Abertura do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense

Abertura do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense

Roma (SSSMV01), 19 de agosto de 2021 – O Sínodo das igrejas metodistas e valdenses abre no domingo, 22 de agosto, com o habitual culto inaugural. O órgão máximo de decisão de Valdenses e Metodistas será realizado em fórmula mista (presencial e online) após um ano de pausa devido à pandemia. Culto inaugural no domingo presidido pelo pároco Winfrid Pfannkuche será realizado às 10h no templo da Torre Pellice e será transmitido pela página do Facebook da Igreja Valdense e pela página do Facebook e canal do YouTube da Rádio Evangélica Beckwith.

O Sínodo, com um programa de formato reduzido, acontecerá de domingo, 22, a quarta-feira, 25 de agosto. Ao tradicional sítio de Torre Pellice, na província de Turim, junta-se este ano a plataforma digital.

Em pauta: duas novas consagrações, reflexão sobre o testemunho protestante em uma sociedade pós-Covid, importantes mensagens ecumênicas e decisões sobre os compromissos das igrejas sobre evangelização, diaconia, proteção das minorias, saúde e clima.

Haverá debates, apresentações, reuniões teológicas. Dentre eles, destacamos:

segunda-feira, 23 de agosto – Noite pública: “A próxima geração da UE? Os jovens e a Europa entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização”. 21 horas, no templo. Transmissão ao vivo na Rádio Beckwith. Eles lideram marta bernardini (FCEI/Esperança do Mediterrâneo) e Valéria Lucenti (Subdiretor Centro Ecumênico Ágape). Com Annalisa Camilli (jornalista de Internacional), Stefano Allievi (sociólogo, Universidade de Pádua), Brando Benifei (MEP), pároco Daniela DiCarlo; conclusões do moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta.

quarta-feira, 25 de agosto – “Fronteiras diáconos. Pensamento Teológico e Diaconal”. Pela Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD). 21h, no jardim da casa valdense.

Todos os detalhes nesta página. #sinodovaldese

FACT SHEET: Igrejas metodistas e valdenses na Itália

Parceiros de mídia: www.rbe.it – www.riforma.it

Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.it – Twitter: @nev_it – Facebook: @AgenziaNEV – [email protected]

(NEVCS/18)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“A fé e o amor são universais”

“A fé e o amor são universais”

2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Prof Azza Karam, Secretária Geral de Religiões para a Paz, compartilha saudações à 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Karlsruhe (NEV), 5 de setembro de 2022 - "O amor de Cristo não é apenas para os cristãos, mas também para mim, e eu sou muçulmano". Com estas palavras Azza Karamsecretário-geral das Religiões pela Paz, coalizão internacional de representantes das religiões do mundo dedicadas à promoção da paz, "ganhou" os aplausos e o consenso da audiência plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, reunida na Alemanha desde agosto 31º. Egípcio, mora em Nova York, professor de estudos religiosos em Amsterdã, ex-funcionário da ONU, está à frente do movimento fundado em 1970 ao qual aderem mais de 900 líderes religiosos de 90 países. Nós a conhecemos nos bastidores do evento do WCC em Karlsruhe. Em seu discurso disse que "O amor de Cristo é para todos": o que isso significa? “A mensagem de Cristo é uma mensagem de fé, crença e paz que se aplica a todos os homens e mulheres. Não creio que haja qualquer referência nos Textos que diga que isso se aplica apenas aos cristãos. Mesmo que os diversos grupos e comunidades religiosas sempre tenham se "apropriado" da mensagem do Senhor, isso é normal. Mas isso contradiz o fundamento da mensagem - a revelação divina - que é e é válida para todos os seres humanos. E para todas as criaturas vivas. Quais são os principais desafios do movimento que representa? Religiões pela paz parece um pouco com as Nações Unidas, na verdade representamos todas as grandes instituições de religiões e credos do mundo – mais de uma centena – e por isso, assim como as Nações Unidas, temos uma assembléia geral… É um espaço e trabalho complexo porque cada entidade procura perseguir seus próprios interesses. Resguardar os espaços políticos de qualquer grupo que busque legitimar sua agenda também dificulta nossa missão. Acho que esta é uma das questões cruciais: todos nós vemos o que é o bem comum, mas temos que descobrir como chegar a um acordo sobre o que fazer juntos, como trabalhar juntos para salvar esse mesmo bem comum. Um desafio muito importante é justamente pedir aos nossos líderes que não pensem territorialmente, que não pensem apenas em sua própria igreja ou comunidade. E também temos que lidar com a interferência política, que sempre existiu, mas está crescendo. Acredito que com o colapso das ideologias – neoliberalismo, capitalismo, socialismo, comunismo – as religiões se tornaram cada vez mais uma oportunidade comum de contar histórias para conveniência política. Estamos vivendo a era – um fenômeno ciclicamente repetido – de uma forte aliança, vários tipos de alianças, entre partidos e atores políticos de um lado, instituições e atores religiosos de outro. Esse uso (ou abuso) de símbolos religiosos e religiões pela política é perigoso? Sim, muito, porque a fé não reconhece os limites das nações, a fé é universal. Enquanto a política é feita de limites, fronteiras e limites. Portanto, essas duas línguas são inúteis uma para a outra. Usar as religiões para legitimar uma narrativa política é, por um lado, limitar a ética e o propósito religioso e, por outro lado, armar a fé. O que vimos e estamos vendo na Ucrânia e na Rússia é um exemplo de como é totalmente inconcebível legitimar uma guerra em termos religiosos. Que papel para o Conselho Mundial de Igrejas neste quadro? O CMI tentou sistematicamente estabelecer um diálogo entre os diferentes atores cristãos e ortodoxos. E o desafio para o CMI, assim como para o Vaticano, é entender que o que está acontecendo não é uma questão cristã ou europeia. Duas guerras mundiais começaram na Europa. O que está acontecendo tem consequências dramáticas em termos de vidas humanas, mas também de matérias-primas, alimentos, energia. As tentativas feitas até agora parecem se concentrar em encontrar uma "solução cristã". Mas uma solução cristã para um problema global não pode ser encontrada. Quais são os próximos compromissos das religiões pela paz? Como no mito de Sísifo, procuramos trabalhar juntos para servir juntos, para apoiar os diferentes atores religiosos diante das emergências que continuarão a acontecer, envolvendo as instituições de cada religião e comunidade. Temos que trabalhar juntos, colaborar. O movimento ecumênico é certamente necessário, mas não creio que seja possível sem um movimento multirreligioso e sem diálogo, o ecumenismo sozinho ou o caminho de cada credo individual não será suficiente. Não é tão complicado quanto parece. Quando as religiões trabalham para servir juntas: essa é a cura de que precisamos, essa é a cooperação que nos permitirá salvar o bem comum. Quando cada religião faz por si é como se ferissemos a mão e cada dedo nos machucasse, e tentamos curar um dedo mas não será suficiente, porque teremos que curar a dor que vem do coração, da alma, da mente do nosso corpo. Estamos enfrentando os mesmos desafios de sempre, só que o planeta está ficando sem tempo. Sempre falamos de pobreza, guerras, ignorância, sempre temos os mesmos problemas desde que a humanidade vive neste planeta, mas agora é a Terra que está fora do tempo, porque a estamos destruindo”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Nascem corredores para insetos polinizadores

Nascem corredores para insetos polinizadores

Aaron Burden, desobstruir Roma (NEV), 1º de abril de 2022 – Os “corredores ecológicos” para insetos polinizadores estão ganhando vida. "Caminhos ecumênicos para polinizadores", este é o nome do projeto com o qual algumas igrejas evangélicas da Itália (luterana de Nápoles, batista Centocelle, batista Civitavecchia, adventista de Bolonha, metodista de Milão), participaram do concurso "Roman Juriga" da Comunidade Cristã Rede para o ambiente (ECEN). A ideia nasceu dentro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Os corredores tornaram-se realidade nos dias de hoje, com um primeiro encontro em Bolonha há alguns dias. Em particular, os batedores Aisa da capital emiliana já participaram do projeto "Corredores ecológicos para insetos polinizadores" proposto pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (Glam) da FCEI, conforme afirma este artigo de Monica DePaolis no site Hopemedia.it. "Na tarde de sábado, 26 de março - lê-se no texto -, juntamente com o clube Aisa de Modena, tivemos a oportunidade de nos encontrar Paul Versari, professor da escola agrícola de Castelfranco Emilia e conhecedor do mundo das borboletas. Aprendemos a conhecer um mundo que precisa ser protegido e defendido de perto. Os insetos polinizadores são fundamentais dentro do nosso ecossistema. Ao transportar o pólen de uma flor para outra, de fato, permitem a polinização e a formação do fruto. A nossa horta comunitária vai tornar-se um lugar importante, um “jardim de borboletas”, um projeto para proteger o meio ambiente e dar testemunho do nosso bairro”. Neste vídeo, feito por Monica De Paolis e Maria Elena Lacquanitium tutorial sobre polinizadores:[embed]https://www.youtube.com/watch?v=89fGzHW9rpU[/embed] A Comissão GLAM está a serviço das comunidades e indivíduos que desejam abordar essas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos focos da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até verificação da ética dos bancos onde estão localizadas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo
Terminada a viagem à Itália dos luteranos alemães: encontros, trocas, perspectivas

Terminada a viagem à Itália dos luteranos alemães: encontros, trocas, perspectivas

Torre Annunziata (NA) Roma (NEV), 7 de junho de 2018 – A viagem à Itália da delegação do Comitê Nacional Alemão da Federação Luterana Mundial (FLM) está chegando ao fim hoje. A visita começou em Roma e no Vaticano - com uma audiência privada com o Papa Francisco - e terminou em Nápoles e na Torre Annunziata, onde o grupo visitou as comunidades locais da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e as estruturas diáconos, incluindo o “ Hospital Evangélico Villa Betania” em Ponticelli, que a FLM apoia financeiramente. “É impressionante como as comunidades do Golfo de Nápoles conseguem correlacionar igrejas com trabalhos culturais e atividades recreativas significativas – observou o chefe da delegação, bispo Gerhard Ulrich –. O trabalho diaconal irradia fortemente na sociedade. Isso demonstra mais uma vez o quão importante é o ministério diaconal das igrejas luteranas em todo o mundo”. Na Torre Annunziata, a delegação visitou um centro cultural e de reuniões do CELI. “Jovens que vivem em situação precária podem encontrar aqui um projeto de teatro. É um sucesso”, acrescentou Ulrich. Cordelia Vitiello (CELI), membro do Conselho da FLM e vice-presidente do hospital "Villa Betania", apresentou, entre outros, o projeto "Pink Rose", que apoia mulheres vulneráveis ​​com assistência psicológica, espiritual e social. Antes de ir para Nápoles, a delegação manteve várias conversações no Vaticano. Com Papa Francisco, Luis Francisco Ladaria Ferrerprefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, e Mons. Matthias Turk, foi confirmado o progresso no caminho comum entre luteranos e católicos. Além disso, em Roma, a delegação se encontrou com a Comunidade de Sant'Egidio e participou da oração vespertina em Santa Maria in Trastevere. Outro encontro aconteceu no Melanchthon Center com estudantes de teologia alemães que podem passar um ano acadêmico em Roma no centro protestante de estudos ecumênicos, em colaboração com a Faculdade de Teologia Valdense. A Federação Luterana Mundial (FLM) é a maior comunhão da igreja luterana do mundo, com mais de 74 milhões de membros e 145 congregações em 98 países, enquanto o Comitê Nacional Alemão da FLM representa as doze igrejas membros germânicas da FLM, compreendendo aproximadamente 11,5 milhões de crentes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.