As lições de Rosarno – Nev

As lições de Rosarno – Nev

Roma (NEV), 31 de janeiro de 2023 – Um ano após a abertura do primeiro albergue social em Piana di Gioia Tauro, chamado Dambe sabe, a “casa da dignidade”, a FCEI relança o seu compromisso com o acolhimento digno dos trabalhadores migrantes que trabalham na agricultura. Por isso, o Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas visitou Rosarno nos últimos dias.

“O albergue social – explica o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, Daniele Garrone – é simplesmente uma casa digna e equipada onde os migrantes possam viver e estabelecer a sua residência: a alternativa mais realista aos campos de contentores ou aos guetos insalubres e humilhantes em que muitos deles são forçados a viver. Os migrantes residentes no albergue – continua Garrone – contribuem para a gestão da casa, onde também são realizados programas de integração e orientação. Agora queremos expandir esta experiência e alargá-la a outros territórios – acrescenta o presidente da FCEI – na convicção de que estamos a propor um modelo replicável e sustentável que muda a qualidade de vida tanto dos migrantes como dos italianos residentes no mesmo território. Tanto mais num contexto marcado pela exploração, pelos interesses da grande distribuição que impõe preços, pelo trabalho não declarado e pelas condições de vida desumanas dos trabalhadores confinados em verdadeiros guetos, por vezes construídos com dinheiro público, que geram degradação e alimentam racismo”.

Segundo o pastor metodista Pedro Ciaccio “Rosarno é uma metáfora para a Itália, um deserto do qual as pessoas querem sair. Vimos, nos dias passados ​​na Planície, quanto há para fazer e quanto pode ser feito. Vimos as condições absurdas em que vivem os migrantes e também a pobreza de uma agricultura que deveria ser muito rica. Mas Rosarno não é uma peça separada da Itália. De forma concentrada e paradoxal, neste local parecem ocorrer e revelar-se todos os problemas do nosso país: desde as dificuldades dos trabalhadores em encontrar casa, em ganhar o que é justo e necessário para viver, em constituir família, até os muitos problemas burocráticos e a um mercado que muitas vezes não é justo, mas que não se diz ser o único mercado possível. Os projetos do MH procuram demonstrar que é possível uma economia diferente, inserida no modelo atual, mas sustentável, onde todos os sujeitos possam extrair dignidade de seu trabalho”.

“Uma experiência que me enriqueceu – explicou o conselheiro luterano Maria Antonieta Caggiano -, tenho visto operadores entusiasmados em assumir seu trabalho. Foram muitos momentos emocionantes. Fiquei impressionado com os testemunhos, pessoas corajosas em querer quebrar uma certa cultura deste lugar e esperança. A acolhida que têm em um lugar onde se constitui uma família é um grande testemunho da fé evangélica. Trago para casa grandes emoções, fiquei emocionado, principalmente depois de ver as cidades de tendas onde vivem muitos jovens… Mas é uma motivação para melhorar aquela situação, fazer de tudo para que eles possam ter uma vida melhor”.

Também para o representante do Exército de Salvação, Luca Longo, foi “Um fim de semana bastante exigente em termos de conhecimento e emoções, um desafio pessoal, porque se depara com uma realidade – que já tinha vivido na Sicília, noutros campos e “guetos” – o berço da civilização que ainda temos tão triste situações de privação social e condições de vida intoleráveis. Vimos em primeira mão as muitas realidades que colaboram. Agora, quando vir uma laranja de Rosarno, verei pessoas, rostos, vidas e histórias que sempre estarão em minhas orações”.

Para Free Ciuffreda, valdense, médico: “Foram dias intensos nos quais percebemos que este projeto não quer lidar com uma emergência, mas com um problema estrutural que a Itália e a sociedade devem assumir. Nossas igrejas estão fazendo isso, com testemunhos e atividades que vão além do contingente. Queremos gritar à política que este fenómeno – a exploração do trabalho – é epocal e devem ser disponibilizados todos os recursos úteis para o resolver, incluindo aqueles que estão à margem, os “invisíveis” que garantem a cobrança, em Rosarno de frutas cítricas e, em geral, os vegetais e os alimentos que comemos são ricos para nós. De aspectos que parecem quase simples, derivam raciocínios muito complexos que devem nos fazer refletir sobre o que queremos fazer com nossa sociedade e nosso compromisso como igrejas evangélicas na Itália”.

Sara Comparatti, battista, disse: “Fundamental da nossa metodologia é trabalhar em colaboração com as pessoas que vivem na área, porque baixar as coisas de cima não funciona. Temos tido uma experiência extraordinária disso, com os nossos operadores que têm um conhecimento muito profundo desta realidade, sem eles não teríamos conseguido nada do que foi feito. Nossas igrejas colaboram com o Sos Rosarno há vários anos comprando laranjas solidárias: ver onde e como isso acontece, conhecer sua história, me impressionou muito, cada um de nós trará o que entende de volta para nossas comunidades de origem, tentando desenvolver este caminho. Uma forma de concretizar a proximidade que não é uma forma de assistência, mas uma participação num projeto, numa visão. E depois há os guetos… Tentar ajudar essas pessoas “a sair da escuridão” é o mínimo que um crente pode fazer. Para nós, protestantes, a fé não pode ser dissociada da ética: “faça o bem à cidade em que você está”. E Rosarno, que é uma “concentração” das contradições da Itália, pode ser também um laboratório, para nos ajudar a entender que existem alternativas. Como aconteceu com os corredores humanitários, há alguns anos, quando pela primeira vez apostamos neste instrumento, que se tornaram agora um modelo e um exemplo reconhecido em toda a Europa e fora dela”. Como, à sua maneira, também poderia acontecer com o albergue Dambeso.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Centro Inter-religioso para a Paz.  Carta aos Sínodos e associações

Centro Inter-religioso para a Paz. Carta aos Sínodos e associações

Desenho de Anna Contessini retirado de www.cipax-roma.it/galleria_contessini/index.html Roma (NEV), 6 de abril de 2022 - O Centro Interconfessional pela Paz (CIPAX) "recebeu com interesse e esperança a iniciativa da Igreja Católica de lançar uma dupla jornada sinodal, da Igreja italiana e universal, convidando os católicos a ouvir e à participação também de quem não está inserido nas estruturas eclesiásticas, de quem se sente distante, de quem pertence a outra tradição cristã ou professa outra religião, ou não crente”. Com estas palavras, a CIPAX apresenta a sua mensagem aos Sínodos e à Rede Sinodal de associações constituídas para o “caminho sinodal” da Igreja Católica. O ponto de vista da CIPAX expressa sua natureza de associação inter-religiosa comprometida com a paz. “Acreditamos que o networking é em si um valor importante: muitas vezes nossa capacidade de influenciar é enfraquecida pela incapacidade de superar o individualismo, o narcisismo e o egoísmo. Pretendemos, portanto, caminhar juntos. Por isso, além de pedir ao Sínodo dos Bispos Católicos que se abra ao mundo, propomos passos comuns às nossas associações para que tenham mais força e impacto, sobretudo porque uma instituição, religiosa ou não, seja ela qual for, não pode evoluir sem ser empurrado de baixo". A carta é composta por diferentes seções e propõe objetivos e caminhos comuns. “Considera-se essencial que neste percurso haja igual dignidade e respeito por cada componente participante, e que também sejam acolhidos e incluídos os não crentes que queiram partilhar valores e compromissos”, escreve o CIPAX. E acrescenta: “Pretendemos ir mais longe, numa dimensão inter-religiosa que aproxime todos em torno de alguns valores fundamentais. Esses valores para a CIPAX são paz, não violência, respeito aos direitos, igualdade e paridade entre as pessoas, liberdade e justiça, respeito ao meio ambiente. Para a CIPAX, ecumenismo e inter-religiosidade não podem prescindir da paz, e vice-versa”. O documento também fala de secularismo, minorias, não-violência, casamentos mistos, ministérios femininos, hospitalidade eucarística. Além disso, de um ecumenismo feito de escuta, portanto de silêncio e de superação das divisões: “Todos os fiéis devem poder participar das decisões que afetam sua vida e sua fé. Que todos eles sejam mestres e discípulos ao mesmo tempo. A diversidade é aceita como um ativo e não percebida como um obstáculo. Nesse sentido, o ecumenismo pode ser visto como uma projeção para o encontro inter-religioso, onde valores e ações comuns podem ser compartilhados. Práticas espirituais devem ser valorizadas. Diante das dificuldades iniciais imagináveis, é importante abrir espaço para a alteridade por meio da escuta, esvaziando-se de suas certezas para dar espaço ao “outro”, talvez até pelo silêncio que potencializa nossa sensibilidade. Incentivar o ecumenismo e a inter-religiosidade a partir de baixo, abrindo-se ao encontro com as diferentes experiências das associações religiosas para acolher as práticas que permitem avançar num caminho comum entre as diversas Igrejas e religiões. Na Ecúmena, no espaço habitado, recupera-se a dimensão espacial do círculo, numa referência à centralidade do púlpito, onde o centro é a comunidade, ainda que composta. A roda facilita o diálogo, o conhecimento, a inclusão, a partilha”. Baixe o documento completo. Acesse a apresentação da CIPAX. O Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX) é uma associação cultural que desde 1982 promove "a colaboração de forças religiosas e seculares para a construção da paz, da justiça e da proteção da criação". A CIPAX também se comprometeu, desde a sua criação, com o diálogo ecumênico e tem visto muitos protestantes em sua diretoria e entre seus membros. O canteiro de obras foi criado graças à contribuição de Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense. ...

Ler artigo
Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2022 – Estas são as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Está em curso a pré-assembleia regional europeia A pré-assembleia regional europeia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) abre amanhã. Dois dias de trabalho online sobre o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". O evento deveria ter sido realizado em Varsóvia, mas a continuação da emergência da covid levou os organizadores a optarem pela modalidade digital. Organizada em conjunto com o Conselho Ecumênico Polonês e em colaboração com o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), a Pré-Assembléia representa um momento preparatório para a 11ª Assembleia do CMI agendada para Karlsruhe. Os temas em discussão são: o papel das igrejas para a reconciliação em sociedades europeias cada vez mais seculares e pluralistas. O chamado de Cristo ao discipulado. O movimento ecumênico global: questões, desafios e prioridades. Entre os oradores, pela Itália, o pastor Michael Charbonnier. Reivindicar e salvaguardar a fé como elemento legítimo do discurso político europeu “A Europa caracteriza-se por sociedades cada vez mais seculares e pluralistas. Nossas Igrejas encontram analfabetismo religioso e ignorância entre os tomadores de decisão e políticos. O que podemos fazer para mitigar esse desenvolvimento?” Em sua mensagem em vídeo, o secretário-geral do CEC, Jørgen Skov Sørensen, reafirma o papel das igrejas e comunidades de fé na sociedade, enfatizando que a CEC deve resgatar e salvaguardar a fé como elemento legítimo de um discurso político europeu. Sørensen convida a falar sobre o grande trabalho realizado pelas igrejas em nível local e anuncia os temas da pré-assembléia regional que será realizada a partir de amanhã. Histórias de esperança e coragem “são a demonstração do que as igrejas da CEC fazem pelo bem comum em todos os cantos da Europa”. Assista o vídeo. Assembléia CEC na Estônia: Moldando o futuro com a bênção de Deus A Conferência das Igrejas Europeias realizará sua 16ª Assembleia Geral de 14 a 20 de junho de 2023 em Tallinn, Estônia. Título da Assembleia: “Sob a bênção de Deus – moldando o futuro”. A Assembléia será organizada pelas igrejas membros da CEC na Estônia, a Igreja Evangélica Luterana da Estônia e a Igreja Ortodoxa da Estônia. Para saber mais, clique aqui. Reflexões sobre o tema da Assembleia da CEC “A fé cristã se expressa em um duplo movimento. A da liberdade e a da responsabilidade”. Assim escreve o pároco Anders Gadegaard da Igreja Evangélica Luterana na Dinamarca, refletindo sobre o tema da Assembleia KEK agendada para 2023. “Devemos fazer o nosso melhor para contribuir para o bem comum” continua o pároco, sublinhando a importância de trabalhar para que ele seja alcançado no mundo e na Europa justiça social e económica, através de uma "distribuição justa de recursos". Leia aqui. Como amplificar a voz coletiva das igrejas O Bispo de Leeds Nick Bainesda Igreja da Inglaterra é membro do conselho do CEC. Aqui, uma reflexão sobre como as igrejas podem unir suas vozes na arena pública. O complexo ambiente sócio-político de hoje, de acordo com Baines, torna essencial que as igrejas tragam sua voz profética de fé. Para saber mais, clique aqui. Estão abertas as inscrições para o curso sobre o combate aos crimes de ódio contra os cristãos De 8 a 10 de março, o Escritório de Instituições Democráticas e Direitos Humanos da OSCE (ODIHR) está organizando um curso online sobre como lidar com crimes de ódio contra cristãos. A OSCE cooperou anteriormente com o CEC durante a Escola de Verão de Direitos Humanos. A todos os interessados, o CEC informa as igrejas-membro da possibilidade de se inscreverem. Para todas as informações, clique AQUI. (Nota: os links detalhados levam à notícia original em inglês) ...

Ler artigo
Em agosto, começa o Sínodo Valdense e Metodista junto com a União Batista

Em agosto, começa o Sínodo Valdense e Metodista junto com a União Batista

Roma (NEV/chiesavaldese.org), 2 de agosto de 2022 – “Viva o Sínodo conosco“. Este é o título do artigo de Robert David Papini que lança o compromisso de agosto com o Sínodo das igrejas metodista e valdense. Este ano, também a Assembleia juntamente com a União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Leia abaixo. Torre Pellice, 1 de agosto de 2022 Um tênue fio de inquietação atravessa os vales valdenses e as várias comunidades metodistas e valdenses espalhadas por toda a Itália: é o dobro este ano? Haverá dois Sínodos em Torre Pellice, na província de Turim? Após um ano de hiato e outro em modo híbrido, decidiu-se relançar com uma edição mais alargada (com mais debates!), mais rica e mais cansativa? Não, não se preocupe, os horários serão os mesmos de todos os anos pré-Covid: pouco menos de uma semana (do domingo, 21, com o culto inaugural, a sexta-feira, 26 de agosto) com o habitual rico programa de iniciativas colaterais. Haverá também um retorno bem-vindo: depois de quinze anos será realizada a Assembleia-Sínodo, um encontro conjunto para valdenses, metodistas e batistas: debate, reflexão e planejamento do trabalho a ser feito juntos, em um contexto em que se trabalhe " juntos" é cada vez mais urgente. Não dois Sínodos, portanto, mas dois dias de Assembleia do Sínodo (segunda-feira, 22 e terça-feira, 23) e, em seguida, de quarta-feira, 24 a sexta-feira, 26, o Sínodo Valdense que, em uma inspeção mais detalhada, é realmente mais curto do que o normal. Em torno desses momentos importantes de debate e democracia, muitos encontros interessantes. Você está pronto para experimentá-los conosco? Vamos ver uma pequena seleção. Sexta-feira, 19 de agosto: Jornada Teológica “G. Miegge”. A tradicional e sempre esperada nomeação de cada pré-sínodo. Com início às 11h no templo da Torre Pellice, o dia terá como tema: «Democracia e prática ecumênica», organizado pela Fundação Centro Cultural Valdense e pela Secretaria da Assembleia dos Membros das Igrejas Metodista e Valdense. Sexta-feira, 19 de agosto: Exposição da Bíblia. Às 17h30, no Centro Cultural Valdense (via Beckwith 3), é inaugurada a exposição "As Bíblias valdenses: edições do século XV ao século XIX". Sábado 20 de agosto: Pré-Assembleia/Sínodo da FGEI. O encontro com a Federação Juvenil Evangélica da Itália é a partir das 14h30 na Casa Unionista da Torre Pellice. O título será «A Beleza de Mil Vozes». Sábado 20 de agosto: Federação das Mulheres Evangélicas da Itália. O habitual encontro organizado pela Fdei às 15 horas na galeria de arte “Filippo Scroppo” (via R. D'Azeglio 10) sobre o tema «Mulheres e migração. Juntos, portadores de valores universais, simbólicos e culturais irrenunciáveis». Sábado, 20 de agosto: Fronteiras diaconais. Às 16h, no jardim da casa valdense na Torre Pellice (via Beckwith 2), a 14ª edição do Frontiere diaconali pela Diaconia Valdese – CSD. O tema é "Autismo: caminhos e perspectivas". Durante o evento será exibido o filme “As Mil Portas de Filipe”. Sábado 20 de agosto: Noite organizada pela editora Claudiana. Às 21h00 na Galeria de Arte «Filippo Scroppo», apresentação do livro de Paolo Ricca: “Dio. Desculpa". Segunda-feira, 22 de agosto: noite pública – Também este é um pilar da semana sinodal. Encontro às 20h45 no templo da Torre Pellice para a noite sobre "Paz e pacifismo no diálogo". Centro cultural valdense. Continua no espaço "Uma janela acima". Leia em Chiesavaldese.org ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.