As mulheres libertam o sagrado

As mulheres libertam o sagrado

Foto Adista

Roma (NEV), 26 de junho de 2020 – O semanário de informação independente “Adista” relata em um dossiê “o caminho nada fácil que levou as mulheres das Igrejas cristãs não católicas ao acesso a ministérios e pastorados, ainda excluídas da Igreja de Roma” .

Uma história multifacetada da qual emergem as tentativas de desmantelar estruturas e privilégios machistas, autoritarismo e clericalismo. “Os companheiros de viagem deste número da Adista – lê-se na apresentação –, pela ordem em que aparecem os seus ensaios, são o pastor valdense Alexandre Esposito; o luterano Gabriela Woller; o pastor batista Cristina Arquidiácona; Maria Vitória Longhitanopresbítero da Convocação das Igrejas Episcopais na Europa; Basil Petràdecano da faculdade de teologia da Itália central; David Romanodiretor do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da União Italiana das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA)”.

A imagem inteiramente masculina de Deus “influencia não só as práticas religiosas, mas também as culturas, o bom senso e as práticas cotidianas” escrevem novamente os editores, que nos convidam a investigar a palavra bíblica “a partir de uma leitura mais cuidadosa, crítica, historicista das Escrituras”, o que significa também “contextualizar e libertar a mensagem bíblica das superestruturas culturais do passado, das ‘traduções’ inadequadas e insuficientes que derivam de uma má compreensão dos textos, para tornar as religiões não mais dogmáticas, fechadas e separadas dos recintos do sagrado ‘ (sempre declinado no singular masculino), mas inclusivo e plural”.

O dossiê faz parte da série de números especiais da Adista intitulado “As Igrejas face à violência de género” e pretende explorar temas como os preconceitos e os instrumentos de repressão e exclusão das mulheres na Igreja e na sociedade, os “carismas” femininos e a presença feminina no púlpito, na pregação da Palavra ou na administração dos sacramentos, elementos que tornam visível “a diferença dos corpos, presença muitas vezes perturbadora – sobretudo aos olhos católicos e por ocasião das celebrações ecumênicas – porque manifesta a existência de um ministério não mais vinculado ao corpo masculino e à masculinidade de Jesus e da Igreja”.

O dossiê também foi compartilhado na página do Facebook da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Estudantes da Federação Cristã Mundial.  Alegre-se na esperança

Estudantes da Federação Cristã Mundial. Alegre-se na esperança

Roma (NEV), 16 de janeiro de 2020 – A Federação Cristã Mundial de Estudantes (WSCF) convida você a participar de sua 37ª Assembleia Geral, que acontecerá de 12 a 18 de junho de 2020 em Zwinglikirche, Berlim, Alemanha. O programa Steward oferece aos membros dos movimentos cristãos estudantis a oportunidade de fazer parte da Assembleia, para ganhar experiência na organização e gestão de um evento intercultural e ecumênico. Um grupo jovem, dinâmico e diversificado se reunirá de 1 a 13 de junho em Berlim para apoiar o comitê organizador em todas as funções antes, durante e depois da Assembleia de 2020, que terá como título “Alegre-se na Esperança. Jovens juntos rumo à justiça e à paz”. O grupo de trabalho se concentrará na identidade da Federação como um movimento ecumênico de diferentes tradições. Para entrar no programa Steward, você pode se inscrever até 20 de janeiro neste link. A WSCF também convida os “amigos seniores” da WSCF e outros convidados para participar. Os “Amigos da Terceira Idade da WSCF” terão a oportunidade de se reunir em um evento separado, mas simultâneo, chamado Encontro de Amigos da Terceira Idade (SFG). “Será um momento para refletir, compartilhar histórias e memórias, encontrar formas de apoiar e orientar a atual geração de movimentos cristãos para estudantes” escrevem os organizadores. Para participar do SFG, os "amigos da terceira idade" devem enviar a solicitação por meio do formulário (disponível em inglês, francês e espanhol) neste link até 30 de janeiro. ...

Ler artigo
Os cristãos são todos pontífices

Os cristãos são todos pontífices

Roma (NEV), 13 de maio de 2019 – Há trinta anos, em 15 de maio de 1989, foi inaugurada em Basel a primeira Assembleia Ecumênica Europeia sobre o tema "Paz na justiça", inspirada no Salmo 85: "A justiça e a paz se abraçarão". Pela primeira vez em séculos - desde os tempos do Grande Cisma entre o Oriente e o Ocidente (1054) e a Reforma Protestante - mais de 600 delegados oficiais das três principais denominações cristãs - ortodoxos, católicos e protestantes - reuniram-se para uma assembléia comum. Mas foi também a primeira vez que se reuniram cristãos de todos os países da Europa. De fato, a mensagem conclusiva da Assembleia começa observando que os delegados “do Leste e do Oeste, do Norte e do Sul se encontraram cruzando fronteiras confessionais e políticas que até pouco tempo atrás pareciam intransponíveis. Por mais profundas que sejam as feridas do passado da Europa, os laços que nos unem em Cristo mostraram-se mais fortes. Cresce uma comunhão que confirma a nossa esperança e por isso damos graças a Deus” (§ 1). De facto, a esperança de Basileia tornou-se realidade apenas seis meses depois, com a queda do Muro de Berlim a 9 de Novembro de 1989. Uma queda que, pode-se dizer, foi profeticamente antecipada em Basileia pela "marcha pela paz" que atravessou três países limítrofes (Suíça, Alemanha e França) e no qual, de forma absolutamente excepcional, foi possível a participação de todos os delegados, mesmo os provenientes do bloco dos países do Leste. Paz na justiça, superando fronteiras, derrubando muros de separação: as esperanças da primeira Assembleia Ecumênica Européia continuam a constituir o horizonte no qual os cristãos da Europa são chamados a trabalhar, seja qual for a Igreja e seja qual for o país a que pertençam. Numa Europa onde regressam as tentações da fragmentação e da autorreferencialidade, onde se erguem novamente muros, tanto materiais como virtuais, os cristãos só podem ser pacificadores e construtores de pontes: os cristãos são todos "papas", no sentido literal da palavra . Recorda-nos um recente documento da Conferência das Igrejas europeias, intitulado “A Europa é o nosso futuro”, afirmando que “as Igrejas estão empenhadas na construção de uma Europa melhor e no apoio ao projeto europeu de prossecução dos valores partilhados e do bem comum . Procuramos construir pontes para superar as divisões históricas e aumentar o sentido de responsabilidade para com o mundo. Diante dos conflitos, somos chamados a agir como instrumentos de reconciliação e de luta contra a opressão” (do documento “A Europa é o nosso futuro”, CEC e CCME 2019). ...

Ler artigo
Covid19 e prática religiosa.  Viminale consulta outras confissões que não a católica

Covid19 e prática religiosa. Viminale consulta outras confissões que não a católica

Foto: Annie Spratt, de unsplash.com Roma (NEV), 6 de maio de 2020 – Um procedimento inédito, ditado pela emergência Covid 19, que levou o Ministério do Interior a organizar ontem uma conferência online com representantes das várias áreas confessionais, para definir um protocolo de conduta que permita ao diversas comunidades de fé retomem pelo menos algumas atividades, cumprindo as normas de prevenção indicadas pela Presidência do Conselho. Participaram do encontro representantes da União das comunidades judaica, bahá'í e sikh, das igrejas ortodoxa e anglicana, de associações islâmicas, dos mórmons. Pelas igrejas evangélicas, esteve presente o Presidente da FCEI, pároco Luca M. Negro; os pastores Caetano Montante representando as Assembléias de Deus na Itália (ADI); Michele Passerettipara a Consulta Evangélica; David Romanopara a União Cristã Adventista. A reunião foi convocada e presidida pelo prefeito Michael DiBariDiretor do Departamento de Liberdades Cívicas e Imigração que, trazendo as saudações do Ministro do Interior Luciana Lamorgeseconvidou todos os participantes a reportar quaisquer questões críticas detetadas na prática dos religiosos das várias comunidades e a comprometerem-se para que sejam cumpridas as normas de segurança e prevenção do contágio são adotadas e aplicadas escrupulosamente e no interesse da comunidade também nos locais de culto. “As igrejas da FCEI – disse o Presidente Negro – apreciam a iniciativa do Ministério que reconhece a importância do pluralismo religioso e inicia um diálogo com vários representantes confessionais. Eles também confirmam sua atitude de responsabilidade: reconhecemos a gravidade da situação - sublinhou - e apoiamos as medidas tomadas pelo governo e pelas regiões para conter a propagação do vírus. Ao mesmo tempo - continuou Negro - apontamos a necessidade de os pastores poderem exercer a sua actividade deslocando-se pelo território, ultrapassando mesmo as fronteiras regionais e que, à medida que a normalidade se aproxima, será possível aos fiéis chegarem a lugares de culto mesmo quando estão longe de suas residências”. Profs. Pierluigi Consorti da Universidade de Pisa e Paulo Naso della Sapienza – Universidade de Roma, apreciando “o método adotado – como afirma este último – e reconhecendo a sentido de responsabilidade com que as diversas confissões reorganizaram as atividades pastorais e litúrgicas, em nome de um princípio superior e universal como a segurança coletiva. Quanto às questões ainda em aberto - prosseguiu - deverão ser enfrentadas adotando o método da analogia pela qual a liberdade de circulação e organização adotada para outras figuras profissionais e outras formações sociais deve ser reconhecida também para ministros de religião e comunidades religiosas ". Para a FCEI foi, portanto, "uma reunião indubitavelmente positiva", como concluiu também o prefeito Di Bari, anunciando a apresentação de um protocolo que valorizará as observações surgidas durante o encontro ou que, dentro em breve, as diversas confissões enviarão ao Ministério do Interior. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.