Ratzinger, um papa muito ‘papal’.  Entrevista com Fúlvio Ferrario

Ratzinger, um papa muito ‘papal’. Entrevista com Fúlvio Ferrario

Foto Wikimedia Commons

Roma (NEV), 3 de janeiro de 2023 – Consultamos o teólogo Fulvio FerrarioProfessor Titular de Dogmática na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, um dia após a morte de Bento XVI.

Do ponto de vista protestante, quais foram as características marcantes, positivas e negativas, do pontificado de Bento XVI?

Eu não quero oferecer classificações. Diria que Ratzinger foi um papa muito “papal” que, no século XXI, quis e soube propor um modelo de catolicismo extremamente perfilado, a nível eclesial, disciplinar e teológico. Isso não constituiu um problema particularmente grave para as Igrejas evangélicas: pelo contrário, criou dificuldades para as tendências, dentro da Igreja de Roma, que teriam querido entender o Vaticano II como ponto de partida e não como ponto de chegada.

É justo dizer que Ratzinger foi o papa do inverno ecumênico, um inverno que talvez tenha começado quando ele era prefeito da Congregação para a Propaganda da Fé?

Não creio que Ratzinger fosse contra o ecumenismo: na verdade, ele repetidamente se mostrou aberto à discussão e, em Erfurt, em 2011, disse talvez as palavras mais profundas que um pontífice já proferiu sobre Lutero (embora um observador malicioso pudesse insinuar que o a concorrência, afinal, não era muito forte…). Certamente, porém, concebeu o confronto em termos estáticos, como clarificação recíproca e não como contaminação, uma troca de carismas. Em todo caso, Bento XVI foi mais atento e perspicaz do que muitos de seus fanáticos, crentes e não (há também ratzingerianos ateus), que fizeram dela, pura e simplesmente, uma bandeira do conservadorismo ou mesmo da reação.

Uma personalidade conservadora que, no entanto, surpreendeu a todos com sua renúncia, um gesto corajoso e um tanto revolucionário. Como você avalia esse aspecto?

Espero não parecer irreverente se disser que ser emérito aos 85 anos me parece, entretanto, um gesto de bom senso. O fato de ser revolucionário diz algo sobre a instituição da Igreja Católica. Bento XVI era certamente um conservador, mas tinha uma consciência de fé muito lúcida, que lhe permitia distinguir pessoa de função em termos pouco usuais para a sua Igreja, mas dos quais, a partir de agora, creio que os seus sucessores terão de levar em conta.

Depois de Bento XVI, foi eleito o Papa Francisco, de papa alemão para argentino. Ratzinger foi o canto do cisne da teologia européia em um mundo onde o cristianismo tem cada vez mais raízes no hemisfério sul?

Não é apenas uma questão de teologia: é precisamente o centro de gravidade do cristianismo que se deslocou para o outro hemisfério. Claro que não posso dizer se isso significa o fim do papado europeu. O que é certo é que a verdadeira periferia do cristianismo hoje é a Europa; ou, dito positivamente, as igrejas européias podem ser concebidas como postos avançados missionários in partibus infidelium.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os Últimos Pastores.  Figuras de transição do cristianismo contemporâneo

Os Últimos Pastores. Figuras de transição do cristianismo contemporâneo

Roma (NEV), 19 de abril de 2023 – Há também a figura de Túlio Vinay entre os "últimos pastores" sobre os quais discutirá a exposição proposta pela Fundação Serughetti em colaboração com o Centro Cultural Protestante de Bérgamo. A nomeação é para 21 de abril. A crítica intitula-se “Os últimos pastores. Figuras de transição do cristianismo contemporâneo” e acontecerá entre os meses de abril e maio. O cartaz está à direita. artigo anteriorUcrânia e Rússia. O Papel das Entidades Religiosas nos Processos PolíticosPróximo artigoPara mulheres. O compromisso do Hospital Evangélico Internacional de Gênova Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Testamento Vital – Nevada

Testamento Vital – Nevada

Roma (NEV), 24 de novembro de 2010 – A possibilidade de deixar a própria vontade em termos de tratamentos de saúde a serem submetidos no caso de não poder expressá-la diretamente ao pessoal de saúde é uma consequência lógica da prática do consentimento informado. Esta prática, se conduzida de forma honesta e correta, estabelece uma nova relação entre o médico e o paciente ao relacionar dois sujeitos dotados de autonomia de decisão e vinculados por uma relação de colaboração e respeito. O chamado “testamento vital” é o meio pelo qual a prática do consentimento informado pode ser estendida na eventualidade da incapacidade do paciente de se expressar. É a forma como se imagina a autonomia decisória do paciente, daquele que pode nos enviar sua decisão para além de sua capacidade de expressá-la. Isso deve ser saudado como uma grande oportunidade. No entanto, na Itália não existe uma lei que regule o assunto, pelo contrário, este assunto foi fortemente ideologizado a ponto de reduzir uma questão complexa a lados opostos. Quem é a favor do testamento vital seria contra a vida, portador de uma cultura da morte, adepto de práticas de eutanásia, na verdade tanto o fim dos tratamentos como a sua continuação podem ser expressos nas diretivas antecipadas, dependendo das decisões dos as pessoas individuais. Na Itália, muitos cidadãos recorreram a municípios, igrejas e associações que organizaram a coleta antecipada de testamentos. Em Milão, Nápoles, Trieste, Turim e outros lugares, as igrejas valdenses e metodistas estabeleceram pontos de encontro, abertos a todos. A motivação para esta escolha por parte das igrejas cristãs significa, antes de tudo, avaliar positivamente a autonomia de decisão de um sujeito humano que, por ter tido a capacidade de escolher no auge de sua vida, pode tê-la em vista de sua morte. Em segundo lugar, esta abordagem é portadora de uma concepção de Estado que é chamada a regular as escolhas dos cidadãos do ponto de vista da convivência civil e não a impor escolhas privadas com base em princípios morais inequívocos. Infelizmente, na semana passada, foi emitida a circular dos Ministérios da Saúde, Previdência e Interior dirigida aos municípios italianos, segundo a qual, não havendo lei que atribua competência aos municípios na matéria, declara os registros nos quais a vontade dos cidadãos. A competência nesta matéria é do legislador nacional que, no entanto, ainda não legislou. A iniciativa das autarquias foi apresentada como escárnio dos cidadãos porque aqueles testamentos não têm valor legal. A tentativa de conter, senão intimidar, essas iniciativas da sociedade civil e a opinião expressa pelos cidadãos parece evidente. Pensar que no caso Englaro, justamente a ausência de testamento escrito constituía mais um obstáculo para o fim dos tratamentos. Estes acontecimentos são, em última análise, a prova de que o Estado não pretende dar valor à decisão, e às escolhas éticas dos cidadãos que são necessariamente plurais e continua a perseguir a ideia de um Estado ético que acredita poder também coagir escolhas tão privadas e pessoal, passando por cima dos corpos e das suas histórias reais, e das relações humanas em que se desenrolam as escolhas individuais: família, amigos, mas também médicos e profissionais de saúde. ...

Ler artigo
Redefinir nossas dívidas conosco

Redefinir nossas dívidas conosco

Foto de Ehud Neuhaus, de unsplash.com Roma (NEV), 12 de outubro de 2020 – Você se endividou devido à crise econômica ligada à emergência de saúde da Covid? Perdeu o emprego, não consegue mais pagar o aluguel ou as contas? “Redefinir a dívida” (“redefinir” a dívida) é a nova campanha lançada no Reino Unido há alguns dias por igrejas protestantes, grupos religiosos e organizações seculares em conjunto. O pedido é dirigido ao governo do Reino Unido e, como se depreende do próprio nome da iniciativa, trata-se precisamente do cancelamento das dívidas que as pessoas estão contraindo ou já acumularam nos últimos meses. Segundo os iniciadores da campanha, na Grã-Bretanha, 19% das famílias, ou seja, quase uma em cada cinco, pediram dinheiro emprestado para comprar alimentos ou outros bens essenciais. Seis milhões de pessoas seriam deixadas para trás com pagamentos de aluguel, impostos municipais e contas domésticas. E 174.000 inquilinos foram ameaçados de despejo durante o bloqueio. Em suma, a crise econômica resultante da emergência sanitária não é igual para todos e afetou especialmente as camadas já mais vulneráveis ​​da população. “Para o quinto mais pobre das famílias”, lê-se no relatório produzido pela rede “Redefinir a dívida”, “em média, os rendimentos caíram 15 por cento, ou £ 160 por mês”, nos últimos meses. Daí a proposta de convocar um “jubileu”, para anular estas dívidas que se vão acumulando e que obviamente terão também impacto no futuro da sociedade inglesa. A referência é ao jubileu bíblico, durante o qual as dívidas eram perdoadas e as terras eram devolvidas aos que as haviam perdido. O projeto foi notavelmente promovido pela União Batista, a Igreja da Escócia, a Rede Ecumênica de Ação da Igreja contra a Pobreza, a Igreja Metodista e a Igreja Reformada Unida. “Pedimos ao Chanceler (ou seja, ao Ministro das Finanças, ed) que crie um Fundo do Jubileu, para reembolsar e anular a inevitável dívida Covid das famílias no Reino Unido”, lê-se no portal da iniciativa. Para os cidadãos britânicos, a campanha pede participação ativa. Como? “Escreva para o seu deputado hoje e peça-lhe para escrever para o chanceler. Ele levanta essas preocupações sobre a dívida doméstica da Covid-19 e seu impacto nas famílias mais pobres. Descubra como o governo pretende abordar esta questão premente. Precisamos garantir que todos tenham uma base sólida para enfrentar o futuro." O portal dedicado a esta iniciativa inclui também vários vídeos curtos nos quais são contadas e exemplificadas histórias pessoais de cidadãos britânicos que sofreram as consequências do bloqueio. Empregados de limpeza demitidos ou deixados em casa por suas empresas, motoristas desempregados, trabalhadores precários que não conseguem sobreviver. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=n3TQqAtfWfg[/embed] "Cabe ao governo resolver os problemas estruturais da nossa economia que geram injustiça e pobreza - explicam os promotores da campanha #ResetTheDebt no site - . E o que estamos vivendo é exatamente essa situação”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.