África.  O lento caminho dos direitos humanos.  Prêmio ACAT abre a conferência

África. O lento caminho dos direitos humanos. Prêmio ACAT abre a conferência

Roma (NEV), 12 de dezembro de 2022 – A conferência “África, a lenta jornada dos direitos humanos: desafios, perspectivas, testemunhos” está sendo realizada hoje às 17h30 na Aula Magna da Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Promovido porAção dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT)representa o evento final do projeto ACAT Italia 2022 Graduation Award “para acabar com a tortura e pelos direitos dos migrantes” e é apoiado peloOito por mil da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense.

“Em que estado estão os direitos fundamentais no continente africano? Quais são os cenários e as dificuldades enfrentadas pelos defensores de direitos humanos? Como se entrelaçam as violações a que são submetidas mulheres e homens com o fenômeno da migração?” Estas são apenas algumas das perguntas que os hóspedes tentarão responder. A ACAT escreve: “Uma data que não é acidental, mas escolhida porque perto de 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos e uma questão igualmente não aleatória, a dos direitos humanos no continente africano, numa fase em que a rota mediterrânica volta a ocupar as páginas dos jornais e a animar o debate público de forma extremamente instrumental e ao mesmo tempo superficial, como se por trás do fenômeno migratório houvesse razões não muito específicas mas também muito heterogêneas”.

De facto, de acordo com o Relatório 2021/22 da Amnistia Internacional, a associação informa, “os últimos anos, graças à pandemia de covid19, os conflitos em curso, a forte instabilidade política e social, as catástrofes ambientais, a corrida ao primeiro explorar, foram marcada por uma acentuada deterioração em matéria de protecção dos direitos fundamentais. Dos massacres contra civis perpetrados por grupos armados, inclusive de origem terrorista, à limitação da liberdade de expressão e do direito de oposição por parte dos Estados, passando pelo uso de armas contra manifestantes pacíficos, censura ou perseguição a ativistas e defensores de direitos humanos, sem esquecer a dificuldade de acesso a cuidados básicos de saúde, água, alimentação, ou o aumento da violência e abusos contra mulheres, meninas e pessoas LGBTI”.

Participantes: Michael Kalembamembro da ACAT República Democrática do Congo, membro do Bureau Internacional da FIACAT (Federação Internacional da ACAT), coordenador do projeto FIACAT-ACAT DRC contra a prisão preventiva abusiva e atualmente refugiado na França precisamente em virtude de seu compromisso com os direitos humanos . Lyonel Grassy, Directeur de plaidoyer da FIACAT e ativo em vários projetos no continente africano. Irmã Paula Vizzottomissionário da Imaculada Conceição, voluntário por muitos anos nas prisões de Camarões e atualmente em Rebibbia. Luke Attanasiojornalista e escritor, autor de Amanhã do boletim Áfricas (África no plural). Para coordenar as intervenções Massimo Zaurrinijornalista de revista africa e diretor administrativo da África e Negócios.

Na abertura, a cerimônia de premiação do ACAT Italia 2022 Graduation Award.

Aqui está o folheto:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

25 de dezembro, adoração de Natal no Eurovision da igreja reformada de Paris

25 de dezembro, adoração de Natal no Eurovision da igreja reformada de Paris

Foto da Wikipédia Roma (NEV), 18 de dezembro de 2019 – O culto evangélico de Natal da igreja reformada de Paris será transmitido na quarta-feira, 25 de dezembro, às 10h, no Eurovision, no RAIDUE. A edição italiana é editada pela seção de protestantismo. O culto evangélico, na tradição habitual do Natal, contempla uma liturgia repleta de canções tradicionais e gospel. Participam o "Paris Gospel Choir", o grupo "Nordic Wind Trio" e o artista Jorge Sebá. A pregação é feita pelo pastor Jean Christophe Robert. Para rever os episódios visite o site VIDEO Protestantismo no endereço de e-mail do Facebook: [email protected]; [email protected] A seção religiosa "Raidue Protestantismo" é editada pela Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). ...

Ler artigo
Jovens transexuais, suas vidas importam

Jovens transexuais, suas vidas importam

Karollyne Hubert, antisplash Roma (NEV), 13 de março de 2023 – O bem-estar dos jovens transgêneros e não-binários é importante. Isso foi sublinhado pela Igreja Unida de Cristo (UCC), manifestando-se a respeito de inúmeras medidas atualmente em discussão em vários estados dos EUA. No início de março, de acordo com a igreja, “385 projetos de lei anti-LGBTQ foram apresentados, incluindo 108 destinados a acabar com os cuidados de saúde de afirmação de gênero para jovens trans e não binários. Isso coloca em risco mais de 54.000 jovens trans que estão assumindo ativamente cuidados médicos que salvam vidas – as leis mais anti-LGBTQ já introduzidas em uma única temporada legislativa. A Conferência Indiana-Kentucky UCC, que sediará o Sínodo Geral em junho, segue especificamente 20 projetos de lei anti-LGBTQ. Que a UCC define como "tentativas violentas de interromper o florescimento da criação de Deus". A juventude trans, continua o site da igreja, “são membros sagrados de nossa família coletiva. Agora, mais do que nunca, a juventude trans precisa de nós. E, neste momento, nossa resposta cristocêntrica só pode ser retornar à abundância que o próprio Deus nos dá para florescer. Aos jovens trans e não binários, “saibam que a Igreja Unida de Cristo atua em solidariedade a vocês”, continua o texto. No portal encontram-se também várias formas e sugestões para atuar diretamente, mobilizar e fazer ouvir a sua voz. Por exemplo, enviando uma mensagem aos representantes do Congresso ou organizando eventos de conscientização.“Podemos agir com amor, graça e justiça por nossos irmãos e irmãs trans e não binários”, conclui o UCC. Para saber mais: ACLU (União Americana pelas Liberdades Civis) Tempo REFO Rede Evangélica fé e homossexualidade ...

Ler artigo
6 de novembro, Dia da ONU contra a Exploração do Meio Ambiente na Guerra

6 de novembro, Dia da ONU contra a Exploração do Meio Ambiente na Guerra

Um ativista da paz nepalês da Operação Híbrida União Africana-ONU em Darfur (UNAMID) planta uma árvore do lado de fora da sede da UNAMID em El Fasher, Sudão. Foto da ONU/Albert Gonzalez Farran tirada de www.un.org/en/observances/environment-in-war-protection-day Roma (NEV), 3 de novembro de 2022 – No dia 6 de novembro, data em que se celebra desde 2001 o Dia Internacional para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente na Guerra e nos Conflitos Armados, também terá início a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima ( COP27 ). Neste contexto, e às vésperas do encontro nacional de ecocomunidades organizado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), foi lançado um documento conjunto. Assinado por GLAM, Pax Christi e pelo Grupo Inter-religioso para as Atividades Ecumênicas de Nápoles, o documento fala daecocídio como "um crime, pois ameaça a paz, a segurança e o bem-estar do mundo". Recordando uma declaração divulgada pelo Observatório sobre conflitos e meio ambiente e outras organizações, os signatários lembram que “O meio ambiente é um objetivo civil. A proteção ambiental é vital para a proteção dos civis. A contaminação ambiental pelo uso de armas explosivas representa riscos agudos e crônicos à saúde dos civis. Os detritos gerados pelo uso intensivo de armas explosivas em áreas povoadas podem criar riscos ambientais persistentes à saúde”. Além disso, sublinhando a coincidência entre o Dia da ONU e o início da COP27, as organizações voltam a escrever: "acreditamos que o termo 'desarmamento climático' exprime a ameaça ao planeta e o sofrimento do resto da criação devido às violentas e armadas gerenciamento de conflitos humanos. O dia 6 de novembro é, portanto, um dia para renovar o compromisso por uma paz justa para a Terra que passe pelo desarmamento e pela libertação das guerras e de uma 'ordem' mundial baseada na agressão, terror e desestabilização”. Para saber mais Baixe aqui o apelo conjunto: Dia da ONU sobre guerras, conflitos e meio ambiente. Para saber mais sobre o VI encontro nacional de ecocomunidades, intitulado "Plantando uma semente" (Nápoles, 4-6 de novembro de 2022), baixe o programa completo aqui: brochura do encontro nacional de ecocomunidades de 4 a 6 de novembro. Entre outras coisas, uma conferência pública, intitulada "Eco teologias para a comunidade da criação", está prevista para 4 de novembro às 18h30. Presença na igreja valdense, via dei Cimbri, 8 em Nápoles ou online na página GLAM no Facebook. Para todos os detalhes clique aqui: Folheto Conferência Pública 4 de novembro Nápoles. a COP27 A COP27 é a 27ª conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas e será realizada de 6 a 18 de novembro de 2022 em Sharm El Sheikh, Egito. Da Itália, o jovem metodista é creditado Irene Abbra, entre os representantes da campanha global Clima SIM (sigla para Youth Ecumenical Summit), liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Irene Abra também é Embaixadora do Clima do Conselho Metodista Europeu. O Climate YES nasceu no contexto da COP26 e da campanha mundial metodista Climate Justice for All (CJ4A). Quarenta jovens ativistas climáticos da Federação Luterana Mundial (FLM) também se juntarão à COP27 em uma espécie de revezamento com o lema "A criação não está à venda". São jovens de todo o mundo que, juntamente com várias organizações religiosas e da sociedade civil, defendem questões ambientais e negociam por justiça climática a nível global, regional e local. A FLM está presente nas conferências de mudanças climáticas das Nações Unidas desde 2011, defendendo o clima e a justiça intergeracional. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.