Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018

Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018

Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018 – Olav Fykse Tveitpastor luterano da Igreja da Noruega, 57 anos, desde 2010 é secretário geral da Conselho Mundial de Igrejas (CEC), a maior e mais inclusiva das muitas organizações do ecumenismo moderno. Na verdade, reúne mais de 350 igrejas e associações associadas que representam mais de 500 milhões de cristãos em 110 países. Inclui a maioria das igrejas ortodoxas, anglicanas, batistas, luteranas, metodistas e reformadas, bem como muitas igrejas unidas e independentes. Originalmente, a maioria das igrejas fundadoras eram européias e norte-americanas, enquanto agora o maior destaque vem da África, Ásia, América Latina e Caribe.

Este ano o CEC celebra 70 anos, tendo sido fundado em 1948 em Amesterdão, e as comemorações culminarão no dia 21 de junho, com uma visita aos escritórios de Genebra por Papa Francisco.

Em uma pausa nos trabalhos doAssembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), em andamento nestes dias em Novi Sad, pedimos a Tveit que nos fale sobre o estado de saúde do CEC hoje:

“O CEC tem 70 anos, portanto idade de idoso e reformado. Mas o CMI é tudo menos isto: diria que nunca antes esteve vivo e vital, e o seu papel é reconhecido internacionalmente como interlocutor sério e credível face aos desafios das sociedades e das igrejas de hoje. Em torno do CMI, de suas comissões, de seu pessoal, existem expectativas enormes em muitas partes do mundo, talvez até mais altas do que nossas reais capacidades. Mas é o sinal de que os esforços que nos caracterizam na concretização do diálogo ecumênico e da reconciliação entre realidades conflitantes são reconhecidos como importantes nos caminhos de crescimento das sociedades”.

Como mudou o movimento ecumênico nesses 70 anos?

“Tudo mudou. O CEC nasceu no rescaldo da terrível Segunda Guerra Mundial, e sobre essas cinzas retomou discursos já empreendidos nas décadas anteriores. Depois houve a Guerra Fria, o isolamento das nações do Leste Europeu e a consequente repressão das igrejas nacionais. Naquela época, o CMI estava entre os poucos interlocutores reconhecidos como defensores da cooperação real. Hoje os desafios são outros, alguns ainda filhos daquela época: penso na terrível situação do Oriente Médio, mas também nos demais conflitos que ainda caracterizam a África pós-colonial. No que diz respeito ao diálogo ecuménico entre as várias almas do cristianismo, foram dados passos enormes, foram encontrados muitos pontos de unidade, embora ainda falte a comunhão plena, pela qual devemos continuar a lutar. Também acredito que esses grandes esforços de diálogo têm sido uma ferramenta de crescimento para as igrejas que deles participaram, que muitas vezes superaram fechamentos ou sectarismos em nome de um caminho comum”.

A Igreja Católica não faz parte do CMI, mas parece estar prestando cada vez mais atenção ao fermento em curso. A próxima visita do Papa Francisco à sua sede em Genebra se encaixa de alguma forma nessa linha?

“A visita do pontífice é um forte sinal de reconhecimento por parte do mundo católico: o reconhecimento de que existe um movimento ecumênico global, do qual também a Igreja Católica participa. O próprio Francisco afirmou repetidamente que devemos trabalhar juntos, que há um enorme espaço para isso. Por pelo menos trinta anos, o Vaticano trabalhou em estreita colaboração com o Concílio Ecumênico e participou como observador em todas as principais conferências do CMI. O Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos também nomeia 12 membros dentro da comissão Fé e Constituição, criado pela CEC no mesmo ano de 1948, além de participar de alguns outros organismos ecumênicos a nível regional e nacional. A visita a Genebra colocará os holofotes do mundo sobre nós e nossa agenda. Parece-me uma importante oportunidade a ser aproveitada, como foi o 500º aniversário da Reforma Protestante em 2017, que destacou o desejo de unidade apesar da reconhecida diversidade”.

O CMI está muito ocupado por meio de comissões e apelos contínuos na tentativa de encontrar uma solução para a dramática situação no Oriente Médio, da Palestina à Síria, passando pelo Iraque e outros cenários de guerra. O que você gostaria de dizer sobre isso?

“O reconhecimento de nosso papel nessas zonas de guerra é resultado do contínuo convite ao diálogo que o CMI tem proposto incessantemente nas últimas décadas. Somos de alguma forma identificados como facilitadores, capazes de criar um terreno neutro no qual as partes envolvidas possam dialogar. Nunca devemos nos cansar de ser construtores de paz, portadores de esperança mesmo onde parece não haver mais. E certamente não apenas para os muitos, muitos cristãos que sofrem no Oriente Médio, mas para toda a população, porque somente diante de uma paz real e plena é possível construir uma sociedade nova, inclusiva e não excludente. As pessoas na Síria, no Iraque, na Palestina sofreram demais. É hora de dizer basta a tudo isso, é hora de criar as condições para fazer daquelas terras, que são o berço do cristianismo, um lugar de paz e um exemplo para toda a humanidade. O uso da força sozinho não serve a ninguém, há demasiados desequilíbrios entre quem tem exércitos e tecnologias avançadas e quem não tem, as forças no terreno são muito divergentes. Por isso, só silenciando as armas se pode tentar iniciar um verdadeiro diálogo que deve passar necessariamente pelo reconhecimento do outro”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Beirute.  Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Beirute. Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Roma (NEV), 2 de abril de 2019 – De 23 a 25 de março, 1.600 jovens de 43 países se reuniram em Beirute, Líbano, com os irmãos da comunidade ecumênica e monástica de Taizé (França). Os cristãos do Oriente Médio e do Ocidente descobriram como um intercâmbio ecumênico pode ser frutífero e inspirador. O encontro em Beirute foi idealizado e organizado pela juventude cristã do Líbano que convenceu os responsáveis ​​das suas respectivas igrejas a convidar os irmãos de Taizé e os jovens de todo o mundo para rezar juntos em Beirute. O Conselho Ecumênico de Igrejas do Oriente Médio (MECC) apoiou o projeto. Durante 18 meses, 120 jovens se reuniram semanalmente, em grupos mistos, para planejar a vinda de 1.600 participantes de países do Oriente Médio, Europa e Líbano. Organizaram transporte, refeições, locais para os workshops, impressão de um livrinho com todas as letras e canções, divulgação do encontro e um CD com canções de Taizé em árabe. Por último, mas não menos importante, eles procuraram por famílias que receberam participantes não libaneses por cinco dias. "Para muitos deles foi a primeira experiência de trabalho ecumênico", disse o pároco Rima Nasrallah do comitê gestor. “Eles aprenderam que as pessoas de outras igrejas oram e leem a Bíblia de maneira diferente. E eles experimentaram que a cooperação ecumênica requer muito esforço, energia e paciência. Mas também experimentaram que todo esforço vale a pena quando, no final, todos fazem parte do evento”. “Foi uma grande oportunidade de descobrir e vivenciar as tradições e a vida libanesa”, disse ele Mena Shawky da Igreja Ortodoxa Copta no Egito. Shawky foi enviado pela ECHOS, a Comissão de Jovens do Conselho Mundial de Igrejas (WCC). “Foi a primeira vez que rezei com os irmãos de Taizé e adorei, porque rezamos todos com a mesma língua e com o mesmo coração”. Entre os participantes, vindos entre outros do Egito, Jordânia, Irã, Iraque, Palestina, 30 jovens vieram de Aleppo na Síria. Sua igreja local foi gravemente afetada pelos oito anos de guerra. Muitos membros morreram nos bombardeios ou emigraram para países ocidentais. “É bom que pessoas de outros países estejam aqui para nos ouvir”, disse Sarah, uma jovem síria. Falando sobre o tema principal da conferência, "Os justos crescerão como o cedro no Líbano" (Salmo 92), eles refletiram sobre suas raízes, sobre o que alimenta sua fé e como eles podem alcançar uns aos outros como os ramos da o cedro que crescem horizontalmente. “Quando você não tem fé, é fácil ter medo”, disse Amir, um jovem cristão copta do Egito. Pertence a uma igreja que foi atingida várias vezes nos últimos anos por ataques terroristas. “Ao ler este versículo, nunca pensei que o cedro pudesse ser um símbolo de fé”, disse uma jovem sueca. Para ela, sempre foi apenas uma árvore. “Os cristãos do Oriente Médio têm uma conexão muito mais próxima com o que está escrito na Bíblia. Eles vivem no mesmo contexto que é falado na Bíblia”, disse ele. E um estudante protestante da Alemanha ficou feliz por estar em um contexto não ocidental: “é bom conhecer a experiência de jovens em países como Síria, Iraque ou Palestina”, disse ele. A comunidade de Taizé tem uma forte ligação com o Líbano desde 1982, quando alguns irmãos visitaram o país durante a guerra civil. “Admiramos a profunda fé dos cristãos no Líbano. E admiramos sua capacidade de se envolver com a comunidade muçulmana”, disse ele Alois Perdedor, o prior da comunidade. “Estamos convencidos de que o Líbano é a porta de entrada para o entendimento entre Oriente e Ocidente. E esse entendimento entre Oriente e Ocidente é muito necessário, não só para a Igreja, mas também para a humanidade”, afirmou. ...

Ler artigo
Palermo, “In-dipendenze” está a caminho, pelo uso responsável da tecnologia

Palermo, “In-dipendenze” está a caminho, pelo uso responsável da tecnologia

Roma (NEV), 30 de maio de 2022 – Nasceu em Palermo “In-Addiction”, um projeto que “testa um modelo territorial de prevenção e atendimento dedicado a menores com transtornos de dependência de internet ou devido ao uso excessivo de dispositivos tecnológicos”. conforme declarado no comunicado de imprensa de lançamento. A iniciativa, apoiada pela Fondazione con il Sud como parte da Chamada Social-Saúde 2020, vê o Centro Diaconal "La Noce" - Instituto Valdense da capital siciliana como parceiro principal e "espera conseguir a rede de informações e sensibilizar as escolas para uma utilização responsável e informada dos dispositivos informáticos e da Internet”. Especificamente, serão envolvidos alunos do ensino básico e secundário e os seus professores. Está também prevista a abertura de um serviço ambulatório de tratamento e diagnóstico, aberto 3 vezes por semana e gerido por psicoterapeutas especializados, que garantirá o contacto precoce, o acolhimento atempado, o diagnóstico, as terapias adequadas e a prevenção de patologias relacionadas com a dependência do smartphone. A actividade de atendimento ambulatório de livre acesso decorrerá através da acção de sensibilização em sala de aula ou da denúncia da Asp e dos pediatras. A clínica oferecerá cursos de psicoterapia individual e em grupo, oficinas de reeducação no uso da Internet e atividades de apoio aos pais. O evento de apresentação no Cre.Zi.Plus, no Cantieri Culturali alla Zisa em Palermo, alguns dias atrás, contou com a presença de Piero La Monica, psicólogo e psicoterapeuta do Centro La Noce; Laura Pavia, psicóloga e psicoterapeuta do Instituto Don Calabria; Simone Lucido, socióloga do NEXT – Novas Energias X O Território; Cecilia Giordano, professora da Faculdade de Ciências Psicológicas, Pedagógicas, do Exercício Físico e do Treinamento da Universidade de Palermo; Giampaolo Spinnato, Diretor da UOC Patológica Addictions da ASP Palermo; Cinzia Mantegna, Vereadora de Cidadania Solidária do Município de Palermo; Pasquale D'Andrea, Fiador da Infância e Adolescência do Município de Palermo; Francesco Vitrano, Diretor Médico de Neuropsiquiatria Infantil da ASP Palermo; Rosaria Alleri, Pedagoga da Escola do Centro Diaconal "La Noce"; Riccardo Ganazzoli, Diretor do Instituto Estadual Integral "Antonio Ugo" de Palermo; e Giovanna Genco, Diretora da Escola Estadual - Escola Secundária "Leonardo Da Vinci" de Palermo. "Graças a In-Dependencies será possível trazer à tona os fenômenos ligados ao abuso e dependência de dispositivos digitais na área de Palermo - explica Peter La Mônica, psicóloga e psicoterapeuta do Centro Diaconal "La Noce" - Instituto Valdense - O paradigma operacional e de pensamento que será implantado é o de estender o tratamento à prevenção, não apenas à patologia. Queremos evitar a demonização de ferramentas tecnológicas, ampliar o conhecimento dos dispositivos e criar consciência; mas sobretudo – continua La Monica – entender quais são os códigos interpretativos que nos permitem entrar nos quartos dos meninos e meninas e “sintonizar” com eles através de um olhar cultural transformador que leva em conta a velocidade da evolução da tecnologia e a sistema de relações. Também serão envolvidos os pais, alunos do ensino básico e secundário, de forma a agilizar a abordagem”. ...

Ler artigo
Teologias feministas cristãs e muçulmanas: penetrando nos espaços masculinos

Teologias feministas cristãs e muçulmanas: penetrando nos espaços masculinos

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 25 de janeiro de 2020 – "Teologias feministas" foi o tema de uma conferência com Nesma Elsakaan E Adriana Valério realizada em 23 de janeiro passado no Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX), uma associação ecumênica e inter-religiosa que, além disso, estará presente hoje na mobilização nacional "Vamos iluminar a paz" em Roma. A conferência faz parte do “Worksite 2019-2020” intitulado “Women hope for peace”. Adriana Valerio é teóloga e historiadora, há anos está envolvida em pesquisas sobre mulheres e fé e mulheres na igreja, e é autora de vários ensaios, incluindo “Mulheres e a Igreja. Uma história de gênero”, Carocci, Roma 2016; “O Poder das Mulheres na Igreja. Judite, Clara e as outras”, Laterza, Roma-Bari 2016. O historiador e teólogo começou citando o livro de pastor batista Elizabeth Green e de Christine Simonellipresidente da Coordenação dos Teólogos Italianos (CTI) “Onamorando. Memórias e perspectivas da teologia feminista” (San Paolo Edizioni) onde eue dois autores comparam suas diferenças confessionais e ministeriais em tópicos como hierarquias patriarcais e linguagem sobre Deus. Valerio também falou da pastoral da mulher e da antropologia, traçando um afresco da história do feminismo cristão protestante e católico, onde os movimentos de mulheres, as igrejas e a Academia se entrelaçam. Segundo Valerio, são três áreas vastas e complexas que se encontram e têm raízes no pacifismo e no feminismo do final do século XIX como lugar de elaboração. Adriana Valerio falou então sobre o entrelaçamento de feminismos, ecofeminismo e movimentos pacifistas, destacando várias figuras históricas que deram uma importante contribuição para o desenvolvimento do pensamento e das práticas femininas em questões sociais, científicas, filosóficas, políticas e teológicas: Dora (Dorette Marie) Melegari, intelectual e escritora de origem valdense que em 1894 fundou em Roma, com Giulio Salvadori E Antonieta Giacomellia união para o bem; Bertha von SuttnerPrêmio Nobel da Paz em 1905; Jane AddamsPrêmio Nobel da Paz em 1931, e novamente Maria Montessori E Dorothy Daysó para citar alguns. “Hoje as feministas questionam o que significa ser igreja e como interpretar criticamente o texto sagrado – argumenta a historiadora -. Não existe masculino ou feminino universal, existe uma dimensão particular da qual se deve partir para construir relações com os outros e com o cosmos”. Nesma Elsakaan é membro da Union Européenne des Arabisants et Islamisants, é pesquisadora e professora da Universidade de Palermo; estudou a participação feminina na vida política nos Emirados Árabes Unidos. Entre outras coisas, ela é autora do volume “Feminismo islâmico no Egito. Religião, mulheres e justiça de gênero” (Aracne Editore). A teologia feminista islâmica nasceu no início dos anos 1900, explica Elsakaan, com movimentos ativos na comunidade muçulmana, com o objetivo de afirmar os direitos das mulheres no espaço público e mudar suas condições de dentro. Esses movimentos veem o Islã como uma ferramenta de emancipação. As teólogas feministas, apesar de suas diferenças, pretendem assim “penetrar no espaço religioso dominado pelos homens, sancionar formas de discriminação e elaborar um discurso religioso alternativo para a igualdade de gênero”. A estudiosa traçou um afresco do feminismo islâmico em vários países, incluindo Estados Unidos, Irã e Egito, enfatizando os princípios nos quais se baseia: "Al-Tawhid", ou seja, a singularidade de Deus; “Al'-aal”, Deus é justo; “Al-Taqwà”, o temor de Deus “Se Deus é único e acima de todas as criaturas, isso significa que homens e mulheres são iguais, sem distinção de raça e gênero – explica Elsakaan -. Qualquer um que mude este plano está quebrando a lei do Islã. Interpretar os versos do Alcorão de tal forma que o homem é superior também seria uma contradição do próprio Islã e dos preceitos de Deus que, de fato, são baseados na justiça. Portanto, a discriminação e a desigualdade são contrárias à lei islâmica. Finalmente, o temor de Deus é o único fator discriminante: seremos julgados pelo que fizemos”. A pesquisadora, portanto, citou algumas feministas islâmicas, incluindo Ziba Mir-Hosseiniantropóloga e ativista jurídica pela justiça de gênero que deseja modificar as leis baseadas na "Sharìa", como as do casamento e do divórcio, a partir de uma comparação da jurisprudência islâmica com os juristas, e Amina Waduda imã feminina, que releu o Alcorão em busca de sua identidade feminina. Desenho de Anna Contessini retirado de www.cipax-roma.it/galleria_contessini/index.html A noite foi moderada pelo editor da NEV News Agency, Elena RibetQue ela interveio mencionando o papel dos monoteísmos e das religiões tradicionais e indígenas. “A violência patriarcal ao longo da história excluiu cada vez mais as mulheres da liderança nas sociedades e religiões, por exemplo, relegando o xamanismo feminino e os movimentos espirituais à marginalidade”, disse ela. Citando o arqueólogo Maria Gimbutas, Ribet lembrou como a chamada "civilização da Deusa" da Velha Europa, pacífica, igualitária e altamente evoluída nos campos da cerâmica, tecelagem, agricultura, metalurgia e comércio, foi quase exterminada pelos Kurgans, ou proto-indo-europeus ou Yamna, que entre o sexto e o terceiro milênio aC caiu na Europa e depois no Cáucaso e na Índia, trazendo guerra e devastação. De acordo com Gimbutas, “O choque entre essas duas ideologias e estruturas socioeconômicas leva a uma transformação drástica da Europa antiga. As mudanças se expressam como uma transição da ordem matrilinear para a patrilinear, da teocracia erudita para o patriarcado militante, da sociedade sexualmente equilibrada para a hierarquia dominada pelos homens, da religião da Deusa ctônica para o panteão masculino indo-europeu orientado para o céu. Por fim, ao destacar como a linguagem afeta também a construção do pensamento, no imaginário coletivo e nas hierarquias de poder, citou o pastor batista Silvia Rapisarda, segundo o qual: “No princípio era o hokmah: conhecimento, sabedoria. Então nos voltamos para o grego e ele se tornou o logos: a palavra, o discurso, a razão. Então nos inclinamos para o latim e ficou: o verbo. No princípio era o ruah: poder vital. Então nos inclinamos para o latim e se tornou: o espírito. No princípio era Shaddai: Deus dos seios. Então nos inclinamos para o grego e o latim e ficou: o todo-poderoso”. A conferência contou com a presença, entre outros, do vice-presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI), pároco José MiglioE Frances Kochex-presidente da Casa Internacional da Mulher em Roma. O canteiro de obras da Cipax também foi criado graças à contribuição da Otto per mille Waldensian – União das Igrejas Metodistas e Valdenses. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.