Dois novos hinos para o Tempo da Criação

Dois novos hinos para o Tempo da Criação

Foto Michael C/Unsplash

Roma (NEV), 16 de setembro de 2022 – Para o Tempo da Criação 2022, o Ministério de Música da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) propõe dois novos hinos. Criado por Virgínia Mariani, integram o Dossiê da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Intitulado “Empatia. Escuta, dúvida, misericórdia”, o Dossiê GLAM contém ideias homiléticas, meditações, liturgias, materiais e insights. Os dois hinos propostos por Virginia Mariani são intitulados “E Deus vê” e “Sua criação”.

Entrevistamos o autor para descobrir como surgiram os hinos e aprender mais sobre o ministério de música.

Quem é Virgínia Mariani?

Eu sou um moça 50 anos que cresceu entre escola, piano, igreja batista e também igreja valdense na província de Taranto. Uma cidade esplêndida, que eu mesmo estou aprendendo a conhecer cada vez mais e que, infelizmente, continua degradada, feia, poluída, maculada pela indústria siderúrgica, que monopolizou sua economia desde os anos 60. Taranto não é valorizado. Poderia ser, por exemplo, como a última cidade espartana e, portanto, a Magna Grécia. Assim como Mottola, uma cidade no topo de uma colina onde moro agora. Aqui ensino Literatura há 21 anos. Também dedico aulas, projetos, iniciativas e reuniões públicas ao território, ao meio ambiente e à Criação, ao respeito por todas as criaturas, tendo como referência primeiro a Agenda 2020 agora 2030. [L’Agenda 2030 è l’attuale quadro di riferimento globale delle Nazioni Unite. Essa definisce 17 Obiettivi di sviluppo sostenibile da raggiungere entro il 2030, articolati in 169 sotto-obiettivi, ndr].

“E Deus vê”: sobre o que é este hino?

“E Deus vê” nasceu durante a pandemia, graças ao concurso organizado pela Mesa Valdense. Nesse contexto, o hino recebeu menção especial. Canta uma humanidade que esqueceu que recebeu toda a Criação como dom e sob custódia, uma humanidade que ainda não cresce em responsabilidade e brinca com as vidas. Fala também de Deus que, vendo então que tudo era “bom e belo”, ainda vê sempre o que somos e o que fazemos ou deixamos de fazer. A música termina com a exortação para discernir agora e em todos os momentos o que é certo fazer. Louvar, sim, com cantos e orações, mas antes de tudo com nossas existências individuais e com nosso testemunho.

Baixe aqui o texto e a partitura: E Deus vê

“Sua criação”. Aqui a música é livremente inspirada no Minueto 1 de Bach, o “músico teólogo”como definiu o jurista e musicólogo Gianni Long em 1997. Porquê esta escolha?

Esse Minueto é uma das primeiras peças que você aprende ao estudar piano. Com o tempo, percebi que muitas vezes isso tocava em minha mente. Então, como na Reforma as melodias das canções populares se tornaram hinos, pensei, com a colaboração de M° Iannitti Piromallo na adaptação, transformar uma peça de Bach, precisamente o “músico teólogo” protestante, numa curta canção dedicada a Deus e à sua Criação, citando os elementos da natureza, quase como uma novela de Francisco de Assis. A ideia é transmitir confiança em Jesus e no poder inspirador do Espírito Santo, por exemplo, na gestão dos conflitos e desafios da vida quotidiana.

Baixe o texto e a partitura aqui: Sua Criação

Há muito tempo o Ministério de Música da UCEBI está empenhado em trazer a música para o dia a dia, não só na igreja, nas liturgias, mas também em outros contextos. Agora ele traz sua contribuição para o Tempo da Criação 2022. Podemos dizer que este é o começo de uma jornada, também para o futuro?

Comecei uma certa colaboração com o Ministério desde o seu início, antes mesmo de participar das reuniões do Grupo de Animação Teológica (GRANT) e do Grupo de Música Evangélica (GRUME) com Charles Lella. Não sou músico, no entanto gosto muito de animar momentos de culto ou momentos dedicados às crianças. Também trago essa paixão pela música e pelo canto para a escola, por exemplo. Então, sim, tenho certeza que nesse futuro, que sempre já está presente no olhar que devemos ter ao viver a promessa e a presença do Reino dos Céus, o caminho continuará também na experimentação musical.


O Ministério da Música da UCEBI

O Ministério de Música da UCEBI tem uma longa história, que passa também pela esfera federativa (Federação das Igrejas Evangélicas da Itália -FCEI-) para depois se tornar, em 2012, um Ministério específico instituído pela Assembleia Geral da UCEBI. Existe agora uma verdadeira descrição do trabalho, que inclui, entre outras coisas, visitas e seminários de atualização em igrejas de música cristã e litúrgica, cursos de formação, multimédia, eventos e colaborações. Dentre elas, destacamos as atividades com a Comissão Batista-Metodista e Valdense de Culto e Liturgia (CCL).


Temporada da Criação 2022

Para a Temporada da Criação, além do Dossiê, a GLAM também produziu uma série de insights sobre a água, a seca e o entorno. Todos os materiais podem ser baixados nas páginas dedicadas ao Tempo da Criação 2022. Eles podem ser usados ​​por todas as pessoas interessadas em celebrar este período litúrgico ecumênico que acontece em todo o mundo entre 1º de setembro e 4 de outubro.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Amanhã a primeira edição do Rosarno Film Festival

Amanhã a primeira edição do Rosarno Film Festival

Roma, 13 de outubro de 2022 - Está tudo pronto para a primeira edição do "Rosarno Film Festival - fora do gueto", que será inaugurado amanhã, 14 de outubro, na Piana di Gioia Tauro.O júri do festival é composto por cinco diaristas. A exibição dos curtas em competição acontecerá nos dias 14 e 15 de outubro no auditório municipal de Rosarno. Domingo, 16 de outubro, às 18h30, na tenda da cidade de San Ferdinando, por ocasião do aniversário da morte de Thomas Sankaraserá realizada uma reunião com Blandine Sankarairmã do líder burquinense, ativista comprometido com a questão da independência alimentar. “Um festival-laboratório – explica Francesco Piobbichi, operadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, uma das promotoras da revista - que fala sobre redenção e quer demonstrar que é possível construir práticas de solidariedade e cadeias produtivas sem exploração. Não é por acaso que um dos sujeitos envolvidos na organização do evento, juntamente com a Mediterranean Hope e a Solidarity Community Network, é a associação Sos Rosarno que, com a cooperativa Mani e terra, está empenhada há quase uma década no promoção de produtos não explorados no território da Piana di Gioia Tauro”. Será a Sos Rosarno quem homenageará o vencedor da crítica com uma caixa de produtos orgânicos e éticos, ou seja, cultivados sem exploração. “O Festival de Cinema de Rosarno é uma pequena ferramenta para dar voz a quem não tem - declara Giuseppe Pugliese, um dos fundadores do Sos Rosarno -, para fazer com que aqueles que de fato são parte integrante deste território, de sua , econômica e produtiva, apesar das aberrações das cadeias produtivas agrícolas e dos mecanismos infernais do chamado livre mercado. É uma tentativa de dar dignidade aos trabalhadores estrangeiros e a um território em dificuldade, com os seus habitantes e os seus pequenos produtores, também esmagados pelos donos dos alimentos, e portanto das nossas vidas. É uma forma de convidar pessoas, de todo o mundo, a falar umas com as outras, a criar comunidades num contexto onde por várias razões tudo se torna mais complicado”. "O objetivo deste pequeno festival é inverter os significados - acrescenta Piobbichi -, oferecer uma visão das coisas a partir de quem sempre foi usado como objeto e nunca ouvido". A rede associativa que apoia o Festival de Cinema de Rosarno é composta por: Mediterranean Hope – Programa para Migrantes e Refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, Solidarity Community Network, Sos Rosarno, RiVolti ai Balcani, Altreconomia, Comune-Info, FuoriMercato – autogestão em movimento, Sea Watch, ResQ, Equosud, Confronti , Cinema Metropolis Umbertide, cinema muito pós-moderno Perugia, Equosud. Entre as personalidades que apoiaram e apoiam a iniciativa, Ken Loach, Andrea Segre, Peppino Mazzotta.Aqui a programação detalhada das exibições, com as sinopses dos curtas participantes da crítica. ...

Ler artigo
Concílio Ecumênico perguntou, discurso do moderador

Concílio Ecumênico perguntou, discurso do moderador

Mme Agnes Abuom, moderadora do Comité central du Conseil œcuménique des Églises Foto: Ivars Kupcis/COE Roma (NEV), 10 de fevereiro de 2022 – Em seu discurso de abertura na sessão do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) ontem, 9 de fevereiro, a moderadora Agnes Abuomrefletiu sobre os destaques dos últimos oito anos, lembrando as vítimas relacionadas ao COVID-19 e celebrando a esperança gerada pela 11ª Assembleia do Conselho, a ser realizada em Karlsruhe, na Alemanha.“No que diz respeito ao movimento ecumênico, houve uma ampliação e aprofundamento do diálogo” – disse -. Aprofundamos os diálogos bilaterais, que são uma intercomunhão, mas também ampliamos o número de grupos com os quais nos relacionamos, como o movimento pentecostal”. O moderador então analisou o caminho percorrido pelas igrejas diante e durante a pandemia. “A maioria das pessoas, graças a Deus, entendeu a necessidade de continuarmos nossas atividades online. Temos tomado decisões online e, a meu ver, essa mudança está nos levando a uma direção muito positiva."Abuom disse que encontrou um espírito de coesão, trabalho em equipe, coleguismo e apoio nas comunidades e igrejas evangélicas. “A pandemia dividiu as pessoas e certamente exacerbou os conflitos existentes. Por isso o tema “O amor de Cristo conduz o mundo à reconciliação e à unidade” é divino”, concluiu. artigo anteriorEntrevista com Daniele Garrone, Presidente da Federação das Igrejas Protestantes na ItáliaPróximo artigoFrança. Candidatos ao Eliseu pressionados pelos protestantes Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
“Ouse pela paz pela fé”

“Ouse pela paz pela fé”

Sunguk Kim, antisplash 24 de fevereiro de 2022 – “Vamos dizer não à guerra, sem ses e mas. Expressamos toda a nossa preocupação e consternação com o que está acontecendo na Ucrânia e pedimos a todos os atores envolvidos que trabalhem imediatamente pela paz - declara Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – Estamos próximos da população e rezamos para que retornem ao caminho da diplomacia e da resolução negocial dos conflitos. A UE e a Itália fazem todos os esforços pela paz. Como igrejas evangélicas apoiamos e apoiaremos todas as iniciativas que possam evitar a violência e a dor, no pleno respeito ao direito à autodeterminação dos povos e indivíduos. Intercedemos para que as igrejas cristãs dos países envolvidos no conflito possam identificar e promover caminhos de reconciliação para além dos nacionalismos. Façamos nossas as palavras do teólogo luterano Dietrich Bonhoeffer que na década de 1930 exortava a "ousar a paz pela fé", fé no Deus de Jesus Cristo que proclama "bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus". artigo anteriorUE e Igrejas protestantes pedem cessar-fogo na UcrâniaPróximo artigoUcrânia, Mesa de Asilo: "Bem-vindos, refugiados de guerra" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.