Espiritualidade encarnada.  Entrevista com Luca Maria Negro, presidente da FCEI

Espiritualidade encarnada. Entrevista com Luca Maria Negro, presidente da FCEI

Luca Maria Negro

Roma (NEV), 29 de outubro de 2021 – Amanhã será eleito o novo Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Entrevistamos o presidente cessante, Luca Maria Negropastor batista que lidera a federação de igrejas protestantes desde 2015, para fazer um balanço de seu mandato, tanto pastoral quanto humanamente.

Vamos começar com a experiência do programa para refugiados e migrantes, Mediterranean Hope. Quais foram as satisfações e quais foram os momentos mais difíceis deste projeto?

A placa recebida em Lampedusa por Luca Maria Negro

Em Lampedusa recebi dois presentes: o primeiro é uma linda placa, que os operadores me deram, um presente que me emocionou. O outro presente foi a oportunidade de ir a Molo Favaloro durante um desembarque e ver com os meus próprios olhos qual é a situação, nos momentos de desembarque, que considero bastante desumana e desumanizante para quem chega do Mediterrâneo, para além dos voluntários e operadores presentes, que fazem o possível para receber os migrantes com um sorriso.

Tocar esses tipos de fatos com as próprias mãos é algo diferente de vê-los na TV, porque de alguma forma agora estamos viciados, infelizmente, na visão de imagens desumanas.

Também estive várias vezes na chegada dos corredores humanitários. Cada vez que chega um grupo do Líbano eu me emociono. É certamente uma experiência diferente da ligeiramente angustiante de quem tenta acolher quem chega de barco, porque os beneficiários dos corredores humanitários são pessoas que chegam sorridentes, com as suas bagagens, mas é sempre uma experiência forte estar confrontado com a felicidade de quem conseguiu escapar de onde precisava escapar.

Portanto, esta experiência que pude fazer em Lampedusa, há algumas semanas, no final do meu mandato, é uma confirmação do que temos tentado fazer como federação,

não só pelos corredores humanitários, por todas as outras formas de testemunho envolvendo os migrantes: da Casa delle Culture de Scicli a Rosarno, até Bihac na Bósnia, no Líbano… Testemunhando nossa fé nas fronteiras.

Quanto aos momentos mais difíceis, para mim coube a jovens e velhos – operadores que trabalham em contextos muito difíceis – que se gastam nesta frente que por vezes faz tremer os pulsos.

Um dos conceitos-chave de seu mandato é o tema bíblico da filoxenia, o amor aos estrangeiros. Você acha que ainda é atual?

Um dos textos bíblicos que mais tenho utilizado nos últimos anos é a parábola do bom samaritano (Lc 10, 25-37). Há um elemento que me está muito próximo do coração e é o facto de o Bom Samaritano levar este homem ferido que está a ajudar para uma hospedaria, pandocheionum lugar “que acolhe a todos”: esta é a igreja, um lugar que deve acolher a todos.

Depois, há o tema da filoxenia, da carta aos judeus, aquela hospitalidade – alguns sem saber que receberam anjos – que é literalmente o amor pelo xenos, do qual fala o capítulo 13 da Carta aos Hebreus no Novo Testamento e que traz bênção. Uma palavra oposta à xenofobia de Sodoma (Gênesis 18) que leva à morte, onde o pecado não é a homossexualidade, como se pensa, mas a falta de hospitalidade.

Acho que devemos redescobrir essas páginas bíblicas. Os populistas, os xenófobos, os que incitam o ódio aos estrangeiros, estão verdadeiramente numa encruzilhada: o caminho da bênção e o da maldição.

Como você avalia o trabalho que tem feito junto ao Conselho e às igrejas federadas?

A tentativa foi de fazer com que todos os componentes da Federação se sentissem protagonistas. Por exemplo, pela primeira vez na história, tivemos uma vice-presidente luterana, Christiane Groeben. Envolvemos várias igrejas em cargos de responsabilidade, como na condução da Assembleia de 2016, com o Major David Cavanagh do Exército de Salvação. E em 2019 com Giuseppina Mauro, da Igreja Apostólica Italiana.

Também tentamos valorizar todas as experiências. Cultivando o diálogo também com as igrejas não federadas, abrindo a participação em comissões, juntamente com irmãos e irmãs adventistas ou pentecostais. Devido ao covid não conseguimos concluir o projeto de um encontro com todas as igrejas evangélicas, federadas e não. No entanto, a Federação continua sendo um observatório importante para entender o que está acontecendo neste vasto mundo evangélico. Acho que não devemos ser excessivamente otimistas nem excessivamente descuidados. Estamos em um caminho. A etapa dos 500 anos da Reforma, em 2017, poderia ter tido uma participação mais ampla. Ao mesmo tempo, as pastoras estão se multiplicando nessas igrejas. Parecia ser uma das características únicas do chamado protestantismo histórico. O fato de que agora está ocorrendo em contextos onde alguns consideram o ministério feminino distante do ditame bíblico é significativo.

Que mensagem espiritual ou pastoral você gostaria de compartilhar com aqueles que presidirão a Federação depois de você?

Gostaria de retomar o tema da meditação que encerrará a mesa redonda no sábado, 30 de outubro. Do texto bíblico de Gênesis, 13, quando Abraão e Ló se separam. Após uma disputa sobre os rebanhos, Abraão e Ló buscam uma separação honrosa e pacífica. A planície é vasta e parece haver espaço para todos. No entanto, essa escolha, com o tempo, gera consequências muito graves. Dessa separação, o povo de Abraão herdou os moabitas e os amonitas como primos, que se tornariam inimigos ferrenhos de Israel. Não podemos reescrever esta história, é claro. Isso testifica que alguém pode até se separar como irmãos, mas depois de um tempo pode se encontrar novamente como inimigos. Essa história bíblica me lembra uma tentação hoje das igrejas, em geral. Passamos de um momento de grande entusiasmo ecumênico, para depois retroceder lentamente. Observamos isso no diálogo entre católicos, protestantes e ortodoxos, mas também dentro do protestantismo. Vivemos em uma época de obsessão por identidade. Devido a inseguranças globais ou outras razões. Achamos que estamos isentos, como igrejas, dessa obsessão. Com efeito, opomo-nos a quem faz bandeira da identidade nacional ou racial, da soberania ou do populismo. Mas estamos realmente isentos desse pecado de obsessão por identidade? Talvez devêssemos continuar caminhando juntos com mais força do que antes, o que Abraão e Ló não fizeram. Aqui, como mensagem espiritual, gostaria que o espírito federativo, que também é ecumênico, não enfraquecesse, não enfraquecesse, só porque é difícil. Espero que se possa redescobrir o vigor daquele pathos ecumênico que faz parte da nossa história. Temos sido pioneiros, por exemplo, no caminho Batista, Metodista e Valdense (BMV). Em outros lugares eles foram mais longe, por exemplo na França, onde a Igreja Protestante Unida nasceu há alguns anos, que reúne todas as denominações reformadas.

Na sua opinião, há espaço na Itália para as chamadas “expressões frescas”, ou seja, modelos de uso alternativo de igrejas e locais normalmente destinados a atividades de culto?

Acho que as comunidades não deveriam ter ciúmes de seus espaços. Acabo de voltar de um encontro com a Comissão Permanente de Formação Pastoral, onde também conversamos sobre isso. Devemos tentar não apenas renovar o culto tradicional, mas buscar novas expressões. Não apenas nos templos. Qualquer lugar pode ser bom para desenvolver momentos de espiritualidade, talvez em pequenos grupos, onde todos se sintam livres e ativos para expressar sua fé.

O que fará agora, quando terminar o seu mandato, que compromissos o esperam? Quais são seus projetos futuros?

Continuo sendo pastor em duas comunidades e já estou trabalhando para tornar mais vivo o nosso culto, cujas formas correm o risco de serem estáticas. Na minha opinião, a liturgia e a espiritualidade estão ligadas ao compromisso com a justiça e a criação. Estou pensando, por exemplo, na aposta da comunidade ecumênica de Iona, na Escócia. Que se tornou um hub que combina música e ação. (A Comunidade Iona que se inspira no alto cristianismo medieval das Ilhas Britânicas. Engajada em atividades sociais e solidárias, Iona atua em várias cidades sob a bandeira de uma espiritualidade em harmonia com a natureza, pela paz e justiça social, ed.). Como Dorothee Sölle, penso na oração política como a encarnação da espiritualidade”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Trabalhadores migrantes: não apenas anistias, reformas estruturais são necessárias

Trabalhadores migrantes: não apenas anistias, reformas estruturais são necessárias

Roma (NEV), 15 de julho de 2022 - por Benedetta Fragomeni - A conferência sobre Ero Straniero foi realizada ontem, 14 de julho, na Sala Zuccari do Palazzo Giustiniani, no Senado, vinte anos após a lei Bossi-Fini. , campanha lançada em abril de 2017, à qual também a FCEI adere, que surge da necessidade de adotar uma abordagem pragmática da questão migratória no nosso país. O projeto de lei de iniciativa popular intitulado "Novas regras para a promoção de autorizações de residência regular e inclusão social e laboral de cidadãos estrangeiros não pertencentes à UE" foi arquivado na Câmara dos Deputados em 2017 com mais de 90.000 assinaturas. Conforme explicou Julia Capitani, Oxfam Italia, a proposta é o resultado da "coalizão, da experiência de muitas realidades muito diferentes que funcionaram efetivamente juntas"; a campanha é de fato promovida por várias organizações, incluindo Italian Radicals, ACLI, ARCI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, Oxfam, ActionAid, Legambiente, Federazione Chiese Evangeliche Italiane, CGIL e dezenas de outras organizações, com o apoio de centenas de prefeitos. A reunião foi apresentada pelo senador Emma Boninoapoiante da campanha, que recordou os sucessos alcançados mas também que o caminho ainda é longo…“Ainda estamos aqui mas entretanto tenho a impressão que a consciencialização no nosso país melhorou um pouco dada a necessidade de muitos sectores industriais e comerciantes agora estão reconhecendo em voz alta que temos uma grande necessidade deles”. Durante a conferência, foram reafirmados os objectivos da campanha num contexto, o dos últimos anos, em que a atenção da opinião pública se voltou para as questões de emergência, chegadas e hospitalidade, "questões necessárias que, no entanto, temem deixar em segundo plano uma visão de longo prazo”, explica Giulia Capitani. Neste senário, EroStraniero pede "vias de entrada de trabalho reais, eficazes e adequadas aos novos cenários de mobilidade humana, mas também às necessidades reais do mundo produtivo por um lado e, por outro, a preparação de políticas ativas em nossa sociedade para as pessoas que já estão aqui”. A campanha propõe, portanto, uma reforma dos regulamentos para alcançar "uma solução pragmática que atenda às necessidades de todos, das pessoas que chegam ao nosso país, por um lado, e da sociedade de acolhimento, por outro". Entre os temas que emergiram, aliás, foi sublinhado como é necessário conciliar oferta e procura de forma eficaz, "existem duas necessidades: a dos trabalhadores e a dos empregadores que não cumprem por causa de um sistema que não pode ser sintonizado com a realidade do país” – explicou Júlia Gori, advocacy officer de campanhas, FCEI – “em comparação com o início da campanha há mais sensibilidade e conscientização, principalmente por parte dos empregadores. Mas faltam respostas estruturais ao mundo produtivo e isso corresponde à precariedade dos trabalhadores estrangeiros”. A conferência continuou com um retrato da realidade e dos atores envolvidos ou a envolver na perspetiva de uma nova estratégia. Ele falou sobre a situação atual sobre o tema da contratação ilegal Hardeep Kaur, FLAI-CGIL: "Não temos respostas certas para mais de metade das questões apresentadas" - explicou o sindicalista - "os pedidos de regularização não são números, são pessoas, que devem sair de um sistema que está "podre". O Bossi-Fini é no mínimo anacrônico”. Propor uma estratégia sobre necessidades comuns foi Cláudio CappelliniCNA, que trouxe a voz das pequenas empresas para a Itália: "Há um desejo muito forte nas comunidades estrangeiras de fazer negócios e também contribuir para o desenvolvimento dos países de origem, é necessário promover o envolvimento do sistema empresarial e construir pontes, formas de colaboração com os países com os quais a União Europeia tem acordos”. “As regularizações ou amnistias de 1990 a 2021 envolveram 1,8 milhões de cidadãos não comunitários. E quem está regularizado continua no mercado formal”. Os dados da Fundação Moressa apresentados pela pesquisadora Chiara Tronchin, agora na conferência de @Ero_Straniero pic.twitter.com/9LLGEEouDy — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 14 de julho de 2022 Entre as experiências relatadas por ocasião da conferência EroStraniero, Chris Richmond, fundador da Mygrants, contou sobre um projeto concreto, o de um app que lançou para aproximar empresas e trabalhadores, combinar talentos com oportunidades, antes mesmo de as pessoas saírem de seus países de origem. “Achamos que é hora de trabalhar no aprimoramento de habilidades, pretendemos identificar o assunto mais adequado para satisfazer a necessidade de emprego antes mesmo da partida. Pedimos uma coalizão entre empresas e sociedade civil”, afirmou. A última intervenção consistiu em Tatiana Esposito, diretor-geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho. “Identificamos alguns pontos críticos e imaginamos formas de superá-los – declarou o representante do ministério – que em alguns casos são muito semelhantes aos identificados pela campanha. Três coisas são necessárias: fôlego, planejamento, certezas. A incerteza aumenta a vulnerabilidade e abre caminho para a exploração”. Assim terminou a conferência da campanha Ero Straniero, na qual se reafirmou a necessidade de sair da lógica da intervenção única e trabalhar de forma sistémica e sistemática, procurando uma visão mais a longo prazo que tenha no seu centro a programação de vias de entrada para o trabalho e inclusão activa na sociedade da população estrangeira residente no nosso país. Aqui está o vídeo completo da reunião: ...

Ler artigo
Prabook.  “Os Judeus na Itália” dia 9 de agosto, com Anna Foa e Edith Bruck

Prabook. “Os Judeus na Itália” dia 9 de agosto, com Anna Foa e Edith Bruck

Edith Bruck - foto omissam.it Roma (NEV), 7 de agosto de 2023 – A apresentação do livro de Anna Foa “Judeus na Itália. Os primeiros 2000 anos” (ed. Laterza). Com a participação de Edith Bruck em vídeo. Também com o autor Graziela Romano. Diálogo com Edith Bruck, a jornalista da agência NEV Elena Ribet. O evento faz parte das muitas atividades organizadas para esta 20ª edição especial do Festival "Pralibro". A revista cultural, nascida do encontro entre a Torre di Abele, a Libreria Claudiana e a Igreja Valdense, está de fato comemorando seus primeiros vinte anos. Como Daniela Grill e Susanna Ricci escrevem no Riforma.it, o Pralibro tem “milhares de livros vendidos e centenas de apresentações; um pequeno milagre cultural no município no fundo do vale Germanasca que oferece um programa de alto nível todos os verões”. Para saber mais: Rocco Pinto e Sara Platone, responsáveis ​​pela curadoria da revista, contam o que faz do Pralibro um ponto de encontro de leitores, autores e autoras. Vídeo de Claudio Petronella para a rádio RBE TV. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=dGb00yrhTyY[/embed] ...

Ler artigo
No Hospital.  Ouvir que cura

No Hospital. Ouvir que cura

Diácono Máximo Longo Roma (NEV), 11 de outubro de 2022 – O diácono valdense Máximo Longo acaba de concluir o período de "Educação Pastoral Clínica" (CPE), formação pastoral clínica. Esta disciplina nasceu por volta de 1920 nos Estados Unidos da América, por iniciativa do pastor presbiteriano Anton Theophilus Boisen. O curso, que confere uma Certificação reconhecida, é em si aberto a todos os interessados, sendo obrigatório para os que iniciam o ministério pastoral e a consagração. Em particular, destina-se, portanto, aos alunos da Faculdade Valdense de Teologia em Roma, provenientes das igrejas Batista, Metodista e Valdense. No entanto, houve participações maiores, inclusive ecumênicas. Uma psicóloga, por exemplo, o primeiro caso de "não-teólogo" a participar, havia pedido para fazer esse tipo de treinamento. E, novamente, alguns capelães e freiras católicos participaram de um seminário da CPE com o supervisor, pároco Sérgio Maná. Outros cursos de formação pastoral clínica também são propostos e implementados nas igrejas locais, onde existem grupos que visitam doentes em hospitais. No entanto, é necessária uma formação teológica básica, pois os momentos de pregação e adoração são conduzidos alternadamente por todos os participantes. Perguntamos ao Diácono Massimo Long sobre a experiência como aprendiz. Ela ele é um diácono da igreja valdense. O que isso significa? Quais são as suas funções e qual é o seu papel? A igreja valdense reconhece algumas pessoas, a quem uma vocação foi dirigida e que se prepararam adequadamente, papéis específicos que são definidos como ministérios. Uma delas é a do diácono. Em meus mais de 30 anos de serviço à igreja, desempenhei várias funções: fui animador de jovens nas igrejas de Val Pellice (TO), onde estive particularmente envolvido na catequese e animação de grupos de jovens nas várias comunidades; Fui diácono comunitário na igreja de Rio Marina (Ilha de Elba), onde minhas funções eram de caráter pastoral, mas também tive a experiência de administrar uma “casa de veraneio”; em Turim, servi durante 16 anos e foi a minha experiência mais longa e diversificada: estive envolvido na coordenação do secretariado, na catequese juvenil, nas atividades musicais e sobretudo na coordenação das atividades diaconais, ou seja, nos serviços de apoio e assistência às pessoas em problema da cidade. Agora, há três anos, estou a serviço da igreja de Pomaretto e compartilho, com um colega pároco, o cuidado da comunidade e, portanto, das várias áreas: pregação, catequese, celebração de batismos e funerais e cuidado de almas às famílias e aos enfermos. No entanto, mantive um papel mais "diaconal" graças a um pequeno serviço de ajuda a pessoas em dificuldade que a comunidade local realiza. Um momento de formação pastoral clínica "Educação pastoral clínica" (CPE). Foto Sérgio Maná Em outubro você participou do curso “Educação pastoral clínica” (CPE), com o supervisor, pastor Sergio Manna. Quatro semanas intensivas no'Hospital de Gênova. Você pode nos contar sobre o dia “cara”? O nosso dia típico começava pela manhã às 9, com um culto preparado à vez por um de nós (3 formandos e o supervisor); seguiu-se um momento de briefing sobre o dia que nos esperava e, em geral, começaram as visitas aos pacientes nas enfermarias que nos foram atribuídas. Às 13h30 fazia-se uma pausa para almoço e às 14h retomava-se com uma parte teórica por parte do supervisor (sobre as várias vertentes da pastoral clínica) ou pelos médicos das várias especialidades que nos apresentavam alguns problemas relacionados com as várias patologias. Às 15h30/16 as visitas às enfermarias recomeçavam e terminavam às 17h. Depois, todas as semanas, havia encontros marcados que mudavam um pouco o nosso dia: cada estagiário tinha uma reunião individual de supervisão, havia a discussão de textualmente das visitas realizadas e na sexta-feira concluiu com um momento de avaliação do grupo. Quais tópicos são abordados no curso? O tema principal é o da pastoral hospitalar, que é tratado em várias passagens: introdução geral, escuta como elemento fundamental, diagnóstico pastoral ou das necessidades e problemas espirituais dos pacientes, identificação e uso pastoral dos recursos, pastoral do morrendo. Temas que também são abordados com a ajuda de suportes audiovisuais, de textualmente e discussões em grupo. No que diz respeito às reuniões com médicos especialistas, pudemos explorar, por exemplo, a telemedicina na gestão do doente idoso frágil, as novas tecnologias na cirurgia e na qualidade de vida dos doentes, o doente traumatizado, os problemas do internamento social, a comunicação na patologia neonatal e nos casos de privação social, a abordagem das adições e comportamentos abusivos, cuidados paliativos e cuidados em fim de vida. Qual era para ela lá'visual mais desafiador? O hospital geralmente é o local onde se chega porque é forçado por uma situação clínica comprometida e, portanto, é uma concentração de sofrimento e doença e nem sempre as pessoas voltam para suas casas curadas ou com perspectiva de voltar à vida anterior. Não era fácil entrar nos quartos das enfermarias e ouvir as histórias, os sofrimentos e até a raiva daqueles que não conseguiam superar sua condição de doente. Foram 4 semanas que me marcaram profundamente emocionalmente, mas também me ajudaram a enfrentar essas questões com maior serenidade. E qual, ao invés, o momento mais feliz? Eu poderia muito facilmente responder dizendo que os momentos mais felizes foram as minhas visitas ao departamento de neonatologia e obstetrícia, quando conheci as mães que tinham dado à luz e tudo tinha corrido bem… mas isso seria muito fácil! Em vez disso, os momentos mais felizes foram quando compartilhei a alegria dos pacientes da enfermaria que finalmente voltaram para casa, talvez depois de passar semanas no hospital. Lembro também, no último dia de visitas no final do curso, do abraço com o marido de uma paciente que permaneceu em coma farmacológico por vários dias: tivemos boas conversas sobre a fé com ele, todas as manhãs eu passava no quarto e o encontrou ao lado da esposa. Como o próprio Sergio Manna explica em um'entrevista, esse tipo de treinamento é único na Itália. Há (mais) necessidade de pastoral clínica? Depois de ter vivido pessoalmente esta experiência, posso confirmar a absoluta utilidade da pastoral clínica. E fico feliz que agora faça parte da formação daqueles que estão se preparando para ocupar o cargo de pastor ou diácono em nossa igreja. É uma pena que nossas forças atuais não nos permitam estabelecer um papel de capelania nos dois principais que ainda administramos: Nápoles (Villa Betania) e Gênova (Hospital Evangélico Internacional). Também seria bom poder estabelecer um serviço de capelania ecuménica, formando adequadamente os ministros das várias confissões e garantindo assim um serviço de qualidade nos hospitais. A partir da esquerda, Sergio Manna e Massimo Long. Entrega do Certificado de "Educação pastoral clínica" (CPE) Se você fosse recomendar esse caminho para alguém, o que gostaria de dizer? Quando comecei minha formação para ser diácono, essa possibilidade de formação não existia. No entanto, estou muito feliz por poder fazê-lo, sobretudo porque será muito útil para o serviço pastoral que estou desempenhando no momento. Espero que nossa igreja possa continuar garantindo essa possibilidade de formação para o futuro, talvez abordando uma vocação para que outras pessoas possam ser formadas como supervisores. Seria uma pena se tudo parasse com a aposentadoria do pastor Manna. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.