Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Roma (NEV), 26 de abril de 2021 – Festival “Visions du Réel”, Nyon. O júri inter-religioso Interfilm/Signis atribui o seu prémio ao filme “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib.

Visions du Réel é o festival anual de documentários que acontece desde 1969 em Nyon, na Suíça. Esta é a 52ª edição e decorreu de 15 a 25 de abril.

O júri inter-religioso, nomeado pela INTERFILM (International Inter-Church Film Organisation) e SIGNIS, participa do Festival Visions du Réel desde 2005. O júri inclui um representante da INTERFILM e SIGNIS e um membro da fé judaica e muçulmana.

O júri premia um longa-metragem da competição internacional e pode recomendar uma obra que reflita sobre questões existenciais, sociais ou espirituais, bem como sobre valores humanos. O prêmio, no valor de 5.000 francos suíços, é doado pelas igrejas suíças, tanto reformadas na Suíça francófona quanto católicas, pelo Departamento de Mídia Média-pro e pela Federação Suíça das Comunidades Judaicas (SIG).

foto interfilme

Os membros do júri inter-religioso de 2021 são Noemi GradwohlBerna (Suíça) Marie-Therese MäderZurique, Suíça), Jean-Paul Kaser (Presidente), Biel-Bienne (Suíça) e Majid MovasseghiZurique, Suíça).

13 filmes em competição discutidos e avaliados pelo júri, que atribuiu o prémio ao filme “Pequena Palestina”.


PEQUENA PALESTINA / Journal d’un siège / Diário de um Cerco, dirigido por Abdallah Al-Khatib, Líbano/França/Catar 2020, 83′

As pessoas no campo de refugiados de Yarmuk afirmam sua humanidade na guerra civil síria, apesar da fome e da falta de perspectivas, enquanto o mundo humanitário permanece à margem. Quando um pequeno coro de rua canta acompanhado por um piano e pelo som de bombas, sua música se junta ao coro triste de cercos semelhantes na história mundial.


INTERFILM

A INTERFILM foi fundada em 1955 por inúmeras associações de cinema protestantes na Europa e atualmente inclui membros protestantes, ortodoxos e anglicanos, além de judeus. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno (www.inter-film.org).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“A Terra Desconhecida”.  2º encontro do Galo Verde em Milão e online

“A Terra Desconhecida”. 2º encontro do Galo Verde em Milão e online

Foto Hossam M. Omar / Unsplash Roma (NEV), 8 de abril de 2022 – O segundo encontro do ciclo promovido pelo Centro Cultural Protestante e o Galo Verde da Igreja Valdense de Milão acontece na sexta-feira, 8 de abril, às 18h. Título da exposição: "O grito da Criação: Ciência, Teologia e Responsabilidade". Especialistas seculares, jornalistas, filósofos, estudiosos das Sagradas Escrituras discutem essas questões. “A terra desconhecida” é o tema de hoje, com duas sessões de aprofundamento. A primeira, "A terra está viva", conta com a participação de Paolo Pilari, professor de planejamento urbano e design no Politecnico di Milano. “Em uma colher de chá de terra existem nove bilhões de existências microscópicas, entre raízes, fungos, larvas, bactérias... sufocadas pelo asfalto e pelo concreto”, escrevem os organizadores. A segunda sessão é, em vez disso, "Guardiões do jardim, não mestres". Uma meditação sobre o dom do divino com Gabriel Arósiopastor da Igreja Evangélica Batista de Bollate e educador profissional. No rodapé da página todas as informações para participar. A revisão terminará na segunda-feira, 9 de maio, com uma reunião sobre "O sopro verde da vida". A sessão anterior, com Francesca Dalrì, Isabella d'Isola e Daniela di Carlo, teve como título “Animais como nós”. A gravação está disponível no YouTube abaixo. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=XLq41b-c5vI[/embed] Informações e reservas A apresentação da iniciativa diz: “Queimamos florestas envenenando o ar, aprisionamos os animais de que nos alimentamos em jaulas que tornamos invisíveis aos olhos. Selamos o solo sob concreto e asfalto. A que futuro condenamos hoje tão rapidamente, e com tempo irreversível, as gerações vindouras?”. E ainda: “Por um lado falaremos de uma fé que encontra inspiração e razão de agir nas dificuldades do presente em suas antigas raízes. Por outro lado, há competências científicas que se opõem à narrativa agora negada, assente numa ideia de progresso sem limites, até à catástrofe”. As reuniões são realizadas na sala Claudiana do templo valdense de Milão, na via Francesco Sforza 12/a, às 18h. . Na presença, obrigatoriedade do uso de máscara Ffp2 e Passe Verde reforçado. Online, será possível acompanhar a live pelo canal do YouTube neste link ou na página do Facebook do Centro Cultural Protestante. ...

Ler artigo
Conferência das Igrejas Europeias.  Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Conferência das Igrejas Europeias. Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Simone De Giuseppe Roma (NEV), 21 de junho de 2023 – A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi encerrada ontem em Tallinn, Estônia. Entre as novidades, o novo Conselho Deliberativo, que conta também com o pastor batista Simone De Giuseppe, delegado da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI). Fizemos algumas perguntas a ele. Entretanto, parabéns pela sua eleição para o Conselho de Administração da CEC. Quem está no Conselho além de você e quais são os compromissos de curto e médio prazo nos quais você estará envolvido? Foto Ulf Tjärnström / KEK Obrigado. Para mim é realmente uma honra poder servir e contribuir para o Conselho de Administração da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). O Conselho é composto por 20 pessoas: o novo presidente eleito, o arcebispo ortodoxo Nikitas de Tiateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico. Em seguida, a vice-presidência, formada por Inverno de DagmarBispo Anglicano de Huntingdon, da Igreja da Inglaterra, e pelo pastor protestante Frank Kopania, que vem da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). A Direcção é composta segundo uma lógica de equilíbrios. Assim, procura-se um equilíbrio entre homens e mulheres, entre diferentes confissões ou denominações cristãs, entre leigos e ordenados, entre as diferentes regiões de origem das igrejas que fazem parte da CEC na Europa e também entre as diferentes idades , de modo a ter uma pluralidade que reflita tanto quanto possível as igrejas pertencentes à CEC. Quanto aos compromissos, certamente voltaremos a nos encontrar em novembro. Serão estabelecidos papéis e áreas de competência dentro do Conselho e então tentaremos começar a discutir e trabalhar o que foi deliberado pela Assembleia: estratégias, objetivos, cuidado com as relações com instituições e igrejas. A CEC é um organismo que reúne igrejas diferentes entre si pela confissão e tradição, mas também pela consistência numérica (minoria/maioria), ou pela localização geográfica que inevitavelmente influencia as prioridades do testemunho evangélico. Se é fácil apontar as diferenças, o que representou a unidade dos cristãos europeus nesta Assembleia? Certamente existem muitas diferenças entre as igrejas pertencentes à CEC, mas o que realmente as une é a perspectiva ecumênica comum de viver a fé. Portanto, há uma abertura ao diálogo e ao confronto entre diferentes tradições e teologias. Ao mesmo tempo, existe a consciência de fazer parte do único corpo de Jesus Cristo, no qual cada membro, cada igreja, é parte fundamental. Nenhum corpo pode funcionar perfeitamente se uma parte, mesmo que escondida e pequena, não funcione. Todo o corpo seria afetado. Esta consciência de fazer parte do único corpo de Cristo é o que verdadeiramente une as igrejas CEC. O documento sobre questões públicas fala sobre: ​​justiça climática, Ucrânia, migrantes. Você pode nos dizer algo mais? No que diz respeito à justiça climática, ela foi trazida ao conhecimento da Assembleia, sobretudo pelas gerações mais jovens, que escreveram uma moção sobre o assunto. A moção destaca a urgência de enfrentar a crise climática a partir da consciência de que ela é causada pela ação humana, pelas injustiças e pelo sistema econômico que atualmente rege a lógica mundial. A CEC comprometeu-se nesta Assembleia a reduzir o seu impacto ambiental, pelo menos nas suas atividades, nos próximos cinco anos. Quanto à guerra na Ucrânia, esse foi um assunto muito discutido na Assembleia. Houve duas sessões plenárias para ouvir as vozes das pessoas que estão na Ucrânia, ou que fugiram da guerra, ou que vivem em países vizinhos. Foi votada uma declaração condenando a agressão militar russa em território ucraniano. O KEK manifestou solidariedade e apoio à população ucraniana, com o compromisso de levar por diante um caminho de diálogo para poder encontrar uma paz justa o mais rapidamente possível e encorajar todas as iniciativas que visem a reconciliação entre os sujeitos envolvidos . Finalmente, o tema das migrações. Logo no início da Assembléia houve outro trágico naufrágio na costa da Grécia, matando mais de 500 pessoas. Isso tocou muito as pessoas que compareceram à Assembleia da CEC, que quiseram se expressar com uma declaração específica. A CEC pretende continuar a apoiar as Organizações que trabalham com a questão da migração, trabalhar em parceria tanto quanto possível e continuar a reflexão com as igrejas constituídas sobretudo por migrantes de outros continentes, comunidades que já fazem parte da geografia das igrejas europeias. Foto Ulf Tjärnström / KEK O lema da Assembleia foi “Moldar o futuro”. Que forma de futuro emergiu da Assembléia? O lema da assembléia foi "sob a bênção de Deus dando forma ao futuro" e, portanto, que forma de futuro emergiu da assembléia na realidade sem forma, de fato, tentamos desmantelar o conceito de que, como igrejas cristãs, é possível controlar o futuro da 'Europa. em vez disso, queríamos dar uma mensagem contra a maré a respeito de uma sociedade que através das tecnologias torna-se cada vez mais capaz de controlar a vida das pessoas e a organização de tudo e, em vez disso, colocar tudo de volta nas mãos de Deus ouvindo o que o Senhor pode comunicar ao igrejas para permanecer abertos ao novo, para mudar sabendo que o futuro pertence a Deus e somente a Deus e que somente sob sua bênção pode se concretizar a partir do testemunho das igrejas. Na coletiva de imprensa final, o recém-eleito presidente Nikitas usou três palavras-chave: fé, esperança e amor. Em seguida, acrescentou uma mensagem de grande fé nas novas gerações. Na sua opinião, como podemos dar corpo e alma a um pacto intergeracional que dê verdadeiramente voz e liberdade de ação às gerações mais novas? A Assembleia contou com uma boa participação das gerações mais jovens, que também encontraram voz durante os trabalhos. No entanto, essa voz ainda não é forte o suficiente para afetar as políticas e a vida do CEC. E, portanto, o que fazer para realmente dar voz e liberdade de ação às novas gerações? Certamente uma coisa que pode ser feita é garantir uma participação para eles nas principais comissões do CEC, a começar pela Diretoria. Ao mesmo tempo, o KEK precisa fortalecer as relações e aproveitar as experiências e atividades das várias organizações cristãs europeias que já realizam um grande trabalho durante o ano. E que tratam de questões mais próximas da sensibilidade das gerações mais novas. Veja todas as fotos oficiais da Assembleia KEK 2023. Leia todos os novos insights sobre o KEK. ...

Ler artigo
ser uma parte ativa da amizade islâmica-cristã

ser uma parte ativa da amizade islâmica-cristã

Roma (NEV), 31 de janeiro de 2020 – O encontro que representa o primeiro passo de um caminho de amizade islâmico-cristã foi realizado ontem em Florença, com o título: “Fraternidade humana para a paz mundial e a convivência comum. Seguindo os passos de Abu Dhabi no sinal de amizade entre cristãos e muçulmanos”. Entre os convidados, a pastora da igreja valdense de Florença, Letizia Tomassoneo pastor batista Carmine Bianchio pastor adventista Saverio Scuccimarri e o pastor Raffaele Volpe para a Igreja Reformada Suíça. O pastor Tomassone disse à agência NEV que a reunião foi moderada por Haifa Alsakkaf, da Comunidade Islâmica de Florença, “uma mulher muito capaz. Achei um bom sinal de abertura para as mulheres”, disse ela. Foi um evento bastante concorrido, com público e convidados. o cardeal José Betori e o imã de Florença Izzeddin Elzir eles assinaram um documento que segue parcialmente o da fraternidade humana em Abu Dhabi, assinado em conjunto pelo papa Francisco e pelo Grande Imam Aḥmad Muhammad Aḥmad al-Ṭayyib de Al-Azhar sob o conferência global da fraternidade humana, conferência inter-religiosa internacional realizada nos Emirados Árabes Unidos, em fevereiro de 2019, que também contou com a participação do secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) Olav Fykse Tveit. “Além de falar sobre como nasceu o Documento, discutiu-se a ideia de que Florença poderia ser uma cidade piloto na concretização da amizade islâmica-cristã e na reflexão comum – explicou novamente a pastora Letizia Tomassone -. É Mohamed Bamoshmooshda Comunidade Islâmica de Florença, sia Maurice Certini, diretor da Fundação La Pira, insistiu no fato de que Florença já foi palco de vários encontros no passado. Desde 1995, com a oração pela paz em Santa Croce, a visita do grande imã Ahmad Muhammad al-Tayyebrecebido no Palazzo Vecchio em 2015, só para citar dois exemplos". A proposta final é “iniciar a amizade islâmico-cristã desde Florença, onde já existe uma realidade de diálogo, que se manifesta em muitos grupos e iniciativas existentes. A ideia - continuou Tomassone - é criar a possibilidade de encontros mais estruturados, até mesmo com uma revista, em analogia com a amizade judaico-cristã (nascida em Florença em 1951 por vontade de Arrigo Levasti, Giorgio La Pira, Ines Zilli, Giorgio Spini, Giacomo Devoto, Angelo Orvieto e Aldo Neppi Modona, ed)". Entre os motivos que levam os promotores a trilhar este caminho, está o de “dar às jovens gerações de muçulmanos e cristãos instrumentos de diálogo”. E, critério importantíssimo, fica claro para todos que esse diálogo não pode partir de cima, mas deve surgir e ser cultivado em iniciativas que partem de baixo, envolvendo diretamente a sociedade civil”. Entre os convidados, estavam também representantes das Igrejas Ortodoxa Russa, Romena e Grega e da comunidade judaica. O rabino de Florença Gadi Piperno enviou uma mensagem de saudação. “Fomos convidados pessoalmente para as reuniões preparatórias e para esta – declarou ainda o pároco de Florença -. É importante que estejamos presentes como parte ativa desse processo. Estamos envolvidos desde o início e por isso somos gratos. Acho muito importante que muçulmanos e católicos tenham dito que todas as expressões do mundo cristão e todas as expressões do mundo muçulmano devem fazer parte desta amizade. O primeiro passo foi dado ontem em Florença para este objetivo. Uma frase em particular do documento me impressionou: 'compartilhamos a esperança comum no Deus do amor, para trilhar caminhos comuns de justiça e paz'”. O encontro foi promovido pela Fundação e Centro Internacional Giorgio La Pira, juntamente com a comunidade islâmica de Florença e Toscana e o Instituto Universitário Sophia, em colaboração com diversas realidades religiosas e seculares da região. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.