Federação Juvenil Evangélica rumo ao XXII Congresso

Federação Juvenil Evangélica rumo ao XXII Congresso

Foto retirada do site da FGEI

Roma (NEV), 8 de novembro de 2021 – O XXII Congresso da Federação da Juventude Evangélica da Itália (FGEI) será realizado de 11 a 14 de novembro no centro Ecumene (Velletri, Roma). O Congresso é o momento central da vida federativa das novas gerações protestantes.

Pedimos ao Secretário do FGEI, Annapaola Carbonatopara nos contar sobre a atmosfera na véspera deste importante evento programático.

“Estou muito empolgado porque é o primeiro evento da Federação com presença desde 2019 – explica Carbonatto -. Os últimos eventos foram os campos de treinamento no outono de 2019. E, portanto, é realmente uma grande emoção pensar em realizar um evento presencial novamente, visto que nos últimos meses só conseguimos ter alguns encontros esporádicos. Entre um lockdown e outro, entre uma zona vermelha e outra, fizemos algumas reuniões do Conselho, em sessões consultivas ou deliberativas. Mas, fora isso, era tudo online.”

Annapaola Carbonato

A pandemia exige um número reduzido de participantes este ano, porém o Congresso está confirmado: “Espero que também seja um bom momento para podermos recomeçar juntos, para podermos imaginar um novo caminho – prossegue o secretário -. E acho que também é hora da Federação se repensar. O Congresso é sempre, em geral, o momento de fazer um balanço da situação. É hora de dizer a si mesmo o que quer fazer, como quer fazer e aonde quer chegar. Ainda mais nesta conjuntura, neste momento histórico, acredito que este Congresso será um momento muito importante para a identidade e estrutura da Federação. Somos obrigados a um número reduzido de participantes, devido às muito acertadas regras sanitárias, de forma a conter o contágio. Os convidados que normalmente vêm presentes estão enviando suas saudações, em vídeo ou mensagens escritas. Muitas vezes são hóspedes que vêm do exterior, e não é o momento certo para realizar viagens internacionais. Será um Congresso um tanto estranho, um tanto anômalo – conclui Carbonatto -. No entanto, por parte de todo o Conselho, fica mesmo o sentimento de que será um momento especial, para parar e reflectir e compreender verdadeiramente que caminho devemos seguir num futuro próximo”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Vamos nos juntar à voz daqueles que lutam nas ruas do mundo”

“Vamos nos juntar à voz daqueles que lutam nas ruas do mundo”

Najla Kassab prega do púlpito de Lutero em Wittenberg Roma (NEV), 31 de outubro de 2019 - O presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) Najla Kassab, o primeiro pároco eleito para o cargo e ex-representante do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e Líbano, emitiu uma mensagem para o Dia da Reforma, que é comemorado em 31 de outubro em todo o mundo. Reproduzimo-lo na íntegra a seguir. Das ruas de Beirute, em meio a uma crise política, eu os saúdo hoje enquanto lembramos e celebramos o Dia da Reforma. Uma das lições mais fortes que a Reforma nos ensinou é a responsabilidade: que cada pessoa e líderes são responsáveis ​​perante a comunidade. Não há autoridade acima da responsabilidade. Por meio da prestação de contas, reformamos juntos e garantimos que nosso ministério e líderes trabalhem pelo Reino de Deus, pela justiça para todos. Se levamos a sério o desafio da Reforma permanente, de manter viva a Reforma, devemos aumentar a responsabilidade. Hoje muitas ruas ao redor do mundo estão em greve, em Beirute, Hong Kong, Iraque, Chile ou em outros lugares. As pessoas decidiram não se calar mais e os jovens arriscaram-se a ir às ruas pedir aos seus líderes que assumam a responsabilidade por uma vida digna para todos, levantando o seu grito contra a corrupção. Sim, os líderes devem ser responsabilizados e o que é injusto deve ser enfatizado. Apesar de cada país ter suas próprias causas de injustiça, o fator comum é que os jovens têm a coragem de falar e até de pagar um preço. É hora de pensarmos juntos como a mudança pode acontecer, seja ela gradual ou radical. O silêncio está entre as principais causas de injustiça, assim como a mentalidade de que não devo suportar problemas que não me digam respeito diretamente. Hoje, novamente, nossa Confissão de Acra nos lembra que questões de justiça econômica e ecológica não são apenas questões sociais, políticas e morais, mas são parte integrante da fé. Ser fiel à aliança de Deus exige que cada cristão e igreja se posicione contra as atuais injustiças econômicas e ambientais "vendo através dos olhos de pessoas desamparadas e sofredoras". As Igrejas e a sociedade são chamadas a ouvir o grito das pessoas que sofrem e a ferida da própria criação, superconsumida e desvalorizada pela atual economia global. Hoje o desafio é continuar denunciando a injustiça econômica, falar e usar nossa imaginação juntos para um futuro melhor. Hoje me refiro ao Testemunho de Wittenberg, com o qual nos comprometemos há dois anos com nossos irmãos e irmãs luteranos, dizendo juntos: Juntos, desejamos uma imaginação renovada do que significa ser igreja em comunhão – para o nosso mundo, em nosso tempo. Precisamos de novas imaginações para viver juntos, de forma a abraçar nossa unidade não apenas como um dom, mas também como um chamado. Precisamos de uma nova imaginação para sonhar com um mundo diferente, um mundo onde prevaleçam a justiça, a paz e a reconciliação. Precisamos de uma nova imaginação para praticar uma espiritualidade de resistência e uma visão profética, uma espiritualidade a serviço da vida, uma espiritualidade moldada pela missão de Deus. Neste dia unimos nossas vozes a todos aqueles que lutam nas ruas do mundo. Somos chamados a lembrar, com a força de “ficar aqui” pelos nossos valores, tendo fé, que independente de quantos somos, podemos fazer a diferença. Martinho Lutero ele nos encorajou a dizer “Aqui estou, não posso fazer outra coisa” mesmo quando isso significava pagar um preço. Hoje acrescentamos às palavras de Lutero: "Aqui falo". Acreditamos que podemos fazer a diferença e nos comprometemos com uma reforma que continua (sempre reformanda, ou seja, sempre reformada). em Cristo, Najla KassabPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) ...

Ler artigo
Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Foto de @Pietro Romeo/Reforma. A pastora e teóloga Daniela Di Carlo com a jornalista Annalisa Camilli, na noite pública do Sínodo Valdense e Metodista Torre Pellice (NEV), 22 de agosto de 2023 – O discurso do jornalista da Internazionale Annalisa Camilli pronunciado em 21 de agosto de 2023 durante a noite pública do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, no templo de Torre Pellice. “A macabra sequência de feminicídios e violência contra as mulheres que ocorreu em Itália em pleno verão obriga-nos a colocar uma questão: porque é que, num momento em que as mulheres alcançaram níveis consolidados e sem precedentes de igualdade e participação no espaço público, multiplicam, em vez disso, os assassinatos, assédios e estupros? São setenta e cinco mulheres que em 2023 foram mortas pelos seus maridos, parceiros e ex-namorados. Três só nos últimos dias. Vera Schiopude 25 anos, uma moldava foi assassinada pelo companheiro em Ramacca, na província de Catânia: foi encontrada enforcada por uma corda numa casa semi-arruinada ao lado daquela onde morava. O acompanhante, junto com um amigo, tentou simular o suicídio da mulher e até chamou a ambulância quando não havia mais nada que pudessem fazer. Em 17 de agosto, ela foi morta pelo ex Anna Scala56 anos, esfaqueada pelo ex-marido ao sair de seu apartamento em Piano di Sorrento. Ele esperou por ela por uma hora, esfaqueou-a pelas costas e depois trancou-a no porta-malas do carro. Então ele confessou o assassinato. Ele já havia quebrado os dentes dela no passado e também bateu nela na frente de outras pessoas, acusando-a de traí-lo, e depois destruiu as rodas do carro dela. Anna Scala não se calou, mas tentou se defender e denunciou o ex, duas vezes no último mês, mas apesar disso nada foi feito para protegê-la. Então, há Celine Frei Matzohl, morta em Silandro, às vésperas de seu vigésimo primeiro aniversário, há uma semana. Seu ex-companheiro a esfaqueou até a morte quando ela voltou para casa para pegar suas coisas depois de deixá-lo. Celine Frei Matzohl também processou o ex por agressões e ameaças agravadas em junho passado. Mas mesmo assim não ajudou, nada foi feito para ajudá-la. Vera Schiopu, Anna Scala, Celine Frei Matzohl. São de idades diferentes, vivem em locais diferentes, pertencem a classes sociais diferentes, mas têm duas coisas em comum: não foram apoiados, mesmo que tenham pedido ajuda. Segundo: foram mortos por homens que chamaram e por quem foram chamados: “Amor”. Isso significa que a ideia de amor em nosso mundo ainda pode estar ligada à violência. Ex-escritora e feminista Leah Melandri No dele Amor e violência, o fator irritante da civilização (Bollati Boringhieri 2011) sublinhou: “Existem parentescos insuspeitos que muitos não reconhecem ou preferem ignorar. A mais antiga e duradoura é aquela que liga o amor ao ódio, a ternura à raiva, a vida à morte”. É destruído para preservar, é morto pelo que fomos educados a chamar de “amor”, mas que amor não é, porque proporciona formas de controle e opressão para as mulheres, que não podem dispor de si mesmas ou optar por mudar. “Em vez de nos limitarmos a depreciar a violência, a invocar penas mais duras para os agressores, mais protecção para as vítimas, talvez fosse mais sensato olhar onde não gostaríamos que ela aparecesse, naquelas áreas da vida pessoal que têm a ver com o mais íntimo, com tudo o que nos é mais familiar, mas não mais conhecido por isso. Matar, estuprar, subjugar são principalmente maridos, filhos, pais, amantes incapazes de tolerar muito ou pouco muros domésticos protetores, abraços incômodos ou abandonos que deixam expostas fragilidades masculinas insuspeitadas”, escreve sempre Melandri. A violência brutal é apenas a ponta do iceberg, sabemos disso. Tem as suas raízes numa cultura profundamente sexista, que ainda é dominante. Basta pensar no declarações do presidente do Senado Ignazio La Russaque há alguns meses defendendo o filho Leonardo acusado de estupro, acusou a vítima de 20 anos de ter consumido cocaína, acertando as acusações. Sempre tem aquele olhar que coloca a mulher sob escrutínio em busca de um pretexto para dizer: “Você pediu”. Os centros antiviolência em todo o mundo recolhem todos os dias histórias de mulheres que relataram terem sido violadas e não foram acreditadas, porque estavam maquiadas ou bem vestidas, porque não choraram ou por algum outro motivo não foram consideradas credíveis. A pandemia até agravou esse processo. “Vamos sair melhores?”, perguntávamos-nos nos primeiros dias da pandemia de covid-19 em Março de 2020, havia uma esperança generalizada e mal respondida de que a catástrofe fosse uma espécie de revolução, como se a natureza pudesse travar batalhas para nós e isso poderia destruir o equilíbrio de poder entre opressores e oprimidos, deixando espaço para modelos de vida mais justos. Mas é claro que não aconteceu assim. Com efeito, como muitas vezes aconteceu na história, a catástrofe foi uma porta pela qual o passado olhou e se reconciliou com o presente, fazendo cair as conquistas mais recentes e trazendo à luz modelos antigos ainda mais desiguais. De facto, naquele espaço suspenso de confinamento as fronteiras entre o público e o privado voltaram a saltar e muitas conquistas que pareciam estabelecidas na relação entre os sexos foram postas em causa. As mulheres foram forçadas a regressar às suas casas como numa espécie de máquina do tempo e chamadas a prestar cuidados, desaparecendo gradualmente como sujeitos do debate público. Voltar apenas como vítimas de abuso e violência. Ainda que durante algumas décadas as mulheres - individualmente e em conjunto - tenham questionado este sistema de dominação com palavras e mais eficazmente com gestos, afastando-se de relações, modelos familiares e de trabalho que já não correspondem aos seus desejos. Esta revolução ainda não está completa. Enquanto a lei do pai está em crise, a violência torna-se mais feroz. É provavelmente uma tentativa de restabelecer essa ordem, que está em declínio. Então o que fazer? Dois dos níveis em que deveríamos tentar actuar para intervir nesta onda de violência contra as mulheres e esta retaliação implicam ouvir e abandonar uma atitude meramente passiva. Há algum tempo, as feministas da Casa da Mulher de Ravenna me disseram que cada vez mais homens e meninos estão batendo à sua porta, porque gostariam de aprender a autoconsciência como uma técnica usada pelas mulheres há décadas. Para utilizá-lo na desconstrução dos modelos masculinos para os quais são educados e com os quais já não se sentem sintonizados, porque enquanto o velho mundo se põe, lutam para encontrar novos paradigmas que os inspirem. Esses meninos e homens deveriam receber mais atenção e mais espaço. Depois, há uma prática coletiva de coragem que deveríamos começar a praticar novamente: se todos nós, juntos, estivéssemos mais dispostos a reagir aos abusos que afetam os outros, os acontecimentos mais extremos não ocorreriam. Muitas vezes penso no assassinato de Alika Ogorchukwuo vendedor ambulante nigeriano morto em Civitanova Marche no verão de 2022, ao longo da estrada principal da cidade litorânea, diante do olhar atônito dos transeuntes, que não intervieram, mas no máximo filmaram para denunciar o agressor. Parece que a pandemia também teve um efeito sobre isto: é mais natural denunciarmos, do que intervir, observarmos do que tentarmos impedir. Provavelmente também pelo medo de se enredar e perder alguma coisa. Deveríamos tentar ser mais corajosos, mais receptivos, mais confiantes. O escritor Michelle Murgia ele disse uma vez: “Nomes e sobrenomes devem ser mencionados e, quando ocorrem casos de sexismo, é preciso ter a coragem de se levantar e dizer que o que estou presenciando não só não me representa como me ofende. Aconteceu comigo quando ganhei o prêmio Campiello (era 2010 e o livro estava Accabadora) e por acaso presenciei uma cena vergonhosamente machista em que Bruno Vespa pedia à direção da noite que rolou no Rai Uno para emoldurar o decote de Silvia Avallone que estava recebendo o prêmio por Campiello Giovani, com a estreia de Aço. Foi quando divulguei a entrevista logo após dizer que tinha achado aquilo escandaloso e achei que era um gesto de poder e abuso. Ninguém se levantou para me defender. Na verdade, muitos disseram que Michela Murgia está com ciúmes porque o seu decote não foi emoldurado. E essa é uma das coisas que pode acontecer quando você se expõe. Ao mesmo tempo posso dizer que aquele gesto de liberdade, mesmo que naquele momento não tenha recebido a solidariedade que talvez eu esperasse, revelou-se absolutamente fundamental na minha história porque a partir desse momento nunca mais me calei sobre essas perguntas e cada vez que abria a boca encontrava a voz de outra mulher juntando-se à minha, talvez porque ela tivesse encontrado coragem. Porque é assim, a coragem é contagiante”. AQUI o vídeo completo do evento, editado pela RBE Radio Beckwith: AQUI o relatório da reunião de Gian Mário Gilliode Riforma.it: ...

Ler artigo
Contra o Ódio e o Antissemitismo, um compêndio da FCEI

Contra o Ódio e o Antissemitismo, um compêndio da FCEI

Foto T. Chick McClure @tchickmcclure de unsplash.com Roma (NEV), 13 de fevereiro de 2020 - Uma espécie de "manual do usuário" da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) sobre a luta contra o antissemitismo e a deriva do ódio, temas centrais da Semana da Liberdade 2020. “Nossa história de minorias discriminadas e às vezes perseguidas nos compromete a estarmos vigilantes contra todas as palavras de ódio, difamação e preconceito”, diz a primeira página do livreto “Contra o anti-semitismo e a deriva do ódio”. Assim, por ocasião dos dias em que se comemora o aniversário da concessão, em 1848, dos direitos de cidadania aos valdenses (e aos judeus no mesmo ano), a FCEI recorda o valor da memória, porque "lembrar significa tropeçando". "Como cristãos, devemos tropeçar - lemos precisamente no texto "marcado" FCEI - no fato de que a inimizade contra os judeus, ideológica antes mesmo de ser "praticada", foi alimentada no seio do discurso cristão e fez parte da bagagem "normal" do "qualquer" cristão. É uma história trágica, da qual tomamos conhecimento nas mortes que se seguiram à Shoah, iniciando uma revisão crítica do nosso passado e buscando uma nova compreensão do judaísmo e uma nova relação com o povo judeu”. Portanto, para melhor compreender o conceito de antissemitismo, o compêndio propõe três documentos, de diferentes fontes, úteis para esclarecer os termos da questão: a definição de antissemitismo pela International Holocaust Remembrance Alliance (IHRA); o apelo de Beauveau, declaração conjunta de várias denominações cristãs, religiões e organizações de humanidades de 19 de fevereiro de 2019; um documento das igrejas alemãs (a Igreja Evangélica na Alemanha, EKD, a União das Igrejas Evangélicas UEK e a Igreja Evangélica-Luterana Unida da Alemanha VELKD, para ser mais preciso) intitulado "Projeções Perigosas", dedicado a duas áreas de preconceito: o esfera econômica e a relação entre anti-semitismo, sionismo e o Estado de Israel. Tantas fontes e recursos diversos, enfim, para se informar e se educar, porque o conhecimento é o único antídoto possível contra o racismo e porque, "depois do nazismo e do fascismo, todos nós deveríamos ter entendido aonde levam essas palavras (de ódio, ed) e que, no final, oprimem a todos.” Aqui fica o texto para descarregar, imprimir (com moderação, ou apenas em papel reciclado) e partilhar: Opuscolo_SettimanadellaLibertà_2020. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.