Próxima geração Eu?  A noite pública do Sínodo

Próxima geração Eu? A noite pública do Sínodo

Roma (NEV), 20 de agosto de 2021 – A noite pública do Sínodo valdense e metodista, agendada para 23 de agosto às 20h45, tem o título do plano da UE para a recuperação após a Covid, mas com um ponto de interrogação. “Eu da próxima geração? – os jovens e a Europa, entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização” será, de facto, o tema e o fio condutor do encontro, que decorrerá presencialmente no Templo Valdense da Torre Pellice (no cumprimento das normas sanitárias em vigor ) e online, ao vivo, nas páginas do fb da Igreja Valdense e da Rádio Beckwith, bem como no canal do YouTube da mesma emissora.

Palestrantes Stefano Allievi, sociólogo da Universidade de Pádua, Brando Benifeichefe da delegação do PD no Parlamento Europeu, Annalisa Camillijornalista da Internazionale (em conexão), a pastora Daniela DiCarlo. As conclusões do debate serão confiadas ao moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta e ao presidente indigitado do Sínodo 2021, Valdo Spini. A reunião será moderada pelo coordenador do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, marta bernardinie o vice-diretor do Centro Ecumênico Ágape, Valéria Lucenti.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

COP27.  Papel fundamental das mulheres, dos jovens e do G77 para o clima

COP27. Papel fundamental das mulheres, dos jovens e do G77 para o clima

Imagem de arquivo, evento #FridayForFuture 2019 - Roma (NEV), 21 de novembro de 2022 – A 27ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP27) foi concluída. Realizada em Sharm el-Sheikh, no Egito, a conferência parece ter dado alguns passos à frente e muitos passos para o lado. Em suma, não difere muito das sessões anteriores em Paris e Glasgow. "A COP 27, observando o comportamento e os discursos dos grandes do mundo, não traz nada de novo", declarou Maria Elena Lacquaniti. Lacquaniti é coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). “Comportamentos que se repetem, como o da China que consegue sempre fugir aos compromissos formais. Compromissos irrisórios, como o assumido pela América pela voz de seu presidente (depois dos anos anteriores de obscurantismo). $ 150.000.000 para os esforços de adaptação da África não parece ser um grande salto de generosidade em comparação com o quanto a América dá em armas e ajuda a uma única nação como a Ucrânia. Além disso, como denuncia o jovem ativista ugandense Vanessa Nakatenão pode ser muito eficaz uma conferência onde há proibição de manifestação e a liberdade de expressão crítica é amordaçada”, continuou Lacquaniti. Dar espaço aos países em desenvolvimento do “G77” Alguns sinais, no entanto, chegaram. "Apesar destas iniciativas pouco promissoras, o positivo é que o fundo de perdas e danos foi constituído e está a cargo de uma comissão de transição que, até ao final de 2023, vai comunicar quem terá de pagar e a quem - voltou a referir. o coordenador do GLAM –. O que é um pouco questionável é que o Egito vai liderar esse comitê, que ainda não respeitou os acordos feitos pessoalmente na COP de Paris e que tem um dos campos de gás mais importantes. Mais positivo ainda é que cada vez mais espaço (e Deus me livre se for o contrário) está sendo dado aos representantes do G77, países em desenvolvimento e vulneráveis, liderados pelo ministro paquistanês Sherry Rehman que conseguiu obter, com o apoio da UE, a compensação histórica". A voz dos vulneráveis ​​que tira a máscara dos grandes poluidores O papel feminino é fundamental, segundo Lacquaniti: “Mais uma mulher foi aplaudida de pé. O primeiro-ministro de Barbados Mia Mottley, que mostrou, contas em mãos, que um imposto de 10% sobre os lucros de grandes empresas de combustíveis fósseis contribuiria com US$ 37 bilhões para o financiamento climático, apenas nos primeiros nove meses de 2022”. E concluiu: “Tenho vontade de dizer que a voz dos vulneráveis ​​está cada vez mais forte e a máscara está caindo da cara dos grandes poluidores, atacados por baixo, por políticos e ativistas que lutam com seu próprio povo para dar uma voz para todos os países frágeis devido à pobreza e à vulnerabilidade climática. São, sem dúvida, vencedores. Agora cabe-nos trabalhar para que o que conseguimos seja bem sucedido, estando vigilantes e trabalhando (parece um leitmotivmas não é) com todas as forças à nossa disposição, individual e coletivamente". Compromisso juvenil: pelas igrejas, pelo clima Muitas organizações religiosas participaram dos trabalhos, com iniciativas paralelas e como observadores. Da Itália foi registrado Irene Abbraembaixador do clima do Conselho Metodista Europeu, bem como representante da campanha global Climate YES liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Em uma extensa reportagem sobre Riforma.it, Irene Abra escreve: “Além dos jovens do constituição das Nações Unidas é importante sublinhar a presença de vários activistas de Clima SIM. […] anglicanos verdesFederação Luterana Mundial, Christian Aid, Tearfund, All Africa Conference of Churches e ActAlliancefizeram um grande trabalho no Egito, assim como nas diferentes confissões religiosas". A COP27, explica o jovem ativista, “concluída após inúmeras interrupções e adiamentos do plenário”. Um empurra e puxa representativo das dificuldades que esta nomeação enfrenta há anos. “A decisão final da COP27 não é das mais satisfatórias e às vezes parece muito generalista e nada ambiciosa”, diz Irene Abra. De fato, apesar da criação do Provisão para perdas e danos (Perda e Danos), “importante ponto de inflexão” ao colocar na agenda política mundial, pela primeira vez, a questão da assistência financeira a favor dos países em desenvolvimento “para salvar e reconstruir as infraestruturas físicas e sociais devastadas por fenômenos meteorológicos extremos”, há ainda muito a fazer. Depois, há a questão do “financiamento climático”, um dos objetivos que faltam nesta COP. E o "buraco na água" dos compromissos nacionais, atualizado por 33 países em 200. Faltam 167 nações. Assim como faltam os compromissos de redução de combustíveis fósseis e os de mitigação. Leia a reportagem de Irene Abra no Riforma.it ...

Ler artigo
“Quando é que te vimos como estrangeiro e te demos as boas-vindas?”

“Quando é que te vimos como estrangeiro e te demos as boas-vindas?”

Foto do unsplash Roma (NEV), 27 de fevereiro de 2023 - Declaração do Presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders: “Assim, os discípulos de Jesus respondem à palavra do mestre que declara bem-aventurados aqueles que o acolheram como estrangeiro. A resposta de Jesus a esta pergunta: sempre que… é uma declaração de pertença, Jesus pertence ao estrangeiro que procura refúgio. Então, se você fez isso com um deles, você fez isso comigo. Hoje somos nós que nos perguntamos: quando? A resposta de Jesus é: você está certo, você não está, você não fez isso. O nosso mar é novamente um mar de morte e as nossas costas não são uma terra de salvação mas areia e rocha que recebem corpos sem vida. A Europa unida, construída com resistência ao nazismo e ao fascismo, simbolizada pela queda dos portões de Auschwitz, hoje perde cada vez mais credibilidade sem poder salvar vidas. Mas as responsabilidades são claras, não se trata de um acidente ou de uma tragédia aleatória, trata-se de responsabilidades concretas: decidiu-se não poupar! Escondemo-nos atrás dos pronunciamentos das circunstâncias ou atrás de uma política externa míope que pensa poder evitar os desvios do desespero. Na realidade, uma clara opção política de não salvação já foi implementada. As igrejas têm uma responsabilidade. Podemos continuar a agir pelo bem e pela justiça, podemos continuar, e devemos continuar, a salvar através da boa prática dos corredores humanitários, devemos continuar a confiar em Deus e hoje devemos dar um passo mais além, é uma questão de unir todos os esforços das igrejas europeias para uma ação política precisa dentro de seus próprios países e dentro da Comunidade Européia para garantir acessos legais e seguros, apoio às ONGs que salvam centenas de pessoas no mar, cooperação entre os países mediterrâneos com o objetivo de não de bloquear as saídas ou deter os migrantes em verdadeiros campos de detenção, mas de garantir um sistema de apoio ao desenvolvimento, acolhimento e socorro. As igrejas metodistas na Europa e junto com os irmãos e irmãs das igrejas da FCEI querem se comprometer com este propósito. Todos os crentes se deparam com a Palavra de Jesus que exige o imperativo de acolher o estrangeiro e hoje esse imperativo é categórico: somos responsáveis ​​pelo tempo em que o Senhor nos chama a viver e a dar testemunho. Um dia chegará o momento de fazer um balanço e não será possível responder: quando?” E quando foi que te vimos estrangeiro e te acolhemos?1 É assim que os discípulos de Jesus respondem à palavra do Mestre que declara bem-aventurados aqueles que o acolheram como estrangeiro. A resposta de Jesus a esta pergunta: 'Quando foi...' é uma declaração de pertença, Jesus pertence ao estrangeiro que procura refúgio. Então, se você fez isso com um deles, você fez isso comigo. Hoje somos nós que fazemos a pergunta: quando foi? A resposta de Jesus é: você está certo, não. O nosso mar é novamente um mar de morte, e as nossas costas não são uma terra de salvação mas sim areia e rocha recebendo corpos sem vida. Uma Europa unificada, construída através da resistência ao nazismo e ao fascismo, simbolizada pela queda das portas de Auschwitz, perde hoje cada vez mais credibilidade por não conseguir salvar vidas. Mas as responsabilidades são claras, isto não é um acidente ou uma tragédia do acaso, são responsabilidades concretas: Decidiu-se não poupar! Escondemo-nos atrás de declarações circunstanciais ou de uma política externa míope que pensa poder evitar partidas desesperadas. Na realidade, já houve uma escolha política clara de não poupar. As igrejas têm uma responsabilidade. Podemos continuar agindo pelo bem e pela justiça, podemos continuar, e devemos continuar, a salvar através da boa prática dos corredores humanitários, devemos continuar confiando em Deus e hoje devemos dar um passo a mais, é unir todos os esforços das igrejas europeias para uma ação política precisa dentro de seus próprios países e na Comunidade Européia para garantir vias legais e seguras de acesso, apoio às ONGs que resgatam centenas de pessoas no mar, cooperação entre os países mediterrâneos com o objetivo não de bloquear partidas ou deter migrantes em verdadeiros campos de refugiados, mas de garantir um sistema solidário de desenvolvimento, hospitalidade e resgate. As igrejas metodistas na Europa e junto com os irmãos e irmãs das igrejas da FCEI querem se comprometer com este objetivo. Todos os crentes se colocam diante da Palavra de Jesus que exige o imperativo de acolher o estrangeiro, e hoje esse imperativo é categórico: somos responsáveis ​​pelo tempo em que o Senhor nos chama a viver e a dar testemunho. Um dia chegará a hora do ajuste de contas e não será possível responder: quando será? 1 Mateus 25:38 - Nova Versão Revisada da Bíblia Trabalho para Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) As igrejas metodistas nasceram no século XVIII na Inglaterra a partir de um movimento de renascimento religioso, que mais tarde se espalhou para a América e outros países. Na Itália, grupos metodistas foram formados por pregadores ingleses e americanos no século XIX, no contexto do despertar cultural do Risorgimento. Durante os vinte anos de fascismo, a missão americana, duramente atingida pelo regime, foi incorporada à britânica. Em 1961 nasceu a Conferência Metodista da Itália, emancipada da Conferência Britânica. Atualmente existem cerca de 5.000 metodistas italianos, espalhados por todo o país, e fazem parte do Conselho Metodista Mundial, que tem cerca de 70 milhões de fiéis em 130 países. Os metodistas também são membros do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comunhão das Igrejas Protestantes Européias (CCPE-Concord of Leuenberg). Desde 1979 os valdenses e metodistas estão unidos em um pacto de integração que deu origem à Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense). As duas igrejas têm em comum a organização sinodal-representativa, a administração (Mesa Valdense) e o corpo pastoral; entretanto, a representação ecumênica e a gestão patrimonial permanecem distintas. As relações com o Estado italiano são reguladas pelo Acordo de 1984. ...

Ler artigo
Conselho Mundial de Igrejas.  Novo site

Conselho Mundial de Igrejas. Novo site

Roma (NEV), 19 de outubro de 2020 - Notícias, histórias, percepções e uma linha direta que conectará a mídia de massa e as igrejas em todo o mundo, nos níveis nacional, regional e global. Essa é a função do novo site do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que acaba de ser inaugurado. Novo design, novas funções, possibilidades de interação são as características desta ferramenta, que representa, entre outras coisas, uma resposta ao crescente interesse dos navegantes e das igrejas membros do CMI. O secretário-geral interino do CMI, padre Ioan Sauca, encorajou a família ecumênica a participar ativamente: “Teremos o maior prazer em compartilhar os apelos por justiça e paz, em ter um diálogo significativo com as igrejas-membro, com os parceiros e com todas as pessoas de boa vontade - declarou Sauca - . Nesse caso, a tecnologia pode nos ajudar a fortalecer o compromisso espiritual e fornecer outra maneira de apoiar uns aos outros. Marianne Ejderstendiretora de comunicação do WCC, agradeceu o feedback recebido: "Continuamos nos esforçando para criar uma comunidade digital que ofereça informações precisas, sugestões concretas e inspiração", disse ela. "É o início de uma nova era e de uma nova forma de trabalhar globalmente, para interligar as igrejas-membro em todo o planeta" diz o artigo de lançamento do novo site, que é resultado de quase cinco anos de desenvolvimento. O novo site apresenta facilidade de navegação, clareza na apresentação dos programas do CMI sobre os temas de unidade, justiça e paz no mundo, fé e constituição, missão e evangelização, que representam "o coração e a alma do movimento ecumênico". O conteúdo acessível e compartilhável inclui documentos, recursos históricos e acadêmicos importantes, coleções digitais, livros, revistas, orações, reflexões teológicas, estudos bíblicos e materiais voltados para saúde e meio ambiente. Muitas pessoas envolvidas nesta iniciativa, incluindo Ivars Kupcischefe de comunicação do CEC, que coordenou o projeto; Annegret Kappresponsável pela comunicação na web; Michael Westeditora consultora CEC/Publications (Estados Unidos); Lyn van Rooyencoordenador do CEC/Publications baseado na África do Sul; Marcelo Schneiderassessora de comunicação da CEC baseada no Brasil. Xanthi Morfi, um Communications Fellow do WCC, disse: “Para nós, o acesso ao conhecimento para todas as pessoas em todas as partes do mundo significa 'empoderamento'. Oportunidades educativas adequadas conduzem a sociedades melhores, onde a dignidade da pessoa humana e o respeito pelos direitos e liberdades fundamentais asseguram a unidade e a paz”. O novo site também tem um significado especial em vista de 2022, com uma seção dedicada à próxima 11ª Assembleia do CMI agendada para Karlsruhe (Alemanha). Na página relevante você pode encontrar os relatórios oficiais de todas as assembleias anteriores. Opiniões e sugestões podem ser enviadas para [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.