África.  O lento caminho dos direitos humanos.  Prêmio ACAT abre a conferência

África. O lento caminho dos direitos humanos. Prêmio ACAT abre a conferência

Roma (NEV), 12 de dezembro de 2022 – A conferência “África, a lenta jornada dos direitos humanos: desafios, perspectivas, testemunhos” está sendo realizada hoje às 17h30 na Aula Magna da Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Promovido porAção dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT)representa o evento final do projeto ACAT Italia 2022 Graduation Award “para acabar com a tortura e pelos direitos dos migrantes” e é apoiado peloOito por mil da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense.

“Em que estado estão os direitos fundamentais no continente africano? Quais são os cenários e as dificuldades enfrentadas pelos defensores de direitos humanos? Como se entrelaçam as violações a que são submetidas mulheres e homens com o fenômeno da migração?” Estas são apenas algumas das perguntas que os hóspedes tentarão responder. A ACAT escreve: “Uma data que não é acidental, mas escolhida porque perto de 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos e uma questão igualmente não aleatória, a dos direitos humanos no continente africano, numa fase em que a rota mediterrânica volta a ocupar as páginas dos jornais e a animar o debate público de forma extremamente instrumental e ao mesmo tempo superficial, como se por trás do fenômeno migratório houvesse razões não muito específicas mas também muito heterogêneas”.

De facto, de acordo com o Relatório 2021/22 da Amnistia Internacional, a associação informa, “os últimos anos, graças à pandemia de covid19, os conflitos em curso, a forte instabilidade política e social, as catástrofes ambientais, a corrida ao primeiro explorar, foram marcada por uma acentuada deterioração em matéria de protecção dos direitos fundamentais. Dos massacres contra civis perpetrados por grupos armados, inclusive de origem terrorista, à limitação da liberdade de expressão e do direito de oposição por parte dos Estados, passando pelo uso de armas contra manifestantes pacíficos, censura ou perseguição a ativistas e defensores de direitos humanos, sem esquecer a dificuldade de acesso a cuidados básicos de saúde, água, alimentação, ou o aumento da violência e abusos contra mulheres, meninas e pessoas LGBTI”.

Participantes: Michael Kalembamembro da ACAT República Democrática do Congo, membro do Bureau Internacional da FIACAT (Federação Internacional da ACAT), coordenador do projeto FIACAT-ACAT DRC contra a prisão preventiva abusiva e atualmente refugiado na França precisamente em virtude de seu compromisso com os direitos humanos . Lyonel Grassy, Directeur de plaidoyer da FIACAT e ativo em vários projetos no continente africano. Irmã Paula Vizzottomissionário da Imaculada Conceição, voluntário por muitos anos nas prisões de Camarões e atualmente em Rebibbia. Luke Attanasiojornalista e escritor, autor de Amanhã do boletim Áfricas (África no plural). Para coordenar as intervenções Massimo Zaurrinijornalista de revista africa e diretor administrativo da África e Negócios.

Na abertura, a cerimônia de premiação do ACAT Italia 2022 Graduation Award.

Aqui está o folheto:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille Waldensian, diretrizes para 2023 publicadas

Otto per mille Waldensian, diretrizes para 2023 publicadas

Claudio Schwarz, unsplash Roma (NEV), 14 de novembro de 2022 – Foram publicadas hoje as diretrizes para participar da Chamada Otto per Mille (OPM) valdense e metodista de 2023, que será aberta de 5 a 27 de janeiro de 2023. Conforme declarado em um comunicado à imprensa em ChiesaValdese.org, todas as associações que desejam apresentar um pedido de financiamento para suas iniciativas de solidariedade na Itália e no exterior, portanto, têm a oportunidade de consultá-las, para preparar um projeto e documentação conforme as diretrizes elaboradas pelo Tavola Valdese. Está também disponível um documento de perguntas e respostas a perguntas frequentes, para esclarecer as dúvidas mais comuns. No site www.ottopermillevaldese.org, na página "Enviar um Projeto", você pode ler esta e outras informações para participar da chamada. “Nunca como neste momento – declarou Manuela Vinay, chefe do Gabinete Otto per Mille de Tavola Valdese – sabemos da importância do apoio que podemos oferecer ao nosso e aos outros países. Por esta razão decidimos não alterar a abordagem aberta que sempre caracterizou a nossa Chamada, tentando simplificar alguns aspectos para facilitar a participação”. A União das Igrejas Metodistas e Valdenses contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille IRPEF e optou por destinar todas as contribuições que lhe são devidas exclusivamente para apoiar intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, na Itália e no exterior: “Para isso, explica Manuela Vinay, todos os anos oferecemos a todos a oportunidade de apresentar propostas para obter uma contribuição econômica; a seleção de projetos ocorre com base no único critério de compartilhar nossos valores e princípios de solidariedade, sem preconceitos de natureza ideológica, política ou confessional. Em 2022 foram selecionados mais de 1.500 projetos, para os quais se destinaram um total de cerca de 45 milhões de euros, num total de quase 5.000 candidaturas submetidas à nossa aprovação”. Os 8×1000 podem ser atribuídos por todos os contribuintes a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tenha assinado um acordo, ou ao próprio Estado. O 8×1000 funciona mesmo como um voto, porque é dividido entre o Estado e as entidades religiosas, na proporção das escolhas feitas. “A consciência de viver em tempos particularmente difíceis em que o egoísmo parece prevalecer – acrescenta Vinay – nos faz pensar quais são as razões dessa deriva, sejam anos de falta de bons exemplos ou má administração. Há quem tenha encontrado “boas razões” para defender espaços, bens, direitos, erguer muros em detrimento de outras pessoas que já nem sequer são percebidas como seres humanos, mas parecem ter se tornado definições abstratas, mais fáceis de atropelar. Esta mentalidade generalizada e penetrante afeta a Itália, mas também outros países com um efeito disruptivo que fecha a possibilidade de estarmos “próximos” dos nossos vizinhos mais ou menos distantes. Para nós crentes é impossível não pensar que direitos, paz, fraternidade, alívio, hospitalidade podem se tornar palavras incômodas. Eles são a base da nossa razão de existir e como igrejas estaremos sempre próximos dos necessitados e daqueles que dedicam suas vidas ao bem do próximo. Neste contexto complexo - conclui o responsável do OPM valdense -, em que as soluções aparecem distantes e as boas intenções infelizmente não tão próximas, queremos, como todos os anos, acender uma luz e oferecer o nosso apoio a muitas realidades que vivem cada dia em seu próprio território o mais alto sentido da vida. Ou seja, aquela que só faz sentido se vivida na relação com o outro, dedicando-se a partilhar os valores nos quais nos reconhecemos”. Para qualquer outra informação: ...

Ler artigo
“Covid não existe só”

“Covid não existe só”

Roma (NEV/CELI), 29 de abril de 2021 – Quatro anos como deputado e desde outubro de 2020 Presidente do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Ele é Wolfgang Pradere como seu antecessor Georg Schedereit, é originalmente do sul do Tirol e, portanto, bilíngüe desde a infância. Prader espera importantes impulsos para o futuro da 2ª Sessão do XXIII Sínodo. Segundo ele, a Covid comprimiu demais o campo de visão e é hora de retomar os temas que são de absoluta importância para o futuro, como meio ambiente ou injustiça social. É diferente planejar um sínodo como vice-presidente do que ser totalmente responsável por ele como presidente? Sim, caso contrário! Embora trabalhemos juntos de forma extremamente construtiva e sejamos uma equipe muito boa, no final, a decisão final cabe a mim. E sim, isso faz a diferença! Você é uma pessoa que toma decisões facilmente? Vamos colocar desta forma: quando tomo uma decisão, eu a mantenho. Mas nunca tomo decisões precipitadas e certamente sou antes de tudo um trabalhador em equipe; acima de tudo sei ouvir. O que nunca faço é me fixar em algo, prefiro ponderar bem as coisas antes de chegar a uma conclusão. Em comparação com os últimos Sínodos, qual foi a maior dificuldade em organizar o seu primeiro Sínodo como Presidente? Tivemos apenas uma oportunidade de nos encontrar pessoalmente, na primeira reunião do consistório imediatamente após nossa eleição em outubro passado. Depois disso, todas as reuniões aconteceram em modo digital, telefone, e-mail, Zoom, Teams… planejar um evento como um sínodo dessa forma é realmente cansativo e trabalhoso. Uma conversa direta deixa mais espaço, é mais espontânea, põe em movimento outros fios de pensamento, deixa mais espaço para a espontaneidade, inspiramo-nos uns aos outros. Reuniões digitais são extraordinariamente eficientes para isso, mas falta a possibilidade dos bastidores, que muitas vezes trazem algo a mais. Você mesmo é um especialista em TI… Sim certamente. E certamente continuaremos a usar muitos dos formatos digitais que já experimentamos e que se mostraram eficazes. A pandemia simplificou e acelerou muitas coisas nesse sentido. Esperando verdadeiramente que este seja o primeiro e também o último sínodo virtual, não podemos deixar de perceber que, para o que se costuma definir como heterogênese de fins, existem também alguns efeitos "colaterais" positivos. Por exemplo, economia de tempo para quem pode participar de casa ou a oportunidade de todos os membros da igreja acessarem o sínodo, independentemente de onde estejam. Quem sabe para o futuro talvez possamos pensar em um modelo híbrido, ou seja, um sínodo presencial com conexão parcial ao vivo, por exemplo. Normalmente nesses primeiros seis meses ele teria que viajar muito mais, como "embaixador" do CELI. Isto é verdade. E isso também é um aspecto que pesou um pouco nesses primeiros seis meses. Tivemos um encontro digital com os valdenses. Participamos da conferência dos presidentes das comunidades do CELI. Consoante a evolução da pandemia, o próximo encontro da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), em junho, para o qual somos convidados a participar, será também online. E ainda não está claro o que acontecerá no verão e no outono. Decisões de longo prazo são esperadas de um sínodo. Na sua opinião, quais são os desafios que precisam de uma resposta mais urgente? No momento tudo, mesmo tudo, está focado no Covid. eu diria demais. Na verdade, há tantos problemas que precisam de respostas imediatas. Mesmo perante um desafio global como o Covid-19, temos de ocupar todo o espaço de que necessitamos para podermos lidar com outras questões, não menos importantes para o futuro, senão ainda mais urgentes. Estou a pensar no ambiente e no desenvolvimento sustentável, em suma, em todas as questões abordadas pela Agenda 2030. Este é também um dos grandes desafios do nosso tempo, que nos diz respeito a todos e que exige não só intervenções imediatas e coletivas, mas também a nível individual, cada um de nós é chamado a assumir responsabilidades diretamente! Depois, há a questão da justiça social. O fosso social devido à pandemia está a aumentar globalmente, mas também nas nossas sociedades, nas nossas cidades. E depois há a questão do acesso à educação: também aqui a Covid agravou a situação de muitas famílias, de muitas crianças e jovens. Sem falar na questão da saúde e do acesso à assistência médica. Todos os campos onde vejo uma grande responsabilidade individual, mas também das igrejas, da nossa igreja. Na sua opinião, o papel da Igreja mudou após a pandemia? Eu formularia de forma diferente. Através da pandemia talvez tenhamos nos tornado mais conscientes do papel da Igreja em relação às nossas tarefas na pastoral e na sociedade. Quando o aspecto da comunidade falha e a igreja é experimentada digitalmente, duas coisas acontecem. Por um lado, percebemos que de repente algo está faltando, algo que tínhamos como certo. Por outro lado, entendemos que a igreja também é um elemento social importante e que, ao contrário do que pensávamos antes, ela pode muito bem e deve ser vivida em diferentes formatos. Mesmo virtuais! O que você espera concretamente deste sínodo? Espero que do diálogo dos seis grupos de trabalho – virtualmente reunidos em “salas” menores – surjam decisões que possam determinar os rumos do CELI no futuro. Todos os seis temas são importantes e requerem respostas concretas para o trabalho comunitário: Meio Ambiente, Justiça de Gênero, Diaconia, Juventude, Processamento do Período Pandêmico e Digitalização. A questão da justiça de gênero não é isenta de controvérsia no meio protestante. Como é a abordagem do CELI? Estamos abordando esse assunto com muita seriedade, mas com calma, franqueza e sem preconceitos. Convocamos todas as comunidades a participarem da elaboração do documento, envolvendo todos. A comissão fez um excelente trabalho, que resultou na declaração conjunta que espero que seja votada. A hospitalidade eucarística é um tema muito controverso, especialmente na Alemanha. Não estará entre os temas que o Sínodo abordará? Para nós não é um problema, ou melhor, não é vivido como tema de conflito, nem para os teólogos nem para as Comunidades. Simplesmente cumprimos o acordo de Lund: aqui todos os batizados são bem-vindos à mesa do Senhor. Onde você vê a necessidade de ação imediata? Precisamos apresentar melhor nossas comunidades externamente, dar a conhecer suas atividades também por meio de plataformas digitais. Maior visibilidade é um pré-requisito para poder crescer. em 28.04.21 Leia no site do CELI ...

Ler artigo
Quando os migrantes querem rezar

Quando os migrantes querem rezar

foto de Corey Collins @unsplash Roma (NEV), 19 de janeiro de 2023 – “A realidade do pluralismo religioso é muito mais difundida e enraizada do que ainda está institucionalizada, […] comunidades que são lugares onde os desenraizados encontram esperança e também a possibilidade de redenção". E depois um "postal de Lampedusa". Onde são guardados muitos objetos religiosos que os migrantes carregam em barcos pelo Mediterrâneo. “Temos uma narrativa que nos diz que aquele objeto é socialmente perigoso, perturbador, oneroso. Tentamos demonstrar que esse objeto é um recurso, é um capital humano e social, e é um pecado no sentido bíblico não usar esse talento, não alugar esse capital”. Com estas palavras, respectivamente Maurizio Ambrosini e Paolo Naso, dois dos autores de Quando os imigrantes querem rezar. Comunidade, pluralismo, bem-estar (ed. il Mulino, 2022), com Samuel David Mollyconcluíram uma reunião ontem à noite, no Campidoglio, a partir de seu último trabalho. A apresentação do livro e a posterior mesa redonda contaram com a presença do vereador da cidade Carla Fermariello para Roberto Gualtieri Prefeito de Roma, Tobias ZeviConselheiro para Políticas de Patrimônio e Habitação de Roma Capital, Frank Hippolytuspresidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Yassine Laframpresidente da União das Comunidades Islâmicas na Itália, o ex-ministro Luciana Lamorgeseprefeito, marco impagliazzopresidente da Comunidade de Sant'Egidio, Mons. Lúcio Eles parecem do dicastério para o diálogo inter-religioso e Mons. Siluan Șpan, bispo da diocese ortodoxa romena na Itália. A nomeação foi moderado por Cláudio Paravatidiretor da revista e Centro de Estudos Confronti. Aqui está o vídeo e a gravação completa da reunião de ontem no Campidoglio, editada pela Radio Radicale: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.