Batistas italianos oram pelos afro-americanos nos EUA

Batistas italianos oram pelos afro-americanos nos EUA

Foto lottcarey.org

Roma (NEV), 3 de setembro de 2020 – Em carta dirigida ao pároco Gregory J Jackson e ao pastor Emmet L. Dunnrespectivamente presidente e secretário executivo da comunidade cristã missionária mundial “Lott Carey”, o presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) João Paulo Arquidiácono expressou profunda proximidade e solidariedade com as comunidades irmãs americanas pelo clima de violência e divisão que se alastrou nos Estados Unidos da América. “A trágica notícia de que membros da comunidade afro-americana foram vítimas inocentes da violência policial racista e da morte de Breonna Taylor, George Floyd E Ahmaud Arbery, nos deixaram chocados e horrorizados: a imagem que tínhamos de uma América como uma democracia madura e baluarte dos direitos civis desmoronou para dar lugar à imagem de um país dividido, dominado pelo ódio e pelo medo – escreve o arquidiácono –. Direitos civis conquistados com décadas de lutas pacíficas e não violentas sob a liderança do pastor Martin Luther KingDe Rosa Parques e do mesmo John Lewis parecem ecos distantes no tempo”.

O Presidente da UCEBI recorda na carta as colaborações de longa data com “Lott Carey”, desde a assinatura do pacto em 2005, “que nos trouxe grandes dons e riquezas espirituais, não menos importante a relação e parceria com a Convenção Baptista do Zimbabué” , uma parceria ainda viva e vital hoje com projetos como ‘Uma vida, um presente’, um programa de patrocínio para crianças órfãs ou apoio financeiro para o hospital batista na remota região de Sanyati.

“Lott Carey” também foi fundamental na organização da Conferência e Prêmio Martin Luther King de 2008 em Roma e no apoio a programas de liderança para igrejas de imigrantes africanos na Itália afiliadas à UCEBI.

“Lamentamos e sofremos pela injustiça e violência a que ainda hoje é submetido o povo afro-americano nos Estados Unidos – lê-se na conclusão da carta – e entristece-nos a consciência de que o sonho de King ainda está longe de se realizar”. No entanto, também aqui na Itália e na Europa “os irmãos e irmãs estão perto de vocês em oração no amor de nosso comum Senhor Jesus Cristo”.

A Comunidade Missionária Cristã Mundial recebeu o nome do ministro e médico batista afro-americano Lote Cary (1780-1828). Um importante missionário, ele fundou uma comunidade na Libéria, na costa oeste da África, em 1820. Dois anos depois, ele fundou a primeira igreja batista lá, agora conhecida como Providence Baptist Church of Monrovia.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

França, separatismo, Clavairoly: “Reafirmar o papel dos cultos: a fraternidade”

França, separatismo, Clavairoly: “Reafirmar o papel dos cultos: a fraternidade”

Foto de Alexandre Lallemand, unsplash.com Roma (NEV), 22 de março de 2021 – A lei contra o fundamentalismo islâmico desejada pelo presidente Emmanuel Macron, na França chamado contra o "separatismo" religioso, preocupa e questiona todas as confissões religiosas. Nós conversamos sobre isso com François Clavairoly, presidente da Federação Protestante da França (FPF), a partir do polêmico projeto de lei que o Senado francês vai apreciar a partir do próximo dia 30 de março. O presidente dos protestantes, como havíamos explicado neste artigo, juntamente com Eric de Moulins-Beaufortpresidente da Conferência Episcopal Francesa, e ao Metropolita (Ortodoxo) Emmanuel Adamakisassinaram recentemente uma carta em que criticam alguns aspectos da nova legislação "pelo respeito dos princípios da República". Para os representantes cristãos, o texto corre o risco de penalizar todas as igrejas, associações e comunidades religiosas. Em primeiro lugar, você pode explicar a lógica desse projeto de lei? Sobre o que é isso? “Por vários anos, a inteligência tem relatado associações de obediência muçulmana onde os ensinamentos dados estão em contradição com os princípios republicanos. Por exemplo, há espaços onde o ensino de árabe para jovens de fé muçulmana questiona a democracia, a república e os princípios da educação nacional. Ou outros grupos onde a igualdade de gênero é explicitamente rejeitada. Por fim, há a desescolarização: ensinos que nem são regulamentados por lei que são ministrados clandestinamente, em casa, sem regulamentação. As crianças, menores, que sejam retiradas das escolas, incluindo as primárias, e recebam uma educação substitutiva da república.Aqui estão três exemplos concretos e documentados de ameaças diretas ao respeito pela república. São jovens, uma geração que será criada num clima de ódio à república, de ódio à democracia e à Europa – é um problema que não diz respeito apenas à França, claro. Portanto, é absolutamente necessário lutar contra esse "separatismo". Mesmo como protestantes, somos muito apegados à liberdade, à República e à lei e, portanto, muito vigilantes contra essas práticas fundamentalistas. Não questionemos, portanto, o princípio geral da lei, porque os perigos são reais. Mas nos perguntamos sobre o estado de espírito em que esta lei está sendo discutida e sobre um certo número de disposições diretamente relacionadas à vida dos cultos na França”. François Clavairoly (da página fb da Federação Protestante Francesa) À recente carta conjunta sobre Le Figaro O ministro do Interior, Gérald Darmanin, respondeu, dizendo que a lei "não ameaça a liberdade de religião de forma alguma". O que você acha? Você tem alcançado resultados com essa postura? “Se ele tivesse dito mais alguma coisa seria muito grave, como dizer... No entanto, o ministro não respondeu às perguntas que lhe fizemos. Vemos uma série de novos constrangimentos para a vida da associação cultual, dita "1905" (do ano em que foi instituída a separação entre Igreja e Estado, com o texto fundador da laicidade, ed.): a entrada em a autonomia interna dos cultos pela administração, um controle geral dos recursos vindos do exterior e sanções estendidas aos dirigentes das associações. Esses pontos nos questionam porque as associações religiosas são formadas principalmente por protestantes e judeus, portanto cidadãos, franceses ou estrangeiros não importa, que não são "separatistas" de forma alguma. Perguntei, portanto, ao presidente do Senado e ao presidente da Assembleia Nacional a razão deste testamento, considerando que as associações muçulmanas não fazem parte da 1905, classificam-se de acordo com a 1901, a "clássica" lei associativa. Disseram-me: "porque estamos à frente do tempo, os muçulmanos logo retornarão a 1905". Este projeto de lei tem, portanto, dois objetivos, o primeiro é lutar contra o fundamentalismo e estamos de pleno acordo. Mas o segundo objetivo é fazer com que os muçulmanos saiam da clássica lei de associação e caminhem para 1905. Portanto, queremos tornar o estatuto de 1905 atraente, interessante. em si. Não é por acaso, por exemplo, que a grande mesquita de Paris, a mais importante de todo o país, segundo declarou o seu reitor, já disse que não cairá sob o 1905”. Qual é o problema da transparência dos recursos vindos do exterior? “Não somos absolutamente contra a transparência dos fundos, pelo contrário. Já declaramos todos os valores que recebemos do exterior, a informação que rastreia o dinheiro é visível e ao alcance de todos, qualquer um pode verificar. Os próprios bancos podem alertar (com o sistema "tracfin") se houver movimentações anormais de dinheiro, enfim, o sistema de controle já existe. Portanto, essas verificações adicionais são inúteis. Sabemos da existência de fluxos do Catar, Kuwait, Turquia, para alguns grupos de 1901, e nos perguntamos qual é a sua natureza e destino, mas não é justo que para rastrear esses fundos sejamos obrigados a pagar um auditor ad hoc por seis anos. Uma despesa considerável, além disso, para nós, dinheiro que não poderemos usar para a vida da igreja senão para remunerar o auditor por esta contabilidade extraordinária. São muitas as pequenas coisas que se acumulam e que podem impedir o exercício sereno e proveitoso do culto”. O projeto, já aprovado na Câmara, será analisado pelo Senado a partir de 30 de março. Quais são suas expectativas? “Houve algumas mudanças desde a carta. Conseguimos duas coisas e meia das quatro questões que levantamos. Primeiro, a capacidade de administrar investimentos imobiliários, ou seja, propriedades pertencentes a uma igreja. Até agora, pela lei de 1905, as igrejas não tinham o direito de alugar seus espaços, por exemplo. Essa possibilidade foi introduzida no projeto de lei atual, estamos pedindo desde 2014, acho que vamos conseguir e, portanto, estamos satisfeitos nesse aspecto preciso. O segundo resultado é – ou pelo menos esperamos – a renovação tácita da declaração da associação cultural, enquanto antes ela tinha que ser renovada a cada 5 anos pela prefeitura. A adaptação às novas disposições do projeto de lei deve ser feita em um ano: mas é impossível para nós, precisamos de pelo menos dois anos para entrar em ordem, a partir da entrada em vigor. Espero que eles possam nos dar mais tempo.Abro um parêntese importante. Essas dificuldades estão muito relacionadas ao fato de que os deputados e senadores não conhecem a vida das igrejas, têm um modelo católico em mente, mas não conhecem nem um pouco o sistema protestante. É por desconhecimento ou desinteresse pela nossa forma de funcionar que propõem apenas um ano para fazer mudanças tão importantes.Por fim, há outro elemento de debate, que é o aumento da redução do imposto de 66% para 75%. Não fizemos essa afirmação diretamente - foi um pedido dos judeus -, mas há poucos dias eu disse ao representante do primeiro-ministro que poderia ser uma boa fórmula especialmente para os muçulmanos incentivá-los a praticar doações, à tradição, a essa hábito que já temos, de fazer oferendas”. Então, o que esse debate francês sobre o separatismo religioso ensina? Na sua opinião, qual pode ser a "lição" para a Itália e para os outros países? “Primeira lição: o que os sociólogos nos ensinam ocorre entre parlamentares, o fato religioso torna-se periférico, fenômeno cada vez menos conhecido ou reconhecido por quem legisla. A religião é percebida cada vez mais negativamente, o extremismo está crescendo e isso só reforça a desconfiança dos parlamentares em relação aos cultos.O mesmo pode acontecer na Itália: um país católico, mas, como nós na França, atravessado por esses fenômenos de secularização e distanciamento cultural entre os valores cristãos e os de uma sociedade pós-moderna que praticamente não precisa mais de religiões para construir o futuro e o lei. A segunda observação diz respeito às igrejas e religiões, como chegamos aqui? É preciso fazer uma autocrítica: é preciso reafirmar que as religiões são recursos de inteligência, compreensão e interpretação do mundo, de ação solidária, que lidam com os excluídos, os últimos, os migrantes. Cabe a nós reafirmar que as religiões e a fé cristã em particular contêm elementos positivos, são uma riqueza. Finalmente, terceiro e último “ensinamento”: devemos, com o Islã e não contra o Islã, reinventar uma sociedade na qual falemos uns com os outros, na qual a fé e a lei, “fides et ratio”, possam dialogar.Não podemos imaginar uma sociedade onde os cultos são primeiro humilhados e depois apagados. Isso pode criar ressentimento – vemos isso com o Islã, mas também com o catolicismo. Como a fé e a razão devem dialogar sem se humilhar? Judaísmo, Cristianismo e Islamismo juntos podemos contribuir para o futuro de uma sociedade ocidental sem perder nossa alma. Mas o que significa "culto"? Devemos nos lembrar disso: é a cultura de um espaço no qual o outro, o diferente, encontra seu lugar. Para os protestantes, o culto permite que todos se reúnam ao redor da mesa sagrada, todos equidistantes de Cristo.Uma sociedade que erradica o culto suprime esse gesto simbólico de aceitação incondicional do outro que é diferente de nós. Nesse ponto, restaria apenas o político, que se torna o valor que satura o espaço social. Muitos, Nazismo, Comunismo e outros, tentaram fazê-lo, para erradicar o culto, esquecendo-se que a fraternidade tem uma dimensão da qual não podemos fugir. Eis o papel das religiões: recordar a fraternidade como elemento essencial”. Por falar em hospitalidade e solidariedade, a Federação Protestante Francesa compartilha com a FCEI o compromisso dos corredores humanitários. Em que estágio está o projeto? “Somos muito gratos às igrejas valdenses, seguimos o seu modelo em todos os aspectos, construído pela Fcei com a Mesa Valdense e Santo Egídio. Na França terminamos a primeira fase, o primeiro protocolo e agora esperamos iniciar o segundo projeto, que será ainda mais ecumênico, e envolverá a Federação dos Protestantes, a Federação de Ajuda Protestante (Fédération de l'Entraide Protestante, A FEP, reúne 360 ​​associações e fundações envolvidas nos setores da saúde, social e assistencial, nota do editor), o Ministério do Interior e os católicos como apoio à hospitalidade”. Ultima questão. Como avalia o papel da Europa na crise do Covid19? “Todos os países sofreram este período como algo terrível, extraordinário, novo, todos fomos duramente atingidos pela pandemia, mesmo os estados que dizem ter gerido bem ou melhor esta emergência. A pandemia testou a todos nós. A Europa, apesar das críticas, conseguiu muito rápido, de forma extraordinária, adquirir a vacina. Não estou a entrar numa reflexão que opõe uns aos outros, houve e há uma vontade europeia comum de tornar as vacinas acessíveis a todos, espero que as escolhas feitas - em França por exemplo começámos a vacinar grupos mais vulneráveis ​​- sejam sempre ser ético e coerente”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Migrantes e religiões, primeiro dia da conferência ecumênica

Migrantes e religiões, primeiro dia da conferência ecumênica

Roma (NEV), 19 de novembro - A fé dos migrantes, além dos estereótipos e das notícias falsas. Foi o que se discutiu ontem, segunda-feira, 18 de novembro, na sessão de abertura da conferência ecumênica promovida pelo Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI), dedicado este ano justamente ao tema do entrelaçamento das religiões e dos fenômenos migratórios. monsenhor Stefano Russosecretário-geral da Conferência Episcopal Italiana (CEI) motivou a decisão de dirigir um olhar ecumênico aos imigrantes, como "uma questão muito atual: é preciso sair da forma demagógica de abordar essas questões, ir ao coração das pessoas , de famílias , que fazem percursos de vida e que chegam a esta península no coração do Mediterrâneo e que, infelizmente, muitas vezes são representadas e vivem como “descartadas pela sociedade”. E o Mediterrâneo é de alguma forma o fio condutor do debate posterior, que abriu os trabalhos do congresso, apresentado por Monsenhor Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CEI, que contou com a presença de Andrew Riccardifundador da comunidade de S.Egidio e Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope, o programa para migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália. “As migrações nos mudam – começou Riccardi -, terras que antes eram homogêneas se descobrem misturadas. O impacto da mudança às vezes leva ao pânico, parece "o fim do mundo": é assim que é representado e evocado por alguns. O “medo da história” alastra-se e a reação é “fechar a porta”, uma reação instintiva mas verdadeiramente inadequada para uma sociedade que ambiciona ter futuro. Nossa sociedade é esquecida, confunde emoção com realidade. Olhando para a história, nem sempre a homogeneidade foi característica dos países europeus”. Assim, as migrações como motor e fator chave do mundo globalizado. Prof. A.Riccardi @santegidionews: “as escolhas de uma parte do povo contradizem não só os discursos do Papa, mas também uma visão cristã do outro. Precisamos dialogar com o medo das pessoas. A questão é: podemos fazer isso?” #migrantes E #religiõesconferência ecumênica @nev_it pic.twitter.com/7V6oeBEePE — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 18 de novembro de 2019 “O imigrante – continuou o fundador de Sant'Egidio – é uma figura do mundo distante e global que se instala à sua porta. Mas essa angústia, esse medo merecem proteção e defesa. Italianos, europeus, sentem que precisam de alguma forma reinventar suas identidades. A questão, porém, é que o drama italiano não são os migrantes, o drama não é a invasão', o drama italiano é a fuga de muitos jovens forçados a emigrar, a perda da atratividade da Itália e o medo dos outros, portanto, o resultado de um processo de introversão”. Que papel tem a Igreja, neste caso a Igreja Católica, neste quadro? “Ele tem o dever de proteger os perdidos. Antes do Papa Francisco, outros papas também lembraram o dever de hospitalidade, mas nossa cultura é emocional e sem memória. Portanto, é necessário dialogar com o medo do povo. A pergunta é: podemos fazer isso? Acho que devemos olhar para a escolha soberana de muitos cristãos, porque ainda não a analisamos. Muitas vezes nos vemos acima dos partidos, mas não é uma questão política, é uma questão pastoral: as escolhas de uma parte do povo contradizem não apenas os discursos do Papa, mas uma visão cristã do outro. Não é incoerência, é uma verdadeira crise cultural e por isso surge uma grande responsabilidade para a Igreja: comunicar a esperança. Em essência, os migrantes pressionam por uma renovação pastoral séria e abrangente e não por uma pastoral dos migrantes. Nós somos o problema, o problema são as pessoas comuns: é necessário uma igreja que sabe fazer germinar uma visão de futuro em sinal de esperança para esses italianos pessimistas e revoltados. Os migrantes nos chamam a uma solidariedade ecumênica para superar o medo”. E o ecumênico – “nascido da amizade e de um ecumenismo ecumênico contagiante” – é também um dos projetos humanitários mencionados pelo professor Riccardi e no centro do primeiro dia da conferência, o dos corredores humanitários, que ele vê na primeira fila para implementá-los, já há quase quatro anos, a Comunidade de Sant'Egidio, a Tavola Valdese e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, conferencista e coautora, entre outros, do livro 'O deus dos migrantes', apresentou dez "teses" sobre o tema que está no centro do debate, dez imagens, dez chaves de leitura para colocar na "caixa de ferramentas" para ler a realidade. “A primeira destas “fotografias” – explicou Naso – é uma gruta que se ergue na ilha de Lampedusa, um antigo abrigo para barcos, onde se guarda um estojo com objectos religiosos encontrados nas embarcações”. Objectos que não é óbvio transportar, objectos evidentemente vitais para quem se vê obrigado a fazer o percurso marítimo, para quem os põe na mochila antes de entrar num barco e atravessar o Mediterrâneo. “A segunda é na zona de Castelvolturno, em San Giuliano, a presença anómala de igrejas evangélicas pentecostais com nomes mais excêntricos, uma rede generalizada de pequenas igrejas pentecostais, frequentadas essencialmente por crentes imigrantes, num local de privação, pequenas igrejas como faróis no deserto… Estas duas primeiras imagens falam-nos da intensidade da religião em tantas pessoas que migram”. Uma intensidade também quantitativa: os números falam de um futuro cada vez mais “migrante” para as religiões. “Nos últimos 30 anos passamos de um antigo e consolidado pluralismo religioso - confirmou o expoente valdense - a um novo pluralismo: em 1931 o ISTAT pesquisou 157 mil não católicos na Itália, são 400 mil 30 anos depois e em 2019 eles vivem em nosso País 5 milhões de não católicos. Por isso, talvez fosse oportuno fazer uma certa revisão da linguagem: começando pelos termos 'maioria' e 'minoria', por exemplo”. O que é certo é que a maioria, sim, neste caso, dos migrantes - a segunda tese do raciocínio de Paolo Naso - "é cristã, mas não católica: entre os imigrantes há 2,7 milhões de cristãos, a maioria ortodoxos, quase um milhão de católicos, 300- 400 mil protestantes, budistas são 120 mil, sikhs 80 mil. Não há islamização”. E o futuro? O futuro não é eurocêntrico… “Nos próximos anos – acrescentou o professor – a porcentagem de cristãos diminuirá na Europa, aumentará na América Latina e nos Estados Unidos, explodirá na África, crescerá na Ásia. O 'centro de gravidade', por assim dizer, será a Nigéria: o típico cristão do século XXI será o negro! E em 2050 um cristão branco será um oxímoro ou uma hipótese remota, um pouco como um budista sueco”. O elemento da religião tem múltiplos valores, particularmente para as populações migrantes. Segundo Naso, os migrantes “nas igrejas, nas comunidades de fé, encontram um refúgio, ou seja, a dimensão social é sempre agregada ao culto, que é também um lugar para quem migra encontrar e ter respeito”. E como essas pessoas forçadas a deixar seu país de origem vivem sua fé? “Os migrantes trazem uma religiosidade viva, dinâmica e carismática que se encaixa em um quadro global pós-secular, que na Itália talvez tenhamos dificuldade de entender”. Novas gerações que devem sofrer em primeira mão as banalizações da mídia: “o termo 'fundamentalismo', por exemplo – explicou Naso – é um tique que nos chega da mídia, uma gigantesca fake news. Um cristão ou muçulmano tradicionalista não é um fundamentalista; outra coisa é o radicalismo”. Em suma, a complexidade parece ser aquela que muitas vezes escapa à representação do fenómeno migratório feita pelos meios de comunicação: “os migrantes perseguem formas de agregação muito diversas: assimilação para alguns, hospitalidade, integração (um percurso dinâmico), identidade nacional, fecho; todas essas opções não são equivalentes”. O que é certo é o fosso entre as religiões da Série A e da Série B: "as comunidades de fé dos imigrantes não têm acesso às proteções legislativas mais sólidas previstas pelo ordenamento jurídico italiano, para a grande maioria, eles realmente operam como associações: devemos perguntamo-nos se esta lacuna legislativa – que se refere sobretudo a uma lei de 1929 – ainda faz sentido. Que a liberdade religiosa não tenha a amplitude da dos italianos é certamente um problema”. Finalmente, também neste caso, o papel essencial das igrejas. “A penúltima imagem é a película dourada nas portas das igrejas, a manta térmica que tem sido colocada sobre muitos edifícios religiosos, sugerida por um artista, para simbolizar que as igrejas têm sido o principal reduto da onda xenófoba e racista que atravessa a Europa . Tenho orgulho disso no meu 'pequeno' espiritual, mas acho isso uma falha gravíssima, a maior, de uma cultura secular que não tem desempenhado essa função. A história dos corredores humanitários faz parte deste capítulo. E queremos reiterar que nunca aceitamos o raciocínio que criminaliza as ONGs: se um cristão não tenta simular um bom samaritano, que cristão ele é?”. Por fim - a décima "tese" do valdense Paolo Naso -, o tema do diálogo inter-religioso: "é hora de abrir uma temporada não só sobre como vivemos, mas também sobre a prática da justiça, por que não abrir um laboratório de diálogo inter-religioso justamente na justiça?". Faça a coisa certa, 'faça a coisa certa', para colocar tudo Spike Leeou como o grande líder afro-americano e pastor batista Martin Luther King, concluiu a coordenadora do MS, “A covardia pergunta: é seguro? A oportunidade pergunta: é conveniente? Vainglory pergunta: é popular? Mas a consciência pergunta: está certo?”. O mesmo apelo ecumênico para um compromisso comum em favor dos direitos dos refugiados veio da Grécia, por meio das palavras do bispo Gabriel de Nea Ionia e Filadélfia, da Igreja Ortodoxa da Grécia, que interveio com uma mensagem em vídeo dirigida à assembléia. Em seguida, como último orador do primeiro dia da conferência, Dom Viktor de Baryshev, da Igreja Ortodoxa Ucraniana (Patriarcado de Moscou). O encontro ecumênico continua hoje, terça-feira, 19 de novembro, com 14 oficinas temáticas durante a manhã, incluindo uma sobre como "Construir hospitalidade", realizada pela operadora MH marta bernardini e de Daniela Pompeia de S.Egídio, vários testemunhos e uma oração ecumênica à tarde. As conclusões, com o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, acontecerá amanhã, quarta-feira, 20 de novembro. [BB] #Migrantes e religiões. Russo (CEI): "não à leitura demagógica da realidade, abertura às diferenças" https://t.co/EGMTmYwje3@UCSCEI pic.twitter.com/pntS24bj5x — SIR (@agensir) 18 de novembro de 2019 ...

Ler artigo
Ucrânia, jovens protestantes: “Perseguir um caminho para a paz”

Ucrânia, jovens protestantes: “Perseguir um caminho para a paz”

Foto de Candice Seplow, unsplash Roma (NEV), 17 de março de 2022 – “À luz do recente conflito resultante da invasão militar da Ucrânia pelo exército russo, que parece não querer parar mesmo diante dos apelos da comunidade internacional, como jovens Protestantes, membros deFGEI - Federação da Juventude Evangélica da Itália, queremos nos unir à condenação deste enésimo ato de violência, que se manifesta em solo ucraniano e russo, atingindo civis inocentes e aqueles que manifestam sua dissidência a esta política imperialista".O Conselho FGEI escreve em um comunicado: Gabriel Bertin, Annapaola Carbonato, Emanuele DeBettini, Briga Gerard, Rebeca Malla, Roberta Pacílio.“Expressamos preocupação com a extensão e destrutividade que este conflito pode assumir, considerando a ameaça decorrente do uso de armas nucleares – continua a nota -. Além de nos unirmos à oração por todo o povo ucraniano, unimo-nos ao apelo dirigido às instituições europeias e locais para garantir o acolhimento e apoio às pessoas forçadas a fugir ou permanecer em zonas de conflito. Esperamos que as práticas de ajuda humanitária implementadas neste momento de emergência possam abrir caminho para projetos de acolhimento transversal para garantir a cada pessoa o direito de determinar seu próprio futuro, e não criar discriminação contra aqueles que são forçados a abandonar o próprio país, seja qual for a razão.As nossas palavras surgem também à luz do valor que o cidadão da União Europeia tem para a nossa geração, que cresceu também através de oportunidades de intercâmbio a nível internacional que se baseiam nos princípios comuns da democracia, liberdade, igualdade e respeito pela dignidade e pelos direitos humanos, bem como uma cultura voltada para a construção e manutenção da paz para todos.A FGEI, enquanto parte ativa numa rede de federações juvenis a nível europeu e mundial, manifesta proximidade e apoio às federações irmãs e igrejas dos territórios afetados pelo conflito, partilhando os convites para momentos de oração ecuménica propostos por diversas realidades e reconhecendo neles o instrumento para redescobrir irmãos e irmãs amparados e guardados pelas mãos do Senhor em todo lugar e em toda situação. Neste momento queremos fazer nosso o apelo que nos é dirigido a ser luz nos momentos de escuridão e a reconhecer que não são os planos de violência dos poderosos de hoje que fecham o horizonte, mas que este se abre na esperança e na certeza que vem do Senhor e da sua promessa de paz e justiça. Sabemos que isso já se manifestou para nós no rosto e na história de Jesus de Nazaré, que nos ensinou que só a fé e a partilha podem verdadeiramente transformar o mundo, como nos recordam as palavras de Zacarias no Evangelho de Lucas: “Bendito seja o Senhor , o Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo, e nos deu um Salvador para iluminar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, a fim de guiar os nossos passos no caminho da paz”. Cabe a nós hoje – concluem os jovens protestantes – saber prosseguir juntos aquele caminho já traçado rumo à paz”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.