Trabalhar.  Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digital

Trabalhar. Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digital

9 de janeiro, Mannheim (Alemanha). “Rumo a uma digitalização sustentável”. Encontro do caminho para o bem-estar nas sociedades e locais de trabalho digitalizados promovido pela rede “Church Action on Labor and Life” – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL).

Roma (NEV), 12 de janeiro de 2023 – O seminário intitulado “Rumo a uma digitalização sustentável” foi realizado em 9 de janeiro em Mannheim, Alemanha. A reunião representa um passo fundamental na jornada de bem-estar em sociedades e locais de trabalho digitalizados promovidos pela web “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL). Da Itália participou do encontro Antonella Visintin, da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O seminário, segundo de dois, conclui o projeto Erasmus+ promovido pelo CALL e é apoiado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e cofinanciado pela União Europeia.

A rede CALL, constituída em 2010 no seio do mesmo KEK, propõe desde 2017 uma reflexão sobre os efeitos da digitalização na sociedade e nos locais de trabalho. “Este tema é muito dinâmico do ponto de vista tecnológico, mas também como um desafio para a sociedade” lê-se no relatório final do seminário.

Trabalho, ética, economia. Uma trama para o bem-estar social

“A vida na Europa continua a ser marcada por crises financeiras, económicas, sociais e de emprego. Estas realidades dizem respeito a muitas pessoas e famílias na Europa, incluindo as pessoas que compõem as Igrejas membros da CEC – escreve a rede CALL -. A CEC monitora as políticas europeias voltadas para a superação dessas crises”.

O ponto de vista é o da fé: “Vamos refletir sobre como nossa experiência e nossas tradições teológicas podem contribuir para uma política europeia socialmente inclusiva e sustentável. O KEK abordou a questão do trabalho e suas implicações econômicas e sociais desde o ponto de vista da teologia cristã, apoiando também o trabalho de nossa rede” continua o relatório.

Para os anos de 2022 e 2023, a rede CALL recebeu financiamento para um projeto ERASMUS+ da educação de adultos sobre a ética da digitalização sustentável em uma abordagem global. Essa abordagem considera aspectos sociais, ecológicos e econômicos. O projeto é liderado pela Igreja Luterana da Finlândia e Alemanha. Abriu com uma conferência em Estrasburgo (França) e envolveu vários atores, incluindo representantes do Parlamento Europeu.

Rumo à digitalização sustentável

Nos últimos anos, o CALL já havia promovido uma série de webinars, os “CALL Talks”, sobre aspectos técnicos e teórico-éticos; da transição digital do trabalho e da vida; ao teletrabalho; até a sustentabilidade em TI. Em 2020, o CALL também emitiu uma declaração sobre a incerteza e o agravamento da desigualdade durante a pandemia do COVID-19. O documento denuncia a brecha social digital caracterizada pela aceleração das capacidades digitais, por um lado, e a exclusão de muitas pessoas, por outro.

As duas oficinas, uma em Helsinki e a segunda em Mannheim, definiram o processo de criação de “uma bússola ética para a digitalização sustentável em três níveis: ecologia, economia e relações sociais. O processo organizou-se num diálogo dirigido a políticos, autoridades, empresas, sindicatos e decisores de diferentes níveis, bem como organizações eclesiásticas”, escreve novamente a rede CALL. Que termina com o relato de algumas boas práticas de empresas e iniciativas locais das igrejas (por exemplo a campanha para um sustento digital na Alemanha) e outros projetos, apresentados e discutidos numa perspetiva ética.

As diretrizes éticas “Rumo à digitalização sustentável” sairão posteriormente do seminário de Mannheim.

Para saber mais sobre a rede CALL, clique abaixo:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

30 anos após a Assembleia Ecumênica Mundial em Seul

30 anos após a Assembleia Ecumênica Mundial em Seul

foto WCC Por ocasião do trigésimo aniversário da Convocação Ecumênica de Seul (5 a 12 de março de 1990) sobre "Justiça, paz e proteção da criação", publicamos uma prévia do texto do pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), que será transmitido no próximo domingo, 22 de março, no programa de rádio "Culto evangelico" da Radio1 RAI. Roma (NEV), 17 de março de 2020 – “Chegou a hora de confirmar nossa aliança com Deus, que também nos une uns aos outros. Vivemos um momento único na história. Toda a vida na terra está ameaçada pela injustiça, pela guerra, pela destruição da criação porque quebramos a aliança com Deus”. Assim começa a mensagem final da Assembleia Ecumênica Mundial sobre "Justiça, Paz e Integridade da Criação", realizada há trinta anos em Seul, Coreia do Sul, de 5 a 12 de março de 1990. Mais de mil pessoas, pertencentes a todas as confissões cristãs, participaram deste grande encontro promovido pelo Conselho Ecumênico de Igrejas; cerca de oitenta italianos, a maioria católicos, apesar de o Vaticano ter recusado o convite para ser co-convidador do evento e ter limitado sua presença oficial a vinte consultores. A Assembléia concluiu com quatro “Atos de Aliança” e com dez afirmações. Os Atos do Pacto diziam respeito: 1) ao compromisso com uma ordem econômica justa; 2) pela desmilitarização das relações internacionais e por uma cultura de não violência; 3) preservar a dádiva da atmosfera terrestre e combater o efeito estufa; 4) e, finalmente, para erradicar o racismo. E aqui estão as dez afirmações, todas muito oportunas: 1) devemos prestar contas a Deus de todo exercício de poder; 2) Deus faz uma escolha em favor dos pobres; 3) todos os povos e raças têm o mesmo valor; 4) homens e mulheres são criados à imagem de Deus; 5) a verdade é o fundamento de uma comunidade de seres livres; 6) Jesus Cristo traz paz; 7) a criação é amada por Deus; 8) a terra pertence a Deus; 9) a dignidade e o compromisso dos jovens devem ser reconhecidos; 10) Os direitos humanos são um dom de Deus. Recordando o aniversário da Assembléia em Seul nestes dias, o pároco Martin Robraengajada há décadas no Conselho Ecumênico de Genebra precisamente no setor "Justiça, paz e proteção da criação", sublinhou o caráter profético da prioridade dada ao tema da mudança climática, tema que há trinta anos não era de forma alguma moda, muito menos entre as igrejas cristãs. E recordou a imagem do culto final, com o seu significativo gesto simbólico: participantes de todos os continentes reunidos em torno de uma cruz, segurando nas mãos um grande globo terrestre, "sinal de reconciliação, cura e bênção, mantendo-o unido num equilíbrio frágil". Cristãos que se comprometem a apoiar conjuntamente o frágil equilíbrio da terra, portanto: uma imagem e um compromisso sempre presentes, especialmente nestes tempos em que, devido ao coronavírus, vivemos de maneira particular nossa vulnerabilidade em um mundo globalizado. ...

Ler artigo
Assim a ecoteologia une os cristãos

Assim a ecoteologia une os cristãos

Foto Riccardo Chiarini / Unsplash Roma (NEV), 14 de julho de 2020 - Mais um encontro com o pensamento protestante no Interris.it, graças à entrevista de James Galeazzi pastora Daniela DiCarlo. Daniela DiCarlo Os temas delineados vão do ecumenismo à unidade entre os cristãos, passando pela bioética e pela violência contra a mulher. Da necessidade de uma "conversão ecológica" a uma autocrítica corajosa em relação aos caminhos ainda por trilhar, o pastor Di Carlo identifica alguns marcos que podem fazer a diferença no caminho cristão, mas também em geral na sociedade como um todo . “Certamente ainda não é hora de falar sobre recepção eucarística ou sacerdócio feminino – começa Di Carlo -. Porém, é muito importante que as igrejas, unidas, digam uma palavra radical sobre a criação”. Leia a entrevista com Daniela Di Carlo em Interris.it. ...

Ler artigo
Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Foto Albin Hillert/CEC. Arusha, Tanzânia, 7 de março de 2018 Roma (NEV), 28 de maio de 2019 – O Comitê Executivo do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) reuniu-se de 22 a 28 de maio em Bossey, na Suíça. Entre as moções aprovadas, uma diz respeito à comemoração da viagem transoceânica forçada dos povos africanos escravizados por Angola para Jamestown, na Virgínia (EUA), que marca o quadricentenário. “A política e a prática de escravização do povo africano lançaram as bases para a privação sistemática de direitos e humilhação de pessoas de ascendência africana por 400 anos, nos Estados Unidos e em todo o mundo”, dizia o comunicado. O CMI “celebra a resiliência espiritual dos povos africanos nestes 400 anos – continua a declaração – e reafirma a parceria histórica entre igrejas e organizações ecumênicas nos Estados Unidos que, juntamente com o CMI, abordam o racismo em nível global”. O CMI pede a todas as igrejas membros que recordem este momento histórico e peçam perdão “em nome de nossos ancestrais que estiveram envolvidos na escravização do povo africano” e retomem a luta contra o racismo, pela justiça racial e econômica e pela reparação. A íntegra da declaração em inglês pode ser consultada AQUI. Muitos itens da agenda tratados pelo comitê, incluindo os preparativos para a 11ª Assembleia do CMI que será realizada em 2021 em Karlsruhe, na Alemanha, cujo tema será “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”. Numerosas declarações foram assinadas pelo Comitê nos últimos dias. Um apelo aos cristãos perseguidos na Ásia, uma declaração sobre a crise global da biodiversidade e o fim do HIV e AIDS, o apelo para conter as tensões entre os EUA e o Irã e para uma paz justa na Palestina e em Israel. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.