Caim e Abel juntos em nós

Caim e Abel juntos em nós

No texto bíblico que fala de Caim e Abel, o tema de “Voz do sangue de seu irmão.” Em hebraico, literalmente, falamos de “sangues”, no plural, talvez em tom de reforço, e certamente no sentido de “ssangue derramado”. Os “sangues” de Abel “geles riem do céu. é um sponto perturbador. Nós sabemos – continua Garrone -. Hoje o sangue de Abel é exibido ao vivo. Vemos isso diariamente nos noticiários e na imprensa. Às vezes mais modestamente, mas mais frequentemente não. o Padosso diz respeito à pergunta: que emoções este grito de hoje desperta em nós? O risco é o de umhabituação, que é de fato uma reação defensiva, mas corre o risco de não nos fazer compreender a extensão deste grito”. Sobre a culpa de Caim, novamente, ele diz: “Se for muito grande, a lEttore Cristiano poderia dizer isso Deus pode ‘levantar’ o pecado. Caim nunca partiu, e nem Abel. O Vo problema somos nós que, em média, não somos nem Caim nem Abel, pois não matamos ninguém e não somos torturados ou exterminados. Temos que descobrir como para se posicionar com responsabilidade no mundo, entre os perpetradores e as vítimas. Estamos nesta zona intermédia, que poderíamos definir como zona cinzenta, onde, no entanto, existe o risco de esquizofrenia, como a que em Shoah levou à atrocidade do anti-semitismo nazista. E onde, ao mesmo tempo, havia aqueles que se matavam para se opor a ela e aqueles que, em vez disso, compartilhavam as medidas antijudaicas. estamos nessa tbTemo que possa me tornar Caim ou Abel. como cristiani vamos fazer um rA teoria de Abel, impulsionada por uma espécie de atração pelas vítimas. Se você é uma vítima, você é bom. Mas se quando Caim se aproximasse de Abel, Abel se virasse e escapasse, ou se vingasse, ele não seria mais Abel. Assim acontece hoje, em cconflitos em curso, nas migrações. Não podemos resolver a questão por meio de dicotomias ou sem reconhecer que estamos em meio às ambiguidades do mondo”.

Yassine Lafram, Presidente da União das Comunidades iMuçulmanos na Itália (UCOII), falou de diálogo como experiência, e reafirmou aimportância do encontro, além das diferenças, na clareza dem suas respectivas posições. “Se Deus quisesse fazer de nós uma única comunidade, ele o teria feito, ao invés disso, ele nos fez diferentes – disse citando o Alcorão -. Deus criou Povos e tribos para que ‘se conheçam’, está escrito”. Lafram também sublinhou a necessidade de “tornar o diálogo pandêmico, não só na esfera religiosa, mas também levando-o para outro lugar, onde não seja considerado necessário, onde pareça anômalo. Por exemplo, em um festival de cinema como o TMFF”. Lafram também lembrou como, no Alcorão, pe.O primeiro pecado cometido pela humanidade é o de Satanás. Deus pede que Adão e Satanás fiquem consternados, este se recusa dizendo que vindo do fogo é melhor do que a terra, o barro do qual Adão é feito. “Uma pena de sarrogância, a de se sentir melhor do que os outros. Então – continua Lafram –

vem o primeiro crime da humanidade, na primeira família da humanidade, e esse crime ocorre entre irmãos”. existem dopiniões e interpretações divergentes dos exegetas, mas no texto seguinte, ao falar dos filhos de Adão, o Alcorão reconhece a sacralidade da vida humana.

O rabino Benedetto Carucci Viterbi em seu discurso falou dos laços de fraternidade na Bíblia, desde Ismael e Isaque, um Esaú e Jacó, um José e seus irmãos. é “rcontribuições concretas, de uma humanidade que nasce de um fratricídio”. Bom e mau, no texto como noexegese, são difíceis de desemaranhar para o judaísmo. “No entanto, em algumas interpretações judaicas Caim é o primeiro ser humano que se arrepende. Quando ele diz ‘o mEu peco é muito pesado para suportar (?)’, como uma pergunta ou como uma afirmação, pode-se dizer que Deus seja capaz de perdoar até mesmo essa falha. é um vers chave. Uma espécie de confissão.” Relegar Caim sozinho na esfera do mal é uma simplificação, argumenta o rabino. Também, quando o padre questiona Caim, que diz “Eu me arrependi e fiz um acordo. Uma mediação”, Adam percebe que é possível e diz que tentará se arrepender. “Caim ensina seu pai. O pai segue o que o filho ensina”, disse Carucci Viterbi. “Conhecer é misturar – acrescentou, citando Adão e Eva que, misturando o bem e o mal, mesmo na metáfora da união, introjetaram ambos -. Constitutivamente, o ser humano é, portanto, constituído por dois instintos. Em nós existem Caim e Abel juntos”.

Swamini Shuddhananda Ghiri, freira hindu e referente da União Hindu Italiana (UII) começou falando de como esta história de Caim e Abel pode ser percebida comosugestão e como provocação. Encontrar um “semelhança simbólica” que, sem forçar paralelos, indica um diálogo possível. É a figura do filho de Prajapati que dá origem a toda a manifestação viva. “The Bright and the Dark, traduzido do sânscrito. Eles representam boas forças e forças egoístas. No hinduísmo não há palavra para o mal. Onde falamos do mal, na verdade estamos falando da afirmação de uma individualidade contra a empatia. Diga simSomos todos bons ou maus é uma simplificação”. Para Shuddhananda Ghiri a humanidade vive em um “umdesejo constante de voltar ao um, ao absoluto. A dualidade que caracteriza a existência humana na Terra é a mesma com que fnos enfrentamos em uma luta contínua”. Outro exemplo dessa dualidade tentando integrar está presente no miti, em escrituras e representações iconográficas. “A figura feminina de Durga, aquela que é difícil de destruir, e carrega dentro de si não só o maternal que acolhe, mas também a forma do tridente que mata o búfalo, uma espécie de demônio que tem a característica de mudar de forma continuamente . Representa simbolicamente nossas mentes e impulsos. Como seres humanos somos levados a males mortais, como a insatisfação no micro e macro cosmo social, e isso está na raiz do conflito. Conforme declarado no Veja, temos que reconhecer este aspecto, dentro e fora de nós mesmos”. no tRaízes indianas e hindus em particular, explicou a religiosa, não há palavra para dizer “demônio”, no sentido maniqueísta ou como uma realidade ontológica. “O Pe.arola Dharma, no sentido de harmonia, bem comum e justiça, tem o oposto a-Dharma, no sentido privativo. Isso marca a polaridade, como aquela entre umtração e repulsão. Queremos dizer o dual como um desafio a ser superado para alcançar a unidade. Este é um conceito no qual se encontram as religiões”, concluiu Shuddhananda Ghiri.

Chapéus William Doryu do Anshin Zen Center e membro da União Budista Italiana (UBI), conectado remotamente, reafirmou o valor do “mescola”. Mesmo no budismo não existe um termo para “mal”, mas existe um termo indicando situações insalubres. “Saber cousa fazer para evitar as más ações – disse Doryu Cappelli -, nos apoiamos nas religiões, em busca de respostas, ou caminhos espirituais precisos. Como se quiséssemos entrar para um clube, ter uma identidade precisa e nos identificarmos em determinados caminhos. Também no budismo temos Pe.receptivos, que procuramos seguir, como em outras religiões. No entanto, não há nada tão certo e definido. PARA Às vezes, o mal vem de tentar derrotar outro mal. não existe eudeusa absoluta do ‘mal’ e do ‘bem’. Veja o conto zen da rocha azul, caso 41. Ele diz Onde o direito é o mistura errada, nem mesmo eu ensaios pode Sei; […] nem mesmo os Budas podem saber.[…] Ele caminha no gelo sutil E corre sobre a lâmina de uma espada’. Também no dNos discursos de Buda, encontramos aforismos simples, como ‘Pare de fazer o mal, pratique o bem, cultive o bem, purifique o coração’. Às vezes, para fazer isso, temos que ir contra certas indicações, parair além das dicotomias. O puro entra na terra sem caminhos em uma dimensão além. Mas o que isso significa?urness? Minimizando o mal? continuou Doryu Cappelli, questionando-se sobre como evitar a absolutização do mal, como compreender sua impermanência e como analisar as interconexões. E concluiu com um convite a despertar no intercâmbio de culturas e geografias.

A conferência foi aberta com saudações de David Milani (presidente da Fondazione Ente dello Spettacolo que organiza o Tertio Millennio Film Fest) e do Juliano Savina (diretor do Departamento de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana e coordenador da Mesa de Diálogo Inter-religioso que promoveu a conferência e escolheu o tema da festa).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Eu tenho um sonho 60 anos depois.  Entre o sonho e o pesadelo americano

Eu tenho um sonho 60 anos depois. Entre o sonho e o pesadelo americano

Roma (NEV), 28 de agosto de 2023 – por Paulo Naso – O sexagésimo aniversário da grande reunião de Washington que, pela primeira vez na história do Movimento dos Direitos Civis, reuniu mais de 200.000 pessoas de todos os Estados Unidos, cai num momento muito particular e complicado para a sociedade e a política americanas. Esse evento, fortemente desejado por Martin Luther King por mais desencorajado e até mesmo contestado pelos irmãos Kennedy, marcou um momento de recomposição nacional. Durou apenas algumas semanas – no dia 22 de Novembro o Presidente foi morto em Dallas – mas nesse espaço de tempo algo mudou no coração da América e o grande crédito por este novo clima foi para o Reverendo King. Seu discurso ficou famoso por uma redefinição do sonho americano do ponto de vista ético e político. Foi o cantor Mahalia Jackson gritar "Vamos Martin, conte-lhe o sonho" e King, que havia feito um discurso semelhante em outras ocasiões, encontrou as palavras para tocar a alma profunda da América. Fê-lo como pregador que era, mas dando a esse sonho uma dimensão política precisa. As referências à libertação dos escravos israelitas, a vocação para ser aquela "cidade na colina" pregada pelos pais peregrinos, a citação da Declaração da Independência e, portanto, a referência ao direito inalienável à vida, à liberdade e à busca da felicidade, constituíram os pilares retóricos de um discurso que, com razão, é considerado um dos mais famosos do século passado. Diante daquela manifestação e daquele discurso, a Casa Branca - até então imóvel e pouco reativa a um movimento que exigia o direito fundamental de toda democracia, o direito ao voto - teve que reconhecer que era hora de esperar e de oportunismo prudente para não desagradar dos Democratas do Sul, ainda condicionados pelo segregacionismo, acabou. Mas às vezes a história corre rápido demais e, em 15 de setembro de 1963, a retaliação do terror racista após o sucesso indiscutível do comício de 28 de agosto foi violenta e terrível: uma bomba plantada por ativistas da KKK em uma Igreja Batista em Birmingham, Alabama, matou 4 pessoas. garotas. Do sonho ao pesadelo americano, da visão confiante de uma América reconciliada consigo mesma e pronta a abrir uma nova página da sua história moral e civil, nas trevas do ódio e do racismo. Depois houve o assassinato de Kennedy, depois a escalada da guerra no Vietname e, apenas em 1965 - dois anos após a reunião em Washington - o Presidente Johnson assinou a lei reconhecendo o direito de voto aos afro-americanos. E nesse ponto King estava certo ao dizer “muito pouco, muito tarde”. O movimento cresceu e novas questões – a pobreza dos afro-americanos, em primeiro lugar – impuseram uma nova agenda política. A celebração do sexagésimo aniversário do discurso “Eu tenho um sonho” acarreta o risco de abusos retóricos, instrumentais e anti-históricos. Esse discurso foi ouvido, comoveu e mudou o sentimento de muitos americanos, mas não marcou a viragem política que todos esperavam. Portanto, não deve ser lembrado apenas pela sua qualidade retórica, espiritual e política; mas também pelo facto de oestabelecimento ele não sabia ou não queria compreender, continuando a demorar para não reconhecer imediatamente o que era devido a mais de 20 milhões de afro-americanos e à consciência moral da América. Sessenta anos depois, as questões dos direitos das minorias e da justiça social não estão no centro do debate nos EUA. O debate público é monopolizado por Trump e pelo seu rosto ridiculamente sombrio retratado numa prisão da Geórgia. Na triste América de hoje, a alegria confiante de uma possível mudança, expressa há sessenta anos em Washington, continua a ser o ícone de uma esperança que ainda hoje não se concretiza. ...

Ler artigo
19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

A fachada da igreja valdense na via IV novembro em Roma. Foto da Wikipédia Roma (NEV), 15 de julho de 2020 - Um serviço de comemoração presidido pelo pároco valdense será realizado em Roma no domingo, 19 de julho Rio Emanuelexatamente 400 anos após o massacre conhecido como o "Sagrado Matadouro de Valtellina". “Relembraremos este episódio da nossa história durante o culto” escreveu o pastor Fiume na primeira página do boletim julho-agosto “Protestantes em Roma”, enviado aos membros e simpatizantes da comunidade valdense que se reúne na via IV novembro 107 em Roma . O culto do próximo dia 19 de julho, que como todos os domingos do período de verão acontecerá às 11h junto com a comunidade francófona, será realizado respeitando as medidas sanitárias e de segurança indicadas pela Junta Valdense e pelas autoridades. A agência de notícias NEV publicou um arquivo intitulado O "matadeiro sagrado" de Valtellina (19 de julho de 1620), editado pelo próprio Emanuele Fiume, no qual o pastor e estudioso refaz as etapas históricas do extermínio religioso de centenas de protestantes ocorrido em julho de 1620. Acesse o CARD. Para mais informações sobre o culto e sobre a igreja valdense na via IV de novembro em Roma clique AQUI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.