#PapalVisit.  Caminhar, orar e trabalhar juntos

#PapalVisit. Caminhar, orar e trabalhar juntos

A partir da esquerda, a moderadora do Comitê Central do CMI, Agnes Abuom, o secretário-geral do CMI, Olaf Fykse Tveit, e o Papa Francisco. Foto WWC/Albin Hillert

Roma (NEV), 21 de junho de 2018 – “Estamos caminhando, rezando e trabalhando juntos. Caminhamos, oramos e trabalhamos juntos. E vamos caminhar, vamos rezar e vamos trabalhar juntos”.

É em torno deste lema – “caminhar, rezar e trabalhar juntos”, a que alguns já chamam a “trindade ecuménica” – que o pároco Olav Fykse Tveitsecretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), abriu o encontro da tarde com o Papa Francisco no Centro Ecumênico de Genebra, no salão Visser’t Hooftdedicado ao primeiro secretário geral do CMI.

Olav Fykse Tveit e o Papa Francisco. Foto Magnus Aronson

“Levamos 70 anos para chegar onde estamos hoje – acrescentou Tveit -. Este dia é um marco. Não vamos parar por aqui. À medida que compartilhamos cada vez mais hoje, deixemos que as gerações futuras criem novas expressões de unidade, justiça e paz.”

Algumas das áreas concretas nas quais caminhar, orar e trabalhar juntos foram mencionadas por Agnes Abuommoderador do Comitê Central do CMI, que saudou o Papa Francisco com um “bem-vindo/karibu” em suaíli.

“Sua presença é um sinal de esperança e encorajamento”, disse o teólogo anglicano, pensando em quão decisiva é a colaboração ecumênica em pontos quentes do mundo como Sudão do Sul, Colômbia, península coreana, Burundi e República Democrática do Congo.

Um compromisso comum, o do CMI e da Igreja Católica Romana, que trará entre seus frutos a “Conferência Mundial contra a xenofobia, o racismo e o nacionalismo populista no contexto da migração global” a ser realizada em Roma em setembro próximo, e que não deve excluem outras áreas, como a violência contra as mulheres e os direitos das crianças.

Também Papa Francisco ele retomou o lema principal do encontro em seu discurso. Caminhar juntos é para o Papa um movimento de entrada que “constantemente nos orienta para o centro”, isto é, para Cristo; e saindo “para as periferias do mundo, para trazer a graça curadora do evangelho a uma humanidade sofredora”.

Mas caminhar juntos significa também reconhecer o caminho daqueles que nos precederam e tiveram “a coragem de inverter o rumo da história” rumo à unidade, e não à desconfiança e ao medo. Um esclarecimento de grande importância, se pronunciado por ocasião do 70º aniversário do CMI.

“A oração – prosseguiu Francisco – é o oxigênio do ecumenismo” porque, ao pronunciar o Pai Nosso, reconhecemos tanto nossa “filiação” em relação a Deus quanto nossa “fraternidade” de crentes que sabem amar uns aos outros.

Refletindo sobre o que significa trabalhar em conjunto – depois de reiterar a importância da Comissão Fé e Constituição do CMI para a Igreja Católica, na qual a parte católica “pretende continuar a participar com teólogos do mais alto nível” – o Papa Francisco indicou a a diaconia como principal via de ação cristã no mundo. São os mais pobres da terra que precisam de “ecumenismo e unidade. Não podemos ignorar o choro de quem sofre, e é preocupante quando alguns cristãos mostram indiferença para com os necessitados”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Felicidades a Dom Derio, novo presidente da Comissão Ecumênica

Felicidades a Dom Derio, novo presidente da Comissão Ecumênica

Do site da "vida diocesana de Pinerolo", o bispo no púlpito da igreja valdense de Pinerolo Roma (NEV), 27 de maio de 2021 – O bispo de Pinerolo Derio Olivero foi nomeado presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso. A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália enviou hoje uma carta ao prelado, assinada por Luca Maria Negropresidente da FCEI e por Luca Baratto, Secretário Executivo da FCEI, parabenizá-lo por esta nomeação. Os intercâmbios ecumênicos entre as igrejas valdenses, com raízes em Pinerolose, e o bispo sempre foram muito próximos e particularmente positivos. “Conhecemos seu compromisso com o diálogo ecumênico e suas relações de fraternidade e amizade com as igrejas valdenses – lê-se na carta -, presentes há séculos nos vales alpinos da região de Pinerolo. Nossa Federação e as igrejas que a compõem estão convictamente comprometidas com o diálogo ecumênico. Queremos, entre outras coisas, recordar a atividade comum de acolhimento e integração de migrantes e refugiados através do projeto Corredores Humanitários que, primeiro na Europa, nossa Federação, a Mesa Valdense e a Comunidade de Sant'Egidio propuseram e organizaram. Mas também queremos recordar o Grupo de Trabalho constituinte das Igrejas Cristãs na Itália, que esperamos que cresça e se torne um importante instrumento de encontro para as várias confissões cristãs em nosso país. Somos gratos pelo trabalho realizado por seu predecessor, o bispo Ambrogio Spreaficoe confirmamos a nossa vontade de caminhar juntos convosco e com todas as Igrejas cristãs no caminho do diálogo e da fraternidade”.“Sua nomeação, tanto por sua história pessoal quanto pelo fato de ser bispo de uma diocese em que há a maior concentração de evangélicos da Itália, confirma o compromisso das igrejas cristãs italianas de continuar e ampliar os espaços de diálogo e a busca de um testemunho comum na sociedade de nosso país”, concluem Negro e Baratto. artigo anterior5 por mil para a Diaconia ValdensePróximo artigoWebinário da Rede de Mulheres Luteranas. Juntos pelos direitos Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Livre para ser – Nev

Livre para ser – Nev

foto @Tim Mossholder, unsplash Roma (NEV), 8 de fevereiro de 2021 - "Uma nova relação entre mulheres e homens a partir da realidade eclesial": este é o título do encontro realizado na última sexta-feira, 5 de fevereiro, das 18h às 19h30, promovido pela Federação das mulheres evangélicas da Itália (FDEI) e pela revista Confronti. O webinar contou com a presença de inúmeras pastoras e pastoras, teólogas e representantes de igrejas protestantes comprometidas com as questões de gênero: Herbert Anders, Abril Máximo, Cristina Arcidiacono, Stefano Ciccone, Daniele Bouchard, Elizabeth Green, Nicola Laricchio, Daniel Podesta, Davide Rostan, Sandro Spanu, Ângelo Reginato. A consulta foi realizada ao vivo na página do Facebook do centro de estudos e revista Confronti. Neste post o vídeo completo da reunião da última sexta-feira: ...

Ler artigo
Informação em guerra.  Encerrou a 11ª edição do Prêmio Morrione

Informação em guerra. Encerrou a 11ª edição do Prêmio Morrione

Foto de Andrea Marcantonio - Prêmio Federico Tisa/Morrione Roma (NEV), 2 de novembro de 2022 – A 11ª edição do Prêmio Roberto Morrione para o jornalismo investigativo. Ele ganhou a pesquisa "Na pele" de Marika Ikonomu, Alexandre Leo, Simone Manda, sobre a opacidade da gestão privada dos centros de detenção para repatriação e as repercussões nos direitos básicos das pessoas migrantes. Tutor jornalístico: Sacha Biazzojornalista da Fanpage.it Esta é a motivação do júri: Para recompensar em palco , Gian Mario GillioDiretor Executivo da Agência de Notícias NEV. Os Dias do Prêmio Morrione, sobre o tema "WarNews - informações em guerra”, foram realizadas em Turim de quarta-feira, 26, a sábado, 29 de outubro. O Prêmio Morrione é apoiado, entre outras coisas, com fundos do Otto per mille para a Igreja Valdense – União das Igrejas Metodistas e Valdenses e vê Reforma – Eco dos vales valdenses entre parceiros de mídia. Relatamos a contribuição escrita do Diácono Alessandra TrottaModerador da Mesa Valdense, para o livreto do Giornate. Para saber mais: Para ler a reportagem da cerimónia de entrega de prémios e todos os prémios clique aqui. Aqui, o artigo sobre o caso de Julian Assangeobjecto de um dos debates no âmbito do Prémio. Finalmente, aqui o dia dedicado ao jornalista Vera Schiavazzi. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.