Sarah Everard, a voz das igrejas pela segurança das mulheres

Sarah Everard, a voz das igrejas pela segurança das mulheres

Big Ben, Londres (foto de Kate Krivanec, unsplash)

Roma (NEV), 15 de março de 2021 – Uma menina morta, um agente da Scotland Yard preso pelo assassinato, uma vigília de protesto – não autorizada devido às restrições contra a covid – violentamente reprimida pela polícia: a história de Sarah Everard abala o Reino Unido.

Boris Johnson ele disse que estava “profundamente perturbado” com as imagens das tensões de sábado em Londres, conforme relatado pela BBC. O Primeiro-Ministro e o Ministro do Interior, Priti Patelporém, não pretendiam tirar a confiança do comandante da Scotland Yard, Cressida Dick. Patel, conforme noticiado pela agência de notícias Agi, pediu à Polícia Metropolitana de Londres um “relatório completo” sobre o ocorrido na noite de sábado no quiosque Clapham Common, nos arredores de Londres – último local em que a vítima esteve vista viva -, onde os policiais prenderam e arrastaram quatro mulheres entre os manifestantes que exigiam justiça para a vítima.

Até as igrejas fizeram ouvir suas vozes. Bekah Leggadministrador da Restaurada, instituição de caridade cristã cele apóia sobreviventes de violência contra as mulheres e promove um papel ativo da Igreja nessa questão, escreveu um editorial sobre cristão hojeintitulado “Após o trágico assassinato de Sarah Everard, a Igreja deve falar e agir”.

“Temos que conversar e fazer alguma coisa – escreveu Legg -, o povo de Deus está empenhado em tornar o mundo um lugar mais seguro para as mulheres. […] Lentamente, aqueles de nós que nunca conheceram Sarah vão esquecer e voltar a viver como a conhecíamos, mas acredito que Deus está nos chamando para algo mais. Gostaríamos de ver a Igreja assumir o seu lugar na luta contra a violência contra as mulheres. […] Devemos desafiar as crenças subjacentes a esses comportamentos, as crenças de que a vida das mulheres tem menos valor. Precisamos ensinar nossos filhos a apreciar, respeitar e honrar as mulheres, e precisamos que os homens comecem a fazer isso e a dar o exemplo. Para acabar com a violência contra as mulheres, precisamos que os homens ajudem a desafiar as atitudes e os comportamentos que a perpetuam, neles mesmos e nos outros homens. Precisamos de mais homens para se levantar e fazer a diferença onde quer que estejam.”

O Bispo de Gloucester, uma cidade no Sudoeste da Inglaterra, e Bispo da Igreja da Inglaterra para as Prisões, Rachel Treweekexpressou suas condolências e condolências com a campanha de segurança das mulheres.

“Esta noite para #SarahEverard e sua família e amigos. Todas as noites para #AllWomenGirls caminharem com segurança. Ansiando que venha o reino de Deus “assim na terra como no céu”…”, lê-se no tweet do pastor.

Uma reunião ad hoc sobre o caso Everard da força-tarefa técnico-governamental sobre crime e justiça, presidida pelo primeiro-ministro, será realizada hoje na capital britânica.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Milão, a livraria Claudiana entre as lojas históricas

Milão, a livraria Claudiana entre as lojas históricas

Roma (NEV), 18 de outubro de 2022 – A Livraria Claudiana de Milão é uma das 35 novas 'lojas históricas' premiadas ontem pela Prefeitura da capital lombarda. 'Oficinas históricas' são atividades comerciais que operam há pelo menos 50 anos no mesmo setor de produtos. Ontem, segunda-feira, 17 de outubro de 2022, foi realizada a tradicional cerimônia de premiação no Palazzo Marino, na presença do prefeito, José Salae o Conselheiro para o Desenvolvimento Econômico, Alessia Cappello. O município milanês, com resolução de 2004, estabeleceu o Registro de Lojas Históricas "[…] com o objetivo de proteger e defender as atividades comerciais e artesanais com fortes raízes urbanas que confiram valor a bens culturais e em risco de extinção”. Ontem, portanto, às mais de 500 atividades comerciais já inscritas neste Registo, juntaram-se mais 35, algumas com mais de cem anos de história. A livraria Claudiana, em Milão, é a única do grupo e foi apontada pelos participantes da cerimônia como um dos mais importantes centros culturais da cidade. Todo o grupo que atualmente trabalha na livraria da via Francesco Sforza (Martina Bianchi, Samuele Carrari, Rebeca Malla) E Samuele Bernardinilivreiro histórico da Claudiana, que a comandou por mais de quarenta anos. "A livraria Claudiana de Milão abre suas portas na cidade no final de 1968 - declara Samuele Carrari - por isso, em 2019, passados ​​os 50 anos necessários, achamos importante declinar, mesmo que simbolicamente, a importância dessa atividade através a inscrição em tal registo. Sempre reconhecida e apreciada como um polo secular e de diálogo, aberto a todos e todas aqueles que desejam “combater o analfabetismo religioso, que muitas vezes antecipa o analfabetismo democrático”, a livraria sempre teve importância na cidade. Mas é em momentos difíceis como os que enfrentamos nos últimos anos - a instrução da prática remonta a 2019, pouco antes do início da pandemia, com tudo o que significou e ainda hoje significa - que símbolos como estes (as livrarias Claudiana também foram recentemente inscritas no Cadastro de Biblioteca de Qualidade do Ministério da Cultura, DDG n. 561 de 01.08.2022) elas servem para lembrar que lugares como a nossa biblioteca são importantes, pedaços da nossa cidade: devem por isso ser frequentado e vivido, resistindo à tentação, quando não ao medo real, de ficar encerrado em casa". Ontem, acrescenta, "também significou muito para quem lá trabalha na livraria e, sendo uma livraria também o espelho de quem a vive, o que só podia ser um símbolo torna-se agora um importante reconhecimento, até porque foi feito pelos representantes dos cidadãos. O que faremos agora é partilhar este momento com todos aqueles que apoiaram (e apoiam) a biblioteca nos últimos anos, talvez com um dia de festa, através do qual fique ainda mais evidente a importância dos nossos lugares e a energia com que defendemos eles". ...

Ler artigo
30 perguntas a partidos e candidatos políticos da Diaconia Valdense

30 perguntas a partidos e candidatos políticos da Diaconia Valdense

Roma (NEV), 6 de setembro de 2022 - Trabalho, saúde, meio ambiente, idosos e migrantes. Estes são os cinco temas sobre os quais a Diaconia Valdense questiona os partidos e candidatos políticos, tendo em vista as eleições de 25 de setembro. As 30 candidaturas foram apresentadas esta manhã, 6 de setembro, numa conferência de imprensa online. Francisco Sciottopresidente da Diaconia Valdense (Comissão Sinodal para a Diaconia-CSD), sublinhou que o fundamento desta iniciativa é a Constituição. Ouça as últimas “Todos os dias lidamos com pessoas desfavorecidas – disse Sciotto -. Nossa intenção é ouvir as novidades. Para isso pretendemos, entre outras coisas, saber como é que os partidos pretendem combater a pobreza e com que recursos”. São 6 perguntas sobre o tema "migração", desde um pedido explícito sobre a proteção dos direitos humanos e a condenação do racismo, até formas de apoio a novas formas de acolhimento como os Corredores Humanitários ou o patrocínios privados. Ambiente, bem comum internacional.Saúde, para todos e todas. Do meio ambiente, que Sciotto define como "um bem comum internacional", passamos ao conceito de "autodeterminação de homens e mulheres idosos". Por fim, a saúde: outras 6 questões, incluindo uma sobre como superar as desigualdades quantitativas e qualitativas dos serviços de saúde nos territórios e nas Regiões. “As pessoas que são utentes dos Serviços Nacionais de Saúde são muitas vezes consideradas 'objectos' de cuidados. Estamos profundamente convencidos de que toda pessoa tem direito aos cuidados e ao acesso à saúde. Cada pessoa é portadora de escolhas, portanto, os usuários são, na verdade, sujeitos ativos. Até os últimos". Perguntas e respostas A Diaconia Valdense entrará em contato com as secretarias locais e provinciais para abrir um diálogo sobre essas questões com todas as partes no âmbito constitucional: "Seja escrita ou verbal, respondendo a todas ou apenas algumas perguntas, estamos preparados para coletá-las e publicá-las em nossos canais de informação. Esperamos receber respostas e nos mantemos à disposição para discussões – disse Sciotto, que completa – Estamos falando de temas para os quais acreditamos ter o preparo e a experiência de quem trabalha há anos na área. Como Diaconia Valdense fazemos parte de muitas redes e mesas, refletimos juntos sobre temas como o da autossuficiência (e contribuímos com o respectivo projeto de lei, atualmente parado). É um compromisso que faz parte da nossa identidade protestante. A igualdade de género, o reconhecimento de qualificações, as intervenções no PNRR, etc., podem parecer apenas questões técnicas, mas por detrás estão sempre pessoas individuais. E pretendemos colocar as pessoas no centro das atenções”. Leia as 30 perguntas da Diaconia Valdense para partidos políticos e candidatos ...

Ler artigo
“Nossa união é uma boa notícia para o mundo”

“Nossa união é uma boa notícia para o mundo”

Foto: Magnus Aronson/WCC Roma (NEV/SIR), 25 de junho de 2018 – “Foi um dia lindo. Foi para mim e para todas as igrejas. Foi a manifestação de que existe um único movimento ecumênico e que a Igreja Católica e a liderança do Papa Francisco eles estão seriamente engajados nesta busca pela unidade juntos”. É assim que o pastor responde Olav Fykse Tveit, secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (WCE). Poucos dias depois da partida de Francisco de Genebra, as dependências do Centro Ecumênico ainda estão vazias... A presença do Papa deixou uma marca. “Foi – acrescenta – uma experiência muito forte para o CMI, para os membros do nosso Centro Ecumênico, para todo o pessoal, celebrar estes 70 anos de nossa vida junto com o Papa Francisco. Foi uma afirmação significativa do trabalho realizado ao longo dos anos”. Foto: Vatican Media/SIR Pastor Tveit, o que mais o impressionou em Francisco?Ele mostra muito claramente seu compromisso pessoal e também seu amor pelas relações ecumênicas. Também impressionante é seu forte chamado para sermos mais honestos e mais profundamente comprometidos com nossa busca pela unidade. Ele também encoraja fortemente a ver este chamado à unidade como um chamado a uma missão comum: testemunhar juntos o Evangelho ao mundo. é um conceito que nos está muito próximo do coração e que foi o foco de uma recente conferência realizada na Tanzânia, onde também esteve presente uma delegação da Igreja Católica. Falamos muito sobre como pregar o Evangelho em um mundo secularizado. Temos uma tarefa comum e o Papa Francisco também está ciente disso e está caminhando nessa direção. Mas também diz que só encontraremos nossa unidade na medida em que caminharmos juntos. E isso corresponde ao que nossas igrejas também acreditam. Houve algo – uma palavra, um gesto particular – que particularmente o impressionou?Acho que todos nós pudemos ver o quanto o Papa Francisco queria esta visita. E ele afirmou isso de várias maneiras. Era algo que estava muito próximo de seu coração: mostrar seu compromisso com a unidade das Igrejas. Vimo-lo na forma como respondeu ao que lhe dissemos, nos seus discursos públicos, mas também nas conversas pessoais. Impressionou-me também o seu grande interesse em apoiar e encorajar todas as iniciativas destinadas a trazer a paz ao mundo, promover os direitos, defender a dignidade de cada ser humano. Foi um evento incrível aqui em Genebra que atraiu a imprensa local e internacional. Uma cobertura da mídia que é certamente um sinal do interesse pelo que o Papa Francisco faz e diz, mas que mostrou ao mundo o que é o movimento ecumênico e o que o CMI faz no mundo. Uma ocasião também para encorajar nossas igrejas locais a fazer mais pela unidade, justiça e paz em seus contextos e um impulso para trabalhar juntos. Você disse que esta visita foi um marco na história do movimento ecumênico, mas também disse: não vamos parar por aqui, vamos em frente. Como você deseja continuar esta colaboração agora? Sim, foi realmente um marco que estabelecemos em nosso caminho. Esta pedra indica o caminho percorrido. E assim agradecemos a Deus e também aos que nos precederam e tornaram tudo isso possível hoje. Mas indica também o caminho futuro que ainda temos que percorrer porque vimos como é importante que as igrejas estejam juntas para levar o Evangelho ao mundo porque só na unidade a sua mensagem pode ser credível. É importante entender que há muitas coisas que podemos aprender uns com os outros e que devemos sair ao encontro daqueles que mais precisam da ajuda de nossas igrejas. O que buscamos não é uma unidade por si só. Queremos estar unidos porque estamos convencidos de que as igrejas podem dar uma contribuição credível para a unidade em tempos de medo, populismo, xenofobia, conflito e divisão, individualismo. Queremos mostrar que esta pertença é uma boa notícia para o mundo de hoje. Então, depois de Genebra, quais serão os próximos passos? Existem vários níveis nos quais podemos continuar nosso trabalho. A Comissão Mista certamente dará continuidade aos seus trabalhos com uma série de reuniões já previstas. Também organizamos esta conferência muito importante em Roma, em setembro, sobre xenofobia, racismo e populismo. Existem também várias iniciativas de discussão que continuarão sobre missão e teologia. Existe um importante documento sobre a compreensão da Igreja que foi fruto de um longo e aprofundado estudo, sobre o qual discutimos, e agora estamos colhendo as respostas de nossas Igrejas e da Igreja Católica. E então continuaremos a trabalhar juntos pelos migrantes e refugiados, pela justiça, pela paz, nos vários contextos em que estamos envolvidos no Oriente Médio, Sudão do Sul, Congo, Colômbia e Coréia. Há muitas coisas para fazer juntos. Qual foi a última coisa que você disse ao Papa Francisco antes de partir?Eu disse a ele que pediria a Deus bênçãos sobre seu trabalho e assegurei-lhe que oraríamos por ele. Fonte: SIR ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.