Igrejas ecumênicas.  Agenda para a justiça climática, econômica e social

Igrejas ecumênicas. Agenda para a justiça climática, econômica e social

Agnes Abuom

Roma (NEV), 24 de junho de 2021- O Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) está reunido nestes dias para definir o programa de trabalho em vista da Assembleia Geral a ser realizada em Karlsruhe, Alemanha, em 2022.

A Assembléia se reúne a cada oito anos. É o único momento em que toda a comunhão ecumênica global se reúne para oração e celebração. Será a 11ª edição do mais alto órgão de governo do WCC. Tema: “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”.

Na conferência de imprensa de hoje, aberta e conduzida pelo Diretor de Comunicação do CEC Marianne Ejderstenfalou o moderador do Comitê Central do CMI, Agnes Abuome o secretário-geral interino, padre Ioan Sauca. Abuom e Sauca ilustraram as diretrizes de trabalho do Comitê, que se reuniu online.

Discurso de Agnes Abuom

“Queremos compartilhar o que estamos fazendo como comunhão e como órgão executivo do CMI – disse o moderador Abuom -. Pretendemos orar e caminhar juntos. Apesar do covid, ainda assim sentimos a necessidade de nos encontrarmos, para continuarmos unidos rumo à XI Assembleia. A pandemia ainda traz incertezas, mas é nossa intenção manter nossos compromissos”.

A Comissão está a trabalhar no programa da Assembleia, em colaboração com várias delegações. Também na agenda estão a adesão de duas novas igrejas, relatórios para a Assembléia e a estratégia financeira do CMI.

“Refletimos sobre os ministérios e lideranças de nossas igrejas – continuou Abuom –, sabendo que um dos pontos centrais que exige tempo e comprometimento é a resposta à covid. As igrejas sofreram perdas, mas também mostraram resiliência e encontraram mecanismos para lidar com a crise e divulgar o evangelho. Nos desafios econômicos e sociais, continuamos a buscar a unidade da igreja e da humanidade. Devemos alimentar a esperança onde não há nenhuma. Alimente o amor sobre a divisão, separação e perda.”

Discurso de Ioan Sauca

Ioan Sauca

Ioan Sauca disse: “Na pandemia, entendemos que pertencemos uns aos outros como seres humanos e pertencemos uns aos outros, como cristãos, como membros do corpo de Cristo. Estes não são tempos fáceis. Nossas igrejas passaram por sofrimento e morte. A Covid levou a muitos desafios, mas há esperança nos desafios.”

O Secretário sublinhou os ensinamentos da pandemia: “Entendemos a pertença e o cuidado mútuo, espiritualmente, teologicamente, mas também humanamente. Aprendemos a trabalhar online, com uma comunicação moderna. Continuamos nossas visitas às igrejas locais, com grande repercussão e resultados. Acho que mesmo quando voltarmos ao ‘normal’, nossa forma de trabalhar não será a mesma. O covid é uma oportunidade, com a qual melhoramos a comunicação com as igrejas, com novas ferramentas, reuniões, webinars, orações globais. Ficamos juntos, apoiando uns aos outros como uma família na igreja. A pandemia tornou mais visíveis as desigualdades e o pecado do racismo. É por isso que como CEC pretendemos construir um novo programa de combate ao racismo, mas não só. O tema da XI Assembleia parece providencial. Foi escolhido antes da covid, não poderíamos imaginar que teria sido tão pontual: o amor de Cristo move o mundo rumo à reconciliação e à unidade”.

Muitos outros assuntos foram abordados na coletiva de imprensa. A linguagem cristã das igrejas. A importância e o poder da oração. Trabalho de direitos humanos e dignidade. O diálogo e a necessidade de igualdade entre palestinos e israelenses, para a superação de cada sofrimento de cada pessoa na Terra Santa. A luta contra o anti-semitismo. Justiça de gênero. A luta contra o estupro e a violência doméstica. Paz. Justiça climática, econômica e social. Segurança alimentar. A proteção do meio ambiente e da natureza. Sustentabilidade. Diálogo com a Igreja Católica.

https://www.youtube.com/watch?v=sw2lj45JVnA

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Amizades judaico-cristãs na Itália.  Vozes e Raízes

Amizades judaico-cristãs na Itália. Vozes e Raízes

Roma (NEV), 28 de fevereiro de 2020 - A amizade judaico-cristã nasceu em Florença em 1951 pela vontade de Arrigo Levasti, Giorgio La Pira, Ines Zilli, Giorgio Spini, Giacomo Devoto, Angelo Orvieto e Aldo Neppi Modona. Em 1988 foi fundada em Camaldoli a "Federação das amizades judaico-cristãs na Itália" (FEDERAEC), que também faz parte da "Conselho Internacional de Cristãos e Judeus” (ICCJ). A FEDERAEC, que reúne vários grupos de Amizade, entre eles os de Alto Garda, Nápoles, Roma, Ravena, Turim, Camaldoli e Livorno, tem como objetivo promover e desenvolver o conhecimento, a compreensão, o respeito e a amizade entre judeus e cristãos numa perspectiva de abertura e o diálogo com as religiões, a fim de "criar uma convivência humana da qual seja excluída para sempre qualquer forma de incompreensão e ódio", como afirma seu site. Também tem entre seus propósitos combater o anti-semitismo, o racismo e a intolerância. No rescaldo da Semana da Liberdade 2020 promovida pela Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI), a Agência NEV entrevistou Francisco Moscoupastor adventista das igrejas de Turim e Torre Pellice, vice-presidente da FEDERAEC. Como começou sua experiência dentro da Federação de amizades judaico-cristãs na Itália? Francisco Moscou. Foto tirada de Esta experiência nasceu durante o meu ministério pastoral em Turim, a partir de 2006. Ainda antes, meu predecessor, pároco Giampiero Vassallo, participou das iniciativas e me passou o bastão. Eu fazia parte do grupo de Amizade de Turim, que estava envolvido há mais de trinta anos, sendo seu presidente por cinco anos. Agora sou vice-presidente da Federação, que reúne várias "amizades judaico-cristãs" em diferentes cidades italianas. Cada local é autônomo. A Federação é um órgão de ligação entre as várias “Amizades”, que gostaríamos de poder expandir também a outras cidades. EU'Antissemitismo foi o tema escolhido pela FCEI para a Semana da Liberdade 2020. Voltamos alegremente ao tema desta semana. Como adventistas em Turim promovemos dois momentos de reflexão. Um primeiro momento durante uma pregação na nossa comunidade e, no sábado seguinte, com a participação do presidente da Amizade Judaico-Cristã de Turim, Dr. Maria Ludovica Chiambrettono âmbito de uma das iniciativas dedicadas à Júlio Isaacpioneiro da Amizade, às suas obras relativas ao estudo do antijudaísmo cristão e ao tema da suspeita, ao conhecimento das raízes históricas do antissemitismo e das relações entre cristãos e judeus. Por ocasião do "Sínodo dos Jornalistas" que será aberto amanhã em Roma, com o tema "Palavras não pedras", está prevista a inauguração no Largo Pórtico d'Ottavia de um Banco Memorial, dedicado aos jornalistas e impressores judeus romanos que foram vítimas de deportação. O que você acha da relação entre jornalismo e história? A comunicação é fundamental. Precisamos manter viva a memória e levar as iniciativas e insights sobre essas questões ao conhecimento da opinião pública e dos próprios jornalistas. Procuramos contribuir com conferências, eventos e divulgação. Como pedras de tropeço, que causam sensação ao serem rasgadas, mas que devemos preservar na memória coletiva e pessoal. A imprensa pode ajudar muito e nós mesmos estamos empenhados em tomar a palavra para envolver a consciência das pessoas, para dar voz à memória. Em 2019 você celebrou o 40º aniversário das conversações judaico-cristãs em Camaldoli. Quais são os principais eventos em andamento e para o futuro? É crucial que a amizade judaico-cristã continue a funcionar em chave inter-religiosa. As conversações de Camaldoli são o ponto de encontro do trabalho do Amicizie, durante o qual há sempre um momento de assembleia para o qual convergem quase todos os grupos. Em Florença, alguns dias atrás, nos encontramos com don Juliano Savina, diretor do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI), juntamente com muitos outros irmãos católicos, evangélicos e judeus para organizar o próximo encontro, previsto para dezembro. Enquanto isso, os cursos de hebraico e outras iniciativas regulares continuam, desde o Dia do Conhecimento do Judaísmo até apresentações da Bíblia da Amizade, conferências do ciclo histórico e outros projetos locais. Em Turim, o Rabino Chefe também está muito envolvido Ariel Di Porto. Nestes caminhos de diálogo recordamos também que as nossas raízes e as Escrituras se baseiam no judaísmo. ...

Ler artigo
Construindo a paz na transição ecológica

Construindo a paz na transição ecológica

Detalhe do cartaz do XIX Seminário de Estudos sobre a Custódia da Criação Roma (NEV), 11 de abril de 2023 – Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), é convidado como palestrante no 19º Seminário de Estudos sobre a Custódia da Criação intitulado "Construindo a Paz na Transição Ecológica". Garrone, que também é pároco e estudioso da Bíblia, propõe uma intervenção a partir do salmo "O amor e a verdade se encontrarão, a justiça e a paz se beijarão". Juntamente com os outros oradores, traçará “um amplo horizonte de referência, indicando algumas coordenadas bíblicas no signo da expressão shalom – lê-se no folheto – explorando as muitas relações que existem entre a guerra e a degradação ambiental”. Mônica Lugatodelegada da LUMSA para a Rede de Universidades pela Paz, falará sobre "Paz e meio ambiente: a contribuição do direito internacional". Enrico Giovannini, ex-ministro do Trabalho e Políticas Sociais, professor de Desenvolvimento Sustentável, Estatística e Economia da Tor Vergata, falará sobre o Plano Nacional de Recuperação e Resiliência, com uma palestra intitulada "PNRR e além: oportunidades para a transição ecológica". Moderado Alessandra Vischi da Universidade Católica do Sagrado Coração de Brescia. “Trata-se de oferecer algumas chaves interpretativas para compreender como a guerra e a crise ecológica se alimentam e – vice-versa – uma ação clarividente pela casa comum pode ser sinérgica com uma ação positiva pela paz”, escrevem ainda os organizadores, que acrescenta: “O que significa trabalhar pela paz no Antropoceno? E, por outro lado, como cuidar da casa comum num tempo marcado pela guerra? O XIX seminário sobre a Custódia da Criação pretende colocar-se na encruzilhada dessas duas questões”. O Seminário estará aberto de Maurice Gardini, presidente da Confcooperativa. Seguir-se-á a leitura do Cântico das Criaturas de Francisco de Assis, com a voz de Margarida Mazzucco, atriz principal do filme “Chiara”. Apresenta: don Bruno Bignami, diretora do Escritório Nacional de Problemas Sociais e Trabalho do CEI. Seguem-se apresentações e debate. À tarde, dois “espaços de discernimento para a transição ecológica”. Um sobre a emergência hídrica, introduzido por Justin Mezzalira (Veneto Agricultura). Coordenada Mateus Mascia da Fundação Lanza. A outra, sobre energia e solo, com Stefano Masini, responsável pela Área de Meio Ambiente da Coldiretti. Coordenada Marco Marchetti da Universidade de Molise. Segue-se uma assembléia plenária moderada pelo teólogo Simone Morandini e as conclusões, como contribuição aos canteiros de obras de Betânia do caminho sinodal da Igreja italiana, de dom Juliano Savinadiretor do Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso (UNEDI) do CEI. A nomeação é para sexta-feira, 14 de abril de 2023, em Roma, na sede nacional da Confcooperative (Via Torino, 146 em Roma). Organizado pelos dois escritórios nacionais da Conferência Episcopal Italiana (CEI), o dos problemas sociais e do trabalho e o do ecumenismo e do diálogo inter-religioso, em colaboração com a Fondazione Ente Spettacolo, o seminário representa "uma contribuição aos canteiros de obras sinodais da igreja italiana ”. Para mais detalhes clique aqui. Faça o download do cartaz: Folheto-Seminário Criado 2023 ...

Ler artigo
Conselho para as relações com o Islã, um novo começo

Conselho para as relações com o Islã, um novo começo

foto por Utsman Media, unsplash Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 – O Conselho para as relações com o Islã está de volta em movimento. Conforme refere uma nota do Ministério do Interior datada de 2 de Dezembro, "Com efeito, foram identificados os membros do órgão chamados a exercer funções consultivas para o aprofundamento de questões relacionadas com a integração e o exercício da função civil direitos daqueles que professam a fé islâmica na Itália". Entre os membros do conselho, órgão consultivo do ministério para desenvolver as relações com o Islã italiano, estão personalidades do mundo da cultura, professores e especialistas de várias disciplinas e religiões, incluindo a Valdense Paulo Nasoprofessor de ciência política na Sapienza e coordenador do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da FCEI. Reunião do Conselho para as Relações com o Islã Italiano, por videoconferência, no dia 19 de novembro (Foto do site do Ministério do Interior). “Na última fase do Conselho para as relações com o Islão - explica Paolo Naso -, iniciada em 2015, o resultado mais importante foi a assinatura de um acordo, em 2017 (Naso era então coordenador do Conselho, ed.), com o Islã italiano, assinado por todas as principais associações islâmicas da Itália. Um resultado importante, concebido e orientado para um entendimento com o Islã italiano, de acordo com o artigo 8 da Constituição”. Por que isso é tão importante? “Como se sabe, há mais de dois milhões de muçulmanos na Itália. Constituem assim uma presença numericamente e não só muito significativa no panorama cultural, social e religioso nacional. No entanto, por várias razões, esta comunidade de fé ainda não teve o devido reconhecimento legal". Portanto, entre os principais objetivos deste conselho “está, portanto, o de iniciar, facilitar e acompanhar as comunidades islâmicas em um processo de reconhecimento legal no âmbito das normas vigentes e do ordenamento jurídico italiano”. O conselho presidido pelo ministro ou por um subsecretário delegado passa a ter a seguinte composição: Francisco Alcinoprofessor de direito eclesiástico no Lum “Jean Monnet” de Casamassima (Ba), Stefano Allieviprofessor de sociologia da Universidade de Pádua, Pasquale Annicchinopesquisador do Cambridge Institute on Religion & International Affairs, Rosaria Maria Domianelloprofessor de direito eclesiástico na Universidade de Messina, Alexandre Ferrari, professor de direito eclesiástico na Universidade de Insubria (Varese), Maria Chiara Giordaprofessor de história das religiões na Universidade "Roma Tre" (Roma), Shahrzad Houshmand Zadecprofessor de estudos islâmicos na Pontifícia Universidade Gregoriana e na Pontifícia Faculdade Teológica "Marianum (Roma), Paolo Naso, professor de ciência política e coordenador do mestrado em religiões e mediação cultural na Universidade La Sapienza de Roma, Vincent Paceprofessor de sociologia da Universidade de Pádua, Younis Tawfikprofessor de língua e literatura árabe na Universidade de Gênova e escritor, Francesco Zanniniprofessor de língua e cultura árabe na Lumsa (Roma), Ida Zilio Grandiprofessor de língua e literatura árabe na Universidade “Ca' Foscari” (Veneza). Para além deste caminho mais estritamente jurídico, “outros também se vão abrindo – prossegue Naso – . A referência é à validade de algumas experiências de anos anteriores. Como o curso de formação de ministros de religião, não só muçulmanos, mas de diferentes comunidades de fé. Ou ainda uma prática de encontro com jovens de segunda geração, uma novidade muito importante também dentro da comunidade islâmica, porque nascidos e educados na Itália, eles expressam assim uma sensibilidade específica, que merece ser valorizada”. Finalmente, com base no que está acontecendo na Europa, "é importante promover programas e políticas para combater a radicalização: mesmo que na Itália não tenham sido registrados os eventos dramáticos de violência gravíssima ocorridos em outros países, ainda é necessário não baixar a guarda e envolver em primeiro lugar a comunidade e as associações islâmicas, para que se protejam a si próprias e à comunidade nacional que as rodeia do pernicioso e destruidor "vírus" da radicalização religiosa". Quanto à contribuição de Paolo Naso aos trabalhos do Concílio, "dada a minha biografia, a minha perspectiva pessoal - conclui - é a de contribuir para o pleno reconhecimento, não só jurídico, mas também social e cultural, do pluralismo religioso na Itália, do qual O Islã é uma carta decididamente importante”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.