“Não à superação das leis do mercado”

“Não à superação das leis do mercado”

Roma (NEV), 23 de março de 2023 – “Não podemos e não queremos desviar o olhar das injustiças que se perpetuam ao nosso lado; porque acreditamos que mudar de rumo é certo, necessário, possível”. Com estas palavras, a igreja valdense de Florença anuncia sua “presença solidária” ao lado dos trabalhadores de QF ex Gkn, que convocaram uma manifestação nacional para sábado, 25 de março.

A disputa surgiu há dois anos: no centro estão os funcionários da fábrica Campi Bisenzio, a poucos quilômetros de Florença, cuja alienação pela multinacional Gkn anunciou em julho de 2021. Desde então, como explica Angelo Mastrandrea neste extenso artigo no Il post , os trabalhadores têm estado em “assembléia permanente”, desde que receberam via email da empresa, que é propriedade do fundo inglês Melrose desde 2018, a comunicação do início do processo de despedimento. Não se desmobilizaram quando, a 23 de dezembro de 2021, o empresário Francesco Borgomeo assumiu a empresa, com o plano de a converter para a construção de motores elétricos. Agora desde fevereiro passado a empresa está em liquidação, com um liquidante substituindo outro e o Coletivo de Fábrica pede uma comissão parlamentar no Gkn e que sejam pagos salários que não veem há 6 meses.

Enquanto isso, depois de um ano e meio de “controle permanente, luta, expectativas, esperanças traídas e mais de cinco meses de salários não pagos, não nos resta outra alternativa senão assumir a ex-fábrica de Gkn de forma cooperativa”, escreve o trabalhadores. E “a fábrica deve sobreviver criando uma alternativa apenas com a força dos mais de 300 trabalhadores que foram despedidos a 9 de julho de 2021 e de todos os solidários que se juntaram a nós”. Daí o plano de reindustrializar a antiga GKN por baixo e fazê-lo de forma sustentável, através da produção de painéis fotovoltaicos, baterias e bicicletas de carga com reduzido impacto ecológico, com uma campanha de crowdfunding:

“Não à deificação idólatra do Mercado – lê-se no panfleto divulgado pela igreja valdense da capital toscana -. Afirmamos que Jesus de Nazaré e não o mercado é o Senhor da história, por isso nos opomos ao poder excessivo das leis do mercado em cujo altar são imolados os direitos e a vida dos trabalhadores e suas famílias. Manifestamos assim o nosso firme desacordo com as práticas de relocalização que seguem o único critério da procura de maiores lucros sem qualquer consideração pelos interesses dos territórios. Afirmamos fortemente a convicção de que a mudança é certa, necessária e possível”.

Aqui o apelo dos trabalhadores com todas as adesões.


Para saber mais:

Insorgiamo.org

“Novo Desafio de Gkn”, Itália jacobina23/03/2023

“O caso Gkn, os trabalhadores no parlamento”, o poster.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas reformadas em todo o mundo: renovando a imaginação e a esperança

Igrejas reformadas em todo o mundo: renovando a imaginação e a esperança

Martin Junge traz saudações da Federação Luterana Mundial (FLM). foto CMCR Roma (NEV), 11 de junho de 2021 – O Comitê Executivo da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR-WCRC) se reuniu pela primeira vez em dois anos devido à pandemia de covid-19. Os trabalhos foram realizados digitalmente no final de maio. O Comitê definiu um plano de trabalho para o futuro. Criou grupos de trabalho para a sustentabilidade e para a próxima Assembleia Geral. Além disso, definiu uma política de justiça de gênero. Por fim, agradeceu ao Secretário-Geral cessante Chris Ferguson por seu serviço. O presidente Najla Kassab convidou a Comunhão a uma “imaginação renovada” para os vários desafios e a uma “esperança radical”. “Quando a vida de Jesus se manifesta em nós, ficamos na esperança. Como Comunhão, renovamos nossa imaginação, que se inspira na esperança de ver nosso Senhor continuar caminhando conosco para um amanhã melhor”, disse ele. A mensagem do Comitê Executivo O Comitê Executivo emitiu uma mensagem (disponível em inglês, francês, alemão e espanhol) em consonância com as palavras de Kassab. “A pandemia revelou injustiças, sejam elas sociais, políticas ou econômicas. Expôs a desigualdade, a exploração e a opressão que estão enraizadas nos sistemas econômicos. Ele destacou como a dignidade das pessoas, os cuidados de saúde e outros direitos fundamentais são garantidos apenas para aqueles que podem pagar. Quase em todo o mundo os mais vulneráveis, pobres e marginalizados são os mais afetados pela doença e suas medidas de controle”. Lê-se no comunicado final do CMCR. Nesta situação, o Comitê pede a toda a Comunhão e a todas as pessoas de boa vontade que “se unam a nós para discernir 'O que Deus quer de nós' (Miquéias 6:8)? Este processo buscará estabelecer uma compreensão teológica renovada da crise atual. Esperamos que esta prática comum de discernimento leve toda a Comunhão – local, regional e global – a uma resposta teológica profética e a ações específicas de testemunho que falam a verdade ao poder e pedem justiça”. justiça de gênero Ao adotar sua Política de Justiça de Gênero, o Comitê Executivo procurou promover a visão e o engajamento nas igrejas e na sociedade. Precisamos “enfrentar as desigualdades e injustiças de gênero na Comunhão e nas igrejas membros”, recomenda o próprio Comitê. Um ano de transição Chris Fergusoncujo mandato termina em 31 de agosto, expressou "agradecimento ao nosso presidente e dirigentes, membros do Executivo e todos aqueles com quem tive o prazer de colaborar no serviço nas regiões, redes e comitês". Atualmente não há candidatos para o cargo de Secretário-Geral. A Comissão Executiva aprovou assim um período transitório, a partir de 1 de setembro, com um colégio provisório. Os três atuais Secretários Executivos (Hans Lessing da Igreja Evangélica de Vestfália. Felipe Pavãoda Igreja do Norte da Índia. Phil Tanis da Igreja Reformada da América.) assumirá as funções e responsabilidades do secretário geral, juntamente com o presidente e os comitês diretores. Trata-se de “um novo modelo de responsabilidade compartilhada no qual será vital o envolvimento de executivos e líderes regionais”, comentou o presidente Kassab. No período de transição, parte do trabalho também se concentrará no planejamento da próxima Assembleia Geral, prevista para 2024. E na escolha de um candidato a secretário até maio de 2022. O próximo Comitê Executivo será realizado no final de novembro. Para mais informações, leia o relatório do delegado italiano Cláudio Páscoa sobre Chiesavaldese.org ...

Ler artigo
Brexit.  Conferência das Igrejas da Europa (KEK): o compromisso ecumênico não muda

Brexit. Conferência das Igrejas da Europa (KEK): o compromisso ecumênico não muda

Roma (NEV), 31 de janeiro de 2020 – Uma mensagem conjunta dos líderes da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi emitida hoje, com o objetivo de unir-se em oração e expressar solidariedade à medida que o Reino Unido deixa a União Europeia. Segue a mensagem da presidência do CEC, na pessoa do pároco Christian Krieger (Presidente da Igreja Protestante Reformada da Alsácia e Lorena), do bispo anglicano Guli Francis-Dehqani (vice-presidente da Igreja da Inglaterra), e del Metropolita Cleopas da Suécia e toda a Escandinávia (vice-presidente do Patriarcado Ecumênico). “O Reino Unido sai oficialmente da União Europeia em 31 de janeiro. Esta data marca o fim de um longo período de debate e hesitação, abrindo negociações sobre as futuras relações entre o Reino Unido e a UE. Isso não muda o mútuo compromisso ecumênico das Igrejas européias, um compromisso que cresceu ao longo do último século em diferentes contextos políticos. Pelo contrário, somos chamados a intensificar o empenho das Igrejas pela reconciliação, cooperação e solidariedade na Europa. À medida que nossos países avançam em direção a um novo acordo político, encorajamos todos os cristãos a orar por nossos políticos, que tomarão as decisões que moldarão nosso futuro comum. Mais uma vez, «reafirmamos os laços de comunhão eclesial e ecuménica que unem as Igrejas em toda a Europa. Respondemos ao mesmo chamado: seguir o único Cristo e ser movidos pelo mesmo Espírito Santo. São laços que nos unem no tempo e na história e nos fazem avançar juntos na esperança e no testemunho', afirma a mensagem da Presidência da CEC sobre o Brexit em 2019”. ...

Ler artigo
tema inconveniente e direito coletivo

tema inconveniente e direito coletivo

Roma (NEV), 15 de fevereiro de 2023 – Dois dias antes do Dia da Liberdade (17 de fevereiro), a Rádio Beckwith publica a entrevista de Alessio Lerda para Ilaria Valenzi. Jurista, membro da Comissão de Estudos do Diálogo da Integração (COSDI) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e consultor jurídico, Valenzi editou o livro publicado por Claudiana Direitos, inclusão, integração – Caminhos da cidadania. O volume reúne uma série de textos analíticos sobre a complexa questão da cidadania na Itália, com o objetivo de focar em um olhar aprofundado e oportuno sobre os fatos e a legislação sobre o assunto. Ouça a entrevista em Rádio Beckwith O livro foi lançado por ocasião da "Semana da Liberdade" que é comemorada por volta do aniversário de 17 de fevereiro de 1848, quando Carlo Alberto concedeu direitos civis e políticos aos valdenses e logo depois aos judeus. O tema indicado para 2023 é “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”. Na entrevista, a curadora Ilaria Valenzi explica que o volume nasceu dentro da experiência da FCEI do COSDI com o objetivo de refletir sobre um tema central que diz respeito à sociedade, mas também como ser igreja no contexto social, político e jurídico. O tema da cidadania, segundo Valenzi, é um tema central, "um tema histórico para as igrejas protestantes e presente no debate político italiano". O livro pretende ser uma ferramenta de formação para aprofundar este tema tão discutido, sobre o qual ainda não existe um “resultado pleno e partilhado”. É uma “reflexão a muitas vozes”, diz Valenzi, que se abre para diferentes especificidades. Como escreve o presidente da FCEI no prefácio, o pastor Daniele Garrone, o objetivo é preencher um vazio, responder a uma necessidade e ter o tempo certo para refletir. Em suma, é preciso estudar. Trata-se, portanto, de um volume técnico, em parte também informativo, com importantes contribuições da ciência política, sociológica e jurídica. O livro também fala sobre a cidadania no Novo Testamento, o papel das escolas, as novas gerações e muito mais. A entrevista também fala sobre questões críticas e obstáculos em relação à cidadania. O fio condutor, conclui Valenzi, é “um retorno constante ao populismo, a um nacionalismo cada vez mais enraizado também na visão política da Europa. O reconhecimento da cidadania das novas gerações e suas conquistas é um direito delas e nosso, é um direito coletivo e como tal deve ser protegido. A dificuldade em chegar a uma nova lei de cidadania é marcada fortemente pelo desinteresse e pelo fato de ser um tema incômodo”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.