“Não à superação das leis do mercado”

“Não à superação das leis do mercado”

Roma (NEV), 23 de março de 2023 – “Não podemos e não queremos desviar o olhar das injustiças que se perpetuam ao nosso lado; porque acreditamos que mudar de rumo é certo, necessário, possível”. Com estas palavras, a igreja valdense de Florença anuncia sua “presença solidária” ao lado dos trabalhadores de QF ex Gkn, que convocaram uma manifestação nacional para sábado, 25 de março.

A disputa surgiu há dois anos: no centro estão os funcionários da fábrica Campi Bisenzio, a poucos quilômetros de Florença, cuja alienação pela multinacional Gkn anunciou em julho de 2021. Desde então, como explica Angelo Mastrandrea neste extenso artigo no Il post , os trabalhadores têm estado em “assembléia permanente”, desde que receberam via email da empresa, que é propriedade do fundo inglês Melrose desde 2018, a comunicação do início do processo de despedimento. Não se desmobilizaram quando, a 23 de dezembro de 2021, o empresário Francesco Borgomeo assumiu a empresa, com o plano de a converter para a construção de motores elétricos. Agora desde fevereiro passado a empresa está em liquidação, com um liquidante substituindo outro e o Coletivo de Fábrica pede uma comissão parlamentar no Gkn e que sejam pagos salários que não veem há 6 meses.

Enquanto isso, depois de um ano e meio de “controle permanente, luta, expectativas, esperanças traídas e mais de cinco meses de salários não pagos, não nos resta outra alternativa senão assumir a ex-fábrica de Gkn de forma cooperativa”, escreve o trabalhadores. E “a fábrica deve sobreviver criando uma alternativa apenas com a força dos mais de 300 trabalhadores que foram despedidos a 9 de julho de 2021 e de todos os solidários que se juntaram a nós”. Daí o plano de reindustrializar a antiga GKN por baixo e fazê-lo de forma sustentável, através da produção de painéis fotovoltaicos, baterias e bicicletas de carga com reduzido impacto ecológico, com uma campanha de crowdfunding:

“Não à deificação idólatra do Mercado – lê-se no panfleto divulgado pela igreja valdense da capital toscana -. Afirmamos que Jesus de Nazaré e não o mercado é o Senhor da história, por isso nos opomos ao poder excessivo das leis do mercado em cujo altar são imolados os direitos e a vida dos trabalhadores e suas famílias. Manifestamos assim o nosso firme desacordo com as práticas de relocalização que seguem o único critério da procura de maiores lucros sem qualquer consideração pelos interesses dos territórios. Afirmamos fortemente a convicção de que a mudança é certa, necessária e possível”.

Aqui o apelo dos trabalhadores com todas as adesões.


Para saber mais:

Insorgiamo.org

“Novo Desafio de Gkn”, Itália jacobina23/03/2023

“O caso Gkn, os trabalhadores no parlamento”, o poster.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille aos valdenses e metodistas, compromisso e esperança

Otto per mille aos valdenses e metodistas, compromisso e esperança

Roma (NEV), 4 de maio de 2021 – A campanha Otto per mille está em andamento para as igrejas valdenses e metodistas. No centro está o tema da mudança: “Mudar o mundo, mudar a terra... e ninguém vai ficar no chão” é o slogan principal, ilustrado pelo cartunista e designer gráfico Takoua Ben Mohamed. O narrador é de Lella Costa e a campanha foi criada pela Web&Com di Sérgio Veludo. “Num momento tão difícil, marcado pela pandemia e exposto ao risco de miopia, miopia, queremos passar uma mensagem de esperança e empenho, que sabe olhar longe, com confiança, no espaço e no tempo – explica Alessandra Trotta, moderador da Mesa Valdense, em nota publicada hoje no site chiesavaldese.org -. Acreditamos que mudar o olhar sobre os outros e sobre as coisas é o primeiro passo para ajudar a mudar o mundo para melhor. No comercial de rádio e televisão, algumas mulheres testemunham o poder transformador da confiança na mudança, o motor do compromisso em favor dos outros. No final, a imagem, leve mas cheia de esperança, de uma criança pendurada num balão que o levanta, enquanto o slogan remete para a responsabilidade de todos perante o mundo”. Em 2020 o Otto per mille atribuído à Igreja Evangélica Valdense - União das Igrejas Metodistas e Valdenses, com base nas assinaturas dos contribuintes, atingiu a cifra de 42,8 milhões de euros. Cerca de 800 projetos na Itália e 450 no exterior foram financiados com esse recurso. Oito milhões de euros foram alocados para financiar intervenções de saúde para terapias ou ações para combater a propagação do COVID 19 e apoiar a recuperação do país a partir das necessidades dos sujeitos mais desfavorecidos ou vulneráveis. Crescem as participações investidas em “projectos de promoção de modelos de partilha e solidariedade humana como os da habitação social; e o apoio a projetos de integração de pessoas com deficiência e de apoio às suas famílias, entre as mais afetadas nos últimos anos pela redução dos recursos sociais”, explicam os promotores. Mantém-se também o “significativo compromisso de apoio ao projeto dos corredores humanitários”, promovido pela Junta Valdense com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e a Comunidade de Sant'Egidio, e outros projetos em favor dos refugiados e migrantes, “na direção do desenvolvimento de sociedades abertas e inclusivas”. A parcela destinada a intervenções culturais também é expressiva. “Devido à pandemia, o setor da cultura está entre os que mais sofrem – continua Trotta -. Sentimos assim particularmente a responsabilidade de apoiar projetos teatrais e artísticos, de investigação e divulgação sobre temas importantes de compromisso civil e social. Valdenses e metodistas, por outro lado, possuem uma longa tradição de compromisso no campo da educação, salvaguardando e valorizando o patrimônio histórico e cultural e sempre afirmaram que a cultura é um recurso essencial também para o crescimento civil e democrático e para o crescimento econômico e desenvolvimento social do país". A campanha Otto per mille de 2021 para as Igrejas valdenses e metodistas termina com um apelo aos contribuintes: "Sua assinatura é a diferença". “Queremos sublinhar – conclui Trotta – que quem assina pelos valdenses e metodistas também apoia uma forma particular de gestão dos fundos Otto per mille, que podemos definir como transparente, laica e participativa: qualquer pessoa, com um simples acesso ao site www.ottopermillevaldese .org, pode verificar a quem se destinam os valores recebidos do Estado; nenhum euro é destinado ao culto; todos os anos centenas de associações, ONGs, comunidades de vários tipos nos oferecem projetos que financiamos, acompanhamos e monitoramos, porque nos sentimos parte de uma comunidade global de homens e mulheres que nos cinco continentes fazem o possível para mudar o mundo, como construtores de paz, justiça e desenvolvimento sustentável. Uma meta ambiciosa, mas é isso que nossa fé e nossa tradição nos sugerem”. Os custos totais da campanha são inferiores a 5% dos valores recebidos. Além da publicidade nos principais jornais, estão previstos comerciais de rádio e televisão e cartazes afixados em algumas cidades italianas. ...

Ler artigo
Emissões zero.  Zero precariedade.  Sem tumores.  O futuro do planeta começa aqui

Emissões zero. Zero precariedade. Sem tumores. O futuro do planeta começa aqui

Imagem retirada de fridaysforfutureitalia.it Roma (NEV), 13 de abril de 2022 – A Assembleia Nacional Italiana do Sextas-feiras para o Futuro (FFF)movimento estudantil mundial que desde 2018 se organiza pela defesa do meio ambiente, ao lado de figuras como a jovem ativista Greta Thunberg. A igreja batista da via dei Bastioni, em Civitavecchia, desempenhou um papel importante na organização e apoio da assembléia, que reuniu cerca de 100 jovens de toda a Itália. Juntamente com os batistas, Arch e a Igreja dos Salesianos também os acolheram. Na via dei Bastioni, o Batista nos diz Maria Elena Lacquaniti, 20 meninos e meninas foram acolhidos. Com mochilas, sacos-cama e esteiras, estes jovens animaram as salas habitualmente dedicadas à catequese e outras atividades da igreja. “Esses meninos são uma alegria, lindos não só porque são jovens, mas porque são simples, com uma beleza natural – diz Lacquaniti -. E com sentido de responsabilidade e consciência que hipoteca um futuro certamente melhor nas suas mãos”. A Assembleia da FFF desenvolveu-se em torno de mesas temáticas sobre ambiente e trabalho, energia, política, alterações climáticas. Civitavecchia, explica novamente Lacquaniti, “foi escolhida porque era um território atormentado pela servidão industrial e turística, com os grandes navios de cruzeiro que insistem na costa. Em 60 anos, a mortalidade por poluição cresceu exponencialmente. Além disso, um projeto ambicioso e viável que prevê um avanço industrial com emissões zero está atualmente pendente no Ministério da Indústria”. Parques eólicos offshore (ou seja, usinas construídas offshore que exploram a energia eólica) seriam capazes de absorver a produção da usina a carvão de Torrevaldaliga Nord (TVN). Sua transformação, diz Lacquaniti, daria trabalho e sobretudo ajudaria a reter os jovens na região. “Trata-se de 'ambientalizar' o porto, com uma nova concepção de logística. Tudo isso, nos ensinam os jovens da FFF, levaria a sair da precariedade e do câncer”. A Assembleia reafirma essencialmente que “o futuro do planeta é protegido pela combinação entre meio ambiente e trabalho. E pela primeira vez a Civitavecchia está totalmente envolvida, através dos trabalhadores dos setores mais exigentes”, relata novamente Lacquaniti. Ele também participou das obras Stephanie Barça, professor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (Portugal), online. “A chantagem ocupacional por 40 anos bloqueou tanto os movimentos operários quanto os ecologistas – disse o estudioso -. Enquanto a transição energética, com o envolvimento de todas as partes, conduz à saída do isolamento”. Renato Di Nicola, da Campanha "Pelo clima, fora do fóssil!" em vez disso, falou de modalidades e de novos objetivos comuns. Dentre elas, o envolvimento dos trabalhadores em todos os movimentos ambientalistas. Cooperação entre os movimentos. A transição energética, que se entende como “uma revolução”, e a mudança, que “deve ser programada diariamente e individualmente. O sistema não muda o sistema”, disse Di Nicola. E, novamente, a responsabilidade individual e um empurrão de baixo são necessários para sair do fóssil. Entre as propostas, também uma coleta de assinaturas para contestar o aumento das concessionárias de aquecimento e eletricidade. E a dissolução em massa de contratos com gerentes de fósseis. A este respeito, alerta o ativista, “estamos à espera que um gestor sério intervenha nesta matéria, caso contrário só corremos o risco de haver sempre o fóssil por trás do gestor verde”. Por fim, é preciso "começar a pensar seriamente que todo condomínio, escritório, atividade comercial, agrícola - e também toda igreja, todo templo, todo local de culto, acrescenta Lacquaniti juntando-se à voz de Di Nicola - pode ser produtor de energia". Foto MEL / Igreja Batista de Civitavecchia Os três dias terminaram com uma assembleia plenária, a que se seguiu a procissão da cidade que desde o parque da Resistência chegou ao centro da cidade. “Entre cantos, palavras de ordem, música, danças, também nós da igreja batista marchamos com uma bandeira levada pelos adultos e outra pelas crianças da escola dominical. Parece-me que esses jovens representaram bem o futuro que Renato Di Nicola pede para visualizar para realizá-lo em suas vidas, escolhas e esperanças”, conclui Maria Elena Lacquaniti. O documento final será divulgado no site da FFF nos próximos dias. ...

Ler artigo
Insônia e memória

Insônia e memória

Roma (NEV), 29 de dezembro de 2019 – Publicamos o texto do terceiro e último sermão do ciclo natalino proferido pelo pároco Raffaele Volpe esta manhã durante o programa “Culto evangélico” da Radiouno RAI. O pároco nos convida a refletir sobre a relação entre insônia e memória: uma insônia que pode ser cheia de sonhos ou pesadelos, dependendo do quanto conseguimos nos lembrar do nosso passado. Faltam apenas dois dias para o final deste ano. Espero que tenha sido um bom ano para você, mas se não foi, espero que o próximo ano seja capaz de devolver o que você perdeu. Como bons crentes, pelo menos esperançosamente, confiamos na Palavra de Deus para nos preparar para a despedida do ano velho e o início de um novo ano. Oremos: Senhor para o ano que está por vir, te peço mais memória. Amplia a capacidade de memória não só do nosso computador, mas também do nosso cérebro e dos nossos sentimentos. Capacita-nos a recordar sem rancor e a não esquecer superficialmente. Dá-nos a paixão da memória. Amém. Ouçamos a leitura do texto bíblico para a meditação de hoje: " Naquela noite, o rei, incapaz de dormir, ordenou que lhe trouxessem o livro de Memórias, as Crônicas; e foi lido na presença do rei“, (Ester 6:1). Ainda jovem, em 1934, o filósofo judeu Emmanuel Levinas escreve em uma revista cristã francesa um artigo intitulado “Algumas reflexões sobre a filosofia do hitlerismo“. O filósofo diz: “O sucesso de Hitler, diz o filósofo, reside na sua capacidade de despertar sentimentos básicos básicos: a voz do sangue, o apelo a um legado e um passado, o uso da força. Mas é por essas razões que o racismo não se opõe apenas a um ponto particular da cultura cristã ou liberal, a um tipo de democracia ou não. Ela se opõe à própria humanidade do homem“. O racismo se opõe à própria humanidade do homem! A insônia de um jovem filósofo de vinte e oito anos diante dos pesadelos que assombravam a Europa naqueles anos me lembrou a curta passagem bíblica que acabamos de ouvir: um rei insone, Mordecai, manda que o livro de memórias seja trouxe para ele. A insônia de Levinas também traz à mente um conto de Dino Buzzati “Novos amigos estranhos”. Aqui, o engenheiro Stefano Martella se encontra, após sua morte, em um lugar estranho onde não há desejos, onde não há medos, onde não há pesadelos, até porque os sonhos não se sonham naquele lugar. No entanto, só se você tiver coragem de sonhar, você pode ter pesadelos, e só se você tiver pesadelos você fica acordado à noite se revirando na cama com o livro de memórias no travesseiro. Bem-vindos, então, aos sonhos e bem-vindos à insônia em nossa era de dorminhocos que não sonham e esquecidos sem pesadelos. Bem-vindos os sonhos e bem-vindos à insônia se corremos o risco de perder a memória. Se, novamente, se ouvem as vozes dos tocadores de pífano que adoram despertar sentimentos elementares demais. Se permanecermos indiferentes aos slogans de punho de ferro de que a substituição étnica está em andamento. Nasceu há cem anos Primo Levi. Preso por milícias fascistas em dezembro de 1943, foi levado para Auschwitz. Ainda me lembro das noites sem dormir que passava lendo seus livros. O horror e a gratidão que viviam em meu coração. E sua poesiaSe isso é um homem", que como um disco que se encanta na mesma nota, sempre parava na minha memória no mesmo ponto: "Medite que isso foi“. Ele me atacou como um medo que eu poderia esquecer. Eu temia que o que tinha acontecido pudesse não apenas ser esquecido, mas também se repetir. Evgenia Ginzburg Levi em Auschwitz recita os versos de dante da Divina Comédia, Evgenia Solomonovna Ginzburg recita no trem que a leva para a Sibéria os versos de Pasternak. Não é um simples jogo intelectual. É elevação espiritual. É manter a memória como resistência desperta, mesmo na insônia produzida pelos pesadelos do racismo e do totalitarismo. É uma transgressão de uma cultura que quer permanecer humana. Para Levi e para Ginzburg, a paixão pela memória era absolutamente necessária. Para nós, cristãos, as palavras paixão e memória estão no centro da nossa fé. A mensagem da fé cristã baseia-se na memória da paixão de Cristo. Uma memória como modéstia diante de tanta violência banal contra o corpo de Cristo, primeiro preso, depois detido ilegalmente, depois torturado e depois morto. Uma modéstia que não se transforma em esquecimento, mas, ao contrário, em memória, memória daquela paixão porque há salvação precisamente em não esquecer. Há salvação em reconhecer Cristo como inocente e confessar o pesadelo da cruz. Há salvação em confessar que Cristo deu a sua morte como último brado de Deus ao mundo inteiro: "Medite que isso foi“. Em Cristo, Deus ordena que a dor de toda criatura viva receba atenção humana. Aqui recompõe-se um quadro de palavras ainda desconexas entre si, recompõe-se a partir da palavra dor. Da sensibilidade à dor que Deus implora na cruz. Sensibilidade à dor que é também um lembrete radical da responsabilidade humana, da sua culpa (palavra que desapareceu do vocabulário de hoje). E esse novo amontoado de palavras – dor, responsabilidade, culpa – lança luz sobre as outras – memória, sonhos, pesadelos, racismo. É precisamente da memória da paixão que pode nascer uma paixão da memória como responsabilidade humana que nos deve manter acordados neste tempo racista. O que deve nos dar forças para voltar a sonhar, mas também para acordar abruptamente sem tentar adoçar o pesadelo de nossa culpa. É necessário que a voz de nossas igrejas seja ouvida claramente ao contar a história de um Cristo inocente crucificado. Faça isso agora, logo após a celebração do Natal. Pouco antes do Ano Novo. Faça isso agora, não espere a sexta-feira antes da Páscoa para lembrar a cruz, quando com pressa mal podemos esperar para fechar o caso com uma ressurreição tranquilizadora. Amém. Oremos: Senhor, nós italianos somos facilmente esquecidos. Dá-nos, pois, a paixão da memória, tu que já nos deste, em Cristo, a memória da paixão. Aquela paixão de Cristo que não foi apenas uma história de sofrimento, uma história de cruz, mas também uma história de resistência, de coragem, de amor, de doação. Faça de nós a paixão da memória para o novo ano que está por vir. Amém. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.