Ratzinger, um papa muito ‘papal’.  Entrevista com Fúlvio Ferrario

Ratzinger, um papa muito ‘papal’. Entrevista com Fúlvio Ferrario

Foto Wikimedia Commons

Roma (NEV), 3 de janeiro de 2023 – Consultamos o teólogo Fulvio FerrarioProfessor Titular de Dogmática na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, um dia após a morte de Bento XVI.

Do ponto de vista protestante, quais foram as características marcantes, positivas e negativas, do pontificado de Bento XVI?

Eu não quero oferecer classificações. Diria que Ratzinger foi um papa muito “papal” que, no século XXI, quis e soube propor um modelo de catolicismo extremamente perfilado, a nível eclesial, disciplinar e teológico. Isso não constituiu um problema particularmente grave para as Igrejas evangélicas: pelo contrário, criou dificuldades para as tendências, dentro da Igreja de Roma, que teriam querido entender o Vaticano II como ponto de partida e não como ponto de chegada.

É justo dizer que Ratzinger foi o papa do inverno ecumênico, um inverno que talvez tenha começado quando ele era prefeito da Congregação para a Propaganda da Fé?

Não creio que Ratzinger fosse contra o ecumenismo: na verdade, ele repetidamente se mostrou aberto à discussão e, em Erfurt, em 2011, disse talvez as palavras mais profundas que um pontífice já proferiu sobre Lutero (embora um observador malicioso pudesse insinuar que o a concorrência, afinal, não era muito forte…). Certamente, porém, concebeu o confronto em termos estáticos, como clarificação recíproca e não como contaminação, uma troca de carismas. Em todo caso, Bento XVI foi mais atento e perspicaz do que muitos de seus fanáticos, crentes e não (há também ratzingerianos ateus), que fizeram dela, pura e simplesmente, uma bandeira do conservadorismo ou mesmo da reação.

Uma personalidade conservadora que, no entanto, surpreendeu a todos com sua renúncia, um gesto corajoso e um tanto revolucionário. Como você avalia esse aspecto?

Espero não parecer irreverente se disser que ser emérito aos 85 anos me parece, entretanto, um gesto de bom senso. O fato de ser revolucionário diz algo sobre a instituição da Igreja Católica. Bento XVI era certamente um conservador, mas tinha uma consciência de fé muito lúcida, que lhe permitia distinguir pessoa de função em termos pouco usuais para a sua Igreja, mas dos quais, a partir de agora, creio que os seus sucessores terão de levar em conta.

Depois de Bento XVI, foi eleito o Papa Francisco, de papa alemão para argentino. Ratzinger foi o canto do cisne da teologia européia em um mundo onde o cristianismo tem cada vez mais raízes no hemisfério sul?

Não é apenas uma questão de teologia: é precisamente o centro de gravidade do cristianismo que se deslocou para o outro hemisfério. Claro que não posso dizer se isso significa o fim do papado europeu. O que é certo é que a verdadeira periferia do cristianismo hoje é a Europa; ou, dito positivamente, as igrejas européias podem ser concebidas como postos avançados missionários in partibus infidelium.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille Waldensian, a campanha de 2021 em nome da mudança

Otto per mille Waldensian, a campanha de 2021 em nome da mudança

Roma (NEV), 14 de abril de 2021 – A campanha Otto per mille deste ano da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense será um vídeo de animação exclusivamente feminino. O diretor de arte da campanha é o cartunista e jornalista gráfico Takoua Ben Mohamedque desenvolveu um storyboard com "as mulheres protagonistas", partindo de uma ideia da agência Web&com de Sérgio Veludo. Um spot animado com cerca de um minuto será, assim, o instrumento da campanha de comunicação oito por mil, da qual podemos antecipar alguns dos conteúdos e que será lançada nas próximas semanas. Objetivo: explicar como são utilizados os recursos do Otto per mille (OPM) da Igreja Valdense, União das Igrejas Metodista e Valdense e porque é cada vez mais importante escolher a quem destinar, na hora de preencher a declaração de imposto de renda. “É um projeto – explica o autor – no qual trabalhei com um animador e outro designer, Lorenzo Zanotti E Federica Franceschini, tentando contar meu ponto de vista, em uma narrativa exclusivamente feminina, sobre como os recursos do OPM são usados. Falamos, pois, de social mas não só, também, indirectamente, de cidadania e de novas gerações. Uma história coral, também ambientada durante o confinamento, que vê as mulheres como protagonistas da esperança e da mudança”. E mudança é justamente a palavra de ordem da campanha OPM 2021. “Sentimos a necessidade de mudar – explica Manuela Vinay, chefe da Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense (OPM) – . Talvez a pandemia tenha nos levado a nos questionarmos mais sobre o que podemos e devemos fazer e 'mudar' foi a primeira palavra-chave. Daí também a escolha das bandas desenhadas, de que gostamos de imediato também porque associámos de imediato à obra do Takoua que tanto apreciamos. O outro termo que tem nos guiado é 'responsabilidade', só podemos dar uma contribuição maior para melhorar o mundo em que vivemos com um forte senso de responsabilidade compartilhada. E a partilha é a outra chave de compreensão: não estamos sozinhos, a nossa força não vem só da fé, mas também das pessoas que acreditam em nós. Cada um deve fazer a sua parte, quem assina o 8×1000, quem repassa o dinheiro, quem gasta. Juntos podemos continuar a fazer muito, e melhor. Espero que a pandemia possa “despertar” um sentimento de cidadania ativa em muitas direções, incluindo a vontade de expressar uma escolha, uma assinatura para o 8×1000 mas não só”. Takoua Ben Mohamed é um cartunista e jornalista gráfico nascido em Douz, Tunísia, e criado em Roma. Ela é a autora das obras “História de Mulher” (2015), "Sob o Véu" (2016), "A Revolução de Jasmim" (2018), “Outro caminho para o Camboja” (2020), os três últimos lançados pela editora BeccoGiallo. Em 2019 produziu o documentário Estilo Hejab para o Canal de Documentários Al-Jazeera, veiculado pela emissora em 2020. Há mais de dois anos colabora com a revista e centro de estudos Confronti. Próximos compromissos profissionais do autor, "em meados de maio um novo livro intitulado"Meu melhor amigo fascista” e uma campanha europeia contra a islamofobia, com particular enfoque nas mulheres muçulmanas”. Para todas as informações sobre como assinar e como os fundos OPM valdenses e metodistas são alocados: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Turim.  Encontro de hospitalidade eucarística com católicos e protestantes

Turim. Encontro de hospitalidade eucarística com católicos e protestantes

Roma (NEV), 9 de dezembro de 2019 – Católicos e protestantes compartilham há vários anos o momento da “Santa Ceia”, no contexto dos encontros de hospitalidade eucarística organizados pelo grupo ecumênico “Spezzare il pane”. As reuniões acontecem cerca de uma vez por mês em diferentes igrejas, mosteiros e paróquias, envolvendo valdenses, batistas, luteranos e católicos. O grupo de acolhida eucarística é formado por evangélicos, protestantes e católicos que consideram prioritário vivenciar juntos o momento de comunhão e não divididos devido aos diferentes significados que as diversas confissões atribuem à própria comunhão, a começar pelo modo de chamá-la : "Santa Ceia" para os protestantes e "Eucaristia" para os católicos. O próximo encontro com hospitalidade eucarística será no domingo, 15 de dezembro, às 10h, na Comunidade Evangélica Luterana da via Evangelista Torricelli, 66 em Turim. A pregação será do reitor da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), pároco Heiner Bludau. A prática da hospitalidade eucarística tem implicações teológicas, litúrgicas, pastorais e jurídicas. O debate sobre este tema, desde a acolhida mútua até as experiências e práticas ecumênicas, tem um espaço na folha intitulada "Hospitalidade Eucarística" editada por alguns membros do grupo ecumênico. Recentemente, através das páginas do livreto, o documento intitulado "A Ceia do Senhor" escrito por teólogos Paulo rico E João Cereti, respectivamente valdenses e católicos. Vários pastores, pastoras, teólogos e padres aderiram ao documento, que define os pontos de convergência essenciais a respeito da Ceia do Senhor. O grupo “Spezzare il pane” nasceu no âmbito ecumênico em 2011 em Turim. Em 2017 um questionário interessante sobre o assunto. Para comunicações e informações sobre a "Hospitalidade Eucarística" e o Jantar da "Fresa do Pão": Turim Group - Margarida Ricciuti, Igreja Valdense. Mail: [email protected] Grupo de Avellino/Salerno – Pedro Urciuoli, Igreja Católica. E-mail: [email protected] ...

Ler artigo
Uma noite em um jantar com Desmond Tutu

Uma noite em um jantar com Desmond Tutu

Roma (NEV), 2 de janeiro de 2022 - 27 de maio de 1988 Desmond Tutu ele era um convidado da Faculdade Valdense de Teologia. O arcebispo anglicano da Cidade do Cabo esteve em Roma juntamente com uma delegação sul-africana que incluía algumas das figuras mais importantes na luta contra o apartheid: o pároco Frank Chicanena época Secretário-Geral do Conselho Sul-Africano de Igrejas (SACC), o Metodista Virgínia Gcabashevice-presidente da SACC, o pároco Sol Jacob. A delegação, recebida anteriormente no Vaticano, reuniu-se com alunos, professores e representantes das igrejas evangélicas italianas da Faculdade Valdense. O professor fez as honras na ocasião Paulo rico que, em entrevista concedida ao programa de rádio Culto evangélico neste domingo, 2 de janeiro, relembrou aquele acontecimento. Abaixo, uma versão da entrevista preparada para a agência NEV/Notícias Evangélicas. Professor Ricca, o que você aprendeu dessa reunião? Paulo rico Lembro-me de muitas coisas, principalmente da alegria que acompanhou todo o encontro. O que me pressionava naquele momento era que nossos estudantes de teologia conhecessem pessoalmente esse protagonista da fé cristã de nosso tempo. E isso certamente aconteceu durante o encontro oficial com os representantes das igrejas evangélicas italianas, mas sobretudo aconteceu à noite na Faculdade, quando convidamos Tutu para jantar. Ele veio e jantou com professores e alunos. Foi um grande jantar que, recordo, terminou com uma canção: levantamo-nos e cantámos juntos Nós devemos superar o hino de Martin Luther King. Foi um grande jantar e uma grande festa; uma alegria, poder encontrar um homem daquela estatura que mostrava claramente como é possível estar plenamente inserido nas lutas do mundo, proclamando uma clara confissão da fé cristã. Qual foi a mensagem que Tutu e os outros membros da delegação sul-africana trouxeram? Um cartaz dos tempos do apartheid na África do Sul Sublinharam essencialmente dois aspetos: a necessidade de justiça social e o fim do apartheid como sistema iníquo. Ainda me lembro de Sol Jacob, que foi um dos presentes, que disse que o apartheid não podia ser corrigido, tinha que ser abolido. Aqui, esta foi de certa forma a mensagem geral da reunião. Existem distorções na sociedade que não podem ser corrigidas, devem ser abolidas. O único remédio é radical, como em certas doenças que não se curam com canudos; em vez disso, precisamos intervir de forma radical. E assim é também no corpo da sociedade contemporânea. E esta mensagem foi sustentada por uma confissão de fé muito viva. Uma luta pela afirmação dos direitos humanos, mas partindo da mensagem da liberdade que Cristo dá ao ser humano. Deus é o libertador que nos liberta não só do apartheid, mas de todos os pecados, de todos os males internos e sociais. Na sua opinião, que legado Desmond Tutu deixa? A biblioteca da Faculdade Valdense O maior legado, a meu ver, está na proposta que Tutu fez de criar, após a queda do regime do apartheid, uma comissão chamada 'Verdade e Reconciliação' para reunir as vítimas e perpetradores dos terríveis anos de segregação. O que significou o estabelecimento dessa comissão? Ele quis dizer que não existe perdão barato. O perdão costuma ser tratado como uma mercadoria barata; em vez disso, o barato não é perdão 'criativo', ou seja, um perdão que criar Nova Condição. Perdão criativo é apenas o que passa pelo arrependimento e reconhecimento de culpa. Se não reconheces a tua culpa, não há perdão possível, pelo menos ao nível das relações pessoais. Assim, a ideia de que não há perdão barato parece-me ser o grande contributo de Desmond Tutu para todo o enorme problema das faltas sociais ou políticas, e da necessária reconciliação que, no entanto, tem um preço: o reconhecimento da culpa. Tutu foi muito firme em manter este ponto após a tragédia do apartheid que ceifou inúmeras vidas. Não há pecado, seja social ou pessoal, que não possa ser perdoado, tudo pode ser perdoado desde que haja reconhecimento de culpa. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.