Conselho Ecumênico na Itália, “acolhimento e dignidade das pessoas”

Conselho Ecumênico na Itália, “acolhimento e dignidade das pessoas”

Foto Marcelo Schneider/WCC

Roma (NEV), 25 de maio de 2022 – Últimas horas na Itália para a delegação do Conselho Mundial de Igrejas (CEC em italiano, WCC em inglês).

“O Conselho Mundial de Igrejas, no âmbito da Peregrinação de Justiça e Paz, quis organizar uma visita à Itália sobre a questão dos migrantes e pediu o envolvimento do CCME e da FCEI – explicou um dos chefes da delegação, Torsten Moritz, secretário geral da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) – . Fomos primeiro a Palermo, depois a Lampedusa e Roma, para entender como as igrejas interagem com os migrantes e as migrações. Há aspectos de trabalho prático e social, que vimos por exemplo em Palermo, mas também o compromisso ecumênico, até o acolhimento de pessoas que chegam à Europa desembarcando em Lampedusa, por exemplo. Ou a comemoração de pessoas que já faleceram. É um trabalho muito importante, não só do ponto de vista prático, mas também do ponto de vista espiritual: dar um nome e um rosto a pessoas que muitas vezes são esquecidas. Outra coisa fundamental desta delegação é que ela inclui representantes que vêm de vários cantos do mundo, das Filipinas, Hong Kong, Canadá, Quênia. As pessoas com quem partilhei a viagem poderão então regressar aos seus países e testemunhar esta experiência, convidando os seus colegas e os expoentes das suas igrejas a virem à Europa e esperamos que todos encontrem “braços abertos” e não “portas fechadas”. É um encorajamento para as igrejas, significa ver com os próprios olhos a importância do nosso trabalho, especialmente para as nossas igrejas: somos uma minoria, mas realizamos muitas iniciativas e projetos, tentando ajudar as pessoas mais pobres e vulneráveis ​​e em neste sentido, servir a Deus”.

Foto de Marcelo Schneider/WCC

Para o outro chefe da delegação, membro da Igreja Anglicana do Quênia, Agnes Regina Murei Abuoma visita à Itália foi uma “experiência aberta e enriquecedora, aprendemos muito e também compreendemos o compromisso das Igrejas sobre a questão dos migrantes e sobre os novos desafios” que haverá em relação a este fenômeno.

Mudando de assunto, e tendo em vista as eleições gerais a realizar no Quénia a 9 de Agosto, “Infelizmente todas as eleições comportam o risco de violência mas a sociedade civil está muito envolvida e o diálogo continua com a classe política, para não repetir o vive experiências negativas nos últimos anos. Mas esperamos e acreditamos que podemos ser e viver em um país um pouco mais pacífico do que no passado”, acrescentou Agnes Regina Murei Abuom (neste artigo da BBC, uma visão interessante sobre a relação entre igrejas e política no Quênia, ed).

Ontem, a delegação se reuniu com o subsecretário de Estado Ivan Scalfarotto e foi convidado da Comunidade de S. Egidio em Trastevere, entre outros eventos institucionais e ecumênicos. Hoje termina a missão e os participantes partirão de Roma.


Aqui o artigo de Marcelo Schneider do site do Conselho, na primeira parte da visita à Itália.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Em 24 passos rumo ao Natal, o calendário do Advento CELI

Em 24 passos rumo ao Natal, o calendário do Advento CELI

Roma (NEV), 2 de dezembro de 2020 - Quatro semanas de preparação para o nascimento do Senhor. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) propõe seu calendário do Advento. “Um período marcado pelo silêncio, mesmo que muitas vezes não seja assim. Este ano, porém, o Advento será verdadeiramente silencioso – lê-se no site luterano -. A alegre antecipação do Natal é ofuscada pelas notícias diárias de um aumento nas infecções por coronavírus, no número de mortes e na preocupação com os entes queridos, próximos e distantes. O Natal não é apenas a alegria do nascimento do Filho de Deus, mas também o calor da festa familiar mais importante do ano. Este ano não só as igrejas vão estar (mais) vazias, como também os locais à volta da árvore de Natal. No entanto, os pastores, pregadores e pregadores da Igreja Evangélica Luterana na Itália gostariam de evocar todos os dias um pouco da luz e da atmosfera do Advento nos corações. Compartilhar um versículo da Bíblia, uma oração, uma história do Advento, uma meditação ou uma memória”. Aqui o link para o calendário do CELI. “Advento – escreve no site do CELI Heiner Bludau, Decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália – do latim adventus, que significa chegada. No Advento, nós cristãos somos confrontados com a vinda de Cristo de duas maneiras. Com o nascimento de Cristo, "a Palavra de Deus se fez carne" diz a Bíblia (João 1:14). Isso significa que Deus e seu reino chegaram muito perto de nós. Algo começou cuja conclusão ainda está por vir. Enquanto confessamos e pedimos rezando o Credo e o Pai Nosso, em algum momento o Reino de Deus será concluído, Cristo prometeu que Ele voltará. Este é o segundo aspecto da vinda a que se refere o Advento. O Advento visto como um período de Paixão (Quaresma) não extinguiria nossa alegria. Pelo contrário, poderia levar-nos a experimentar uma alegria ainda mais profunda. […] Um advento vivido como um período de paixão/quaresma não significaria necessariamente um convite a desistir de tudo. Mas o abandono de alguns hábitos quotidianos não poderia criar um espaço livre para nos dedicarmos à Palavra de Deus, ajudando-nos a captar a mensagem do Advento não só com a mente, mas também e plenamente com a alma? Se dermos à Palavra de Deus uma chance de se ativar dentro de nós, ela poderá desencadear uma alegria muito maior do que a que experimentamos por meio de nossas tradições natalinas. Neste sentido, desejo a todos um abençoado Advento”. Muitas ideias, portanto, do mundo protestante, para contar os dias que nos separam do Natal e sobretudo para refletir, neste período pré-feriado. Ontem, 1º de dezembro, falamos sobre outros dois calendários do Advento, o da Igreja Valdense de Turim e o da FGEI. ...

Ler artigo
Direitos legais desde a concepção.  Alterar o artigo 1º do Código Civil?

Direitos legais desde a concepção. Alterar o artigo 1º do Código Civil?

Um quadro do vídeo da rede MYA que fotografou o tecido em diferentes estágios da gravidez. Aqui, espero em seis semanas Roma (NEV), 21 de outubro de 2022 – Com a lei nº 165 "Alteração do artigo 1º do Código Civil sobre o reconhecimento da capacidade jurídica do filho concebido" a iniciativa política da recém-formada XIX Legislatura é inaugurada em meio a polêmica. Pedimos ao advogado um comentário do ponto de vista jurídico. Ilaria Valenziconsultor jurídico da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Valenzi disse: “A recém-empossada legislatura abriu com a apresentação de um projeto de lei que causa muita discussão. Trata-se da modificação do artigo 1º do código civil, ou seja, do dispositivo que identifica o momento em que o sujeito adquire capacidade jurídica. Ou seja, adquire a capacidade de ser titular de direitos e deveres. Atualmente esta disposição prevê que o nascimento é o momento em que se adquire a capacidade jurídica e prevê que todos os direitos que a lei reconhece ao concebido sejam subordinados ao evento do nascimento. Por exemplo, o nascituro pode herdar ou receber indenização pelos danos sofridos, mas todos esses direitos estão condicionados à sua própria vinda ao mundo. A modificação proposta vai no sentido diametralmente oposto e propõe antecipar a aquisição da capacidade jurídica para o momento da concepção. A questão certamente não é nova e diz respeito à questão mais ampla de determinar quando a vida humana começa. Nesse sentido, essa proposta de modificação teria um efeito irreprimível porque acabaria equiparando os direitos dos concebidos com os direitos dos já nascidos e entre estes, em particular, com os da mãe. O resultado poderia, portanto, ser que um ato de livre escolha da mulher, como por exemplo o de levar ou não uma gravidez, poderia integrar uma conduta ilícita em relação a um verdadeiro e próprio sujeito de direito, isto é, um verdadeiro e próprio sujeito, um pessoa que tem direito à sua plena integridade física. A batalha pelos direitos do feto voltou a ser central com o ressurgimento do debate em torno da aplicação do direito à interrupção voluntária da gravidez e com a difusão na Itália, como no resto do mundo, de movimentos que propõem um novo paradigma de direitos humanos. Nesse sentido, devemos nos preocupar com a forma como os conflitos que caracterizam o embate entre civilizações passaram do nível das ideias para o nível dos direitos. A recente decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos sobre o aborto é um exemplo disso, mas também o é o projeto de lei que estamos comentando hoje. Fazer dos direitos um campo de batalha nunca é uma vitória e marca um possível retrocesso dos processos democráticos dos Estados. Neste sentido, todos somos chamados e chamados a fazer com que a proteção dos direitos e liberdades fundamentais da pessoa continue a ser assegurada”. Para saber mais: Polêmica no início do mandato, no ranews. No Reino Unido, uma emenda para criar "zonas tampão" (zonas tampão) em torno de clínicas de aborto em todo o país. A emenda torna ilegal interferir "na decisão de qualquer pessoa de acessar, fornecer ou facilitar a prestação de serviços de aborto naquela área" e é punível com até dois anos de prisão. Organizações pró-vida protestaram. Leia em christiantoday. Como é uma gravidez antes de 10 semanas – imagens fornecidas pela rede MYA de médicos e ativistas. A rede nasceu no início da pandemia, quando alguns estados americanos tentaram considerar o aborto uma assistência médica "não essencial". As fotos mostram como o tecido realmente se parece em diferentes pontos nas primeiras nove semanas de gravidez. Leia sobre o guardião. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=ibBjFkLiaGU[/embed] ...

Ler artigo
Fortalecendo o diálogo inter-religioso no mundo

Fortalecendo o diálogo inter-religioso no mundo

foto CEC Roma (NEV), 12 de fevereiro de 2020 – A reunião anual do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso e do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) aconteceu no Centro Ecumênico de Genebra e no vizinho Chateau de Bossey de 6 a 7 de fevereiro . O pessoal do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso e o Escritório para o Diálogo e a Cooperação Inter-religiosa do CMI trocaram notícias sobre as várias atividades realizadas no ano passado e analisaram os programas futuros. Uma das principais características do encontro foi a elaboração de um documento conjunto, "Servir juntos em um mundo ferido: rumo à solidariedade inter-religiosa". Desde 1977, os dois escritórios têm editado conjuntamente uma série de publicações inter-religiosas, incluindo “Interreligious Prayer” (1994); “Reflexão sobre o casamento inter-religioso” (1997); “Testemunho cristão em um mundo multirreligioso”: Recomendações de conduta” (2011); e “Educação para a paz em um mundo multirreligioso: uma perspectiva cristã” (2019). A reunião foi seguida por mais dois eventos que atraíram grande participação. Primeiro, uma mesa redonda com a presença de líderes de diferentes religiões, bem como diplomatas, trabalhadores inter-religiosos, ativistas pela paz, que explorou o tema "Repensando o engajamento inter-religioso em um mundo ferido". Em segundo lugar, o CMI organizou o lançamento em novo formato de "Diálogo Atual", a revista do CMI sobre as relações inter-religiosas, dirigida aos trabalhadores inter-religiosos, pesquisadores, estudantes, instituições acadêmicas e todos os interessados ​​no estudo das religiões. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.