Sínodo Luterano.  Inclusivo e digital no futuro

Sínodo Luterano. Inclusivo e digital no futuro

Roma (NEV/CELI CS12), 2 de maio de 2021

2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) 29.04/01.05.2021

Continuidade, mudança, futuro. A misericórdia como responsabilidade da Igreja

Declaração sobre Justiça de Gênero

Igualdade de gênero como expressão de fé

Criação de uma plataforma digital profissional

Um desafio superado de forma excelente e com muita disciplina: um sínodo em formato online. Em vez do habitual encontro presencial, dois dias e meio de trabalho concentrado em frente a uma tela. O resultado mais importante da 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália são duas decisões corajosas que guiarão a Igreja e suas comunidades em seu trabalho futuro. A aprovação de uma declaração programática sobre justiça de gênero e uma moção da Comissão Digital, aprovada por ampla maioria, sobre a criação de uma plataforma digital CELI. Outro destaque deste sínodo 2.0 foi a conferência com o convidado de honra, o secretário geral da Federação Luterana Mundial (WLF), Martin Junge.

Muitos ferros na brasa no último dia do Sínodo, 1º de maio, com grande número de moções a serem aprovadas. O documento sobre justiça de gênero, aprovado após um debate muito intenso e acalorado, não é apenas a expressão de uma mentalidade aberta, mas quase uma declinação específica do título do sínodo, que colocou no centro de seus trabalhos o tema da misericórdia, ou seja, a a aceitação do outro sem preconceitos e o profundo respeito pelo seu ser. Foi claramente sublinhado que este tópico não apresenta nenhum perfil problemático dentro da igreja. A aceitação do outro (tanto em relação à orientação sexual quanto contra qualquer discriminação étnica) é um dado adquirido. A Igreja, por outro lado, tem como missão específica “sair do armário” e promover fortemente os temas do acolhimento e da integração na sociedade. O pré-requisito é uma atitude aberta e sem preconceitos, que deve ser expressa pelo menos adotando um modo de falar e agir inclusivo em todos os níveis, inclusive na pregação, culto e catequese, e nas comunicações públicas.

A sede do Decanato da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI)

Destaque também para o projeto de três anos de um plataforma digital profissional. Especialmente após a experiência da pandemia e para superar um problema objetivo de acessibilidade “geográfica” ou por outros motivos, o CELI pretende viabilizar a pastoral e a assistência religiosa, bem como a informação sobre o luteranismo em sentido geral, através de podcasts, online estudos bíblicos, possibilidade de diálogo através de blogs, culto online e páginas interativas. E isso também para atender às necessidades e expectativas daqueles que se interessam por temas religiosos e pela igreja, mesmo que não desejem se comprometer em uma comunidade.

Na sexta-feira, 30 de abril, os temas justiça de gênero, digitalização, pandemia, diaconia, juventude e meio ambiente foram discutidos em Grupos de trabalho. Nesses grupos menores, uma troca de ideias frutífera e animada foi possível, apesar do formato digital. Porém, há um elemento que une as conclusões de todos os grupos: todos os temas dependem muito da estrutura das respectivas comunidades.

Vamos Saudações do convidado houve profundo apreço pelo CELI e suas atividades, bem como pela positiva cooperação. Entre outros, Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI); o moderador do Tavola Valdese, Alessandra Trotta; o presidente da Ópera das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), Mirella Manocchio e o presidente da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI), João Paulo Arquidiácono; o bispo Leon Novak (Eslovênia); mons. Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal da CEI para a cooperação entre as Igrejas; Martin Hubner, secretário-geral do Martin Luther Bund; os representantes da Igreja Evangélica Luterana Unida da Alemanha (VELKD) e da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD), Norbert Denecke E Olaf Wassmuth; Klaus Rieth da Igreja de Württemberg; Enno Haakssecretário-geral da Gustav Adolf Werk; Mário Fishersecretário-geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (ECCP); a presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), Gabriela Lio; o presidente do Sínodo da Igreja da Baviera, Annekathrin Preidel e o presidente da Claudiana, Eugênio Bernardini.

Leia no site do CELI

[email protected]

Anexo: Posição de Justiça de Gênero tomada

Veja todo o especial: Sínodo Luterano 2021

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Papa Emérito Bento XVI deixa um legado de diálogo ecumênico

O Papa Emérito Bento XVI deixa um legado de diálogo ecumênico

Foto Observatório Romano Roma (NEV/CEC), 31 de dezembro de 2022 – “Em nome do Conselho Mundial de Igrejas, expresso nossas mais profundas condolências pelo falecimento do falecido Papa Emérito Bento XVI. Ele foi o primeiro papa a vir de um país, a Alemanha, que vê protestantes e católicos quase em igual medida, bem como um país no centro da Reforma do século XVI. Com estas palavras o Secretário Geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Pe. Ioan Saucaexpressou as condolências do corpo mundial, após o anúncio pela Santa Sé da morte do Papa Emérito Bento XVI. Bento XVI também foi o primeiro papa a servir em um comitê do Conselho Mundial de Igrejas, entre os membros católicos da Comissão de Fé e Constituição. Pouco depois de Bento XVI se tornar papa, as queixas de longa data que impediam as reuniões da Comissão de Diálogo Católico-Ortodoxo foram superadas. Em 2007, a Comissão elaborou a "Declaração de Ravenna", como um primeiro passo para superar a velha divergência sobre o papel do papado. Curiosamente, várias figuras-chave neste processo foram todos membros da Comissão de Fé e Constituição do CMI. “Benedetto demonstrou coragem em sua liderança, em seus escritos e em suas declarações”, disse Sauca. E acrescentou: “No movimento ecumênico unitário, ele afirmou constantemente o profundo envolvimento da Igreja Católica Romana no ecumenismo como irreversível, especialmente em responder às questões que envolvem a Igreja no mundo”. Também o moderador do Comitê Central do CMI, o bispo Heinrich Bedford-Strohm, divulgou um comunicado: “Compartilho minhas mais profundas condolências pela morte do Papa Emérito Bento XVI, com o Papa Francisco e toda a sua Igreja. Quando pensava na sua vida, muitas vezes me lembrava das palavras que pronunciou no seu 85º aniversário, 16 de abril de 2012, na Capela Paulina do Vaticano. Juntamente com uma delegação bávara, tive o privilégio de participar deste pequeno serviço muito pessoal”. Naquela ocasião, o papa emérito disse: “Agora estou enfrentando o último capítulo da minha vida e não sei o que me espera. Eu sei, porém, que a luz de Deus existe, que ele ressuscitou, que sua luz é mais forte que qualquer escuridão, que a bondade de Deus é mais forte que qualquer mal neste mundo”. Bedford-Strohm concluiu: “Benedict provavelmente não teria pensado em viver mais dez anos completos. No entanto, estou certo de que agora ele experimenta a verdade dessas palavras ditas então”. Para saber mais: CMI expressa respeito pela renúncia do Papa Bento (comunicado de imprensa CEC 11 de fevereiro de 2013) As contribuições do Papa Bento XVI para a unidade cristã (comunicado de imprensa do WCE em 27 de fevereiro de 2013) O Papa Bento XVI e o líder do CMI reafirmam objetivos comuns para a unidade visível da Igreja (comunicado de imprensa do CEC em 4 de dezembro de 2010) O secretário-geral do CMI expressa confiança no progresso da unidade cristã (comunicado de imprensa do CMI em 25 de janeiro de 2008) Bento XVI: Kobia reza por um renovado compromisso de abertura ecumênica e um diálogo de conversão (comunicado de imprensa do CEC de 20 de abril de 2005) Relatório da seção de Joseph Ratzinger à Comissão de Fé e Constituição do CMI em Louvain - 1971 ...

Ler artigo
“A fé e o amor são universais”

“A fé e o amor são universais”

2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Prof Azza Karam, Secretária Geral de Religiões para a Paz, compartilha saudações à 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Karlsruhe (NEV), 5 de setembro de 2022 - "O amor de Cristo não é apenas para os cristãos, mas também para mim, e eu sou muçulmano". Com estas palavras Azza Karamsecretário-geral das Religiões pela Paz, coalizão internacional de representantes das religiões do mundo dedicadas à promoção da paz, "ganhou" os aplausos e o consenso da audiência plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, reunida na Alemanha desde agosto 31º. Egípcio, mora em Nova York, professor de estudos religiosos em Amsterdã, ex-funcionário da ONU, está à frente do movimento fundado em 1970 ao qual aderem mais de 900 líderes religiosos de 90 países. Nós a conhecemos nos bastidores do evento do WCC em Karlsruhe. Em seu discurso disse que "O amor de Cristo é para todos": o que isso significa? “A mensagem de Cristo é uma mensagem de fé, crença e paz que se aplica a todos os homens e mulheres. Não creio que haja qualquer referência nos Textos que diga que isso se aplica apenas aos cristãos. Mesmo que os diversos grupos e comunidades religiosas sempre tenham se "apropriado" da mensagem do Senhor, isso é normal. Mas isso contradiz o fundamento da mensagem - a revelação divina - que é e é válida para todos os seres humanos. E para todas as criaturas vivas. Quais são os principais desafios do movimento que representa? Religiões pela paz parece um pouco com as Nações Unidas, na verdade representamos todas as grandes instituições de religiões e credos do mundo – mais de uma centena – e por isso, assim como as Nações Unidas, temos uma assembléia geral… É um espaço e trabalho complexo porque cada entidade procura perseguir seus próprios interesses. Resguardar os espaços políticos de qualquer grupo que busque legitimar sua agenda também dificulta nossa missão. Acho que esta é uma das questões cruciais: todos nós vemos o que é o bem comum, mas temos que descobrir como chegar a um acordo sobre o que fazer juntos, como trabalhar juntos para salvar esse mesmo bem comum. Um desafio muito importante é justamente pedir aos nossos líderes que não pensem territorialmente, que não pensem apenas em sua própria igreja ou comunidade. E também temos que lidar com a interferência política, que sempre existiu, mas está crescendo. Acredito que com o colapso das ideologias – neoliberalismo, capitalismo, socialismo, comunismo – as religiões se tornaram cada vez mais uma oportunidade comum de contar histórias para conveniência política. Estamos vivendo a era – um fenômeno ciclicamente repetido – de uma forte aliança, vários tipos de alianças, entre partidos e atores políticos de um lado, instituições e atores religiosos de outro. Esse uso (ou abuso) de símbolos religiosos e religiões pela política é perigoso? Sim, muito, porque a fé não reconhece os limites das nações, a fé é universal. Enquanto a política é feita de limites, fronteiras e limites. Portanto, essas duas línguas são inúteis uma para a outra. Usar as religiões para legitimar uma narrativa política é, por um lado, limitar a ética e o propósito religioso e, por outro lado, armar a fé. O que vimos e estamos vendo na Ucrânia e na Rússia é um exemplo de como é totalmente inconcebível legitimar uma guerra em termos religiosos. Que papel para o Conselho Mundial de Igrejas neste quadro? O CMI tentou sistematicamente estabelecer um diálogo entre os diferentes atores cristãos e ortodoxos. E o desafio para o CMI, assim como para o Vaticano, é entender que o que está acontecendo não é uma questão cristã ou europeia. Duas guerras mundiais começaram na Europa. O que está acontecendo tem consequências dramáticas em termos de vidas humanas, mas também de matérias-primas, alimentos, energia. As tentativas feitas até agora parecem se concentrar em encontrar uma "solução cristã". Mas uma solução cristã para um problema global não pode ser encontrada. Quais são os próximos compromissos das religiões pela paz? Como no mito de Sísifo, procuramos trabalhar juntos para servir juntos, para apoiar os diferentes atores religiosos diante das emergências que continuarão a acontecer, envolvendo as instituições de cada religião e comunidade. Temos que trabalhar juntos, colaborar. O movimento ecumênico é certamente necessário, mas não creio que seja possível sem um movimento multirreligioso e sem diálogo, o ecumenismo sozinho ou o caminho de cada credo individual não será suficiente. Não é tão complicado quanto parece. Quando as religiões trabalham para servir juntas: essa é a cura de que precisamos, essa é a cooperação que nos permitirá salvar o bem comum. Quando cada religião faz por si é como se ferissemos a mão e cada dedo nos machucasse, e tentamos curar um dedo mas não será suficiente, porque teremos que curar a dor que vem do coração, da alma, da mente do nosso corpo. Estamos enfrentando os mesmos desafios de sempre, só que o planeta está ficando sem tempo. Sempre falamos de pobreza, guerras, ignorância, sempre temos os mesmos problemas desde que a humanidade vive neste planeta, mas agora é a Terra que está fora do tempo, porque a estamos destruindo”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Exército da Salvação.  Meio milhão de desabrigados, como ajudar

Exército da Salvação. Meio milhão de desabrigados, como ajudar

Roma (NEV), 7 de novembro de 2022 – Mais de meio milhão de sem-teto na Itália. Um número que quadruplicou em dez anos (Fontes ISTAT). O crescimento é exponencial, denuncia o Exército de Salvação (EdS). “Para a maior parte da população nacional são 'invisíveis'” escreve a EdS nos cartazes da campanha “Fé em Ação” que acaba de ser inaugurada. E, no entanto, “são mais de meio milhão. Este é o limiar das pessoas que na Itália compõem as indescritíveis populações formadas por pessoas sem-teto, desabrigadas ou que vivem em acampamentos equipados e em assentamentos tolerados ou espontâneos”. As Igrejas locais e os centros de acolhimento do Exército de Salvação (EdS) estão a tentar chegar a estas pessoas, distribuindo alimentos e artigos de primeira necessidade. Além disso, eles os recebem em suas instalações. Na Itália, como no mundo, o Exército de Salvação luta “ao lado dos mais necessitados”. Com a campanha de sensibilização e angariação de fundos "Fé em Acção", todas as semanas até ao Natal, a EdS propõe a análise de um tema de interesse social e conta a resposta que os entusiastas da saúde procuram dar. O Exército de Salvação O Exército de Salvação está presente em mais de 130 países ao redor do mundo. Oferece ajuda prática e apoio espiritual sem qualquer discriminação, defendendo as pessoas vulneráveis, lutando contra as injustiças e tentando responder às realidades da vida nas suas respectivas comunidades. Em nosso país, a EdS é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.