Otto per mille Waldensian, as diretrizes da chamada de 2022 foram publicadas

Otto per mille Waldensian, as diretrizes da chamada de 2022 foram publicadas

Roma (NEV), 15 de novembro – Foram publicadas as diretrizes do concurso de 2022 para o Otto per mille Valdese, que abrirá de 7 a 27 de janeiro de 2022. A notícia é fornecida pelo site chiesavaldese.org, enquanto no portal www.ottopermillevaldese.org você pode encontrar a documentação e instruções para participar do concurso. Também é possível enviar perguntas para esclarecimentos, cujas respostas serão publicadas na forma de FAQs.
A Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense) contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos oito por mil fundos do IRPEF e optou por destinar todas as contribuições que lhe são devidas exclusivamente para apoio social, assistencial, humanitário e cultural intervenções , tanto na Itália como no exterior. Para o efeito, todos os anos, é oferecida aos órgãos associativos a oportunidade de apresentarem propostas de projetos com vista à obtenção de um contributo económico.
“Sabemos da importância de nossa licitação para a realização de projetos tanto na Itália quanto no exterior – declara Manuela Vinay, chefe do escritório de oito por mil da Tavola Valdese –; os contextos italiano e estrangeiro nos desafiam diariamente com novos desafios relacionados com suas múltiplas necessidades; por isso decidimos, também para este ano, confirmar uma abordagem aberta e inclusiva, mantendo as grandes categorias de apresentação de projetos sem dar indicações de preferências”.

Aqui o relatório dos projetos financiados em 2020.

artigo anteriorCop26, ainda há muito a fazer pela justiça climática
Próximo artigoReunião do comitê executivo do Conselho Mundial de Igrejas

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

FORMA.  O “matadouro sagrado” de Valtellina (19 de julho de 1620)

FORMA. O “matadouro sagrado” de Valtellina (19 de julho de 1620)

Foto da Wikipédia. O massacre de Tirano, de uma xilogravura anônima mantida na biblioteca cantonal de Chur Ao raiar da madrugada de domingo, 19 de julho de 1620, quatro tiros do arcabuz deram o sinal. Os portões da cidade de Tirano foram trancados e os sinos tocaram. A população saiu às ruas, sendo surpreendida por algumas centenas de homens armados que massacraram todos os protestantes com arcabuz, espada ou pau. O cadáver do pastor reformado foi mutilado e insultado. Terminada a triste obra em Tirano, o pequeno exército desceu o vale, chegando a Teglio quando a comunidade reformada se reuniu na igreja para o culto. Alvejados com arcabuzes, os protestantes se fecharam no templo, até que a porta cedeu. Alguns, incluindo duas crianças de seis anos, pensaram em alcançar a segurança na torre do sino, que foi incendiada. Em Sondrio, capital do Vale, os protestantes conseguiram organizar um pelotão de setenta homens armados que, apesar de sua inferioridade, não foram atacados pelos rebeldes, que obviamente só estavam dispostos a massacrar, não a lutar. Os evangélicos desarmados foram mortos. Não bastando esta última para apaziguar a fúria da tropa, o cemitério evangélico foi profanado e os cadáveres lançados no Adda. Em Berbenno, a Igreja Católica Bartolomeo Porreto e outros se posicionaram contra o massacre e foram mortos junto com todos os protestantes do país. Para Caspano, o alfaiate André Paravicino conseguiu se esconder e foi capturado alguns dias depois. Convidado a abjurar, ele respondeu que era "da antiga fé católica romana, conforme pregada por São Paulo, que o homem é salvo pela graça por meio da fé, e não pelas obras, para que ninguém se glorie". Foi-lhe perguntado se considerava o papa o cabeça da igreja, e ele respondeu: "Não, visto que somente Cristo é o cabeça da igreja, segundo a promessa, estarei convosco até o fim do mundo". Ele foi queimado na fogueira em 15 de agosto. Fomentado pelo ódio contra-reformista e financiado pelo ouro espanhol, o massacre de cerca de 700 protestantes em Valtellina foi um súbito empurrão contra a ocupação tolerante dos Grisões. As comunidades evangélicas, que representavam cerca de 10% da população (excluindo a área de Bormio) e que acolheram figuras importantes da Reforma italiana, como Ludovico Castelveltro, Pier Paolo Vergério, Girolamo Zanchi E Cipião Lentoloforam completamente erradicados. A paz subseqüente assinada em Milão em 1639 impôs a proibição do culto público e privado de outras religiões que não a católica. Deste massacre italiano, quase totalmente esquecido, fica a definição do historiador católico Cesare Cantu “O matadouro sagrado de Valtellina” com o qual é lembrado, ainda que por poucos, e os versos bíblicos em italiano gravados nas ombreiras das casas que outrora pertenceram a protestantes, como um testemunho tenaz e irredutível. O Senhor Jesus Cristo diz: "Digo-vos que, se eles se calarem, as pedras clamarão" (Lucas 19:40). (Emanuele Fiume, para a agência de notícias evangélica nev-news, julho de 2020) ...

Ler artigo
1 de Novembro.  Culto da Reforma na Eurovisão de Lugano

1 de Novembro. Culto da Reforma na Eurovisão de Lugano

Roma (NEV), 22 de outubro de 2020 – O especial Protestantismo para o culto evangélico da Reforma será transmitido no domingo, 1º de novembro, às 10h, no RAIDUE, no Eurovision, da Igreja Evangélica Reformada de Lugano. Interior da Igreja Reformada de Lugano A transmissão é editada pela seção de protestantismo. Na apresentação do culto, que tem como tema a “Renovação da vida cristã”, lemos: “Num tempo como o nosso, marcado pela incerteza e ansiedade devido a uma pandemia que tem um forte impacto na vida da sociedade e dos indivíduos, a esperança não falha, assume novas formas e alimenta-se da Palavra de Deus ". A liturgia ficará a cargo do pároco Ângelo Reginato. pregação do pastor Daniel Campoli e a pastora Lídia Maggi. Para a parte musical, o grupo polifônico lombardo "Gruppo Vocale Famiglia Sala" e "Ensemble" de André Jermin. Em todo o mundo, no dia 31 de outubro, são realizadas iniciativas e serviços para celebrar o dia da Reforma Protestante. Em 31 de outubro de 1517 Martinho Lutero afixou no portal da igreja do Castelo de Wittenberg suas 95 teses, evento que se convencionou considerar como o início da Reforma. Há três anos foi celebrado o 500º aniversário da Reforma. Para rever os episódios do protestantismo visite o site VÍDEOProtestantismo no Facebook [email protected] [email protected] ...

Ler artigo
África.  O lento caminho dos direitos humanos.  Prêmio ACAT abre a conferência

África. O lento caminho dos direitos humanos. Prêmio ACAT abre a conferência

Roma (NEV), 12 de dezembro de 2022 - A conferência "África, a lenta jornada dos direitos humanos: desafios, perspectivas, testemunhos" está sendo realizada hoje às 17h30 na Aula Magna da Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Promovido porAção dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT)representa o evento final do projeto ACAT Italia 2022 Graduation Award "para acabar com a tortura e pelos direitos dos migrantes" e é apoiado peloOito por mil da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense. “Em que estado estão os direitos fundamentais no continente africano? Quais são os cenários e as dificuldades enfrentadas pelos defensores de direitos humanos? Como se entrelaçam as violações a que são submetidas mulheres e homens com o fenômeno da migração?” Estas são apenas algumas das perguntas que os hóspedes tentarão responder. A ACAT escreve: “Uma data que não é acidental, mas escolhida porque perto de 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos e uma questão igualmente não aleatória, a dos direitos humanos no continente africano, numa fase em que a rota mediterrânica volta a ocupar as páginas dos jornais e a animar o debate público de forma extremamente instrumental e ao mesmo tempo superficial, como se por trás do fenômeno migratório houvesse razões não muito específicas mas também muito heterogêneas". De facto, de acordo com o Relatório 2021/22 da Amnistia Internacional, a associação informa, “os últimos anos, graças à pandemia de covid19, os conflitos em curso, a forte instabilidade política e social, as catástrofes ambientais, a corrida ao primeiro explorar, foram marcada por uma acentuada deterioração em matéria de protecção dos direitos fundamentais. Dos massacres contra civis perpetrados por grupos armados, inclusive de origem terrorista, à limitação da liberdade de expressão e do direito de oposição por parte dos Estados, passando pelo uso de armas contra manifestantes pacíficos, censura ou perseguição a ativistas e defensores de direitos humanos, sem esquecer a dificuldade de acesso a cuidados básicos de saúde, água, alimentação, ou o aumento da violência e abusos contra mulheres, meninas e pessoas LGBTI". Participantes: Michael Kalembamembro da ACAT República Democrática do Congo, membro do Bureau Internacional da FIACAT (Federação Internacional da ACAT), coordenador do projeto FIACAT-ACAT DRC contra a prisão preventiva abusiva e atualmente refugiado na França precisamente em virtude de seu compromisso com os direitos humanos . Lyonel Grassy, Directeur de plaidoyer da FIACAT e ativo em vários projetos no continente africano. Irmã Paula Vizzottomissionário da Imaculada Conceição, voluntário por muitos anos nas prisões de Camarões e atualmente em Rebibbia. Luke Attanasiojornalista e escritor, autor de Amanhã do boletim Áfricas (África no plural). Para coordenar as intervenções Massimo Zaurrinijornalista de revista africa e diretor administrativo da África e Negócios. Na abertura, a cerimônia de premiação do ACAT Italia 2022 Graduation Award. Aqui está o folheto: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.