Viagens e Fronteiras – Nevada

Viagens e Fronteiras – Nevada

Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Viagens e fronteiras serão discutidas no próximo episódio de “Protestantismo”, a transmissão da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália transmitida pela Rai Tre no domingo, 11 de dezembro. “Milhões de pessoas em todo o mundo se mudam para escapar de guerras, mudanças climáticas, pobreza ou simplesmente para buscar um futuro melhor. Mas o direito de viajar é o mesmo para todos neste planeta? Ou as fronteiras muitas vezes se tornam paredes intransponíveis para os nascidos em algumas áreas do mundo? E as fronteiras dividem apenas nações diferentes ou também existem fronteiras dentro de um mesmo país?”, lê-se na apresentação do episódio. O maestro da transmissão será como sempre Cláudio Paravati. No estúdio a contribuição do escritor Djarah Kan e de Paulo Naso.

Os autores dos serviços são Bárbara batalhacom entrevista de dois jovens afegãos e relato do mais recente corredor humanitário para a população afegã, do Paquistão, e Sara Maniseracom uma reportagem sobre o festival de cinema de Rosarno, um dos projetos realizados graças ao albergue solidário “Dambe so” da Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da FCEI, e uma ficha informativa sobre o direito de viajar e o “peso específico” dos diferentes passaportes.

O episódio será transmitido no domingo, 11 de dezembro, às 7h, as reprises serão transmitidas na noite de terça-feira, 13 de dezembro, às 13h10, na noite de quarta-feira, 14 de dezembro, às 13h10, finalmente na noite de segunda-feira, 19 de dezembro, às 13h45, novamente no Rai 3.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Parentes substitutos.  Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Parentes substitutos. Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 16 de março de 2023 – 2 milhões de ajudantes e cuidadores domésticos, especialmente mulheres, mas não só. Cerca de metade dos quais são invisíveis e pagos fora dos livros. Apenas os trabalhadores do setor de serviços e mecânicos são numericamente mais numerosos, com 4,1 e 2,3 milhões de pessoas, respectivamente. Os que trabalham no setor doméstico superam os professores e os que trabalham nos transportes (ver Il Sole 24 Ore neste artigo). Estamos falando de mulheres e homens que cozinham; lavam e passam roupas; limpam cozinhas, salas e banheiros; que cuidam dos filhos dos outros; que acompanham os idosos na jornada, longa ou curta, da velhice. O trabalho doméstico é, na maioria dos casos, realizado por mulheres, tanto no que diz respeito a quem é pago para fazer este trabalho como nas famílias (em todos os países europeus há uma percentagem mais elevada de mulheres do que de homens que se ocupam dos cuidados com os filhos, tarefas domésticas e cozinha, dados ISTAT). No entanto, pesa sobre os cuidadores e trabalhadores domésticos uma “substituição” de papéis, que implica também um envolvimento relacional, emocional, existencial. Bem como, em alguns casos, a falta de reconhecimento social e econômico. Essas pessoas vivem conosco, em nossa sociedade, em nossas casas, frequentam nossas igrejas. Pedimos ao ministro de evangelização da Igreja Batista de Roma Trastevere, pároco Ivano De Gasperisum testemunho. “A ajuda doméstica é um tema sempre presente que preocupa os ricos, mas não só. Este tema também questiona as comunidades religiosas e os círculos de fé. Devemos sempre ter clareza sobre os limites entre experimentar um privilégio, um apoio e o que poderíamos definir como exploração real”, diz o pastor. “É o pão de cada dia para nós – continua De Gasperis – acompanhar essas irmãs, essas famílias, esses irmãos. Freqüentemente, famílias inteiras estão envolvidas neste trabalho, às vezes esposas e maridos são separados porque trabalham em famílias diferentes. Eles vivem em situações difíceis. Recentemente, conversei com uma mulher que queria parar. Porque quase se tornam mães dos filhos que cuidam. Há mães que se desinteressam completamente dos filhos naturais. Mães e pais que delegam, que confiam quase totalmente a educação dos filhos a babás; empregadas domésticas que quase se tornam esposas de maridos com quem talvez não haja mais um bom relacionamento. Onde talvez existam casais divorciados. Em alguns casos, esses colaboradores se veem tendo que fazer a mediação entre um e outro". Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI – openai.com (ER/NEV) …”sacrificar-se como membros da família” A estas “nossas irmãs”, a estes “nossos irmãos”, é pedido que “vivam para os outros, portanto, que se sacrifiquem como se fossem membros da família. Eles se dirigem aos empregadores como 'minha avó'. Eles vivem juntos, às vezes desenvolvendo patologias”, continua o pastor. Algumas dessas pessoas têm contato limitado com o mundo exterior, “justamente pelo trabalho delicado que realizam. Alguns empregadores até os fazem prometer não ver ninguém, trancam os cuidadores e os idosos durante anos” (pense no período da pandemia). Essas pessoas “tornam-se mães, esposas, filhas. Às vezes, eles são mal pagos ou, se pagos honestamente, certamente não são pagos por esse tipo de 'performance'. Fala-se inclusive de um novo perfil psicopatológico, a 'síndrome italiana'. Uma forma de depressão. Pensemos, por exemplo, em quantos são obrigados a chorar à distância. Ou, de volta ao seu país de origem, encontram-se em casa com maridos que já eram um casal estável com outra mulher e com filhos que as odeiam porque se sentiram abandonadas quando suas mães vieram trabalhar na Itália”. Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico No próximo dia 23 de março (às 10h na Sala Salvadori da Câmara dos Deputados, em Roma) a segunda papel do Relatório 2023 Família (Net) Trabalho, "Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico". Editado pelo Centro de Estudos e Investigação Idos, este relatório centra-se na necessidade familiar de mão-de-obra estrangeira no sector dos cuidados e assistência ao domicílio. Entre os palestrantes também Júlia Gori, oficiais de projeto do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), "Esperança do Mediterrâneo", representando a campanha "Fui estrangeiro" à qual a própria FCEI adere. Giulia Gori vai chamar a atenção para a questão da falhada regularização de 2020 ("Fui estrangeira" de facto faz um acompanhamento atento das práticas, donde resulta que ao fim de três anos alguns territórios já realizaram cerca de metade delas). Além disso, a proposta de superação do sistema de cotas do decreto de fluxo, cotas que, aliás, não contemplam as pessoas que exercem o trabalho doméstico, portanto, impossibilitadas de regularizar-se. Em cima da mesa, fui estrangeiro ainda põe o pedido de abertura a autorizações de residência para trabalho ou a uma regularização que permita a saída do trabalho não declarado. O Relatório 2023 será apresentado na íntegra em novembro deste ano e está dividido em 4 capítulos, cada um dos quais a cargo de um dos parceiros do projeto, promovido pela Assindatcolf em parceria com o Censis, Effe (European Federation for Family Employment & Home Care), Fundação de Estudos de Consultores Trabalhistas e Centro de Estudos e Pesquisas Idos. Para saber mais: 01/03/2023 Migrantes, Assindatcolf-Idos: para o setor doméstico fluxos fechados há 12 anos, cuidadores e trabalhadores domésticos não estão mais disponíveis 09/03/2023 Migrantes, Assindatcolf: Governo estende decreto de fluxo também a empregadas domésticas e cuidadoras ...

Ler artigo
Os desafios das igrejas em meio à covid, emergências sociais e comunicação

Os desafios das igrejas em meio à covid, emergências sociais e comunicação

Roma (SSSMV04), 23 de agosto de 2021 – O trabalho do Sínodo das igrejas metodistas e valdenses ganhou vida. O corpo decisório máximo de valdenses e metodistas está ocorrendo de forma mista (presencial e online), após um ano de paralisação por conta da pandemia. Ao todo, foram convocados 180 deputados e deputadas, 50 dos quais reunidos na Torre Pellice, no coração dos vales valdenses na província de Torino. Na mesa de debate, os temas que mais debatem são a vida da Igreja e o seu futuro, a pandemia como oportunidade de renascimento e reprogramação, os direitos humanos, a proteção das minorias, o compromisso social de luta contra a pobreza. Além disso, foram discutidas as relações com o Estado, corredores humanitários e migrações, a situação no Afeganistão. E ainda: de Next Generation (esta noite às 20:45 da noite pública) e do protagonismo europeu, sem descurar os temas da pastoral, das vocações, da teologia e do ecumenismo. As igrejas metodista e valdense mantêm vivo o seu papel no espaço público: desde o financiamento de projetos sociais, culturais e assistenciais, na Itália e no exterior, até os serviços diaconais e o cuidado das almas. O Sínodo expressa assim a vida das Igrejas, em resumo: oração, ação, partilha. Terça-feira, 24 de agosto e quarta-feira, 25 de agosto, às 18h30, resumo imprensa web ao vivo do Sínodo. Conectar www.rbe.it Explore o Sínodo 2021 (NEVCS/21) ...

Ler artigo
Igrejas reformadas em todo o mundo.  A palavra às Igrejas do Oriente Médio e de Gaza

Igrejas reformadas em todo o mundo. A palavra às Igrejas do Oriente Médio e de Gaza

Roma (NEV), 27 de abril de 2021 – O "processo de discernimento" da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) continua. É um ciclo de encontros online sobre o tema "COVID e além". O próximo compromisso é quarta-feira, 28 de abril, às 15h, uma oportunidade para compartilhar ideias e reflexões sobre áreas de particular urgência. No contexto da pandemia de covid-19, as igrejas são chamadas a responder à injustiça e à crise. Este encontro conta com a participação das igrejas do Oriente Médio com uma apresentação intitulada "Fé em meio às calamidades". Esta região é caracterizada por instabilidade, incerteza e problemas constantes. As igrejas reformadas no Egito, Líbano, Irã, Iraque e Síria são uma parte inseparável de suas sociedades. Eles estão experimentando diferentes tipos de calamidades. "No entanto - lê-se na apresentação do evento -, em meio a essas calamidades, essas igrejas estão experimentando a presença de Deus. E estão ouvindo seu chamado para levar fé e esperança às suas sociedades". A segunda apresentação enfoca especificamente o povo palestino, com quem o CMCR tem se engajado em prol da justiça e da esperança. A intervenção tem por base o documento “Cry for Hope: A Call to Decisive Action” da coligação Kairós Palestina, que a CMCR convida a assinar. Entre os temas: os últimos despejos forçados de famílias palestinas, a situação difícil da população de Gaza e as aspirações dos jovens. Uma reflexão teológica também deve ser feita sobre a situação palestina no contexto do colonialismo, ocupação e império. O círculo de compartilhamento será transmitido ao vivo nas páginas do CMCR no Facebook, em inglês, francês, espanhol e postado no canal WCRC no YouTube. Você pode participar com comentários e mensagens escrevendo para este endereço de e-mail: [email protected] O que Deus quer de nós? “O que Deus quer de nós? Discernir, confessar e testemunhar no tempo do COVID-19 e além." É o processo de discernimento, com duração de um ano, tendo em vista o encontro presencial previsto para o final de 2021. O caminho culminará com a confissão coletiva da Comunhão por ocasião da Assembleia Geral de 2024, intitulada “Um Deus de vida”. Mais informações estão disponíveis em wcrc.ch/require. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.