Prêmio da Paz de Augsburg para luteranos e católicos pela contribuição ao ecumenismo

Prêmio da Paz de Augsburg para luteranos e católicos pela contribuição ao ecumenismo

Heinrich Bedford-Strohm (à esquerda) e Reinhard Marx trocam um sinal de paz durante um culto de reconciliação em Hildesheim, Alemanha. Comemoração da Reforma. Foto Jens Schulze – epd, 2017

Roma (NEV), 17 de agosto de 2020 – O bispo da Igreja Evangélica Luterana da Baviera, Heinrich Bedford-Strohm (também presidente do conselho da Igreja Evangélica na Alemanha – EKD) e o cardeal de Munique reinhard marx eles receberam o prêmio “Paz de Augsburg 2020” em virtude de sua “vontade incondicional de viver juntos em paz”. A agência da Federação Luterana Mundial (FLM) o define como um “sinal forte para o ecumenismo cristão”.

Os dois líderes da igreja iniciaram trocas e contatos mútuos em nome de muitos cristãos católicos e protestantes, disse o prefeito de Augsburg Eva Weber no último dia 8 de agosto, ao anunciar os vencedores do Festival da Paz de Augsburg. Eles enfatizaram o que as igrejas e a sociedade têm em comum, e não o que as diferencia.

“Por ocasião do 500º aniversário da Reforma Protestante, em 2017, o arcebispo reinhard marx e o bispo Heinrich Bedford-Strohm eles deixaram uma marca histórica para todos os cristãos do mundo inteiro – declarou Weber – e nos deram um testemunho significativo de que a verdadeira comunhão na fé é possível apesar das diferentes filiações confessionais”. Em 11 de março de 2017, o então presidente da Conferência Episcopal Alemã, cardeal Marx, e o primeiro-ministro EKD Bedford-Strohm presidiram conjuntamente um culto de arrependimento e reconciliação em Hildesheim, Alemanha. Naquela ocasião, foram consideradas as dolorosas divisões entre as duas igrejas e trocados pedidos mútuos de perdão pelos fracassos de ambos os lados. Ações de graças e demonstrações de alegria seguiram o que ambas as igrejas têm em comum e o que valorizam uma na outra.

A liturgia, intitulada “Cura de Memórias – Testemunho de Jesus Cristo”, foi baseada na Comemoração da Reforma Católica Luterana-Católica de 2016 em Lund, Suécia, que contou com a presença de Papa Franciscodo presidente da Federação Luterana Mundial Munib Younan e o secretário geral, pastor Martin Junge para o 500º aniversário da Reforma Protestante.

Um impulso ecumênico

bispo protestante de Augsburgo Axel Piper, que presidiu o júri do prêmio, destacou o compromisso de Bedford-Strohm e Marx com a promoção de iniciativas ecumênicas conjuntas. Os dois teólogos “pensam e falam no mesmo espírito”, disse Piper. O seu trabalho pelo desenvolvimento pacífico do ecumenismo foi exemplar, graças à sua comum “paixão por Deus e pelo mundo”.

“O cristianismo na Alemanha e na Europa só terá futuro se trabalharmos fortemente juntos e permanecermos juntos ecumenicamente. Isso é importante. Este prêmio é um encorajamento” comentou o Cardeal Marx. O bispo Bedford-Strohm também expressou sua esperança em relação à santa ceia: “Também faremos progressos em relação à comunhão sagrada comum. Vejo este prêmio como um sinal público do que se espera de nós e como um forte incentivo para continuar no caminho do ecumenismo. É por isso que estou muito feliz em receber este prêmio junto com o cardeal Marx”.

Bedford-Strohm foi eleito bispo da Igreja Evangélica Luterana da Baviera, uma das 148 igrejas membros da Federação Luterana Mundial, em 2011. Ele preside o Conselho EKD desde 2014. Ele é membro da Comissão Ecumênica da União Evangélica Luterana Igreja na Alemanha (VELKD) e da Conferência Episcopal Alemã.

Marx foi nomeado arcebispo de Munique e Freising em 2007. Em 2010 foi admitido no Colégio dos Cardeais da Igreja Católica Romana. Desde 2013, ele é membro do grupo de oito cardeais que aconselham o Papa Francisco sobre o governo da Igreja universal. O arcebispo foi presidente da Conferência Episcopal Alemã de 2014 a 2020.

Prêmio e Festival da Paz de Augsburg

Desde 1985, a cidade de Augsburg concede o Prêmio da Paz a cada três anos em cooperação com a Igreja Evangélica Luterana da Baviera. O Prêmio homenageia personalidades meritórias que deram sua contribuição notável para uma coexistência pacífica e tolerante de culturas e religiões. Na última edição (2017) o prémio foi atribuído ao secretário-geral da FLM, Martin Junge, “um paciente construtor de pontes entre continentes que, pela sua formação e origens teológicas, une o ‘norte global’ da Europa e o ‘sul global’ da América do Sul ”.

O vencedor do Prêmio é anunciado no dia 8 de agosto, dia do Festival da Paz. O prémio de 12.500 euros é entregue no dia 10 de outubro. O Festival de Augsburg é comemorado desde 1650. Suas origens remontam à Paz de Vestfália de 1648, que pôs fim a um longo período de guerra e conflitos religiosos na Europa.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Cristãos contra a tortura.  Relatório internacional publicado

Cristãos contra a tortura. Relatório internacional publicado

Imagem retirada do relatório 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT) Roma (NEV), 13 de maio de 2022 – A Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT) compartilhou o relatório de atividades de 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT). A FIACAT é uma ONG, observadora nas Nações Unidas, no Conselho da Europa e na Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos. O relatório fala, entre outras coisas, dos programas de abolição da pena de morte e de luta contra a prisão preventiva abusiva em África. Passados ​​cerca de nove anos de implementação, escreve a Federação, “é tempo de fazer um balanço”. O relatório “Seis países africanos aboliram a pena de morte por lei (República do Congo, Madagascar, Guiné, Burkina Faso, Chade, Serra Leoa). Isso eleva seu número total no continente para 23”, diz o site da ACAT. Ao nível da prisão preventiva abusiva, “foram tramitados 7.216 autos. E 4.762 foram objeto de decisões judiciais desde o início do programa. Os resultados são satisfatórios, embora se esperasse um maior progresso para acabar com a superlotação prisional, em particular por meio do uso de medidas alternativas”. Além disso, a FIACAT está agora investigando questões de migração na Europa e suas fronteiras. Fá-lo através do projeto transmedia jogos de sombra, realizado com o ACAT italiano e belga. São muitas as colaborações a nível institucional e não governamental, com um compromisso crescente para o futuro “pela construção de um mundo sem tortura nem pena de morte”. 2021 foi também o ano da atribuição do prémio Cássia Sóentregue em 9 de dezembro em Barcelona à FIACAT por sua luta pelos direitos humanos e seu caráter ecumênico. Por fim, escreva os ACATs: “Como não se alegrar com a libertação de Germain Rukuki após quatro anos de detenção arbitrária? Este é o lugar certo para agradecer especialmente a forte mobilização dos membros da rede FIACAT". Leia o artigo completo e baixe o relatório em inglês ou francês clicando AQUI. UM GATO A filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura se inspira no pastor valdense Túlio Vinay. Vinay foi um dos primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. A ACAT Italia foi formalmente fundada na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento "Renascimento Cristão". Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. Desde 2008, a ACAT instituiu um prêmio de graduação para teses sobre tortura e pena de morte com o apoio do Otto per mille das igrejas metodista e valdense. A ACAT Italia faz parte da FIACAT. ...

Ler artigo
Rega sem desperdício – Nev

Rega sem desperdício – Nev

Continua a série de vídeos realizados pelos jovens da Comissão de Meio Ambiente e Globalização da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com conselhos práticos e sugestões para ser “mesmo o protagonista menos responsável da mudança” em relação à emergência climática. Filip Urban, unsplash Roma (NEV), 21 de julho de 2022 – O novo vídeo da série criada pelos meninos e meninas da GLAM, a Comissão de Meio Ambiente e Globalização da FCEI, tem como título “Rega sem desperdício”. Aqui o primeiro vídeo dos jovens GLAM, publicado no passado dia 6 de julho, sobre poupança de água doméstica e aqui o segundo, datado de 13 de julho. artigo anteriorBatistas Mundiais falam sobre Ucrânia, Mianmar, justiça racial e escravidãoPróximo artigoCOP27 Summit Egito, oportunidades para jovens Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Combate à violência masculina é foco de treinamento para pastores

Combate à violência masculina é foco de treinamento para pastores

Um momento da manifestação nacional contra a violência contra as mulheres, 25 de novembro de 2017, Roma Roma (NEV), 14 de novembro de 2019 – Violência contra as mulheres? É principalmente sobre os homens. E está no centro da agenda política das igrejas protestantes. O tema foi escolhido como fio comum de um recente seminário que decorreu de 25 a 27 de Outubro passado, promovido pela Comissão Permanente de Formação Pastoral (CPFP) que organiza duas vezes por ano sessões de formação para os ministros das igrejas Baptista, Metodista e Valdense. Ao final do seminário, os participantes e os representantes da Comissão enviaram uma carta aberta às igrejas batista, metodista e valdense. Nós perguntamos Cristina Arquidiáconapastor da igreja batista de Milão via Jacopino, secretário do departamento de teologia Ucebi, ea Daniele Bouchardpároco das igrejas valdenses de Pisa, Livorno e Rio Marina, coordenador da Comissão de Ministérios e CPFP, as razões desta iniciativa. “Nos últimos anos – explica o pároco – temos procurado oferecer um seminário voltado, por um lado, para o aspecto do trabalho pessoal de párocos e pastoras, portanto conflita, o tempo de cada um, estar em grupo.Por outro lado, focamos nos aspectos mais “ministeriais”, disciplinas, liturgias, acompanhamento pastoral.Neste contexto, isto é, numa ocasião de formação e acompanhamento na pastoral, pareceu-nos importante abordar o tema da violência. Um tema que nos interessa e nos preocupa porque já há algum tempo que refletimos e trabalhamos sobre estes fenómenos. Queríamos ser muito explícitos." Uma forma direta e explícita também concretizada pelas palavras escolhidas tanto na carta quanto em geral para abordar essas questões. Ação e representação, ou seja, contraste também do ponto de vista do vocabulário utilizado, “andam juntas, infelizmente a linguagem inclusiva ainda recebe muita resistência. A questão é usar palavras que ajudem a ler a realidade em toda a sua complexidade”. Daí, por exemplo, a escolha de falar não de “violência contra as mulheres” mas de “violência masculina”: “não só porque estatisticamente é perpetrada por homens contra mulheres mas também porque o poder ainda é assimétrico”. Existe também uma lacuna entre mulheres e homens no mundo das igrejas protestantes? “Ainda hoje o fato de ter mulheres em cargos de chefia é algo que deve ser mencionado. Não é um fato estabelecido, ainda é uma raridade”, admite Arcidiacono. Daí a proposta do seminário, dirigido a dirigentes de igrejas e institutos de formação, “para que invistamos na formação sobre o tema da violência masculina, promovamos um caminho que conduza ao reconhecimento da dinâmica da violência e sobretudo possamos falar dela ". Além disso, lemos sempre na missiva dos participantes no seminário e da Comissão do CPFP, "queremos propor que na próxima Assembleia Sinodal [che vedrà riuniti congiuntamente i e le rappresentanti delle chiese battiste, metodiste e valdesi, ndr] deveria ser inserida uma noite sobre o tema da violência masculina”. “Devemos partir da nossa experiência – prossegue o pároco batista -, até aprender a ler os tipos de violência foi revelador para os participantes da formação que organizamos. É uma questão teológica porque parte da experiência de cada um. Visto que a vida nada mais é do que a própria profissão de fé e ser discípulos e homens e mulheres, é preciso partir de nós. Todas as mulheres já experimentaram alguma forma de discriminação e violência na própria pele. O que consideramos urgente é reconhecer a disparidade de poder existente: e não apenas 'encobrir' com piadas”. Os expoentes protestantes que participaram do seminário, pessoas de diferentes idades e gerações, "quiseram antes de tudo dar a conhecer às suas igrejas o fato de estarem pessoalmente envolvidas. Esta não é uma denúncia de violência masculina só isto mas para expressar a vontade e o compromisso pessoal: quero colocar este problema como um tema transversal”. Como esse compromisso pode ser realizado e recusado no mundo evangélico? “Não ter medo de compartilhar nossas experiências pessoais – responde Cristina Arcidiacono -, pois é verdade que também nas igrejas o setor privado às vezes é 'blindado'. Portanto, devemos tentar construir um terreno onde até as casas possam ser lugares onde somos interpelados e interpelados pela Palavra, entendida como uma palavra que não te julga, mas te interpela”. Palavra e palavras que começam no Antigo Testamento. “A Bíblia fala da violência masculina antes de qualquer movimento social, fala dela como um problema, não como uma vocação, a linha da promessa está em descontinuidade com a violência”. Assim, o flagelo dos feminicídios, a discriminação cotidiana contra o gênero feminino, o machismo e o machismo ainda vigentes na sociedade italiana questionam as igrejas protestantes sob vários pontos de vista, inclusive o teológico. “Reconhecemos que o tema da violência masculina é muito importante na vida das pessoas e da sociedade – confirma a pastora Daniele Bouchard – mas também na vida das igrejas e, portanto, no exercício pastoral e diaconal. É importante porque todos os fatos da sociedade afetam as igrejas, portanto devemos poder fazer algo mais do que o pouco que estamos fazendo, mas também porque a violência masculina nos preocupa”. E quando paramos para refletir sobre essa questão “e nos perguntamos como isso nos afeta, um dos aspectos é buscar as palavras para descrever um problema dessa magnitude. Obviamente, não começamos este trabalho, e agora temos novas expressões à nossa disposição para olhar os fenômenos de uma certa luz". Também para Bouchard, a partir do seminário mas sobretudo para além do contexto específico, urge compreender como este problema afeta também valdenses, metodistas e batistas. “A violência está na vida das pessoas, que os membros da igreja agem e/ou sofrem, e mesmo que ocorra na família ou em locais não públicos, marca a vida de todas as pessoas. Assim como afeta pessoas de todas as origens, também nos afeta, talvez não na forma de violência física, mas em outras. Na verdade, a violência masculina tem muitos aspectos, ela também atua nas dinâmicas coletivas. A violência verbal contra a mulher infelizmente acontece. Penso em certas formas de defini-los ou ignorá-los, por exemplo”. Como as igrejas evangélicas podem contribuir no combate à violência masculina? “Há tantas coisas que podem ser feitas, é um empreendimento de longo prazo, não podemos imaginar resolvê-lo em pouco tempo, pedimos que você comece a reconhecer o fenômeno. A primeira coisa, portanto, é falar sobre isso, nomear o assunto, dizer que a violência masculina existe e explicar o que isso significa. É a premissa para a construção de qualquer outra iniciativa ou caminho, permite que aqueles que sofrem violência entendam que também podem falar sobre esse tema na igreja. Podemos falar sobre isso: vamos começar por aqui”. [BB] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.