Conselho para as relações com o Islã, um novo começo

Conselho para as relações com o Islã, um novo começo

foto por Utsman Media, unsplash

Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 – O Conselho para as relações com o Islã está de volta em movimento. Conforme refere uma nota do Ministério do Interior datada de 2 de Dezembro, “Com efeito, foram identificados os membros do órgão chamados a exercer funções consultivas para o aprofundamento de questões relacionadas com a integração e o exercício da função civil direitos daqueles que professam a fé islâmica na Itália”.

Entre os membros do conselho, órgão consultivo do ministério para desenvolver as relações com o Islã italiano, estão personalidades do mundo da cultura, professores e especialistas de várias disciplinas e religiões, incluindo a Valdense Paulo Nasoprofessor de ciência política na Sapienza e coordenador do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da FCEI.

Reunião do Conselho para as Relações com o Islã Italiano, por videoconferência, no dia 19 de novembro (Foto do site do Ministério do Interior).

“Na última fase do Conselho para as relações com o Islão – explica Paolo Naso -, iniciada em 2015, o resultado mais importante foi a assinatura de um acordo, em 2017 (Naso era então coordenador do Conselho, ed.), com o Islã italiano, assinado por todas as principais associações islâmicas da Itália. Um resultado importante, concebido e orientado para um entendimento com o Islã italiano, de acordo com o artigo 8 da Constituição”. Por que isso é tão importante? “Como se sabe, há mais de dois milhões de muçulmanos na Itália. Constituem assim uma presença numericamente e não só muito significativa no panorama cultural, social e religioso nacional. No entanto, por várias razões, esta comunidade de fé ainda não teve o devido reconhecimento legal”.

Portanto, entre os principais objetivos deste conselho “está, portanto, o de iniciar, facilitar e acompanhar as comunidades islâmicas em um processo de reconhecimento legal no âmbito das normas vigentes e do ordenamento jurídico italiano”.

O conselho presidido pelo ministro ou por um subsecretário delegado passa a ter a seguinte composição: Francisco Alcinoprofessor de direito eclesiástico no Lum “Jean Monnet” de Casamassima (Ba), Stefano Allieviprofessor de sociologia da Universidade de Pádua, Pasquale Annicchinopesquisador do Cambridge Institute on Religion & International Affairs, Rosaria Maria Domianelloprofessor de direito eclesiástico na Universidade de Messina, Alexandre Ferrari, professor de direito eclesiástico na Universidade de Insubria (Varese), Maria Chiara Giordaprofessor de história das religiões na Universidade “Roma Tre” (Roma), Shahrzad Houshmand Zadecprofessor de estudos islâmicos na Pontifícia Universidade Gregoriana e na Pontifícia Faculdade Teológica “Marianum (Roma), Paolo Naso, professor de ciência política e coordenador do mestrado em religiões e mediação cultural na Universidade La Sapienza de Roma, Vincent Paceprofessor de sociologia da Universidade de Pádua, Younis Tawfikprofessor de língua e literatura árabe na Universidade de Gênova e escritor, Francesco Zanniniprofessor de língua e cultura árabe na Lumsa (Roma), Ida Zilio Grandiprofessor de língua e literatura árabe na Universidade “Ca’ Foscari” (Veneza).

Para além deste caminho mais estritamente jurídico, “outros também se vão abrindo – prossegue Naso – . A referência é à validade de algumas experiências de anos anteriores. Como o curso de formação de ministros de religião, não só muçulmanos, mas de diferentes comunidades de fé. Ou ainda uma prática de encontro com jovens de segunda geração, uma novidade muito importante também dentro da comunidade islâmica, porque nascidos e educados na Itália, eles expressam assim uma sensibilidade específica, que merece ser valorizada”.

Finalmente, com base no que está acontecendo na Europa, “é importante promover programas e políticas para combater a radicalização: mesmo que na Itália não tenham sido registrados os eventos dramáticos de violência gravíssima ocorridos em outros países, ainda é necessário não baixar a guarda e envolver em primeiro lugar a comunidade e as associações islâmicas, para que se protejam a si próprias e à comunidade nacional que as rodeia do pernicioso e destruidor “vírus” da radicalização religiosa”.

Quanto à contribuição de Paolo Naso aos trabalhos do Concílio, “dada a minha biografia, a minha perspectiva pessoal – conclui – é a de contribuir para o pleno reconhecimento, não só jurídico, mas também social e cultural, do pluralismo religioso na Itália, do qual O Islã é uma carta decididamente importante”.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Um instituto ecumênico, um sinal profético de diálogo em Marrocos

Um instituto ecumênico, um sinal profético de diálogo em Marrocos

Roma (NEV/Riforma.it), 1º de abril de 2019 – “Um sinal profético”: assim disse ontem o Papa Bergoglio em visita a Marrocos definiu o Instituto de Formação Teológica Al Mowafaqa (The Meeting) de Rabat, que representa um unicum no continente africano, pois foi criado graças a uma ação conjunta de católicos e protestantes para promover o diálogo e o ecumenismo, especialmente em relação à religião dominante na região, o Islã. Fundada em 2012, a escola formou cerca de 400 alunos ao longo dos anos na cultura do diálogo inter-religioso, e atualmente acolhe 40 deles, divididos igualmente entre católicos e protestantes, quase todos africanos, mas não faltam jovens de origem europeia . Cerca de oitenta professores se alternaram na cadeira nestes 6 anos, também de origem africana e europeia. O pastor luterano atualmente dirige o instituto Jean KoulagnaCamarões, após 6 anos de liderança do pastor reformado francês Bernard Coyault. O projeto é apoiado, entre outros, pelo Serviço Missionário Protestante Francês (Défap), tanto com financiamento direto quanto com o envio de bolsistas. O crescimento das tensões ligadas à radicalização religiosa evidencia a cada dia a necessidade de manter vivo o diálogo entre as diversas religiões. Mas como um pode dialogar sem saber do outro, em que se baseia sua fé? O Instituto realmente tenta ser um ponto de encontro entre as diferentes religiões. Criado pela Igreja Católica no Marrocos e pela Igreja Evangélica no Marrocos, o instituto oferece formação universitária em teologia em língua francesa, enraizada no contexto marroquino, aberta ao encontro e ao diálogo com outras culturas e religiões, principalmente a islâmica. O apoio para o planejamento da iniciativa veio da Faculdade Teológica Protestante de Estrasburgo e do Instituto Católico de Paris. O último ano letivo contou com 36 professores (8 mulheres) da Europa (15), Marrocos (5), outros países africanos (14), Líbano (2), protestantes (15), católicos (14), muçulmanos (5), judeus (2). As classes refletem essas diferenças; um exemplo acima de tudo, uma turma de 18 alunos de 14 países diferentes: o seu percurso de estudo divide-se entre várias opções: alunos que se candidatam a igrejas em Marrocos, servindo também em paróquias locais (4 católicos e 3 protestantes), alunos independentes e alunos enviados de outros países por sua igreja local. Estudantes católicos, reformados, evangélicos, pentecostais são a confirmação da crescente influência do Instituto e da relevância do modelo de formação teológica "em diálogo", especialmente em países onde o cristianismo é minoria. Marrocos, envolvido nos últimos anos pelo êxodo de populações que se deslocam de países subsaarianos para a Europa ou para os mesmos países com melhores condições económicas, incluindo o próprio Marrocos. Daí as novas contaminações religiosas que também caracterizam a sociedade marroquina. Outras nações do continente vivem tensões nas quais as identidades étnico-religiosas são perigosamente manipuladas. A única receita é o conhecimento do outro e o Instituto trabalha para isso. Existem cerca de dez mil protestantes no Marrocos, trinta mil católicos de uma população total de cerca de 33 milhões. ...

Ler artigo
Abruzzo.  Cultura, música e dança em nome da diversidade

Abruzzo. Cultura, música e dança em nome da diversidade

Roma (NEV), 10 de agosto de 2022 - A associação "Amigos da Igreja Valdense de San Giovanni Lipioni" está organizando dois dias sobre diversidade. A nomeação é para os dias 13 e 14 de agosto em San Giovanni Lipioni, na província de Chieti. São dois dias de festa, para sublinhar a riqueza da diversidade. Além do culto de abertura, está prevista uma conferência intitulada “Diferente de quem?”. Palestrante, Prof. Carlos Mônaco, que falará sobre igualdade e diversidade na história do Ocidente. Seguido por um show de dança e percussão do Senegal. No domingo, 14 de agosto, está programado um workshop Salento pizzica. A exposição “Waldensian experience in San Giovanni Lipioni” também pode ser visitada, até 28 de agosto. No culto, agendado para sábado, dia 13 de agosto, pelas 10h30, será dedicado um momento à memória de Gianna Scicloneisso com Carmen Trobia em 1967 abriu o caminho para a ordenação pastoral de mulheres. A pastora Sciclone faleceu em junho passado. O comunicado da iniciativa diz: “Não se pode entender a diversidade sem definir a igualdade. Todos os homens e mulheres nascem iguais. Somos todos iguais perante a Lei – explica Franca Nini, porta-voz do comitê organizador -. Igualdade implica igual dignidade e igualdade de oportunidades sem distinção de nacionalidade, sexo, crença religiosa, opinião política, condições pessoais e sociais. Só existe uma raça humana." Serão dois momentos de agregação e diversão, conclui Ninni, “mas também de reflexão sobre o tema da diversidade, visando unir e enriquecer a comunidade”. Segue abaixo o programa completo. sábado, 13 de agosto de 2022 10h30 – Culto. Celebre o pastor Luke Elders, com uma lembrança da pastora Gianna Sciclone. c/o Centro Cultural Municipal, antiga Igreja Valdense, Piazza Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH) 21h30 – Intervenção de Carlo Monaco, escritor e ensaísta, ex-professor de história e filosofia na Universidade de Bolonha, sobre o tema “Diverso Da Chi? Considerações sobre igualdade e diversidade na história do Ocidente”. Praça Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH). 22h30 – Espetáculo de dança e percussão da África Ocidental do grupo “Sunu Africa”. Ritmos, danças, canções e símbolos do Senegal num espetáculo envolvente e colorido. Praça Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH). Domingo, 14 de agosto de 2022 21h30 – Oficina Pizzica Salentina, líder Rita Mônaco. Praça Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH). De 13 a 28 de agosto, a exposição "Experiência Valdense em San Giovanni Lipioni" estará aberta no Centro Cultural Municipal, antiga Igreja Valdense. Para informações contacte o número 393 2757821 ou 339 7905435 ou envie mensagem na página do Facebook ...

Ler artigo
“A paz deve ser buscada e encontrada”

“A paz deve ser buscada e encontrada”

Foto Sunyu / Unsplash Roma (NEV), 28 de março de 2023 – “Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram o natural”. Assim foi escrito em uma das moções aprovadas pelas mulheres presentes no XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que terminou no domingo passado em Florença. Esta moção, aprovada com três quartos dos votos, algumas abstenções e um voto contra, pretende recordar a fé no Deus da paz e inspirar-se na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzer. A FDEI denuncia a lógica patriarcal de opressão e poder que está por trás das guerras, afetando de maneira particular as mulheres. "O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados" continua a moção, que então entra no mérito do conflito que afeta a Europa e todas as guerras e conflitos ainda presentes no mundo. Conflitos que dizem respeito ao FDEI “para mulheres cujos corpos se tornam terreno de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente ". No documento, as mulheres apelam à necessidade da "mediação de conflitos tal como expressa a Carta das Nações Unidas" e ao respeito de todos os seres humanos e das suas necessidades conforme indicado na Declaração Universal dos Direitos do Homem, "não por acaso formulada com a mediação de um mulher (Eleanor Roosevelt)”. A moção conclui compartilhando um pensamento de Dorothee Sölle: "a paz às vezes parece se esconder ou ser escondida, mas deve ser buscada e encontrada... eles são cristãos (e Christian, acrescenta o FDEI, ed.) só quem luta pela paz na esperança”. Abaixo, a íntegra da moção. Para saber mais, leia também: Moção de paz - XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) - março de 2023 As mulheres presentes ao XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas, recordando a fé no Deus da paz e inspiradas na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzerafirmam que a oposição à guerra não pode ser silenciada, seja pela sensação de impotência que nos esmaga, seja por razões de alinhamento e oportunidade. O Deus que abre um caminho no deserto ao povo afligido pela violência e pela deportação nos convida a tomar uma posição para acabar com todas as guerras (Is 40,1-5). Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram os ambientes naturais. Todas as guerras deixam sempre um rastro de ódio que destrói ainda mais as relações entre os povos, que só podem ser conquistadas trabalhando para restaurar a confiança, o respeito mútuo e a justiça. O pastor sabia bem Túlio Vinay quando depois da guerra trabalhou para tornar possível a reconciliação entre os jovens dos países envolvidos no conflito. É por isso que nós, mulheres evangélicas, nos sentimos empenhadas em trabalhar pela paz e pela reconciliação. Somos chamados por Deus e haurimos esperança na experiência de homens e mulheres cristãos que trabalharam pela paz e pela justiça em várias partes do mundo. Não podemos esquecer e denunciar que as guerras seguem sempre lógicas patriarcais de opressão e poder que muitas vezes envolvem também as mulheres. O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados, ou como está escrito pelo profeta Isaías: “Cada sapato usado pelo guerreiro na luta, cada manto manchado de sangue, será incendiado, será devorado pelo fogo. Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o domínio repousará sobre seus ombros.” (cap. 9,4-5). Por fim, o conflito que afeta a Europa nos preocupa, assim como as guerras e conflitos do mundo: para mulheres cujos corpos se tornam motivo de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente . Por isso, pedimos com urgência que se busque uma lógica diferente de relacionamento entre os povos por meio da mediação de conflitos expressa na Carta da ONU e o respeito a todos os seres humanos e suas necessidades contidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos, não por acaso formulada com a mediação de uma mulher (Eleanor Roosevelt). Finalmente, queremos concluir com um pensamento que Dorothee Sölle nos deixou: “A paz às vezes parece se esconder ou se esconder, mas deve ser buscada e encontrada… eles são cristãos (e cristão) só quem luta pela paz na esperança”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.