um convite para ajudar na conscientização

um convite para ajudar na conscientização

Roma (NEV), 24 de maio de 2022 – É “um convite à consciência da ajuda que podemos compartilhar”, a mensagem que está no centro da campanha 8×1000 2022 da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI).
“Nos últimos anos24, explica CELI, pretendemos desenvolver e fortalecer nosso compromisso de superar as diferenças sociais e de gênero que ainda existem na Itália: partindo das linguísticas até as mais concretas da vida cotidiana. Na consciência de viver num mundo em que a prática da indiferença não pode ser uma alternativa aceitável, não só para os que se dizem cristãos, mas para qualquer um”.
Lutar contra a indiferença, portanto, “como premissa que une crentes e não crentes, nas diversidades existentes, numa perspectiva humana e que o CELI realiza na hospitalidade, cantinas para os mais fracos, o compromisso cultural que as Igrejas Luteranas consideram um parte inseparável do compromisso social mais amplo”. Com essa consciência, a campanha oito por mil para o ano de 2022 foi lançada nas últimas semanas.
“O acesso à difusão da cultura – conclui o CELI –, a diversidade que esta permite interceptar, continuam sendo as forças exercidas graças à contribuição que vem de milhares de italianos e cidadãos italianos, todos os anos”.


O 8 × 1000 é a porcentagem do imposto de renda pessoal fixo que eu
os contribuintes podem alocá-los a algumas atividades de importância social e cultural do Estado italiano ou de uma confissão religiosa que os utilizará para fins de culto, social, cultural. Graças aos 8 por mil, o Estado e algumas confissões religiosas disponibilizam fundos para apoiar e financiar as suas próprias actividades sociais e culturais ou de outras organizações sem fins lucrativos.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“A Igreja não deve se tornar um partido”

“A Igreja não deve se tornar um partido”

Heiner Bludau. foto CELI Roma (NEV), 30 de dezembro de 2019 - A Agência NEV propõe um ciclo de entrevistas com os mais altos cargos das igrejas protestantes italianas. Em colaboração com a Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), publicamos hoje a entrevista com o reitor Heiner Bludau editado por Nicole Dominique Steiner. Bludau é reitor do CELI há cinco anos, que, com alguns milhares de membros, é uma das menores igrejas protestantes da Itália. Na sua mensagem de Natal falou da importância – não só neste período do ano – de parar e reflectir sobre o que passou e ao mesmo tempo olhar para o futuro. O que você vê quando olha para trás? Eu vincularia minha retrospectiva a algumas palavras: migrantes, sustentabilidade e populismo. Quanto à questão dos refugiados, é um fenômeno que nos acompanhará por muito tempo. A questão é como ajudá-los sem apoiar os traficantes de pessoas. Uma coisa é certa: não podemos ficar parados vendo pessoas se afogarem no Mediterrâneo! Sobre sustentabilidade: me parece que o mundo está acordando um pouco. Também se aplica a nós, que é o CELI. Em nosso último Sínodo, assumimos um claro compromisso com a sustentabilidade, dando prioridade máxima em nossa ação à responsabilidade pelo clima e pelo meio ambiente. Mas a situação é crítica, e só posso esperar que aqueles que ainda se recusam a ver a gravidade da situação acordem antes que seja tarde. E isto aplica-se sobretudo a todas as pessoas com cargos de responsabilidade na política e na economia, bem como a cada um de nós. No que diz respeito ao populismo, é um pouco como o clima: um forte empurrão de baixo mas, a meu ver, neste caso, na direção completamente errada. Um fenômeno muito preocupante em todo o mundo! Mas aqui na Itália também há um vislumbre de esperança: o movimento da sardinha. O secretário geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) Mario Fischer E se olhar para a frente? O que podemos esperar de 2020? De um modo geral, o grande desafio para mim é abordar ativamente as questões prementes de nossa época sem enfiar a cabeça na areia e fazê-lo juntos, independentemente de convicção ou credo político. No que diz respeito ao CELI, um 2020 emocionante nos espera. O Sínodo elegerá a nova presidência sinodal e os membros leigos do consistório e no verão, de 1 a 8 de julho, organizamos uma viagem à Áustria, para a qual são cordialmente convidados os membros de todas as igrejas protestantes da Itália. Entre outras coisas visitaremos Viena, conheceremos o bispo Michael Chalupka e o secretário geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) Mário Fishere participaremos dos Dias de Encontro Cristão em Graz, de 3 a 5 de julho. Na Alemanha, a EKD (que inclui as igrejas Luterana, Unida e Reformada, ed) tem cerca de 21 milhões de membros, os católicos 23 milhões, números destinados a diminuir. Na Itália, os luteranos são uma das menores comunidades protestantes. Você trabalhou como pastor tanto na realidade da grande igreja popular quanto na diáspora. Essa é uma diferença que repercute no trabalho pastoral? Como? Sim, claro, mas não apenas no sentido negativo. É claro que nossa voz aqui, tanto em público quanto em outras comunidades, importa menos do que na Alemanha. Mas como uma igreja pequena, somos capazes de reagir mais rapidamente aos desafios incluindo democraticamente quase todos os membros de nossa igreja. Nossa verdadeira tarefa como Igreja, porém, continua sendo a de difundir o Evangelho e tentar viver de acordo com seus preceitos. Nesse sentido, o tamanho não importa muito. Por outro lado, vejo uma grande diferença em relação à Alemanha na participação dos membros na vida da igreja. Quem está inscrito aqui na Itália vive a igreja, a comunidade, os cultos com muito mais participação, e isso porque não vive sua experiência de fé como um fato "óbvio", como acontece em lugares muito mais homogêneos e contextos estruturados. Quanto à forte presença da Igreja Católica na Itália: quando cheguei a Turim, pensei que éramos apenas uma minoria pequena, insignificante e isolada. E isso não é verdade. Pelo contrário, não só existe uma boa colaboração com todas as outras igrejas evangélicas, como também somos seguidos com grande interesse pelo mundo católico. Estamos longe de estar isolados! Extraído de uma foto de Ben White – Unsplash Perda de Membros: Como a Igreja Pode Alcançar as Pessoas Hoje, ou o que Deve Evitar? Eu inverto a questão: em primeiro lugar, o que a Igreja não deve fazer. Não deve confundir seus próprios interesses como instituição com as promessas e tarefas do Evangelho. A tarefa efetiva correspondente ao anúncio do Evangelho. É vital e difícil ao mesmo tempo: as promessas do Evangelho e o correspondente questionamento de nosso comportamento habitual estão, por um lado, acima da vida cotidiana, mas, por outro, só podem ser comunicados em relação à vida cotidiana. Encontrar o caminho certo é um novo desafio a cada dia e só pode ser bem-sucedido se, sempre inspirados pela Palavra de Deus, não fecharmos os olhos para a realidade em que vivemos. É correto que a Igreja intervenha e se posicione em questões políticas e sociais? Na medida em que as condições políticas e sociais fazem parte da realidade em que vivemos, nós, cristãos, devemos naturalmente lidar com elas e, em certas situações, a Igreja deve levantar a voz e tomar posição. Para mim, pessoalmente, o limite desta intervenção é a consciência de não ter de ir “além”. Deixe-me explicar: a igreja não deve cair na armadilha de pretender ser a fiadora do caminho certo. Caso contrário, a própria igreja se tornaria parte, e isso não é admissível. A Igreja deve defender os valores e deve defender os direitos humanos. Mas ao mesmo tempo deve dar espaço a pessoas de diferentes inclinações políticas para que todos possam viver juntos na igreja e como igreja. Entrevista por Nicole Dominique Steiner Leia também A entrevista com a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): "Indo além da desertificação material e espiritual". A entrevista com o tenente-coronel Massimo Tursiatualmente chefe do Exército de Salvação (EdS) da Itália e Grécia: "A Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido". ...

Ler artigo
O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense está de volta

O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense está de volta

Torre Pellice, casa valdense Roma (NEV), 25 de maio de 2021 – Após a paralisação do ano passado, o Sínodo das igrejas metodistas e valdenses retorna em 2021. Uma edição particular que acontecerá em modo telemático e reduzido de 22 a 25 de agosto de 2021. Assim foi anunciado, e a notícia é anunciada hoje no site chiesavaldese.org, pelo moderador do Tavola Valdese, Alessandra Trottaem carta às igrejas na qual explica como "ao final de um rigoroso processo de verificação e consulta alargada, decidiu-se privilegiar o método capaz de oferecer maiores garantias e, portanto, também a tranquilidade de todos os participantes, sem distinção de áreas geográficas e outras condições pessoais”. Em Torre Pellice, na província de Turim, local onde normalmente ocorre o Sínodo, apenas a Sede, a Comissão de Exame e, com vários tempos e métodos, os membros do Conselho Valdense e das Comissões Administrativas que respondem no Sínodo de trabalho deles. Uma escolha que envolverá um trabalho organizacional significativo e o desenvolvimento de competências técnicas e organizacionais que permanecerão como uma aquisição útil também para o futuro. Além disso, muito antes do Sínodo, será adquirida experiência no campo quanto à organização das assembléias locais e de circuito e, sobretudo, das conferências distritais que, exceto uma, serão todas realizadas remotamente. "Confiamos na ajuda do Senhor para preservar o que todos consideramos essencial em nosso modo de ser Igreja - escreve o moderador às igrejas - com o olhar voltado para a vocação de anúncio e serviço no tempo presente que o Espírito Santo não cessa de dirigem-se a nós, para empenhar as nossas energias e recursos com alegria, coerência e sentido de responsabilidade”. A sessão sinodal será aberta com o culto inaugural presidido pelo pároco Winfrid Pfannkuche Domingo, 22 de agosto, às 10h, no templo da Torre Pellice, durante o qual pôde ser realizada a consagração de um pároco e de um diácono. A habitual noite pública às segundas-feiras, marcada para 23 de agosto, também será mantida. ...

Ler artigo
Insônia e memória

Insônia e memória

Roma (NEV), 29 de dezembro de 2019 – Publicamos o texto do terceiro e último sermão do ciclo natalino proferido pelo pároco Raffaele Volpe esta manhã durante o programa “Culto evangélico” da Radiouno RAI. O pároco nos convida a refletir sobre a relação entre insônia e memória: uma insônia que pode ser cheia de sonhos ou pesadelos, dependendo do quanto conseguimos nos lembrar do nosso passado. Faltam apenas dois dias para o final deste ano. Espero que tenha sido um bom ano para você, mas se não foi, espero que o próximo ano seja capaz de devolver o que você perdeu. Como bons crentes, pelo menos esperançosamente, confiamos na Palavra de Deus para nos preparar para a despedida do ano velho e o início de um novo ano. Oremos: Senhor para o ano que está por vir, te peço mais memória. Amplia a capacidade de memória não só do nosso computador, mas também do nosso cérebro e dos nossos sentimentos. Capacita-nos a recordar sem rancor e a não esquecer superficialmente. Dá-nos a paixão da memória. Amém. Ouçamos a leitura do texto bíblico para a meditação de hoje: " Naquela noite, o rei, incapaz de dormir, ordenou que lhe trouxessem o livro de Memórias, as Crônicas; e foi lido na presença do rei“, (Ester 6:1). Ainda jovem, em 1934, o filósofo judeu Emmanuel Levinas escreve em uma revista cristã francesa um artigo intitulado “Algumas reflexões sobre a filosofia do hitlerismo“. O filósofo diz: “O sucesso de Hitler, diz o filósofo, reside na sua capacidade de despertar sentimentos básicos básicos: a voz do sangue, o apelo a um legado e um passado, o uso da força. Mas é por essas razões que o racismo não se opõe apenas a um ponto particular da cultura cristã ou liberal, a um tipo de democracia ou não. Ela se opõe à própria humanidade do homem“. O racismo se opõe à própria humanidade do homem! A insônia de um jovem filósofo de vinte e oito anos diante dos pesadelos que assombravam a Europa naqueles anos me lembrou a curta passagem bíblica que acabamos de ouvir: um rei insone, Mordecai, manda que o livro de memórias seja trouxe para ele. A insônia de Levinas também traz à mente um conto de Dino Buzzati “Novos amigos estranhos”. Aqui, o engenheiro Stefano Martella se encontra, após sua morte, em um lugar estranho onde não há desejos, onde não há medos, onde não há pesadelos, até porque os sonhos não se sonham naquele lugar. No entanto, só se você tiver coragem de sonhar, você pode ter pesadelos, e só se você tiver pesadelos você fica acordado à noite se revirando na cama com o livro de memórias no travesseiro. Bem-vindos, então, aos sonhos e bem-vindos à insônia em nossa era de dorminhocos que não sonham e esquecidos sem pesadelos. Bem-vindos os sonhos e bem-vindos à insônia se corremos o risco de perder a memória. Se, novamente, se ouvem as vozes dos tocadores de pífano que adoram despertar sentimentos elementares demais. Se permanecermos indiferentes aos slogans de punho de ferro de que a substituição étnica está em andamento. Nasceu há cem anos Primo Levi. Preso por milícias fascistas em dezembro de 1943, foi levado para Auschwitz. Ainda me lembro das noites sem dormir que passava lendo seus livros. O horror e a gratidão que viviam em meu coração. E sua poesiaSe isso é um homem", que como um disco que se encanta na mesma nota, sempre parava na minha memória no mesmo ponto: "Medite que isso foi“. Ele me atacou como um medo que eu poderia esquecer. Eu temia que o que tinha acontecido pudesse não apenas ser esquecido, mas também se repetir. Evgenia Ginzburg Levi em Auschwitz recita os versos de dante da Divina Comédia, Evgenia Solomonovna Ginzburg recita no trem que a leva para a Sibéria os versos de Pasternak. Não é um simples jogo intelectual. É elevação espiritual. É manter a memória como resistência desperta, mesmo na insônia produzida pelos pesadelos do racismo e do totalitarismo. É uma transgressão de uma cultura que quer permanecer humana. Para Levi e para Ginzburg, a paixão pela memória era absolutamente necessária. Para nós, cristãos, as palavras paixão e memória estão no centro da nossa fé. A mensagem da fé cristã baseia-se na memória da paixão de Cristo. Uma memória como modéstia diante de tanta violência banal contra o corpo de Cristo, primeiro preso, depois detido ilegalmente, depois torturado e depois morto. Uma modéstia que não se transforma em esquecimento, mas, ao contrário, em memória, memória daquela paixão porque há salvação precisamente em não esquecer. Há salvação em reconhecer Cristo como inocente e confessar o pesadelo da cruz. Há salvação em confessar que Cristo deu a sua morte como último brado de Deus ao mundo inteiro: "Medite que isso foi“. Em Cristo, Deus ordena que a dor de toda criatura viva receba atenção humana. Aqui recompõe-se um quadro de palavras ainda desconexas entre si, recompõe-se a partir da palavra dor. Da sensibilidade à dor que Deus implora na cruz. Sensibilidade à dor que é também um lembrete radical da responsabilidade humana, da sua culpa (palavra que desapareceu do vocabulário de hoje). E esse novo amontoado de palavras – dor, responsabilidade, culpa – lança luz sobre as outras – memória, sonhos, pesadelos, racismo. É precisamente da memória da paixão que pode nascer uma paixão da memória como responsabilidade humana que nos deve manter acordados neste tempo racista. O que deve nos dar forças para voltar a sonhar, mas também para acordar abruptamente sem tentar adoçar o pesadelo de nossa culpa. É necessário que a voz de nossas igrejas seja ouvida claramente ao contar a história de um Cristo inocente crucificado. Faça isso agora, logo após a celebração do Natal. Pouco antes do Ano Novo. Faça isso agora, não espere a sexta-feira antes da Páscoa para lembrar a cruz, quando com pressa mal podemos esperar para fechar o caso com uma ressurreição tranquilizadora. Amém. Oremos: Senhor, nós italianos somos facilmente esquecidos. Dá-nos, pois, a paixão da memória, tu que já nos deste, em Cristo, a memória da paixão. Aquela paixão de Cristo que não foi apenas uma história de sofrimento, uma história de cruz, mas também uma história de resistência, de coragem, de amor, de doação. Faça de nós a paixão da memória para o novo ano que está por vir. Amém. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.