“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

Pastora Sara Heinrich, consagrada no domingo 21 de agosto de 2022

Torre Pellice (Turim), 22 de agosto de 2022 – sara heinrich ontem, 22 de agosto, ela foi consagrada pastora durante a cerimônia de abertura da Assembleia do Sínodo das igrejas Batista, Metodista e Valdense.

Neste vídeo uma entrevista para saber mais sobre o novo pastor, feita por Simona Menghini e publicado pela igreja valdense.org:

Abaixo está a apresentação escrita pelo novo pastor para o semanário Reforma último dia 29 de julho:

Meu nome é Sara Heinrich, sou casada e mãe de dois filhos. Desde 2019 acompanho o curso de formação para o pastorado na União das Igrejas Valdenses e Metodistas na Itália. No entanto, o desejo de ser pastor nasceu muitos anos antes e deriva do contexto de fé, mas também do contexto histórico em que cresci: as igrejas evangélicas na Alemanha na transição dos anos oitenta para os anos noventa, mais especificamente o cidade de Gelsenkirchen, a mais pobre da Alemanha Ocidental. Minha igreja local faz parte da United Church of Westphalia e está localizada em um bairro de mineração de carvão antigo, de baixa escolaridade, multicultural e multirreligioso.

A vida comunitária, na qual a fé tinha relevância direta para a vida cotidiana, me moldou. Conheci a igreja local como um lugar de culto, um lugar de discussão e debate, um ponto de referência para o bairro e um refúgio, mas também um lugar de educação e resistência com todas as alegrias e problemas que isso trazia. Sendo o segundo de três filhos do pastor, cresci literalmente no meio da comunidade, certamente um dos motivos pelos quais já havia manifestado o desejo de ser pastor desde cedo.

Outro elemento também foi decisivo para a minha fé, nomeadamente o protestantismo alemão depois do nacional-socialismo. Cresci como filha de uma geração de herdeiros de culpas esmagadoras, convencida de que a única salvação pode vir de Deus que salva o mundo por amor e que a única maneira de viver é seguir Seu filho e tornar-se construtores de Sua paz. Também por isso a minha fé é de alguma forma uma fé sem reservas, nunca a percebi como uma escolha mas como uma tarefa, não como um privilégio mas como uma responsabilidade, não como segurança privada mas como um convite a envolver-me no destino da criação . Ao me matricular no curso de graduação em Teologia Protestante, descobri um mundo novo. Pode-se dizer que “mergulhei” na alegria de descobrir novos contextos acadêmicos e eclesiásticos, e assim minha carreira universitária me levou a Bonn, Betel (Bielefeld), Roma e Heidelberg, onde pude ficar após a graduação como pesquisador e professor da cadeira de Estudos Religiosos e Teologia Intercultural.

Tive meu primeiro contato com o protestantismo italiano durante meu ano no exterior na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, que escolhi porque estava curioso sobre a história desta pequena (pré-) igreja reformada, mas também a perspectiva minoritária: como isso afeta o vida das comunidades, a organização da Igreja e também a identidade protestante, sem imaginar ainda que significado teria para a minha biografia e para a minha vocação. Quando escolhemos a Itália como centro de nossa vida familiar em 2015, tornei-me membro da igreja valdense em Livorno, onde também celebramos a bênção de nosso casamento e o batismo de nosso filho. Para acolher a “vocação externa” precisei me distanciar do contexto em que cresci. Durante o meu período de experiência fui acompanhado – pontual e continuamente – por irmãs e irmãos que depositaram a sua confiança na minha vocação, sou profundamente grato a cada um deles. E é com gratidão que gostaria de viver o ministério, colocando meus dons a serviço de Deus, formando junto com minhas irmãs e irmãos o corpo visível de Cristo para testemunhar nossa fé aqui e agora.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Oração Ecumênica pela Declaração Conjunta sobre a Justificação

Oração Ecumênica pela Declaração Conjunta sobre a Justificação

Imagem de arquivo retirada de www.lutheranworld.org Roma (NEV), 22 de novembro de 2019 - A oração ecumênica pelo 20º aniversário da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ), o histórico documento ecumênico assinado por ocasião da comemoração da Reforma Protestante, em 31 de outubro de 1999, acontecerá hoje em Roma. O JDDJ é o resultado de mais de três décadas de diálogo entre luteranos e católicos que efetivamente resolveram um dos principais conflitos da Reforma, pondo fim às suas respectivas excomunhões. Assinado em Augsburg (Alemanha) por representantes da Federação Luterana Mundial (WLF) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUP), foi posteriormente adotado também pelo Conselho Metodista Mundial (em 2006), pela Comunhão Mundial de Igrejas reformadas e pela Comunhão Anglicana (em 2017). O JDDJ levou católicos e luteranos a superar a profunda divisão da Igreja no Ocidente por meio do que se chamou de "consenso diferenciado", ou seja, um acordo alcançado respeitando diferentes pontos de vista superando os conflitos do passado. Em 2019, para o 20º aniversário da JDDJ, católicos, luteranos, metodistas, reformados e anglicanos de todo o mundo continuam reunidos em oração para comemorar juntos seu batismo. A oração ecumênica convocada hoje pelo cardeal Kurt Koch prevê uma liturgia conjunta na qual, entre outros, o pároco decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) Heiner Bludauo pastor luterano Michael Jonasa pastora Mirella Manocchiopresidente do Comitê Permanente da Obra para as Igrejas Metodistas na Itália (OPCEMI) e pastor valdense Rio Emanuel. O encontro marcado para a oração ecumênica de 22 de novembro de 2019 é na abadia de Sant'Anselmo às 18h na piazza dei Cavalieri di Malta, 5. ...

Ler artigo
“Não à superação das leis do mercado”

“Não à superação das leis do mercado”

Roma (NEV), 23 de março de 2023 – “Não podemos e não queremos desviar o olhar das injustiças que se perpetuam ao nosso lado; porque acreditamos que mudar de rumo é certo, necessário, possível". Com estas palavras, a igreja valdense de Florença anuncia sua "presença solidária" ao lado dos trabalhadores de QF ex Gkn, que convocaram uma manifestação nacional para sábado, 25 de março. A disputa surgiu há dois anos: no centro estão os funcionários da fábrica Campi Bisenzio, a poucos quilômetros de Florença, cuja alienação pela multinacional Gkn anunciou em julho de 2021. Desde então, como explica Angelo Mastrandrea neste extenso artigo no Il post , os trabalhadores têm estado em “assembléia permanente”, desde que receberam via email da empresa, que é propriedade do fundo inglês Melrose desde 2018, a comunicação do início do processo de despedimento. Não se desmobilizaram quando, a 23 de dezembro de 2021, o empresário Francesco Borgomeo assumiu a empresa, com o plano de a converter para a construção de motores elétricos. Agora desde fevereiro passado a empresa está em liquidação, com um liquidante substituindo outro e o Coletivo de Fábrica pede uma comissão parlamentar no Gkn e que sejam pagos salários que não veem há 6 meses. Enquanto isso, depois de um ano e meio de "controle permanente, luta, expectativas, esperanças traídas e mais de cinco meses de salários não pagos, não nos resta outra alternativa senão assumir a ex-fábrica de Gkn de forma cooperativa", escreve o trabalhadores. E “a fábrica deve sobreviver criando uma alternativa apenas com a força dos mais de 300 trabalhadores que foram despedidos a 9 de julho de 2021 e de todos os solidários que se juntaram a nós”. Daí o plano de reindustrializar a antiga GKN por baixo e fazê-lo de forma sustentável, através da produção de painéis fotovoltaicos, baterias e bicicletas de carga com reduzido impacto ecológico, com uma campanha de crowdfunding: “Não à deificação idólatra do Mercado – lê-se no panfleto divulgado pela igreja valdense da capital toscana -. Afirmamos que Jesus de Nazaré e não o mercado é o Senhor da história, por isso nos opomos ao poder excessivo das leis do mercado em cujo altar são imolados os direitos e a vida dos trabalhadores e suas famílias. Manifestamos assim o nosso firme desacordo com as práticas de relocalização que seguem o único critério da procura de maiores lucros sem qualquer consideração pelos interesses dos territórios. Afirmamos fortemente a convicção de que a mudança é certa, necessária e possível”. Aqui o apelo dos trabalhadores com todas as adesões. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=VrfSlTC0_iQ[/embed] Para saber mais: Insorgiamo.org “Novo Desafio de Gkn”, Itália jacobina23/03/2023 "O caso Gkn, os trabalhadores no parlamento", o poster. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Bouchard.  As condolências das igrejas pentecostais

Bouchard. As condolências das igrejas pentecostais

Roma (NEV), 29 de julho de 2020 - O presidente da Federação das Igrejas Pentecostais, pároco carmim napolitanoenviado ao pároco Luca Maria Negrocomo representante da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), uma mensagem de "proximidade fraterna e amiga" depois de saber da morte do pároco George Bouchard. No texto da carta, Napolitano recorda a "presença multifacetada no mundo evangélico (de Giorgio Bouchard) e as várias funções desempenhadas ao mais alto nível, incluindo as de gestão (que) muitas vezes o colocam em contacto com o mundo pentecostal para o qual, ao longo tempo, ele teve uma abertura significativa ao encorajar colaborações operacionais com o mundo reformado". “Com ele desaparece um protagonista da vida evangélica de nosso país entre os mais comprometidos em termos de diálogo social e político – escreveu Napolitano – certamente deixando um vazio, mas também um exemplo que o consigna à história com emoção e afeto”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.