O dia em que o mundo disse não à guerra

O dia em que o mundo disse não à guerra

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos – imagem de arquivo festivaldirittiumani.it

Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – “As manifestações antiguerra deste fim de semana nos dizem que podem restar duas superpotências no planeta: os Estados Unidos e a opinião pública mundial”. Foi assim que o New York Times descreveu a onda de 110 milhões de pessoas que saíram às ruas em 15 de fevereiro de 2003 em todo o mundo, de acordo com seu próprio fuso horário, para se manifestar contra a guerra iminente no Iraque. “Uma superpotência de que o mundo ainda precisa”, disse ele Alfio Nicotraco-presidente da associação “Un ponte per”, na abertura da conferência “Deserto a terceira guerra mundial em pedaços” – realizada em Roma na igreja metodista na via XX Settembre por iniciativa de “Un ponte per” e o “Rete paz e desarmamento” – que com exatos vinte anos quis relembrar aquelas manifestações para tentar refletir sobre o presente.

Chris Nineham

“Depois o movimento pacifista viu-se em ligação com a maioria da população mundial, propondo uma análise partilhada da realidade e uma clara rejeição da guerra”, recordou Chris Nineham, por Stop the War Coalition, via link de vídeo de Londres. Um contexto muito diferente do atual em que “a análise da guerra na Ucrânia é controversa e não há consciência de que o Ocidente segue uma política de guerra que se faz passar por uma luta de libertação”.

“As manifestações de 2003 não impediram a guerra, mas certamente a detiveram. Os governos sabiam que estavam sob o escrutínio da opinião pública”, destacou. Piero Bernocchi Porta-voz do COBAS, recordando o papel crucial desempenhado pelo I Fórum Social Europeu realizado em Florença em 2002, do qual nasceu a ideia de um dia mundial de mobilização contra a intervenção no Iraque.

Se aquela experiência rendeu frutos, a rede que hoje a sustentava encontra-se dispersa pela crise económica que mudou as pautas da opinião pública, pelo vício de duas décadas de guerras permanentes, mas também pela dificuldade de identificar um antagonista claro se opor: “Em 2003, o poder de oposição era claro: os Estados Unidos; enquanto deve ser dito que o anti-imperialismo e a hostilidade à guerra sempre funcionaram menos bem quando a URSS ou a Rússia lideravam as guerras”. Na realidade, voltou a sublinhar Bernocchi, “hoje existem muitos ‘bandidos'” porque o mundo está repleto de conflitos regionais que podem ser percebidos como distantes, mas todos potencialmente capazes de gerar um efeito em cadeia e desencadear um conflito global .

Bernocchi não tem ilusões sobre o cessar-fogo na Ucrânia: “Terminará quando os Estados Unidos decidirem que não podem mais apoiar esse oneroso apoio militar à Ucrânia. A essa altura, o desafio será definir um acordo negocial que não humilhe a Ucrânia e não recompense a Rússia, distinguindo os agredidos dos agressores”.

Também segundo Raffaela Bolini, chefe de relações internacionais da ARCI, “o mundo de hoje não pode ser interpretado com as velhas visões”, é preciso saber relê-lo. Nisso, porém, “a experiência de vinte anos atrás ainda pode nos ensinar muito. Antes de tudo a capacidade de não sucumbir à narrativa dominante, mas de desconstruí-la”. Em 2003 significou, por exemplo, resistir ao chamado daqueles que “identificavam o Islã como o inimigo”; hoje, pode ser afirmando que na “Ucrânia não se deve buscar a vitória, mas a paz”.

A tarefa do movimento pacifista, então como agora, é, segundo Bolini, “estar do lado das vítimas e do direito internacional, não do lado dos governos” e promover uma “segurança comum compartilhada: somente quando meu inimigo se sente seguro, estou seguro também.”

Filadélfia Bennis

Muitas contribuições internacionais propuseram diferentes pontos de vista sobre a guerra na Ucrânia: o dos EUA Phyllis Bennis, do Instituto de Estudos Políticos, recordou os gravíssimos custos colaterais da guerra: a crise alimentar em várias partes do mundo, o drástico recuo das políticas ambientais, a crise energética que provoca uma maior utilização dos combustíveis fósseis, o perigo de um conflito nuclear. São consequências que devem pesar ao se pensar no conflito na Ucrânia.

da América do Sul Edgardo Landerdo Transnational Institute and Global Dialogue, convidado a distinguir a guerra travada na Ucrânia, cuja responsabilidade recai sobre a Rússia, da guerra geopolítica global travada pelos EUA no confronto com a China de que também faz parte o conflito na Ucrânia.

o iraquiano Ismaeel Daewoodda Iniciativa de Solidariedade da Sociedade Civil Iraquiana deu seu testemunho sobre as consequências de longo prazo da guerra no Iraque. No link do vídeo, Alexandre Belikdo Movimento Russo de Objetores de Consciência, contou como as autoridades russas não respeitam o direito à objeção de consciência e reprimem as “manifestações de luto” pelas vítimas da guerra.

Eles também participaram Marga FerréTransformar a Europa; Moussa ThangariEspaço Alternativo Citoyens; Ada DonnoAssociação de Mulheres da Região do Mediterrâneo; Emanuele Genovesesextas-feiras para o futuro; Parisa Nazariativista iraniano; Sérgio Bassoli, Europa para a Paz. Ele moderou a reunião Fábio AlbertiUma ponte para.

A reunião aconteceu na igreja metodista na via XX Settembre em Roma, em nome da qual o pároco cumprimentou Mirella Manocchio.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

OPM valdense, hotelaria, cultura e saúde no topo da lista de projetos

OPM valdense, hotelaria, cultura e saúde no topo da lista de projetos

foto de Alexei Scutari, unsplash Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 – Inclusão e acolhimento de migrantes, cultura e proteção da saúde são as três vertentes mais populares nos projetos financiados pelo Otto per mill Valdensian and Methodist (OPM). A cifra surge da leitura dos números relativos ao ano passado. De fato, o Tavola Valdese publicou ontem o relatório sobre os usos de 2019 do 8×1000 valdenses e metodistas. Um total de 27.524.948 euros foram alocados na Itália – 62% do valor total -, 14.463.063 no exterior. Os custos de gestão, comunicação e pessoal são reduzidos: pouco mais de 5%, 2.249.618 euros. Tudo isso - vale lembrar - em total transparência. Até o último euro que os valdenses decidem dar é um fato público, em suma. “O número de projetos financiados – declara Manuela Vinay, responsável pelo OPM – reflete o número de solicitações recebidas. Em média, apenas 1 em cada 4 solicitações é aceita e se torna um projeto 8xmille. A comissão geralmente recompensa os projetos mais convincentes. Em 2019, o maior número de fundos destinou-se ao acolhimento e inclusão de migrantes (mais de 18%), sobretudo a projetos de inclusão”. Um tema, o dos migrantes, que a olho nu terá um peso específico menor no próximo ano, quando os pedidos sofrerão forçosamente o impacto da pandemia. “Em 2020 – acrescenta Vinay a este respeito – recebemos uma queda significativa nos pedidos de financiamento nesta matéria e de facto o número de projetos financiados diminuiu na mesma proporção”. Mas a OPM valdense e metodista tem um critério que vai além dos pedidos, pode-se dizer mais meritocrático. “Recompensamos os projetos mais convincentes sem perseguir nenhum tema específico”, esclarece o gerente. Após a inclusão e aceitação, “entre as categorias predominantes em termos de recursos alocados está a deficiência física e mental. Nesta questão específica existem muitas realidades que funcionam muito bem e refletem uma necessidade real muito forte. Neste contexto, o tema “depois de nós” é o mais sentido.Outra categoria financiada com quase 16% é a cultura. Alimentar a mente significa oferecer ferramentas e estímulos para pessoas melhores que possam contribuir com a sociedade.Na frente externa, em 2019 alocamos menos recursos do que havíamos suposto inicialmente porque não recebemos pedidos suficientes que atendessem aos requisitos da comissão responsável”. A próxima chamada: todos os prazos Entretanto, deu-se início ao processo do concurso de 2021, ou seja, das contribuições que serão feitas em 2021. Na próxima quinta-feira, dia 10 de dezembro, serão publicadas as FAQs no site do OPM, perguntas frequentesou seja, as perguntas mais recorrentes, para associações, organizações, ONGs. “Espero um aumento no número de solicitações – conclui Vinay – porque o terceiro setor dá principalmente respostas concretas sobre o território. E a pandemia aumentou muito as demandas e necessidades das pessoas, principalmente das mais vulneráveis. Por isso, ainda mais, sentimos a responsabilidade de ser um ponto de referência para as organizações sem fins lucrativos e, através destas realidades, para os grupos mais fracos”. Última informação importante para as realidades que desejam participar e, portanto, solicitar a ajuda dos fundos valdenses Otto per mille: a chamada de 2021 estará aberta de 4 a 25 de janeiro de 2021. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Quinta-feira, 14 de maio, a oração anti-covid mundial

Quinta-feira, 14 de maio, a oração anti-covid mundial

Foto Albin Hillert - CEC 2019 Roma (NEV), 8 de maio de 2020 – O secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), padre Ioan Sauca, convida todas as igrejas-membro a observar o dia global de oração na quinta-feira, 14 de maio. Esta é uma iniciativa conjunta do Comitê Superior para a Fraternidade Humana, do qual o CMI faz parte, para pedir a Deus "orações e súplicas" para acabar com a pandemia do COVID-19. O apelo é dirigido a todos os líderes religiosos e povos de todo o mundo. “Muitas pessoas estão experimentando medo e incerteza, além de trauma, separação, isolamento e até morte em suas famílias ou em suas comunidades eclesiais”, disse Sauca. “Enquanto continuamos passando por esta crise global de saúde, a unidade do mundo através da oração reflete nossa disposição de cuidar uns dos outros – continuou o secretário interino -. As igrejas membros do CMI podem, cada uma de acordo com sua tradição e onde se encontram, apoiar umas às outras, cuidar das necessidades dos outros e fortalecer nossa única família humana”. Na chamada mundial de orações, o comitê disse: “Todos, onde quer que estejam e de acordo com os ensinamentos de sua religião ou fé, devem implorar a Deus que nos livre e ao mundo inteiro desta pandemia, que nos salve desta adversidade”. A convocação do comitê também destaca a importância de pedir a Deus “que inspire os cientistas a encontrar uma cura que possa reverter esta doença e salvar o mundo inteiro das repercussões sanitárias, econômicas e humanas desta grave pandemia”. A comissão também sugere dedicar um dia “aos jejuns, às obras de misericórdia, às orações e às súplicas, pelo bem de toda a humanidade”. O Comitê Superior para a Fraternidade Humana foi criado no ano passado como uma resposta concreta ao Documento de mesmo nome assinado em Abu Dhabi em fevereiro de 2019 por Papa Francisco e o Grande Imam, Ahmad Al-Tayyebna conclusão do fórum inter-religioso no Memorial do Fundador, que também contou com a presença do secretário cessante do CMI, pároco Olav Fykse Tveit. ...

Ler artigo
Vigília ecumênica em Lampedusa: a justiça diz respeito a todos ou não diz respeito a ninguém

Vigília ecumênica em Lampedusa: a justiça diz respeito a todos ou não diz respeito a ninguém

O monumento "Porta di Lampedusa, Porta d'Europa" de Mimmo Paladino Lampedusa (NEV), 25 de janeiro de 2019 – A vigília ecumênica de encerramento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos será realizada hoje, sexta-feira, 25 de janeiro, às 18h, na paróquia de San Gerlando in Lampedusa. estou comemorando Dom Carmelo La Magrapároco de Lampedusa e marta bernardinirepresentando a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, operadora da Mediterranean Hope. «Há anos trabalhamos juntos nesta ilha, católicos e protestantes, mas compartilhar momentos de oração e leitura da Palavra é sempre uma grande emoção – explica Marta Bernardini – Há poucos dias saiu um apelo ecumênico para chamar a atenção o que está acontecendo contra os migrantes em nosso país. Uma passagem diz: "Na ocasião em que celebramos o dom da unidade e da fraternidade entre os cristãos, queremos explicar a todos que, para nós, ajudar os necessitados não é um gesto benfeitor, um altruísmo ingênuo ou, pior ainda, , de conveniência: é a própria essência da nossa fé. A Justiça - conclui Marta Bernardini - diz respeito a todos ou não diz respeito a ninguém. Ou somos livres todos juntos ou somos escravos todos juntos. O texto do SPUC deste ano é retirado do Deuteronômio “Procurai ser verdadeiramente justos”, em sintonia com a mensagem ecumênica contida também no apelo conjunto sobre o tema migração e acolhimento assinado há poucos dias. Para padre Carmelo La Magra, pároco de Lampedusa, «o SPUC de Lampedusa é um momento de comunhão muito significativo, num lugar onde as nossas igrejas protestantes e católicas já colaboram vivendo juntas o compromisso com a justiça, os direitos humanos, a fraternidade e a caridade em qualquer época do ano. Em espírito de sincera amizade e fraternidade, cooperamos e apoiamos uns aos outros, mas estar reunidos também para ouvir a Palavra de Deus e rezar juntos é uma ocasião de alegria, além de ser um dom precioso”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.