidade de se envolver com a comunidade muçulmana”, disse ele Alois Perdedor, o prior da comunidade. “Estamos convencidos de que o Líbano é a porta de entrada para o entendimento entre Oriente e Ocidente. E esse entendimento entre Oriente e Ocidente é muito necessário, não só para a Igreja, mas também para a humanidade”, afirmou. ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 14º dia.  Aproveite em nome de Jesus

16 dias para superar a violência, 14º dia. Aproveite em nome de Jesus

FILIPPO BERTA, À NOSSA IMAGEM E SEMELHANÇA, 2017. Foto de Elena Ribet Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 14: 8 DE DEZEMBRO Aproveite em nome de Jesus SOLICITARdiscutir Por que tanto desprezo eexploração das mulheres pelos religiosos cristãos? Gabriela65 anos, Bolívia Aos 12 anos, alguns padres de Buenos Aires vieram à igrejinha da minha aldeia na Bolívia; junto com nosso pároco convenceram minha mãe a me deixar partir com eles para aquela cidade distante. Eu tinha, diziam, “vocação para a santidade, para servir a Deus”, faziam-me estudar, desenvolver os meus dons. Nunca estudei, tive de trabalhar durante 50 anos como servente em residências de membros do Opus Dei, sem remuneração, até 15 horas por dia; Nunca tomei banho quente e todos os dias fui forçado a "orações" exaustivas e autoflagelação.Nos muitos séculos de sua história, a Igreja compartilhou uma visão patriarcal do mundo que favoreceu diversas formas de submissão, escravização, exploração, discriminação da mulher, dentro e fora da Igreja. Ainda hoje, depois das pequenas-grandes conquistas das teólogas feministas desde a década de 1970, a mentalidade e a teologia sexistas feitas de estereótipos e preconceitos continuam à espreita nas dobras das estruturas eclesiásticas, produzindo violência de gênero, especialmente contra as pessoas mais frágeis. Apesar de alguns passos tímidos no reconhecimento da dignidade da mulher pelo Papa Francisco, o dia em que a Igreja reconhecerá seu próprio pecado de indiferença, silêncio e cumplicidade ocasional com suas estruturas machistas ainda parece distante. Em 2 de agosto de 2022, a ADISTA deu a notícia de 43 corajosas mulheres latino-americanas que ousaram denunciar os abusos de "tráfico de pessoas, exploração e escravização" perpetrados pelo poderoso Opus Dei. Lendo os detalhes, é difícil acreditar na data. proposta de visão MADALENA dirigido por Peter Mullan Reino Unido, 2002, 114' Uma lúcida acusação contra aqueles que, em nome da religião, causaram humilhação e sofrimento a milhares de meninas na Irlanda nos anos 60. Bibliografia A.VV., A Itália das mulheres. Setenta anos de luta e conquistas, Donzelli, 2018, pp. 344, 28,50 euros.Valentina Camerini (autor) Veronica Carradizer (ilustrador), As mais belas histórias de mulheres corajoso, Gribaudo, 2019, pp.186, euro 12, 66.Coletivo Feminista de Boston, nós e os nossos corpo, Feltrinelli, Milão, 1977, 19,90 euros.Malalai Joya, Enquanto eu tiver voz - minha luta contra senhores da guerra e a opressão de Mulheres afegãs, Piemme, 2011, pp. 321, euros 5, 25.Azar Nafisi, Lendo Lolita em Teerã, Adelphi, 2007, pág. 379, 12,35 euros.Taty Almeida, Massimo Carlotto, Renzo Sicco, O Quinta-feira das Madres de Plaza de Majo, Claudiana, Turim, 2019, pp.202, Euro 14, 90.Caroline Criado Perez, Invisível. como nosso mundo ignora as mulheres em todos os campos. Dados em mão, Einaudi, Turim, 2020, pp. 472, 18,52 euros.Federica Tourn, Vire o mundo de cabeça para baixo. os movimentosde mulheres e política, edições Aut Aut, 2020, pp. 300, 16 euros. VERSÍCULO BÍBLICO Andem como filhos (filhas) da luz, pois o fruto da luz consiste em tudo o que é bondade, justiça e verdade (Efésios 5, 8-9) COMENTE A ordem de Jesus "ide e pregai o evangelho a toda criatura" se manifesta no serviço a Deus e ao próximo. O "serviço" realiza-se tornando visível ao mundo a luz de Cristo e os seus frutos de bondade, justiça e verdade!Se a realidade social ainda mostra hoje em 2022 atitudes de exploração e discriminação de gênero, dentro e fora da Igreja, isso significa que somos chamados a nos comportar como filhos da luz, pela autoridade que nos é dada por Deus; temos a urgência de continuar, sem nos cansar, de não ficar parados em silêncio confortável para nos opor, quebrar, vencer todas as formas de violência. ORAÇÃO Em nome de Jesus Cristo,nós te pedimos Senhorpara nos apoiar e acompanharno trabalho que você nos confiou.Faça-nos dignos de ser seufilhas capazes da luzpara espalhar a sua verdade para o mundomensagem de amor, justiça e verdade.Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.