O que está acontecendo em Lampedusa

O que está acontecendo em Lampedusa

Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Um pequeno barco, transportando 42 migrantes, colidiu com as rochas do Vallone delle Acque, em Lampedusa. É o que lemos hoje nas agências de notícias. O grupo, composto por 14 mulheres e 5 menores, foi resgatado pelos homens da CP324 e 327 barcos patrulha da Guarda Costeira. O barco, que partiu de Sfax às 6h do último domingo, afundou. Os migrantes, originários de Gâmbia, Camarões, Mali, Costa do Marfim e Chade, foram todos levados para o hotspot do distrito de Imbriacola. Nestas horas as pessoas no interior da estrutura seriam, sempre segundo fontes da imprensa, mais de 1.200, face a uma capacidade de 350 lugares sentados.

Nos últimos dias, houve numerosos desembarques em Lampedusa, um corpo chegou, vários desaparecidos, como contam os operadores do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, neste post no Facebook . E apenas alguns dias atrás, uma menina de alguns meses morreu dentro do hotspot.

“O Mediterrâneo ainda é um lugar onde as pessoas morrem, uma das rotas mais perigosas do mundo – declara marta bernardini, coordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI – . Como igrejas protestantes, há anos construímos corredores humanitários, uma maneira segura de levar as pessoas à Itália, mas queremos continuar dizendo que as pessoas também devem ser salvas no Mediterrâneo com a ajuda de ONGs ou, em qualquer caso, de uma organização europeia de defesa do mar. resgate, que o acolhimento deve ser digno para todos aqueles que chegam à Itália e que, além dos corredores humanitários, também devem ser garantidos outros acessos legais e seguros. A Europa deve assumir a sua responsabilidade, cuidar de quem continua a viajar em busca de um futuro melhor, que o próprio Ocidente não permite que seja garantido nos locais de onde fogem”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Uma amizade islâmica-cristã.  Primeiros passos institucionais em Florença

Uma amizade islâmica-cristã. Primeiros passos institucionais em Florença

Roma (NEV), 28 de janeiro de 2020 – O encontro “Fraternidade humana pela paz mundial e a coexistência comum será realizado na quinta-feira, 30 de janeiro, em Florença. Seguindo os passos de Abu Dhabi no sinal de amizade entre cristãos e muçulmanos”. Com este encontro, os promotores pretendem “destacar a partilha do Documento de Abu Dhabi entre componentes cristãs e islâmicas, com o desejo de dar vida a um caminho para uma relação mais estruturada entre as duas realidades religiosas, para uma Amizade Islâmica-Cristã em Florença”, lê-se no cartaz da iniciativa. Igrejas protestantes locais também foram convidadas, para as quais ele participará Letizia Tomassonepastor da igreja valdense em Florença. O Documento de Abu Dhabi foi assinado em conjunto pelo papa Francisco e pelo Grande Imam Aḥmad Muhammad Aḥmad al-Ṭayyib de Al-Azhar sob o conferência global da fraternidade humana, conferência internacional inter-religiosa em Abu-Dhabi, Emirados Árabes Unidos, em fevereiro de 2019. Organizada pelo Conselho Muçulmano de Anciãos como parte do Ano Internacional da Moderação, contou com a presença de líderes religiosos de todo o mundo, incluindo o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CE) Olav Fykse Tveit. O Documento também foi examinado em detalhe em maio de 2019 durante o Conferência "Promovendo a Paz Juntos", durante a qual foi lançado oficialmente o Documento "Educação para a Paz em um Mundo Multirreligioso: Uma Perspectiva Cristã", elaborado conjuntamente pelo Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso e pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC). O encontro marcado para esta iniciativa piloto de “amizade islâmica-cristã” é quinta-feira, 30 de janeiro, às 17h45, na Sala Teatina, na Via De' Pescioni 3, em Florença. Descarregue aqui o PROGRAMA: convite 30 de janeiro de 2020 O encontro foi promovido pela Fundação e Centro Internacional Giorgio La Pira, juntamente com a comunidade islâmica de Florença e Toscana e o Instituto Universitário Sophia, em colaboração com diversas realidades religiosas e seculares da região. ...

Ler artigo
Peregrinação Ecumênica.  Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Peregrinação Ecumênica. Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Entrada do Centro Ecumênico de Genebra, sede do Conselho Mundial de Igrejas Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 – Na sede do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em Genebra (Suíça), o contagem regressiva: faltam algumas horas para a chegada de Papa Franciscoesperado na manhã de quinta-feira para a "peregrinação ecumênica" por ocasião do 70º aniversário do corpo mundial de igrejas anglicanas, protestantes, ortodoxas e católicas antigas. A capela do centro ecumênico com (à direita) a cruz de Lund No centro de sua visita ao CMI intitulada "Caminhando, rezando e trabalhando juntos" estarão os três conceitos de unidade, paz e justiça. Em particular, a manhã do dia 21 de junho será dedicada à "unidade visível dos cristãos", com a "oração ecumênica" que acontecerá na capela do centro. A tarde, por outro lado, será inteiramente dedicada aos temas da justiça e da paz, com mensagens de Papa Franciscopelo secretário geral do CMI, pastor Olav Fykse Tveite o moderador do Comitê Central do CMI, Agnes Abuom. Um momento significativo será o encontro do Papa Francisco com uma delegação de representantes das igrejas das duas Coreias. O jardim do instituto Bossey onde os presentes serão trocados Também é aguardado o encontro do Papa Francisco com um grupo de estudantes do Instituto Ecumênico de Bossey, a 20 km de Genebra, onde a “liderança ecumênica” irá almoçar. Seguir-se-á, no jardim do centro acadêmico para jovens teólogos de todo o mundo, a troca de presentes entre a liderança do CMI e o diretor do Bossey Institute, e o Papa Francisco. Antes do retorno ao Centro Ecumênico, está marcada uma coletiva de imprensa às 14h (somente credenciados e autorizados). O pastor Tveit, o cardeal, intervirá Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Irá moderar Marianne Ejderstendiretor de comunicação do WCC. O longo dia em Genebra começará para o Papa Francisco já no aeroporto Genebra-Cointrin – onde será recebido pelo presidente da Confederação Suíça, Alain Berset – e terminará ao final da tarde com a Missa no Palexpo, a poucos passos do aeroporto. O Papa Francisco será o terceiro pontífice a ir à sede do órgão que reúne 350 igrejas anglicanas, evangélicas, ortodoxas e velocatólicas de todo o mundo, depois das visitas de Paulo VI em 1969 e de João Paulo II em 1984, mas seja o primeiro a ir lá para celebrar o diálogo e a colaboração entre as igrejas. O principal motivo de sua visita é o 70º aniversário do CMI. Entre os convidados estavam 150 delegados das igrejas do Comitê Central do CMI, que se reuniram nos últimos dias. Será possível acompanhar o evento em transmissão ao vivo aqui: mas também na página do Facebook do CEC (Conselho Mundial de Igrejas) e também no Youtube (www.youtube.com/WCCworld/live) Olav Fykse Tveit com um membro do comitê central do CMI em Genebra Para mais informações sobre o Conselho Mundial de Igrejas, sua liderança, organização e história, e sua relação com a Igreja Católica, veja aqui. EU'hashtags para a visita do Papa Francisco a Genebra em 21 de junho é #PapalVisit. O motivo é o 70º aniversário do CEC cuja hashtag é: #WCC70 Uma página em italiano sobre a visita do Papa Francisco está aqui. O perfil do Twitter do CEC é @oikoumene e a do secretário geral é @OlavTveit. ...

Ler artigo
igreja luterana.  30 anos de Entendimento com o Estado

igreja luterana. 30 anos de Entendimento com o Estado

Roma (NEV/CELI), 21 de abril de 2023 – Você já se perguntou o significado da palavra "entendido"? Do latim intentus particípio passado do verbo intentar. Isso é ir juntos em direção a um objetivo. Um acordo. Corria o ano de 1993, há 30 anos, numa sexta-feira, quando a Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI) e o Estado italiano assinaram um pacto para uma lei que regularia suas relações. Por um lado, a delegação luterana, que incluía também o então Presidente do Sínodo Hanna Brunow Franzoi e o então vice-reitor Jurg Kleemann; do outro, o Estado italiano, representado pelo então Presidente do Conselho, Julian Amato. Uma Igreja, representada por uma mulher, fato mais singular do que raro naquele momento histórico, visto que os acordos anteriores traziam muitas assinaturas masculinas. Milhares de anos parecem ter se passado e, na verdade, passaram-se apenas trinta anos desde um ato que abriu as portas para a lei de 29 de novembro de 1995 n. 520. O acordo, de fato, estabeleceu um caminho, a lei teria permitido esse caminho para atingir um objetivo: a relação de reciprocidade, em direitos e deveres, entre o Estado e o CELI. Um convênio que o CELI já havia começado a preparar em 1985 graças ao trabalho de italianos e alemães, vividos, como recordou o vice-reitor Kleemann, “folheando livros e datilografando durante longas noites, com intermináveis ​​discussões, reuniões e viagens” . Um acordo que antecipou, inesperadamente, temas muito modernos hoje. Como o sentimento de pertença à Itália dos jovens nascidos de pais não italianos. Keemann continua: "Claudia, estudante do 1º ano de direito, me acompanhava, já que ela era bilíngue" […] também “lavrar a ata. Ela me forneceu a preciosa prova: «Sou italiana, tenho mãe dinamarquesa, pai italiano e fui crismada em Florença como luterana»». Continue lendo no site do CELI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.