Os cristãos são todos pontífices

Os cristãos são todos pontífices

Roma (NEV), 13 de maio de 2019 – Há trinta anos, em 15 de maio de 1989, foi inaugurada em Basel a primeira Assembleia Ecumênica Europeia sobre o tema “Paz na justiça”, inspirada no Salmo 85: “A justiça e a paz se abraçarão”. Pela primeira vez em séculos – desde os tempos do Grande Cisma entre o Oriente e o Ocidente (1054) e a Reforma Protestante – mais de 600 delegados oficiais das três principais denominações cristãs – ortodoxos, católicos e protestantes – reuniram-se para uma assembléia comum. Mas foi também a primeira vez que se reuniram cristãos de todos os países da Europa. De fato, a mensagem conclusiva da Assembleia começa observando que os delegados “do Leste e do Oeste, do Norte e do Sul se encontraram cruzando fronteiras confessionais e políticas que até pouco tempo atrás pareciam intransponíveis. Por mais profundas que sejam as feridas do passado da Europa, os laços que nos unem em Cristo mostraram-se mais fortes. Cresce uma comunhão que confirma a nossa esperança e por isso damos graças a Deus” (§ 1).

De facto, a esperança de Basileia tornou-se realidade apenas seis meses depois, com a queda do Muro de Berlim a 9 de Novembro de 1989. Uma queda que, pode-se dizer, foi profeticamente antecipada em Basileia pela “marcha pela paz” que atravessou três países limítrofes (Suíça, Alemanha e França) e no qual, de forma absolutamente excepcional, foi possível a participação de todos os delegados, mesmo os provenientes do bloco dos países do Leste.

Paz na justiça, superando fronteiras, derrubando muros de separação: as esperanças da primeira Assembleia Ecumênica Européia continuam a constituir o horizonte no qual os cristãos da Europa são chamados a trabalhar, seja qual for a Igreja e seja qual for o país a que pertençam.

Numa Europa onde regressam as tentações da fragmentação e da autorreferencialidade, onde se erguem novamente muros, tanto materiais como virtuais, os cristãos só podem ser pacificadores e construtores de pontes: os cristãos são todos “papas”, no sentido literal da palavra . Recorda-nos um recente documento da Conferência das Igrejas europeias, intitulado “A Europa é o nosso futuro”, afirmando que “as Igrejas estão empenhadas na construção de uma Europa melhor e no apoio ao projeto europeu de prossecução dos valores partilhados e do bem comum . Procuramos construir pontes para superar as divisões históricas e aumentar o sentido de responsabilidade para com o mundo. Diante dos conflitos, somos chamados a agir como instrumentos de reconciliação e de luta contra a opressão” (do documento “A Europa é o nosso futuro”, CEC e CCME 2019).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 8º dia.  Entre desejos e desilusões

16 dias para superar a violência, 8º dia. Entre desejos e desilusões

Foto Sammie Vasquez - Unsplash Roma (NEV), 2 de dezembro de 2022 - Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da a Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 8: 2 DE DEZEMBRO Jovens mulheres entre desejos e desilusões SOLICITARdiscutircomo defenderigual dignidadetrabalhando entremulheres jovens ehomens? Em 2022 na Itália o problema não está sóser mulher é ser mulherjovem. Felizmente, certamente estamosnuma situação de privilégio dado queestamos localizados no Norte do Mundo e na Europapa e ser mulher branca e capaz é umbenefício adicional.Mas ser uma mulher jovem significa quealém das dificuldades dadas pelo nosso gêneroos dados pessoais são somados, portanto ias entrevistas de emprego que apoiamos são para empregos precários e mal pagos e, além disso, nos perguntam se queremos ser mães ou se já somos. Esta situação não é surpreendente dado que o salário mínimo em Itália é uma utopia e a licença de paternidade é de apenas dez dias, é lei desde 2012 e deixou de ser "experimental" apenas desde o ano passado. Neste momento o problema não é simplesmente a disparidade salarial entre homens e mulheres – lembremo-nos, ela existe!-, mas conseguir um contrato que preveja um salário correspondente à carga horária, que inclui doença e férias. Também porque sem tudo isso como você pode ir morar sozinho e se sustentar? Todas as jovens que conheço para sobreviver costumam juntar dois ou mais empregos e tambémos poucos que conseguiram o tão almejado contrato permanente ainda não ganham o suficiente para poder viver por conta própria. Dada a sociedade capitalista em que vivemos, a liberdade da mulher passa pela independência econômica, e lutar por um mercado de trabalho justo e equitativo também ajudaria os jovens, o que não faz mal. VERSÍCULO BÍBLICO “Ai daquele que edifica a sua casa sem justiça e os seus aposentos sem equidade; que faz o seu próximo trabalhar de graça, não lhe paga o salário” (Jeremias 22:13). COMENTE O profeta Jeremias anuncia que quem conhece a Deus conhece a justiça e vive colocando-a em prática. Assim, ele acusa veementemente aqueles que não respeitam o trabalho do próximo, aqueles que não trabalham de acordo com a justiça. Diante da situação em que muitas vezes as mulheres são obrigadas a fazer múltiplos trabalhos para sobreviver, sem contratos que protejam a licença-maternidade e doença, denunciar injustiças e invocar a justiça de Deus pode parecer pusilânime, uma forma de lamentar-se descontente. No entanto, sem sentir pena de nós mesmos, podemos ter a certeza de que Deus está do lado de quem se comporta de acordo com a justiça, de quem reivindica a sua dignidade. ORAÇÃO Nosso Deus, nos dê a chancepara viver segundo a tua justiça,deixemo-nos inspirar por eleresistir e lutar diante decada abuso, cada cancelamentode direitos que protegem o trabalhode tudo. Você nos deu em JesusCristo a derrubada de todosordem constituída, você nos colocou comotestemunhas da tua ressurreiçãofilho mesmo antes de seus discípulos-lá, ainda nos dê sabedoria e tenacidadeenfrentar cada injustiça, cadahumilhação e qualquer desvalorizaçãodo seu trabalho. deixe o preçodo trabalho de tantas mulheres não éfrustração, ressentimento, fadiga eaflição; mas pode ser motivode orgulho, alegria e satisfaçãopessoal. Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Reflexões sob a égide do Exército de Salvação

Reflexões sob a égide do Exército de Salvação

Roma (NEV), 9 de agosto de 2022 – “Deus é… Em que palavra você pensou imediatamente? Nossa visão de Deus influencia a maneira como olhamos para nós mesmos, para os outros e para o mundo ao nosso redor”. É assim que o Exército de Salvação (EdS) apresenta uma série de episódios intitulada “Reflexões sob o guarda-chuva”.Lançada com reel nas redes sociais da EdS, a série convida você a assistir e ouvir. "Neste verão, mergulhe na palavra de Deus", diz a promoção.De acordo com o Exército de Salvação, "é incrivelmente importante construir nosso alicerce sobre quem é Deus, com base nas verdades de Sua Palavra, e não no estado temporário de nossos sentimentos".Vários compromissos durante as semanas de verão, para aprender sobre as palavras e atributos de Deus: "Não importa quais tenham sido suas experiências com Deus, os cristãos ou a igreja, saiba disso: o Deus do universo criou você, Ele o ama e está procurando ativamente por você” escreve a EdS.Para acompanhar as reflexões sob o guarda-chuva, pesquise nas redes sociais EdS. As palavras exploradas até agora são: a trindade. A asseidade. Imutabilidade. O infinito. Santidade. O Exército de Salvação (EdS) A EdS é membro da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e nasceu na Inglaterra em 1865 por William Booth, um ex-pastor metodista, para atender às necessidades espirituais e materiais das massas do nascente proletariado industrial que lotava as grandes cidades da Inglaterra, exploradas naquela época além da imaginação. A sua organização, essencialmente episcopal, estrutura-se em torno da metáfora militar, de onde deriva o seu nome, "Exército de Salvação", em inglês The Salvation Army, onde os membros são denominados "soldados" e os pastores "oficiais" com várias patentes (principalmente tenente, capitão e major). Na Itália, a EdS iniciou seus trabalhos em 1887, quando o capitão James B. Vint abriu o primeiro corpo em Roma. Em 1892, o próprio William Booth veio para a Itália e a obra rapidamente se espalhou para o norte, e depois para o sul, na Campânia, Puglia, Lucania, chegando finalmente à Sicília no primeiro pós-guerra. O reconhecimento como instituição moral pelo Presidente da República ocorreu em 1965. Em 2009 obtiveram o reconhecimento como associação de culto com o nome "Exército de Salvezza na Itália". Hoje está presente em cerca de 40 localidades e conta com cerca de 2.000 fiéis. Para visitar o site clique AQUI ...

Ler artigo
Os corredores humanitários estão na moda?

Os corredores humanitários estão na moda?

Na ocasião, destacamos como ações como as dos corredores humanitários não devem ser entendidas como gestos de caridade de almas piedosas, a serem aprovadas e possivelmente incentivadas, mas como têm a ver com os princípios de nossa república democrática constitucional e com uma visão da União Europeia fundada na proteção e promoção dos direitos humanos. Como tal, são uma "boa prática", como dizem, que também poderia ser adoptada pelos Estados e, pensamos, deveria substituir as devoluções violentas que ocorrem na chamada rota dos Balcãs e a externalização da mesma prática quando confiada a Estados de qualidade democrática duvidosa ou inexistente. No entanto, a crescente aclamação pelos corredores humanitários parece ter um lado preocupante: pode ser o lado nobre de uma moeda, que por outro tem características de fechamento: limitação ao trabalho de busca e salvamento de ONGs, contraposto a uma retórica de crescente condenação e estigmatização como um fator de atração da imigração “ilegal”, apesar do fato de que noventa por cento dos resgates marítimos são realizados por forças estatais; continuação da política de bloqueio, prosseguida apoiando na operação de contra partida os Estados de onde os migrantes se dirigem para a Europa, financiando em troca de bloqueios, contando talvez com o facto de alguns destes parceiros não terem uma marcada propensão para os bons costumes … A Europa fez isso com a Turquia, Itália (não agora!) Com o apoio da Guarda Costeira da Líbia e, mais recentemente, com a Tunísia. Sabemos por fontes confiáveis ​​o que isso significa, por exemplo, para aqueles que são trazidos de volta à Líbia: serem mantidos em centros de detenção ou simplesmente serem empurrados para trás em um macabro "jogo do ganso". Ninguém se pergunta o que poderia ser feito de mais razoável e humano com o dinheiro investido em operações de blindagem de fronteira, especialmente no mar. Eu uso os dois adjetivos “razoável” e “humano” de propósito. Muitos pensam que falar de humano significa se render à areia movediça de um sentimentalismo irrealista e que ser razoável requer uma certa dose de cinismo. É aqui que se sente dramaticamente a falta de política, já há muito suplantada pela propaganda perene, orientada para os humores e não para os projetos, jogada nas emergências imediatas e desprovida de análises que vão além do contingente e sem programas prospectivos . Diante de um fenômeno epocal como os movimentos populacionais causados ​​por guerras, ditaduras, fome e mudanças climáticas, cujas linhas de desenvolvimento os especialistas já podem nos descrever nas próximas décadas, precisamos de análises documentadas e não de percepções; precisamos de raciocínios, projetos realistas e baseados naqueles valores aos quais o Ocidente chegou depois de ter praticado e sofrido (há sempre um perpetrador e uma vítima) tudo o que ainda hoje em muitas partes do mundo obriga milhões de seres a fugir dos humanos, forçados a buscar em outro lugar o que lhes é negado; valores aos quais o Ocidente chegou depois de sofrer intolerância religiosa, ditaduras, duas guerras mundiais, escravidão, exploração… O patamar democrático e constitucional a que chegámos depois deste passado sangrento foi vivido e apresentado como uma descoberta que não só nos tirou do túnel do obscurantismo e da opressão, que não só resolveu os nossos problemas, mas que tinha em si o potencial para ser universalizáveis, a serem implementados globalmente. O verdadeiro desafio que o fenómeno migratório coloca à Europa é este: que política está à altura dos princípios que a Europa colocou na base do seu projeto? Qual é a postura que corresponde à sua visão? Para responder, precisamos de realismo e visão juntos, paciência e ousadia, cultura e coração. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.