O presidente da FCEI, Luca Maria Negro, fala sobre questões políticas italianas atuais

O presidente da FCEI, Luca Maria Negro, fala sobre questões políticas italianas atuais

Pastor Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália

Roma (NEV), 6 de junho de 2018 – Voltando da Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa (KEK), que acaba de terminar em Novi Sad (Sérvia), o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negrointervém sobre questões políticas italianas atuais.

A Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), organismo internacional que reúne cerca de 115 igrejas de tradição protestante, anglicana, catolicismo antigo e ortodoxo, concluiu-se ontem em Novi Sad. Você participou da Assembleia como palestrante, conduzindo um estudo bíblico sobre o tema da acolhida aos estrangeiros. Você tem a impressão de que a preocupação das igrejas evangélicas italianas com a situação dos migrantes é compartilhada pelas igrejas européias?

Certamente: entre os compromissos assumidos pela Assembleia no documento final sobre questões públicas está o de encorajar o desenvolvimento de rotas seguras e legais para os refugiados para a Europa, lembrando os governos de suas responsabilidades no resgate de migrantes à deriva no mar e convidando a não criminalizar atos de solidariedade para com os migrantes. No documento aprovado há uma referência explícita ao projeto piloto dos corredores humanitários promovidos pela FCEI, a Tavola Valdese e a comunidade de Sant’Egidio.

Como avalia os primeiros passos do novo governo?

Não vou comentar algumas medidas económicas e de segurança social anunciadas porque teremos de perceber a sua coerência e sustentabilidade financeira. A esperança é que eles atendam a uma necessidade generalizada de segurança social e apoio à renda que se faz sentir há anos: especialmente entre os jovens e no Sul, para quem os efeitos da modesta recuperação que ainda existe ainda são incertos e pouco efetivos.

Pelo contrário, preocupa-me muito o capítulo da “imigração” que, a julgar pelas palavras e gestos dedicados ao tema, parece ser o centro da acção deste Governo que parece confiar ao Ministro do Interior um papel decisivo mesmo ao ditar a agenda internacional: a ideia improvisada de uma aliança com a Hungria, e não com os países historicamente mais próximos da Itália, desperta certa perplexidade. Embora concordando com a ideia de que os fluxos migratórios devem ser gerenciados e os bolsões de irregularidade e ilegalidade devem ser combatidos, estamos preocupados com expressões como “acabou a carona”, referindo-se a pessoas que vivem em condições de sofrimento, marginalização e discriminação. Outro dia um imigrante foi morto perto de Rosarno e a notícia já sumiu das páginas dos jornais: esse é o carona? Ou dos trabalhadores imigrantes que ganham 15 ou 20 euros por dia no interior do sul? Ou a dos 48 que morreram no Egeu enquanto fugiam da violência e da tortura? Sim, estamos preocupados, mas também determinados a cumprir nosso dever de cristãos.

E isso é?

Deixe-me dizê-lo com uma palavra do Novo Testamento: filoxenìa, literalmente “amizade para o estrangeiro”, um termo geralmente traduzido como “hospitalidade” (Carta aos Hebreus 13:2). Somos pela fraternidade e amizade para com o estrangeiro, o imigrante, o asilado. E o somos por aquilo que lemos na Bíblia e que, como cristãos, somos chamados a pôr em prática com nossos gestos e ações. Apoiadores da filoxenia, só podemos nos opor à xenofobia.

Mais praticamente?

Grupo de sírios chegando do Líbano pelos corredores humanitários em Roma Fiumicino em 28 de abril de 2017

Nós saudamos. Damos as boas-vindas com os corredores humanitários que criamos junto com o Conselho Valdense e a comunidade de Sant’Egidio e graças aos quais mais de 1.200 refugiados em condições vulneráveis ​​chegaram à Itália até hoje, legal e com segurança. Acolhemos em nossos centros e em nossos trabalhos diaconais, acolhemos colaborando com as ONGs que realizam buscas e salvamentos no Mediterrâneo. O cristão acolhe e não pode fazer diferente.

Mas há limites e regras.

Claro, e por isso acreditamos que a solução para o drama da migração global não está apenas em nossos ombros, mas pertence à política nacional e europeia. Como evangélicos não acreditamos que devamos substituir os políticos que têm a tarefa de encontrar soluções sustentáveis ​​compartilhadas pela maioria. Mas também sabemos que a nossa vocação não é bajulá-los nem obter os seus aplausos: pelo contrário, somos chamados a interrogá-los, a pressioná-los, a contradizê-los quando promovem políticas inaceitáveis ​​para a nossa consciência.

Diálogo impossível, então, com este governo?

Longe disso. Este governo tem consenso e maioria e esperamos que faça o melhor e no interesse geral. E diante de questões e problemas críticos estamos prontos para fazer nossa parte como expressão da sociedade civil. A questão das migrações mediterrâneas não pode ser resolvida com fórmulas imaginativas ou invocando fechamentos insustentáveis: é o tema do nosso século, o maior desafio que enfrentamos e todos devem fazer a sua parte, na Itália, na Europa e também nos países de emigração. Também tínhamos escrito ao anterior Primeiro-Ministro para nos colocarmos à disposição para intervenções humanitárias “em sua casa”, desde que respeitassem as regras e os direitos humanos. E dizemos o mesmo ao governo chefiado por Giuseppe Conte.

Além da imigração, você tem outras questões que o preocupam?

Dois temas de liberdade: liberdade religiosa e direitos civis. Quanto ao primeiro, preocupa-nos a tendência de reduzir o problema a uma questão de ordem pública, enquanto se trata de uma questão de civilização jurídica. Deste ponto de vista, a Itália registra altos e baixos: os altos e baixos da Constituição, dos Acordos já firmados com várias confissões religiosas; mas também os pontos baixos da permanência da lei da era fascista sobre os “cultos permitidos” e dos acordos que foram congelados ou nunca colocados em prática, em primeiro lugar aquele com o Islã que hoje na Itália reúne quase dois milhões de pessoas.

A outra questão é a dos direitos civis. Nos últimos dias ouvimos palavras sérias e inaceitáveis ​​de um ministro sobre famílias gays e uniões homossexuais. Estamos certos de que foi uma “voz do sen escapou” porque, perante tantos problemas urgentes em cima da mesa, seria verdadeiramente irresponsável reabrir uma questão que, após um longo debate, encontrou uma solução equilibrada no nosso opinião.

Voltemos ao CEC. O que você acha da Itália de hoje nas redes ecumênicas europeias?

Há uma preocupação aí também. Mas também determinação. Um dos sinais mais bonitos destes anos é a harmonia com que as diferentes igrejas abordam questões como a imigração. E é também uma esperança para a Europa.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Quem são os imigrantes?  – Neve

Quem são os imigrantes? – Neve

Roma (NEV), 27 de outubro de 2022 – Trazendo "Luta e verdade, a partir de palavras e dados". O escritor disse isso esta manhã Djarah Kan, na apresentação do 32.º “Dossiê Estatístico da Imigração 2021”, editado pelo Idos, em colaboração com o Confronti e o Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V". A referência é justamente às análises contidas no relatório – 493 páginas, informações estatísticas e análises elaboradas por uma pluralidade de estudiosos, projeto apoiado pelo Otto per mille da Tábua Valdense. Uma ferramenta na “caixa de ferramentas” de qualquer pessoa, por diversos motivos, que lida com (ou quer entender) migração. Na reunião desta manhã, moderada por Cláudio Paravatidiretor do Confronti e apresentador do Protestantesimo on Rai Tre, compareceu, além de Kan, Luca Di Sciullo, presidente do centro de estudos e pesquisas IDOS, don Mussie Zerai (conectado do Canadá), padre e ativista eritreu, fundador da agência Habeisha, moderador da Mesa Valdense Alessandra Trottao jornalista Eleanor Camillio sociólogo da Universidade Estadual de Milão Maurizio Ambrosinio prefeito de Prato Mateus Biffonidelegar às políticas de Imigração e integração da Anci, em ligação de vídeo, Paulo de Nardis, presidente do Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V". os números falam No que diz respeito aos migrantes que desembarcaram na Itália entre 2021-2022, segundo o relatório, "se olharmos para os fluxos migratórios rumo à Itália, as nacionalidades declaradas pelos migrantes são atribuíveis aos países que mais sofrem com a pressão das mudanças climáticas ". Entre 2021 e 2022 “entre os principais países de origem encontramos: Tunísia, Egipto, Bangladesh, Afeganistão, Síria, Costa do Marfim, Eritreia, Guiné, Paquistão e Irão”. No início de 2022 "havia 3.561.540 cidadãos extracomunitários a residir legalmente em Itália, um número que aumentou, face ao ano anterior (quando eram 3.373.876), de 187.664 unidades (+5,6%) e que, no entanto, continua ainda mais baixo do que os 3.615.826 no início de 2020 e os 3.717.406 no início de 2019. Quanto ao contributo dos migrantes para a economia, a análise apresentada “confirma também para 2020 um saldo positivo entre receitas e despesas atribuíveis à imigração: face a saídas de 28,9 mil milhões, as receitas ascenderam a 30,2 mil milhões, garantindo um saldo positivo de quase 1,3 mil milhões de euros ”. É um dos dados contidos no dossiê discutido esta manhã em Roma, no Teatro Dom Orione, e ao mesmo tempo em todas as regiões italianas. “A dimensão do saldo – explica o Relatório – diminuiu sem dúvida face a 2019, quando tínhamos assistido a um ganho de 4 mil milhões de euros para o Estado, mas sabe-se que a pandemia em parte agravou a fragilidade social e económica, em parte detonou novos. O valor das despesas durante o ano de 2020 aumentou assim, com particular destaque para as despesas com redes de segurança social, que quase duplicaram face a 2019. No entanto, refira-se que as escolhas metodológicas efetuadas seguiram um percurso de estimativa parcimonioso”. “Não há respostas fáceis para fenômenos complexos como #migrações. Interdependências entre mudanças climáticas, guerras” e a necessidade de sair. A intervenção do @Mode_Valdese na apresentação de #dossierestatísticoimigração @Confronti_CNT @8x1000Waldensian pic.twitter.com/qs7vmKSyJr — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 27 de outubro de 2022 “No geral, confirma-se o que emergiu dos Dossiês anteriores, segundo os quais os estrangeiros contribuem tanto para a estabilidade do tecido produtivo do país como para o seu sistema de proteção social, incluindo a educação”, conclui o texto. AQUI a lista de apresentações do Dossiê em andamento hoje em toda a Itália. AQUI o comunicado de imprensa CS_Hoje a apresentação do Dossiê Estatístico de Imigração 2022 ocorreu após a apresentação de Idos. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
“Covid não existe só”

“Covid não existe só”

Roma (NEV/CELI), 29 de abril de 2021 – Quatro anos como deputado e desde outubro de 2020 Presidente do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Ele é Wolfgang Pradere como seu antecessor Georg Schedereit, é originalmente do sul do Tirol e, portanto, bilíngüe desde a infância. Prader espera importantes impulsos para o futuro da 2ª Sessão do XXIII Sínodo. Segundo ele, a Covid comprimiu demais o campo de visão e é hora de retomar os temas que são de absoluta importância para o futuro, como meio ambiente ou injustiça social. É diferente planejar um sínodo como vice-presidente do que ser totalmente responsável por ele como presidente? Sim, caso contrário! Embora trabalhemos juntos de forma extremamente construtiva e sejamos uma equipe muito boa, no final, a decisão final cabe a mim. E sim, isso faz a diferença! Você é uma pessoa que toma decisões facilmente? Vamos colocar desta forma: quando tomo uma decisão, eu a mantenho. Mas nunca tomo decisões precipitadas e certamente sou antes de tudo um trabalhador em equipe; acima de tudo sei ouvir. O que nunca faço é me fixar em algo, prefiro ponderar bem as coisas antes de chegar a uma conclusão. Em comparação com os últimos Sínodos, qual foi a maior dificuldade em organizar o seu primeiro Sínodo como Presidente? Tivemos apenas uma oportunidade de nos encontrar pessoalmente, na primeira reunião do consistório imediatamente após nossa eleição em outubro passado. Depois disso, todas as reuniões aconteceram em modo digital, telefone, e-mail, Zoom, Teams… planejar um evento como um sínodo dessa forma é realmente cansativo e trabalhoso. Uma conversa direta deixa mais espaço, é mais espontânea, põe em movimento outros fios de pensamento, deixa mais espaço para a espontaneidade, inspiramo-nos uns aos outros. Reuniões digitais são extraordinariamente eficientes para isso, mas falta a possibilidade dos bastidores, que muitas vezes trazem algo a mais. Você mesmo é um especialista em TI… Sim certamente. E certamente continuaremos a usar muitos dos formatos digitais que já experimentamos e que se mostraram eficazes. A pandemia simplificou e acelerou muitas coisas nesse sentido. Esperando verdadeiramente que este seja o primeiro e também o último sínodo virtual, não podemos deixar de perceber que, para o que se costuma definir como heterogênese de fins, existem também alguns efeitos "colaterais" positivos. Por exemplo, economia de tempo para quem pode participar de casa ou a oportunidade de todos os membros da igreja acessarem o sínodo, independentemente de onde estejam. Quem sabe para o futuro talvez possamos pensar em um modelo híbrido, ou seja, um sínodo presencial com conexão parcial ao vivo, por exemplo. Normalmente nesses primeiros seis meses ele teria que viajar muito mais, como "embaixador" do CELI. Isto é verdade. E isso também é um aspecto que pesou um pouco nesses primeiros seis meses. Tivemos um encontro digital com os valdenses. Participamos da conferência dos presidentes das comunidades do CELI. Consoante a evolução da pandemia, o próximo encontro da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), em junho, para o qual somos convidados a participar, será também online. E ainda não está claro o que acontecerá no verão e no outono. Decisões de longo prazo são esperadas de um sínodo. Na sua opinião, quais são os desafios que precisam de uma resposta mais urgente? No momento tudo, mesmo tudo, está focado no Covid. eu diria demais. Na verdade, há tantos problemas que precisam de respostas imediatas. Mesmo perante um desafio global como o Covid-19, temos de ocupar todo o espaço de que necessitamos para podermos lidar com outras questões, não menos importantes para o futuro, senão ainda mais urgentes. Estou a pensar no ambiente e no desenvolvimento sustentável, em suma, em todas as questões abordadas pela Agenda 2030. Este é também um dos grandes desafios do nosso tempo, que nos diz respeito a todos e que exige não só intervenções imediatas e coletivas, mas também a nível individual, cada um de nós é chamado a assumir responsabilidades diretamente! Depois, há a questão da justiça social. O fosso social devido à pandemia está a aumentar globalmente, mas também nas nossas sociedades, nas nossas cidades. E depois há a questão do acesso à educação: também aqui a Covid agravou a situação de muitas famílias, de muitas crianças e jovens. Sem falar na questão da saúde e do acesso à assistência médica. Todos os campos onde vejo uma grande responsabilidade individual, mas também das igrejas, da nossa igreja. Na sua opinião, o papel da Igreja mudou após a pandemia? Eu formularia de forma diferente. Através da pandemia talvez tenhamos nos tornado mais conscientes do papel da Igreja em relação às nossas tarefas na pastoral e na sociedade. Quando o aspecto da comunidade falha e a igreja é experimentada digitalmente, duas coisas acontecem. Por um lado, percebemos que de repente algo está faltando, algo que tínhamos como certo. Por outro lado, entendemos que a igreja também é um elemento social importante e que, ao contrário do que pensávamos antes, ela pode muito bem e deve ser vivida em diferentes formatos. Mesmo virtuais! O que você espera concretamente deste sínodo? Espero que do diálogo dos seis grupos de trabalho – virtualmente reunidos em “salas” menores – surjam decisões que possam determinar os rumos do CELI no futuro. Todos os seis temas são importantes e requerem respostas concretas para o trabalho comunitário: Meio Ambiente, Justiça de Gênero, Diaconia, Juventude, Processamento do Período Pandêmico e Digitalização. A questão da justiça de gênero não é isenta de controvérsia no meio protestante. Como é a abordagem do CELI? Estamos abordando esse assunto com muita seriedade, mas com calma, franqueza e sem preconceitos. Convocamos todas as comunidades a participarem da elaboração do documento, envolvendo todos. A comissão fez um excelente trabalho, que resultou na declaração conjunta que espero que seja votada. A hospitalidade eucarística é um tema muito controverso, especialmente na Alemanha. Não estará entre os temas que o Sínodo abordará? Para nós não é um problema, ou melhor, não é vivido como tema de conflito, nem para os teólogos nem para as Comunidades. Simplesmente cumprimos o acordo de Lund: aqui todos os batizados são bem-vindos à mesa do Senhor. Onde você vê a necessidade de ação imediata? Precisamos apresentar melhor nossas comunidades externamente, dar a conhecer suas atividades também por meio de plataformas digitais. Maior visibilidade é um pré-requisito para poder crescer. em 28.04.21 Leia no site do CELI ...

Ler artigo
Um centro de estudos para a paz dedicado a Martin Luther King

Um centro de estudos para a paz dedicado a Martin Luther King

Torre Pellice (TO), 23 de agosto – Centro nacional de estudos dedicado a Martin Luther King. Do encontro conjunto de italianos protestantes, batistas metodistas e valdenses (BMV), em andamento em Torre Pellice (TO), foi aceita a proposta batista de nomear o ganhador do Prêmio Nobel da Paz após o pastor e líder do movimento pelos direitos civis – que é o aniversário do discurso histórico "Eu tenho um sonho" em 28 de agosto de 1963 - um centro de formação e estudo de questões relacionadas ao pacifismo, que será mantido pelas três igrejas.É apenas um dos temas discutidos hoje, terça-feira, 23 de agosto, às 13h30, na sala de imprensa da Casa Valdese di Torre Pellice, na via Beckwith, durante uma reunião para a mídia com a presença do presidente do Sínodo Valdense Pawel Gajewskipároco de Terni e Perugia, e Sara Comparetti, presidente da Assembleia Batista e vice-presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI, que reúne as históricas igrejas protestantes italianas), encontro apresentado e moderado por pastor metodista Peter Ciaccio. Com efeito, hoje terminou a Assembleia-Sínodo, ou seja, o momento de encontro conjunto entre as três igrejas Baptista, Metodista e Valdense. Trata-se de uma nomeação particularmente aguardada, visto que a última assembleia conjunta deste tipo se realizou em 2007. A próxima Assembleia-Sínodo terá lugar dentro de cinco anos. No centro do momento de encontro com os temas da paz e de Proteção Ambiental - ou melhor da criaçãoem chave cristã – “dois pontos sobre os quais nosso testemunho como igrejas protestantes só pode ser forte e com vozes unificadas”, como disse Sara Comparetti, uma batista. Em vez disso, o Sínodo valdense e metodista continua de hoje até sexta-feira, 26 de agosto, novamente na Torre Pellice. Comparetti sublinhou "a crescente união de intenções e visão entre batistas, metodistas e valdenses, conquistada nestes dias passados ​​juntos na Torre Pellice, que levou, entre outras coisas, à decisão de estabelecer uma frequência quinquenal de sessões conjuntas". “Entre as palavras-chave desta sessão, o que nós protestantes chamamos de 'renovação do Pacto' – declarou Pawel Gajewski, presidente do Sínodo Valdense - . Trata-se de atualizar os acordos de colaboração e cooperação entre as Igrejas, não só em nome da nossa comum fé cristã e das nossas raízes reformadas, mas também pelos compromissos que assumimos juntos na luta contra a pobreza, na justiça social, na paz e no integridade do criado". É possível assistir ao vídeo da coletiva de imprensa em www.rbe.it. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.