As próximas parcelas do protestantismo

As próximas parcelas do protestantismo

Roma (NEV), 29 de julho de 2021 – O protestantismo retorna em 9 de agosto. Após o intervalo vinculado às Olimpíadas, os próximos episódios serão transmitidos na segunda-feira, 9 e segunda-feira, 16 de agosto, às 7h50, no RAIDUE. A programação normal – com a primeira emissão ao domingo de manhã e as duas reprises à noite, entre terça e quarta-feira, e no domingo seguinte – será retomada a partir de 22 de agosto.

Assim, recomeçamos com a reportagem “Outro caminho”, de Chloé Henry-Biabaud E Isabelle Vayron de La Moureyreque será transmitido na segunda-feira, 9 de agosto, às 7h50.

Acusado do duplo homicídio da ex-namorada e do filho dela, Leonard é condenado à prisão perpétua. Agnes é mãe e avó das vítimas. Os dois, separados por dezenas de quilômetros e sem nunca se encontrarem, se escrevem há 11 anos. Da correspondência surge uma profunda amizade feita de perdão e fé em Deus… Os dois começam a praticar e tentar difundir a justiça restaurativa, na qual as vítimas e os perpetradores tentam juntos superar seus traumas.

Segunda-feira, 16 de agosto, às 7h50, será a vez de “Amazzonia Calling” por Nadia Angelucci:

“Existe uma terra maravilhosa e em certo sentido mítica – lê-se no texto de apresentação do episódio -, cujo ambiente natural e humano está em risco: a Amazônia. Na selva equatoriana, a exploração de petróleo, o esgotamento dos territórios e o descaso com as populações ancestrais colocaram em risco o ecossistema e a própria sobrevivência dos povos indígenas. Mas mesmo em condições tão difíceis há quem resista e tente salvaguardar este território tão vital para a sobrevivência do planeta”.

Por fim, “Acreditar e resistir” é o título do conto de Matthieu Salmeron E Theo Lombardoque estará disponível em 22 de agosto por volta das 8 da manhã.

Em Riesi, na Sicília, há muitos anos o Serviço Cristão escreve uma história de resistência contra a máfia. Era 1961 quando Tullio Vinay criou esta obra diaconal da Igreja Valdense na Itália. O objetivo era dar testemunho da Boa Nova e dar novas energias aos jovens, muitas vezes atraídos pelo submundo. Hoje, mais de 60 anos após a sua criação, o Serviço Cristão tornou-se um lugar central na vida de Riesi.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

metodistas e valdenses.  Colabore pela saúde, justiça e sustentabilidade

metodistas e valdenses. Colabore pela saúde, justiça e sustentabilidade

Torre Pellice (To) (SSSMV/10), 30 de agosto de 2020 – Os eventos da semana “Gerações e Regeneração. Cuidar de pessoas, memórias e territórios”. Uma rica revisão realizada nos vales valdenses, na província de Turim, nos dias habitualmente dedicados ao Sínodo das igrejas metodistas e valdenses, adiado este ano devido ao coronavírus. Em suas saudações finais, o moderador da Mesa Valdense, diácono Alessandra Trottaagradeceu a todas as pessoas que participaram e colaboraram na semana. “Foi uma semana intensa e espero que todos tenhamos tirado dela alento para continuarmos a travar 'boas lutas' – disse Alessandra Trotta na sua intervenção, na qual sublinhou a interligação entre todos os seres humanos -. Uma das questões mais relevantes hoje é a contabilização do dinheiro que os cidadãos nos confiam por meio do Otto per mille”. Este ano a Mesa não pôde fazê-lo diante do Sínodo, que foi adiado para o próximo ano. Mas esta semana o #senzasinodo e o encontro de hoje em particular, explicou o moderador, é uma forma de “retribuir às igrejas e aos cidadãos o que estamos fazendo. Podemos dizer oficialmente que analisámos todos os pedidos e atribuímos regularmente as verbas, cuja distribuição será, como sempre, tornada pública através do site, cerca de metade Setembro". Em 2020 os recursos ascenderam a quase 43 milhões de euros “pelos quais voltamos a agradecer”, disse Trotta. é sobre o 3,2% das escolhas dos italianos. Quanto aos pedidos de financiamento de projetos apresentados através da plataforma online, já chegaram 4671, mais uns bons 500 do que no ano anterior, apesar de o número de candidaturas que cada promotor podia apresentar ter sido fixado no máximo de 2 projetos. 3.000 dessas solicitações passaram pela fase preliminar formal e foram financiadas 1243 projetos, dos quais 452 no estrangeiro e 791 em Itália, em todas as áreas de intervenção. Com relação aos setores que foram particularmente financiados, continuou o moderador, o mO maior número de projetos apoiados diz respeito ao mmelhoria das condições de vida das pessoas com deficiência física e mental, acompanhar projetos de crianças e adolescentes, projetos culturais e de saúde e por último, em termos percentuais, os relativos ao acolhimento e inclusão de refugiados e migrantes. "Precisamente em um ano tão particular - concluiu o moderador - decidimos manter em alta a atenção à normalidade, mantendo a variedade de destinações dos projetos, para promover o desenvolvimento na direção de uma maior justiça social, da proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e participação democrática". Durante a semana "#senzasinodo", numerosos convidados, especialistas e testemunhas falaram sobre os temas de administração territorial, justiça social, direitos das mulheres, direitos dos trabalhadores agrícolas e depois novamente sobre pregação, pastoral e diaconia, sobre o direito à moradia , sobre a infância, sobre informações em tempos de covid e sobre como a pandemia está afetando a vida das pessoas e comunidades. Para saber mais sobre o conteúdo e rever as intervenções propostas pelas igrejas metodista e valdense, as gravações e reportagens de todos os dias estão disponíveis no youtube ou na rádio Beckwith. Surge um quadro em que é fundamental colaborar com as instituições, igrejas e comunidades para a saúde, a justiça e a sustentabilidade na base da interligação e da cooperação. Portanto, esta é a agenda para os próximos meses. Entre os protagonistas destes dias, o presidente do Parlamento Europeu David Sassolivice-presidente da região da Emilia Romagna Elly Schleinos prefeitos dos vales, o sociólogo Maurizio Ambrosinio jornalista Sara Maniseraativista social e sindical Aboubakar Soumahoro, Dora Bognandi para a Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) e Gabriella Rusticipresidente da Federação de Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas (FFEVM), Donatella Baruspara a Fundação Umberto Veronesi, Sabrina Gianninijornalista investigativo da RAI3, Diretor Geral da ASL To3 Flávio Boraso e muitos outros. Momentos artísticos não faltaram, incluindo o show da cantora e atriz Christian Voglino e o concerto de Fabíola Alemão com música de Johann Sebastian Bach para violino solo. Todos os insights desta semana estão disponíveis nesta página. FACTSHEET Igrejas metodistas e valdenses na Itália Parceiros de mídia: www.rbe.it – www.riforma.it Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.it – Twitter: @nev_it – FB: @AgenziaNEV – [email protected] (NEVCS/35) ...

Ler artigo
Liberdade, esperança, mística, resistência.  Mulheres Evangélicas no Congresso

Liberdade, esperança, mística, resistência. Mulheres Evangélicas no Congresso

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022 Roma (NEV), 10 de março de 2023 – Hoje é o último dia para se inscrever no XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que será realizado em Florença de 24 a 26 de março próximo. Precedido pelo Congresso de Federação Evangélica Feminina Valdense e Metodista (FFEVM), a nomeação também prevê a renovação da Comissão e da Presidência, cargo ocupado atualmente pela pastora batista Gabriela Lio. As mulheres valdenses e metodistas (que também votarão no novo Conselho) se reunirão a partir de quinta-feira, 23 de março, enquanto o congresso da FDEI será aberto com um evento público na sexta-feira, 24 de março, às 17h, na igreja valdense de v. Micheli 26: mesa redonda intitulada "Sou vítima de feminicídio: quando o silêncio é cúmplice do crime". moderado por Cláudio Coppini da Rádio RVS, contará com a presença Paula Alberti, abençoado albanês, Elena Bargagli, Deborah Giombarresi, Annalisa Gordigliani. Os trabalhos efetivos do congresso da FDEI começarão no sábado, 25 de março, às 8h30, com adoração. Sábado, 25 de março, às 18h, no grande salão do Gould Institute, na via de' Serragli, 49, outra mesa redonda em memória do teólogo Dorothee Solle, no vigésimo aniversário de seu desaparecimento. Título desta consulta, "Mística e Resistência: o pacifismo de Dorothee Sölle como uma opção de vida resistente". Com Alice Bianchi, Fabrício Bosina, Letizia Tomassone. Moderado Elena Ribetrepórter da agência de notícias Nev. Domingo, 26 de março, a eleição do novo Comitê Nacional, os atos finais e o culto final, agendados para 12. Os versos que acompanharão os dois congressos são, respectivamente, "Onde está o Espírito de Deus, aí há liberdade” (II Coríntios 3,17) para a FDEI. E "A experiência produz esperança" (Romanos 5, 4) para a FFEVM. A presidente cessante Gabriela Lio, entrevistada por Gianna Urizio no FDEI/Reform News, declarou: “Acreditamos que alguns temas e compromissos devem continuar e se fortalecer, como o da violência de gênero e meio ambiente. Além disso, certamente é importante trabalhar para fortalecer a rede nacional e construir uma relação mais forte entre mulheres nativas e mulheres migrantes. Não devemos perder nada do que construímos ao longo de muitos anos de testemunho, pelo contrário, devemos continuar nossa formação teológica, o programa de rádio 'Donne in Rete' na Radio Voce della Speranza, nossos boletins de notícias, o livrinho '16 dias contra a violência ' também em diferentes idiomas para aumentar a conscientização não apenas em nossas igrejas, sobre a violência de gênero. Por fim, acredito que a FDEI deve reconstruir as relações com as mulheres protestantes na Europa e no mundo e começar a refletir sobre a justiça de gênero para garantir a plena igualdade de todas as pessoas LGBT+, trabalhando sobretudo no nível teológico e cultural, promovendo o respeito e o diálogo entre diferentes tradições teológicas. Só assim pode ocorrer uma mudança cultural, desfazendo estereótipos e preconceitos e talvez até medos”. Mais informações: [email protected][email protected] "bolsas de residência" para cobrir todos ou parte dos custos. ...

Ler artigo
Comprimidos de Karlsruhe

Comprimidos de Karlsruhe

Foto de Marcelo Schneider Karlsruhe (NEV), 1º de setembro de 2022 – Uma espécie de Fórum Social Mundial*, das igrejas, mas não só. Esta pode ser a primeira impressão, para iniciantes, ça va sans dire, andando esses dias em Karlsruhe, Alemanha, a meio caminho entre Estrasburgo e Stuttgart. Milhares de pessoas de todo o mundo, crentes e leigos, reuniram-se na 11ª Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas. Uma vitrine para ONGs, associações, sociedade civil e realidades engajadas em várias capacidades de justiça social, direitos das pessoas, meio ambiente... Mas também um caldeirão de personalidades e pessoas, nacionalidades e povos, papéis e línguas faladas. Aqui está uma primeira – e obviamente muito parcial – visão geral. Karlsruhe, cidade da lei (e descanso…) “Karlsruhe – ele explica Dorothee Mack, um pastor protestante que depois de anos de serviço pastoral na Igreja Valdense e Metodista de Milão mudou-se para a cidade de Baden-Württemberg - literalmente significa "descanso de Charles". Porque foi fundada após o descanso de um marquês, Carlo Guglielmo, que depois de um passeio a cavalo nesta zona, sonhou com um castelo. Desse sonho surgiu o desejo de ter um castelo como o de Luís XIV em Versalhes: assim nasceu Karlsruhe, em 1715. Primeiro com a construção do castelo na sua forma atual e depois com todas as estradas que partem daqui, em forma de leque ". Hoje a cidade é reconhecida como a capital do direito, como sede do Tribunal Constitucional alemão. Pela paz entre as duas Coreias Cem milhões de assinaturas pela reconciliação e paz entre as duas Coreias. O Conselho Nacional de Igrejas da Coréia ( também está presente com um estande de informações e alguns voluntários que promovem uma petição e uma coleta de assinaturas para uma solução e uma evolução pacífica das relações entre Pyongyang e Seul. De fato, no próximo ano marcará o septuagésimo aniversário do armistício de paz que pôs fim à guerra da Coreia de 27 de julho de 1953. O objetivo, como mencionado, é recolher cem milhões de assinaturas "contra a guerra" entre as duas Coreias até 2023, "para uma transição da para a paz" e a criação de uma península coreana e de um mundo "livre de armas nucleares". A campanha tem como título Fim da guerra da Coréiapara mais informações: en.endthekoreanwar.net. Por uma Índia sem castas (e pela interseccionalidade das lutas) O pastor Chandran Paul Martin vem da Índia e trabalha para a Igreja Evangélica Luterana na América. O estande onde o encontramos se chama “casta expulsa” (jogo de palavras que significa “expulsar a casta” mas também “marginalizado”, ed). Ele se refere a um sistema, o de castas na Índia, “totalmente opressor, social, econômico, mais antigo que todas as religiões. As castas dividem as pessoas em categorias e hierarquias e nós – os párias – não pertencemos a nenhuma delas. Lutamos por justiça até dentro das igrejas porque não podemos seguir a Cristo e praticar castas; você não pode ser cristão e apoiar o racismo. Não podemos apoiar o patriarcado, não podemos apoiar nenhuma forma de sexismo. O corpo de Cristo é um corpo que fala de inclusão. Pedimos ao CMI e a todo o movimento ecumênico que olhem para a interseccionalidade da justiça”. Eles pedem um compromisso mais forte das igrejas, contra todas as formas de racismo. E ao Conselho Mundial de Igrejas, em particular, para "incluir o problema das castas" em seu programa e agenda, com referência e citação em declaração pública entre as emitidas pelo CMI. Para mulheres afrodescendentes em todo o mundo a pastora Barbarann ​​​​Brelnd Paween dos Estados Unidos é representante da rede ecumênica de empoderamento Pan-Africano das Mulheres de Fé, que promove o workshop intitulado "Justiça, paz, amor & Ubuntu". Sobre o que é isso? “Trabalhamos para a organização e ofortalecimento de mulheres afrodescendentes e africanas em todo o mundo. Queremos educar todas as mulheres e nossos filhos, e nossas comunidades, de todos os continentes. Queremos mudar a narrativa sobre o papel da mulher afrodescendente na sociedade e na história." O seminário realiza-se no dia 6 de setembro a partir das 17 e pode inscrever-se em Ainda sobre questões de gênero, inúmeras atividades foram dedicadas ao #ThursdaysInBlack, a campanha global por um mundo sem estupro e violência. E ainda, sobre mulheres e feminismos, um banquete entre os presentes no Brunnen (espaços onde decorrem atividades culturais, espetáculos e espectáculos), pertence à Associação Internacional de Mulheres Pastoras, que “promove, encoraja e celebra a mulher no ministério cristão”, ou seja, a ordenação de mulheres. Da Espanha a pastora Marta López Ballalta é delegada da Igreja Evangélica Espanhola. Para Ballalta, a Assembleia do CMI "é um espaço que abre os olhos para as situações em muitas partes do mundo, para a complexidade e amplitude do que acontece longe de nós, uma oportunidade para conhecer diferentes formas de pensar, mesmo aquelas que não estão em harmonia com as nossas, mas que conduzem a um diálogo muito interessante. Espero que seja uma oportunidade de abrir portas e contactos, de poder partilhar diferentes realidades”. Quanto aos desafios das igrejas na Espanha, “a laicidade: defendemos uma sociedade laica na qual a igreja é uma opção. Mas há um laicismo incompreendido pela sociedade, que tende a esconder a religião, o fato de haver um comprometimento da fé em muitos âmbitos. Sobre as migrações, sejam elas climáticas ou causadas por guerras, devemos ser como igrejas capazes de nos comprometermos com todos – para todos. O mundo é complexo, existem muitas religiões e crenças, devemos saber nos comprometer com essa complexidade, respeitando as peculiaridades de cada um”. Em relação aos direitos LGBTQI+, “são desafios importantes para nossas comunidades e igrejas. Pelo menos na Espanha é uma questão crucial, mas sobre a qual as igrejas ainda não fizeram o suficiente”. Grupos de trabalho ecumênicos Também se iniciaram os trabalhos de vários grupos temáticos, dos quais participam também membros da delegação italiana presente em Karlsruhe. “Hoje apresentei o resultado do grupo de trabalho conjunto entre a Igreja Católica e o Conselho Ecumênico de Igrejas – explica o pároco valdense Michael Charbonnier – , um grupo de cerca de vinte pessoas que, entre uma assembleia e outra, prosseguem uma reflexão comum entre estas duas entidades. É um grupo de trabalho consultivo, portanto não decisório, mas que orienta o trabalho e a discussão sobre temas considerados de importância comum, produzindo documentos para estes dois órgãos, que os auxiliam no seu posterior compromisso. Por exemplo, nos últimos sete anos, o grupo trabalhou em dois importantes documentos teológicos, um sobre a construção da paz, outro sobre o tema das migrações e o acolhimento dos migrantes nas igrejas. Ambos provaram ser extremamente atuais”. Vozes da fronteira: a esperança do Mediterrâneo, as laranjas de Rosarno À tarde, entre as numerosas atividades à margem da assembléia, realizou-se um seminário sobre a experiência do Mediterranean Hope (MH), o programa para migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e, em particular, sobre as atividades no Piana di Gioia Tauro. O coordenador do projeto participou da oficina para MS, marta bernardini, Fiona Kendall e a operadora em Rosarno Ibrahim Diabate. No centro do encontro esteve a venda de laranjas da cadeia de abastecimento "Etika", promovida pelo MS em conjunto com a Sos Rosarno, com os testemunhos da Igreja da Escócia e da Igreja da Vestfália, que organizaram uma rede de distribuição de produtos cítricos que respeitem os direitos dos trabalhadores e dos trabalhadores ambientais. *ed. para os mais jovens, os Fóruns Sociais Mundiais são reuniões anuais nascidas do movimento antiglobalização (o chamado “no global”); a primeira aconteceu em Porto Alegre, em 2001. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.