“Estar enraizado no novo”.  A adesão da UCEBI

“Estar enraizado no novo”. A adesão da UCEBI

Foto de Emma Gossett – Unsplash

Roma (NEV), 24 de julho de 2020 – João Paulo Arquidiáconopresidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) expressou plena adesão ao “Radicarsi nel Nuovo”, o documento ecumênico para o período pós-Covid elaborado por um grupo de “cidadãos pertencentes a diferentes confissões cristãs” em Milão com o objetivo de ajudar as comunidades a fazer perguntas e compromissos, tanto políticos quanto teológicos, após a pandemia.

Na mensagem de adesão, o arcediago espera que o documento “possa encontrar ampla divulgação nas igrejas de todas as confissões religiosas para que seja estímulo e estímulo ao diálogo e à participação ativa dos crentes nas demandas de paz, social e econômica justiça, acolhida dos migrantes e a integridade da criação nela expressa”.

Em nome da UCEBI O arcediago “espera também que o documento encontre a devida atenção por parte do Governo italiano para levar em consideração os apelos sentidos nele contidos”, como a ‘providência paradoxal’ da pandemia que deve estimular o desejo de renascimento e o tema de ‘ arrependimento’ , termo secular e religioso que se refere a uma visão crítica e autocrítica do nosso modo de vida.

“Que o Deus de paz, graça e misericórdia olhe por Sua criação” conclui o presidente da UCEBI.

Leia todo o documento AQUI.

Para inscrições, escreva para [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Os direitos humanos são a coisa mais importante”

“Os direitos humanos são a coisa mais importante”

Martin juge. Foto FLM/Albin Hillert Roma (NEV/CELI CS11), 30 de abril de 2021 – É o convidado de honra do Sínodo Luterano, totalmente digital pela primeira vez e encerrando amanhã. Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), trouxe ao Sínodo uma profunda reflexão sobre o sistema. Papel da igreja, direitos humanos, ecumenismo, tradição e inovação, justiça de gênero. Estas são apenas algumas das palavras-chave usadas por Junge, que falou para quase 100 pessoas reunidas para a 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Título do atual Sínodo: “Continuidade, mudança, futuro. Misericórdia como responsabilidade da Igreja". O secretário da FLM, Junge, falou da misericórdia como uma "preocupação evangélica profundamente espiritual" e dos direitos humanos como "o desenvolvimento cultural e histórico mais importante do século XX". A pandemia questionou os sistemas e o conceito de liberdade. Além disso, no contexto atual, é necessário defender-se prontamente contra a intolerância, o ódio e a violência. Fenômenos que parecem estar crescendo e estão chamando as igrejas e a sociedade como um todo para intervir. A indiferença, para Junge, é um dos males de nosso tempo. “A misericórdia é a antítese da indiferença”, diz o secretário-geral, que nos chama a superar estes tempos “de competição implacável e lutas raivosas pela supremacia ou sobrevivência”. “Você já amou o seu próximo o suficiente?” Essa é uma das questões sobre as quais Junge quis refletir, lembrando que na história esse é o “pedido constante de Jesus diante da violência, da exclusão e da opressão”. Um pedido de amor e justiça. O próprio Jesus lutou "diante da mulher adúltera, do publicano, das crianças, da estrangeira siro-fenícia, e sempre fez a pergunta implícita ou expressa abertamente: onde está a misericórdia?" Quebre o ciclo da violência E é «o que representa, em última análise, a cruz de Cristo, a última tentativa de Deus de afastar a desgraça de nós, seres humanos, de quebrar o ciclo da violência, da exclusão e da marginalização, com o próprio Deus a expor-se e a entregar-se a esta violência e marginalização ao portas da cidade de Jerusalém". Trabalho com refugiados Quando cerca de 50 milhões de refugiados estavam em movimento na Europa após a Segunda Guerra Mundial, o Serviço Mundial da WLF foi estabelecido. As igrejas luteranas em todo o mundo ainda hoje colaboram na ação humanitária global no espírito da caridade cristã. Junge usou palavras de apreço pelo trabalho diaconal na Itália, incluindo o chamado "Dublinati", e acrescentou: "Seu trabalho na área está em maravilhosa harmonia com nosso trabalho global. Sim, mais do que isso, nosso trabalho global, com quase 3 milhões de pessoas que apoiamos todos os anos em parceria com a Agência das Nações Unidas para Refugiados, pega seu trabalho e o expande em escala global. […] junto com as 148 Igrejas membros da FLM vocês fazem parte integral deste trabalho”. O futuro da igreja Junge então abordou grandes questões atuais, incluindo a crise de valores na Europa e além: solidariedade, democracia, estado de direito, direitos humanos, liberdade de imprensa. “Um silêncio insuportável caiu sobre os direitos humanos hoje. Ainda os considero a mais importante conquista cultural e histórica do século passado. A ausência deles abre a porta para o arbítrio, violência e terror, um pesadelo para todos os que vivem vidas estigmatizadas e oprimidas e, em última análise, um pesadelo para todos sem distinção”, continuou Junge. “Precisamos de fundamentos confiáveis, um sistema de coordenadas que nos ajude a classificar a imensurável complexidade da vida, dos relacionamentos e das diversas áreas da vida em que nos movemos. A incerteza e o medo se espalharam. E onde isso acontece – continuou o secretário –, o tom da interação fica mais áspero. As sociedades se polarizam em campos opostos, muitas vezes em uma irreconciliabilidade dissonante. Vivemos em uma época em que parece difícil viver Junto. Da proximidade passamos à inimizade. Da cooperação ao confronto. Vivemos em uma era de crescente alienação uns dos outros. E então a pandemia vem e joga tudo em mais confusão.” Quanto às perspectivas para as igrejas, Junge disse: “O futuro da igreja não está em seu passado. A pretensão de querer ser igreja hoje como foi igreja ontem falhará”. E, citando um teólogo americano de origem eslovaca, disse: “A tradição é a fé viva de pessoas que já morreram, à qual podemos acrescentar nosso capítulo, desde que tenhamos o dom da vida. O tradicionalismo é a fé morta de pessoas vivas que temem que todo o edifício desmorone se você o mudar”. gênero Finalmente, em seu discurso articulado, Junge abordou os temas da justiça de gênero e do ecumenismo, também do ponto de vista teológico. Sobre o tema “gênero”, Junge concluiu: “A questão da justiça de gênero está profundamente enraizada na mensagem libertadora de Jesus Cristo e, portanto, é uma questão relevante e importante que a Igreja deve abordar neste momento”. E agora, na Itália, a Comissão de Justiça do Senado agendou a discussão do projeto de lei Zan (ddlZan) contra a discriminação e a violência com base na orientação sexual, gênero, identidade de gênero e capacidade (após discussões acaloradas e alegações obscuras que duraram semanas). No contexto italiano, portanto, ressoam com particular força as palavras de Junge: "Em última análise, trata-se de compreender a que tipo de partilha nos conduz a mensagem libertadora de Jesus Cristo, que no fundo diz que Deus nos acolhe e nos liberta para viver nossas vidas, não com base no que fazemos ou em quem somos, mas com base em quem Deus é e no que Deus faz por nós em Jesus Cristo. Esta é a mensagem central da justificação somente pela fé. […] O Apóstolo Paulo diz em sua carta aos Gálatas, lembrando à comunidade que as diferenças e categorias existentes com as quais tentamos distinguir, separar e às vezes subordinar as pessoas umas das outras são, do ponto de vista de Deus, irrelevantes, senão contrárias ao que fez em Cristo: nem grego nem judeu, diz Paulo, nem escravo nem livre, nem mulher nem homem, mas um em Cristo (Gálatas 3:28)”. Questão de números? Finalmente, o secretário-geral da Federação Luterana Mundial Junge também mencionou os temas da reconciliação, da Ceia do Senhor, das feridas ainda abertas entre confissões e possíveis saídas. E falou de números, uma questão que se faz sentir particularmente num contexto minoritário como o das igrejas luteranas e protestantes na Itália, mas “se o crescimento só é o horizonte da Igreja… algo está errado. O importante são os conteúdos, é com eles que queremos chegar ao maior número de pessoas. Primeiro vem o conteúdo, depois o crescimento. Não o outro". Para saber mais: leia a entrevista com Martin Junge Leia o discurso completo de Martin Junge no Sínodo Veja todos os especiais do Sínodo Luterano 2021 ...

Ler artigo
Felicidade e bem-estar no mundo digital

Felicidade e bem-estar no mundo digital

Foto Shannon Potter / Unsplash Roma (NEV), 16 de janeiro de 2023 – A revolução digital, como todas as revoluções, traz consigo algo novo e uma série de “efeitos colaterais”. Entre esses efeitos é possível incluir a sustentabilidade social e ambiental, o problema do controle de sistemas e dados, a questão da privacidade, a do acesso igual ou desigual às tecnologias. “A digitalização não é um passo tecnológico neutro”, escreve ele Antonella Visintinem relatório para a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O relatório diz respeito ao seminário realizado recentemente em Mannheim, na Alemanha, "Rumo a uma digitalização sustentável". O encontro, o segundo de uma série “Erasmus+” sobre bem-estar em sociedades e locais de trabalho digitalizados, foi promovido pela rede “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL). Visintin escreve novamente: A digitalização é baseada na extração e posterior capitalização e concentração de informações, mesmo dentro da UE. O mercado digital é comandado por poucas empresas, onde os interesses econômicos e dos países produtores se entrelaçam”. Portanto, segundo Visintin, os objetivos desse tipo de mercado estão orientados para “uma produção competitiva e acumulativa e uma sociedade de controle”. Outro efeito deste processo diz respeito à “difusão da comunicação digital em todas as áreas da vida”, afirma Visintin, que cita também os objetivos do Programa Estratégico 2030 sobre a transformação digital da UE. Precisamos de transparência e equilíbrio. Na Europa, entre outras coisas, de acordo com dados sobre a digitalização da economia e da sociedade (DESI), o processo de digitalização está avançando, mas as relações "não digitais" ainda são a maioria. Riscos e benefícios da digitalização “Porquê este investimento da UE no digital? – pergunta Visintin -. Pela competitividade econômica, pois aumentam a produtividade e a possibilidade de controle remoto, reduzindo erros e desperdícios. Pela interconectividade, como digital potencializa relacionamentos e desenvolve canais de encontro remoto que antes não existiam e permite otimizar a extensão das cadeias produtivas”. No entanto, isso afeta custos trabalhistas, de segurança e “aumenta a vigilância civil e militar por parte de grandes empresas e nações mais poderosas, por meio da concentração de informações”. Além disso, no que diz respeito ao potencial da inteligência artificial, é preciso dizer que “a aprendizagem de máquina pressupõe que mais informação leva a melhores decisões, embora isso dependa da sua organização e, portanto, da definição dos algoritmos, ainda desenhados por pessoas. Isso, por sua vez, pressupõe a calculabilidade dos processos, com uma visão mecanicista da economia. Estamos falando de instrumentos de governança social e desenvolvimento industrial, civil e militar”. A digitalização, nesse sentido, representa “o processamento digital da informação com incrível capacidade de cálculo e memória, que consome uma quantidade significativa de recursos e energia elétrica. A informação processada pode ser os impulsos vitais de um organismo, um processo de produção, as palavras de uma conversa ou um motor de busca”. O algoritmo é capaz de influenciar as decisões com base em como ele é construído. Felicidade e redefinição digital O que tudo isso tem a ver com felicidade? O seminário de Mannheim tentou mostrar como o bem-estar e os objetivos digitais podem convergir. É possível fazê-lo, mas “com a condição de repensarmos o sistema atual e valorizarmos as experiências que já caminham para a sustentabilidade”. As tecnologias digitais devem promover a vida, a dignidade e a justiça. Às vezes, porém, eles os enfraquecem. “A digitalização, se orientada para as pessoas, pode liberar tempo, pois aumenta a produtividade do trabalho. Pode contribuir para o 'bom' trabalho, conforme concebido pelo CALL. Poderia ajudar a implementar o conceito de interdependência e assim permitir a construção de comunidades”. Trata-se de restabelecer “orientações e práticas de mudança, com vista à codeterminação da economia social de mercado”, volta a escrever Visintin, que cita o relatório “Digital reset - Reorientando as tecnologias para uma profunda transformação da sustentabilidade” ( Berlim, setembro de 2022). O relatório é o resultado do projeto “Digitalization for Sustainability – Science in Dialogue” (D4S), um diálogo científico de dois anos entre 15 especialistas europeus. O "Digital Reset" é baseado em princípios para os quais as tecnologias são construídas de acordo com projetos regenerativos. Objetivo: "buscar inovações sistêmicas que promovam a circularidade e a suficiência, melhorem a resiliência econômica e promovam a soberania digital e a equidade social". O relatório detalha como esses princípios podem transformar profundamente a agricultura, a mobilidade, a indústria, a energia, o setor da construção, o consumo geral de bens e serviços. Para que a digitalização funcione a favor da sustentabilidade, três requisitos devem ser atendidos, segundo o relatório. A primeira é reduzir o impacto social e ambiental da fabricação e operação de dispositivos digitais, infraestrutura e data centers. O que o relatório chama de “uma estratégia combinada para suficiência digital, reparabilidade, circularidade e eficiência”. O segundo requisito diz respeito aos modelos de negócios "orientados para o crescimento", que devem ser "monitorados e substituídos por modelos de negócios orientados para o bem comum". Em terceiro e último lugar, “A governança de dados e inteligência artificial deve buscar ativamente uma economia circular baseada em informações”. Ao serviço da sustentabilidade. Visintin conclui: “Para escolher e usar conscientemente a tecnologia digital, é necessário um caminho educacional que não diga respeito apenas à competência técnica, mas também aos problemas relacionados à ferramenta e aos direitos relacionados. Por exemplo, o sistema económico e social em que se insere, a subjetividade do algoritmo, a gestão da informação introduzida, a responsabilidade e correção ao longo da cadeia de abastecimento. Desde quem recolhe os dados até ao utilizador final. Em troca de acesso gratuito, você tem direito à privacidade e controle de suas informações, incluindo a capacidade de excluir seus dados. Como foi apontado, a teia de aranha (a teia) tanto apóia quanto aprisiona. Portanto, o direito de acesso e o direito de desconexão e o sistema dual analógico e digital devem coexistir”. ...

Ler artigo
Federação Juvenil Evangélica rumo ao XXII Congresso

Federação Juvenil Evangélica rumo ao XXII Congresso

Foto retirada do site da FGEI Roma (NEV), 8 de novembro de 2021 - O XXII Congresso da Federação da Juventude Evangélica da Itália (FGEI) será realizado de 11 a 14 de novembro no centro Ecumene (Velletri, Roma). O Congresso é o momento central da vida federativa das novas gerações protestantes. Pedimos ao Secretário do FGEI, Annapaola Carbonatopara nos contar sobre a atmosfera na véspera deste importante evento programático. “Estou muito empolgado porque é o primeiro evento da Federação com presença desde 2019 – explica Carbonatto -. Os últimos eventos foram os campos de treinamento no outono de 2019. E, portanto, é realmente uma grande emoção pensar em realizar um evento presencial novamente, visto que nos últimos meses só conseguimos ter alguns encontros esporádicos. Entre um lockdown e outro, entre uma zona vermelha e outra, fizemos algumas reuniões do Conselho, em sessões consultivas ou deliberativas. Mas, fora isso, era tudo online.” Annapaola Carbonato A pandemia exige um número reduzido de participantes este ano, porém o Congresso está confirmado: “Espero que também seja um bom momento para podermos recomeçar juntos, para podermos imaginar um novo caminho – prossegue o secretário -. E acho que também é hora da Federação se repensar. O Congresso é sempre, em geral, o momento de fazer um balanço da situação. É hora de dizer a si mesmo o que quer fazer, como quer fazer e aonde quer chegar. Ainda mais nesta conjuntura, neste momento histórico, acredito que este Congresso será um momento muito importante para a identidade e estrutura da Federação. Somos obrigados a um número reduzido de participantes, devido às muito acertadas regras sanitárias, de forma a conter o contágio. Os convidados que normalmente vêm presentes estão enviando suas saudações, em vídeo ou mensagens escritas. Muitas vezes são hóspedes que vêm do exterior, e não é o momento certo para realizar viagens internacionais. Será um Congresso um tanto estranho, um tanto anômalo – conclui Carbonatto -. No entanto, por parte de todo o Conselho, fica mesmo o sentimento de que será um momento especial, para parar e reflectir e compreender verdadeiramente que caminho devemos seguir num futuro próximo”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.