“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

Pastora Sara Heinrich, consagrada no domingo 21 de agosto de 2022

Torre Pellice (Turim), 22 de agosto de 2022 – sara heinrich ontem, 22 de agosto, ela foi consagrada pastora durante a cerimônia de abertura da Assembleia do Sínodo das igrejas Batista, Metodista e Valdense.

Neste vídeo uma entrevista para saber mais sobre o novo pastor, feita por Simona Menghini e publicado pela igreja valdense.org:

Abaixo está a apresentação escrita pelo novo pastor para o semanário Reforma último dia 29 de julho:

Meu nome é Sara Heinrich, sou casada e mãe de dois filhos. Desde 2019 acompanho o curso de formação para o pastorado na União das Igrejas Valdenses e Metodistas na Itália. No entanto, o desejo de ser pastor nasceu muitos anos antes e deriva do contexto de fé, mas também do contexto histórico em que cresci: as igrejas evangélicas na Alemanha na transição dos anos oitenta para os anos noventa, mais especificamente o cidade de Gelsenkirchen, a mais pobre da Alemanha Ocidental. Minha igreja local faz parte da United Church of Westphalia e está localizada em um bairro de mineração de carvão antigo, de baixa escolaridade, multicultural e multirreligioso.

A vida comunitária, na qual a fé tinha relevância direta para a vida cotidiana, me moldou. Conheci a igreja local como um lugar de culto, um lugar de discussão e debate, um ponto de referência para o bairro e um refúgio, mas também um lugar de educação e resistência com todas as alegrias e problemas que isso trazia. Sendo o segundo de três filhos do pastor, cresci literalmente no meio da comunidade, certamente um dos motivos pelos quais já havia manifestado o desejo de ser pastor desde cedo.

Outro elemento também foi decisivo para a minha fé, nomeadamente o protestantismo alemão depois do nacional-socialismo. Cresci como filha de uma geração de herdeiros de culpas esmagadoras, convencida de que a única salvação pode vir de Deus que salva o mundo por amor e que a única maneira de viver é seguir Seu filho e tornar-se construtores de Sua paz. Também por isso a minha fé é de alguma forma uma fé sem reservas, nunca a percebi como uma escolha mas como uma tarefa, não como um privilégio mas como uma responsabilidade, não como segurança privada mas como um convite a envolver-me no destino da criação . Ao me matricular no curso de graduação em Teologia Protestante, descobri um mundo novo. Pode-se dizer que “mergulhei” na alegria de descobrir novos contextos acadêmicos e eclesiásticos, e assim minha carreira universitária me levou a Bonn, Betel (Bielefeld), Roma e Heidelberg, onde pude ficar após a graduação como pesquisador e professor da cadeira de Estudos Religiosos e Teologia Intercultural.

Tive meu primeiro contato com o protestantismo italiano durante meu ano no exterior na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, que escolhi porque estava curioso sobre a história desta pequena (pré-) igreja reformada, mas também a perspectiva minoritária: como isso afeta o vida das comunidades, a organização da Igreja e também a identidade protestante, sem imaginar ainda que significado teria para a minha biografia e para a minha vocação. Quando escolhemos a Itália como centro de nossa vida familiar em 2015, tornei-me membro da igreja valdense em Livorno, onde também celebramos a bênção de nosso casamento e o batismo de nosso filho. Para acolher a “vocação externa” precisei me distanciar do contexto em que cresci. Durante o meu período de experiência fui acompanhado – pontual e continuamente – por irmãs e irmãos que depositaram a sua confiança na minha vocação, sou profundamente grato a cada um deles. E é com gratidão que gostaria de viver o ministério, colocando meus dons a serviço de Deus, formando junto com minhas irmãs e irmãos o corpo visível de Cristo para testemunhar nossa fé aqui e agora.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Foto: Amber – Unsplash Roma (NEV) 30 de agosto de 2022 - Após a introdução sobre "Água, seca e arredores" assinada por Maria Elena Lacquaniticoordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), continua o ciclo de insights sobre esse recurso fundamental para a existência. A nova contribuição do GLAM intitula-se "Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade" e é editada por Antonella Visintin. No documento, a partir de alguns dados sobre a precipitação, sobre o aumento das temperaturas e sobre os fenómenos de seca em Itália, são recolhidas algumas propostas operacionais. Eles dizem respeito não apenas aos campos agrícola e industrial, mas também aos domésticos e pessoais. Além da crise da água Uma das palavras de ordem do GLAM é "consciência". Falar sobre a crise hídrica pode ser uma das formas de conscientizar as pessoas, contra o desperdício e pelo consumo responsável de água, alimentos e recursos em geral. “A crise hídrica ocorreu num contexto económico extremamente crítico, com empresas já experimentadas pelos fortes aumentos dos custos de produção decorrentes do conflito na Ucrânia, mas não só: energia, fertilizantes, rações, gasóleo, sementes, produtos fitofarmacêuticos” lê-se no documento. Um ponto delicado é o que diz respeito à gestão da água: quase um bilhão de metros cúbicos de água escapam todos os anos devido a vazamentos no abastecimento de água público e privado. Além disso, poderia melhorar o armazenamento da água da chuva, promover o uso racional nos setores agrícola e industrial, conscientizar a população sobre o uso responsável da água “como um bem comum a ser preservado para as gerações futuras”. Um ponto de partida, diz GLAM, “poderia ser o plano de adaptação climática desenvolvido em 2018 pelo então Ministro do Ambiente Gianluca Galletti (nunca aprovado), que enumerava as emergências dos territórios, os riscos repartidos por macrorregiões, as infraestruturas a construir, os tempos e o compromisso financeiro”. O documento faz parte de uma série de reflexões editadas pelo GLAM por ocasião do "Tempo da Criação", período litúrgico ecumênico mundial que começa todos os anos em 1º de setembro e termina em 4 de outubro, e que deu seus primeiros passos com a União Europeia Assembléia Ecumênica em Graz (Áustria) em 1997. Baixe aqui: Água e arredores – INTRODUÇÃO Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade ...

Ler artigo
Conferência das Igrejas Europeias (KEK): que visão da Europa?

Conferência das Igrejas Europeias (KEK): que visão da Europa?

Roma (NEV), 14 de outubro de 2019 - A Conferência das Igrejas Europeias (KEK) estará envolvida em duas reuniões importantes esta semana. A primeira, a ser realizada em Bruxelas (Bélgica) no dia 15 de outubro no Capela para a Europa (Capela para a Europa, espaço intercultural e ecumênico), acontece em colaboração com a Comissão das Conferências Episcopais da Europa (COMECE) e terá direito. “Europa: desafios pós-eleitorais”. A intenção é fazer um balanço, após as eleições europeias de maio, sobre a visão da Europa. Os participantes contribuirão para a reflexão sobre política e sociedade, para inspirar maior participação da sociedade civil. palestrantes o pastor Peter PavlovicSecretário para os Assuntos Europeus da CEC, Genevieve Ponsdiretor de Instituto Jacques Delors E Manuel Barrios, Secretário Geral da COMECE; moderado Franziska Broich, correspondente na UE da agência noticiosa católica KNA. Encontro na Rue Van Maerlant, 10-12h às 19h. Foto retirada do site do KEK O segundo encontro, intitulado "A alternativa ao populismo do ponto de vista dos direitos humanos", será realizado em Málaga, Espanha, de 17 a 19 de outubro de 2019 no Centro Ecumênico Los Rubios, em colaboração com a Igreja Evangélica Espanhola. A conferência destacará o Artigo 20(2) do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos de 1966: “Qualquer defesa do ódio nacional, racial ou religioso que constitua incitação à discriminação, hostilidade ou violência será proibida por lei”. Partindo de uma preocupação comum pela estigmatização das minorias religiosas e étnicas, migrantes, refugiados e outros grupos vulneráveis, as Igrejas europeias pretendem aprofundar as experiências locais e nacionais, a fim de elaborar um guia para uso das comunidades aderentes, com particular atenção à democracia e ao estado de direito. Entre outros, o pároco intervirá Luca Barattoresponsável pelo ecumenismo e secretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O CEC é um órgão que reúne 114 igrejas de tradição ortodoxa, protestante e anglicana na Europa. ...

Ler artigo
XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

Detalhe do cartaz do encontro para o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão em Parma Roma (NEV), 11 de janeiro de 2023 – No dia 17 de janeiro de 2023 será celebrado o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão. Por volta desta data, várias nomeações em toda a Itália envolvem as comunidades católica, protestante e judaica. Entre eles, destacamos três: o episódio especial de quinta-feira, 12 de janeiro, na Teleradiopace e na Teleliguria Sud, com a participação do pároco Ilenya Goss. A mesa redonda de domingo, 15 de janeiro, em Roma, organizada pela Christian Jewish Alliance e pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) com, entre outros, o pároco Eric Noffke. O encontro com Felipe Alma da Faculdade Teológica Adventista de Florença, terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, organizada pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Parma juntamente com a Comunidade Judaica de Parma. O tema desta edição é "Conforte, console o meu povo” (Isaías 40:1-11). O Dia do Diálogo Judaico-Cristão, entre outras coisas, acontece justamente na véspera da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que representa um importante momento ecumênico e inter-religioso. Pedimos ao Pastor Goss um comentário sobre esta jornada, agora em sua 34ª edição. “Fazer um balanço do diálogo judaico-cristão neste dia significa falar para um público mais amplo do que o especializado: muitos aspectos do diálogo inter-religioso adquirido hoje entre os 'insiders' não são tão comuns. Estou pensando na continuidade entre o mundo judaico e os Evangelhos, bem reconhecida hoje entre os estudiosos, mas também na história de sombras e conflitos que caracterizou a relação entre judeus e cristãos ao longo dos séculos”, diz Goss. Tudo passa pela superação do clima geral de preconceito que caracterizou o passado. "Precisamos de uma releitura de nossas tradições animada pelo desejo de conhecimento mútuo - continua o pároco - partindo do estudo da Escritura a duas vozes, até um compromisso ético e social comum, com respeito às diferenças e identidades, mas também em um espírito sinceramente cooperativo. Sobre a história do diálogo judaico-cristão, em 2015, Ilenya Goss falou com o ensaio "A raiz e a seiva da oliveira" ("A caminho de um novo ecumenismo", anais da 52ª Sessão de Formação Ecumênica, SAE, ISE "San Bernardino” Veneza). Começa com uma citação de Karl Barth: "Em última análise, há apenas um grande problema ecumênico: o de nosso relacionamento com o povo judeu". Foto Achim Ruhnau – Unsplash Em seu ensaio, Goss reconstitui algumas viradas históricas fundamentais, desde o trabalho realizado no âmbito protestante desde o pós-guerra, até o realizado no âmbito católico com o Concílio Vaticano II. A intenção era deixar de lado a “teologia da substituição” de Israel que, em sua exegese, havia tentado entender o “povo eleito” como “a Igreja”. O alinhamento sobre isso vem depois de uma série de documentos, desde o de 1948 em Darmstadt até o do Sínodo de Berlim de 1950, onde está escrito: "Cremos que a promessa de Deus ao povo de Israel que ele elegeu ainda é válida, mesmo depois da crucificação de Jesus Cristo”. Na Itália, o Sínodo Valdense também se manifestou sobre o assunto em 1982. A esse respeito, Goss aponta: "A imagem de dois grandes galhos em um único tronco parece-me eficaz para descrever o judaísmo rabínico e o cristianismo". Uma metáfora botânica que, conclui a pastora, “embora reelaborada, devemos ao apóstolo Paulo que, na carta aos Romanos, fala de enxertos, oliveiras e oliveiras bravas para descrever as relações entre os cristãos do judaísmo e do paganismo. Após a queda do Templo em 70 dC, o judaísmo encontrará seu caminho e, da mesma forma, o cristianismo encontrará sua identidade distinta”. Para saber mais Leia o ensaio de Ilenya Goss “A raiz e a seiva da oliveira” (do volume “A caminho de um novo ecumenismo”, atas da 52ª Sessão de formação ecumênica, SAE, ISE “San Bernardino” Veneza). Cortesia do autor e editora. Há um mês terminaram as conversações judaico-cristãs nacionais, das quais o pároco também participou Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e o mesmo Ilenya Goss. EVENTOS do Diálogo Cristão Judaico (seleção) Uma análise aprofundada promovida pelas dioceses da Ligúria será transmitida na quinta-feira, 12 de janeiro, no Telepace. Artigo do SIR A partir das 21h00, transmissão televisiva em directo pela Maurício Garreffa e don Gabriel Maria Corinieles vão intervir José Momiglianorabino chefe da comunidade judaica de Gênova, e outros. No domingo, 15 de janeiro, em Roma, por ocasião do XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão, a Aliança Judaico-Cristã e a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) da capital organizam a mesa redonda sobre o tema "Conforte, console Meu povo, Isaías 40:1-11“. eles intervêm Ariel Di Porto, Eric Noffke e Lilia Sebastião. Saudações de Guido Coen E Pinheiro Pulcinelli. eles moderam Roberta Ascarelli E Stephen Ercoli. Às 16h30, presencialmente, na casa de hóspedes do mosteiro das monjas camaldulenses, via Clivio dei Publicii 2. O encontro será transmitido em directo no canal YouTube da SAE. Terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, reunido com Felipe Alma (Faculdade Teológica Adventista de Florença). Eles organizam o Conselho das Igrejas Cristãs de Parma, a Comunidade Judaica de Parma. Membros: Grupo Sae de Parma, Associação de Viajantes. Às 20h30, nas Missões Estrangeiras, viale S. Martino 8 Parma. Baixe o Cartaz Diálogo Parma. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.