Abertura do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense

Abertura do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense

Roma (SSSMV01), 19 de agosto de 2021 – O Sínodo das igrejas metodistas e valdenses abre no domingo, 22 de agosto, com o habitual culto inaugural. O órgão máximo de decisão de Valdenses e Metodistas será realizado em fórmula mista (presencial e online) após um ano de pausa devido à pandemia. Culto inaugural no domingo presidido pelo pároco Winfrid Pfannkuche será realizado às 10h no templo da Torre Pellice e será transmitido pela página do Facebook da Igreja Valdense e pela página do Facebook e canal do YouTube da Rádio Evangélica Beckwith.

O Sínodo, com um programa de formato reduzido, acontecerá de domingo, 22, a quarta-feira, 25 de agosto. Ao tradicional sítio de Torre Pellice, na província de Turim, junta-se este ano a plataforma digital.

Em pauta: duas novas consagrações, reflexão sobre o testemunho protestante em uma sociedade pós-Covid, importantes mensagens ecumênicas e decisões sobre os compromissos das igrejas sobre evangelização, diaconia, proteção das minorias, saúde e clima.

Haverá debates, apresentações, reuniões teológicas. Dentre eles, destacamos:

segunda-feira, 23 de agosto – Noite pública: “A próxima geração da UE? Os jovens e a Europa entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização”. 21 horas, no templo. Transmissão ao vivo na Rádio Beckwith. Eles lideram marta bernardini (FCEI/Esperança do Mediterrâneo) e Valéria Lucenti (Subdiretor Centro Ecumênico Ágape). Com Annalisa Camilli (jornalista de Internacional), Stefano Allievi (sociólogo, Universidade de Pádua), Brando Benifei (MEP), pároco Daniela DiCarlo; conclusões do moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta.

quarta-feira, 25 de agosto – “Fronteiras diáconos. Pensamento Teológico e Diaconal”. Pela Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD). 21h, no jardim da casa valdense.

Todos os detalhes nesta página. #sinodovaldese

FACT SHEET: Igrejas metodistas e valdenses na Itália

Parceiros de mídia: www.rbe.it – www.riforma.it

Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.it – Twitter: @nev_it – Facebook: @AgenziaNEV – [email protected]

(NEVCS/18)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Líderes evangélicos no Fórum Inter-religioso do G20 na Itália

Líderes evangélicos no Fórum Inter-religioso do G20 na Itália

foto: Joshua Eckstein, unsplash Roma (NEV), 6 de setembro de 2021 – Líderes protestantes de todo o mundo participarão do Fórum Inter-religioso do G20, que acontecerá na Itália na próxima semana. O Secretário Geral Interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) Ioan Sauca participará do Fórum Inter-religioso do G20, que será realizado em Bolonha, de 12 a 14 de setembro. Sauca intervirá em particular numa sessão intitulada “O ecumenismo cristão é um modelo?”. Os palestrantes, conforme consta em nota no site do CMI, discutirão “o ecumenismo cristão como um modelo praticável para os muçulmanos; na unidade cristã como uma ameaça ou uma oportunidade; e sobre como delinear o tema do conflito na teologia ecumênica”. A reunião será co-presidida por Cláudio Paravati, diretor do centro de estudos e da revista Comparisons. Um representante da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas também falará. Outros palestrantes convidados para a sessão são: Khazhak Barsamianlegado papal da Europa Ocidental e representante da Igreja Armênia junto à Santa Sé; Luca Ferracciinvestigador filiado na Fundação para as Ciências da Religião; Martin Jungesecretário-geral da Federação Luterana Mundial, Kurt Kochpresidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos e Christian Kriegerpresidente do Conselho de Igrejas da Europa (KEK). ...

Ler artigo
Conferência das Igrejas Europeias.  Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Conferência das Igrejas Europeias. Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Simone De Giuseppe Roma (NEV), 21 de junho de 2023 – A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi encerrada ontem em Tallinn, Estônia. Entre as novidades, o novo Conselho Deliberativo, que conta também com o pastor batista Simone De Giuseppe, delegado da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI). Fizemos algumas perguntas a ele. Entretanto, parabéns pela sua eleição para o Conselho de Administração da CEC. Quem está no Conselho além de você e quais são os compromissos de curto e médio prazo nos quais você estará envolvido? Foto Ulf Tjärnström / KEK Obrigado. Para mim é realmente uma honra poder servir e contribuir para o Conselho de Administração da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). O Conselho é composto por 20 pessoas: o novo presidente eleito, o arcebispo ortodoxo Nikitas de Tiateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico. Em seguida, a vice-presidência, formada por Inverno de DagmarBispo Anglicano de Huntingdon, da Igreja da Inglaterra, e pelo pastor protestante Frank Kopania, que vem da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). A Direcção é composta segundo uma lógica de equilíbrios. Assim, procura-se um equilíbrio entre homens e mulheres, entre diferentes confissões ou denominações cristãs, entre leigos e ordenados, entre as diferentes regiões de origem das igrejas que fazem parte da CEC na Europa e também entre as diferentes idades , de modo a ter uma pluralidade que reflita tanto quanto possível as igrejas pertencentes à CEC. Quanto aos compromissos, certamente voltaremos a nos encontrar em novembro. Serão estabelecidos papéis e áreas de competência dentro do Conselho e então tentaremos começar a discutir e trabalhar o que foi deliberado pela Assembleia: estratégias, objetivos, cuidado com as relações com instituições e igrejas. A CEC é um organismo que reúne igrejas diferentes entre si pela confissão e tradição, mas também pela consistência numérica (minoria/maioria), ou pela localização geográfica que inevitavelmente influencia as prioridades do testemunho evangélico. Se é fácil apontar as diferenças, o que representou a unidade dos cristãos europeus nesta Assembleia? Certamente existem muitas diferenças entre as igrejas pertencentes à CEC, mas o que realmente as une é a perspectiva ecumênica comum de viver a fé. Portanto, há uma abertura ao diálogo e ao confronto entre diferentes tradições e teologias. Ao mesmo tempo, existe a consciência de fazer parte do único corpo de Jesus Cristo, no qual cada membro, cada igreja, é parte fundamental. Nenhum corpo pode funcionar perfeitamente se uma parte, mesmo que escondida e pequena, não funcione. Todo o corpo seria afetado. Esta consciência de fazer parte do único corpo de Cristo é o que verdadeiramente une as igrejas CEC. O documento sobre questões públicas fala sobre: ​​justiça climática, Ucrânia, migrantes. Você pode nos dizer algo mais? No que diz respeito à justiça climática, ela foi trazida ao conhecimento da Assembleia, sobretudo pelas gerações mais jovens, que escreveram uma moção sobre o assunto. A moção destaca a urgência de enfrentar a crise climática a partir da consciência de que ela é causada pela ação humana, pelas injustiças e pelo sistema econômico que atualmente rege a lógica mundial. A CEC comprometeu-se nesta Assembleia a reduzir o seu impacto ambiental, pelo menos nas suas atividades, nos próximos cinco anos. Quanto à guerra na Ucrânia, esse foi um assunto muito discutido na Assembleia. Houve duas sessões plenárias para ouvir as vozes das pessoas que estão na Ucrânia, ou que fugiram da guerra, ou que vivem em países vizinhos. Foi votada uma declaração condenando a agressão militar russa em território ucraniano. O KEK manifestou solidariedade e apoio à população ucraniana, com o compromisso de levar por diante um caminho de diálogo para poder encontrar uma paz justa o mais rapidamente possível e encorajar todas as iniciativas que visem a reconciliação entre os sujeitos envolvidos . Finalmente, o tema das migrações. Logo no início da Assembléia houve outro trágico naufrágio na costa da Grécia, matando mais de 500 pessoas. Isso tocou muito as pessoas que compareceram à Assembleia da CEC, que quiseram se expressar com uma declaração específica. A CEC pretende continuar a apoiar as Organizações que trabalham com a questão da migração, trabalhar em parceria tanto quanto possível e continuar a reflexão com as igrejas constituídas sobretudo por migrantes de outros continentes, comunidades que já fazem parte da geografia das igrejas europeias. Foto Ulf Tjärnström / KEK O lema da Assembleia foi “Moldar o futuro”. Que forma de futuro emergiu da Assembléia? O lema da assembléia foi "sob a bênção de Deus dando forma ao futuro" e, portanto, que forma de futuro emergiu da assembléia na realidade sem forma, de fato, tentamos desmantelar o conceito de que, como igrejas cristãs, é possível controlar o futuro da 'Europa. em vez disso, queríamos dar uma mensagem contra a maré a respeito de uma sociedade que através das tecnologias torna-se cada vez mais capaz de controlar a vida das pessoas e a organização de tudo e, em vez disso, colocar tudo de volta nas mãos de Deus ouvindo o que o Senhor pode comunicar ao igrejas para permanecer abertos ao novo, para mudar sabendo que o futuro pertence a Deus e somente a Deus e que somente sob sua bênção pode se concretizar a partir do testemunho das igrejas. Na coletiva de imprensa final, o recém-eleito presidente Nikitas usou três palavras-chave: fé, esperança e amor. Em seguida, acrescentou uma mensagem de grande fé nas novas gerações. Na sua opinião, como podemos dar corpo e alma a um pacto intergeracional que dê verdadeiramente voz e liberdade de ação às gerações mais novas? A Assembleia contou com uma boa participação das gerações mais jovens, que também encontraram voz durante os trabalhos. No entanto, essa voz ainda não é forte o suficiente para afetar as políticas e a vida do CEC. E, portanto, o que fazer para realmente dar voz e liberdade de ação às novas gerações? Certamente uma coisa que pode ser feita é garantir uma participação para eles nas principais comissões do CEC, a começar pela Diretoria. Ao mesmo tempo, o KEK precisa fortalecer as relações e aproveitar as experiências e atividades das várias organizações cristãs europeias que já realizam um grande trabalho durante o ano. E que tratam de questões mais próximas da sensibilidade das gerações mais novas. Veja todas as fotos oficiais da Assembleia KEK 2023. Leia todos os novos insights sobre o KEK. ...

Ler artigo
Bélgica.  Encontro Ecumênico Europeu de Esperança e Cooperação

Bélgica. Encontro Ecumênico Europeu de Esperança e Cooperação

A reunião do comitê conjunto CEC-CCEE em Paris (fevereiro de 2017) Roma (NEV), 18 de novembro de 2019 – A reunião conjunta dos comitês da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e do Conselho das Conferências Episcopais Europeias (CCEE) começou hoje no Centro Ecumênico em Bruxelas, Bélgica. A reunião é presidida pelo pároco Christian Kriegerpresidente da CEC, e pelo cardeal Ângelo Bagnasco, presidente da CCEE. Tema dos dois dias, "Viver a esperança na Europa hoje". A premissa bíblica sobre a qual o trabalho acontecerá é retirada de Isaías 51:9 "Desperta, desperta, veste-te de força!". Os participantes discutirão questões relacionadas ao surgimento do populismo, bem como como fortalecer a cooperação entre CEC e CCEE. Desde a década de 1950, o CEC reuniu mais de cem igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas e católicas-velho. A colaboração entre KEK e CCEE tem uma longa história. A Comissão Mista, fundada em 1972 após o nascimento da CCEE (1971), reúne-se anualmente e tem como função definir e fiscalizar as iniciativas realizadas em conjunto. Entre elas, as três grandes assembléias ecumênicas de Basiléia (1989), Graz (1997) e Sibiu 2007. Em 22 de abril de 2001, em Estrasburgo, os então presidentes da CEC, o Metropolita Ortodoxo Jeremye da CCEE, o bispo Miloslav Vlkassinou a "Carta Ecumênica", documento que indica as diretrizes do ecumenismo e da cooperação entre as Igrejas na Europa e que representa uma etapa importante no desenvolvimento das relações ecumênicas. Todos os anos, o comitê conjunto KEK-CCE analisa questões sociais e pastorais de um ponto de vista teológico, em busca de "formas comuns para enfrentar os desafios mais urgentes enfrentados pelos cristãos na Europa", como afirma o site da CCEE. O tema deste ano parece retraçar alguns dos argumentos cruciais da Carta Ecumênica, redigida há dezoito anos por uma comissão conjunta KEK-CCEE por meio de ampla consulta às igrejas européias; em particular, os temas do diálogo, da proteção das minorias, da responsabilidade das Igrejas na construção da Europa e na reconciliação dos povos e das culturas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.