Afeganistão.  As histórias do povo

Afeganistão. As histórias do povo

Roma (NEV), 29 de novembro de 2022 – A vida após 15 de agosto de 2021 tornou-se um “pesadelo”. Mohammad repete isso várias vezes enquanto fala sobre como o Afeganistão mudou com o retorno do Talibã. Ele os chama de “monstros”. Ele tem dois livros na mesa de cabeceira do quarto onde mora com sua família, um é um livro de medicina, seu trabalho em Cabul, o outro é “Italiano para leigos”, para aprender o básico do italiano, tendo em vista a partida .

Não há livros, mas folhas para desenhar na casa da segunda família que encontramos: são dois filhos pequenos, um casal, uma irmã adulta. Outros parentes moram nas proximidades. São um grande núcleo, vêm da província de Bamiyan, no centro do Afeganistão, onde em 2001 as estátuas de dois Budas foram destruídas pelos talibãs. Eles nos oferecem um chá de açafrão. Pergunto-lhe como é que os pais se conheceram: “somos primos”, eles respondem, coram e sorriem, “ela passava por baixo da minha janela e reparei nela”. Será o único momento em que a história deles não será tensa, difícil, dura.

Eles são da etnia hazara, assim como outro grande núcleo que encontramos em um apartamento a alguns quilômetros de distância, em Islamabad. Marido, esposa e filha de poucos meses, avô e avó, ambos muito pequenos, e mais quatro filhos, pouco mais que adolescentes. É ciclista mas também fotógrafo (com 12.000 seguidores no instagram): vendeu a bicicleta, quer saber quando poderá voltar a correr. Não era possível praticar esportes sob o Talibã. E não era possível ou seguro para ele continuar morando no Afeganistão, porque ele treinou as meninas. A mãe sempre esteve envolvida na política, a nível local e regional. Toda a família tem uma história de engajamento e ativismo. Em uma mala, ao se preparar para o voo para a Itália, trouxeram toda uma louça.

Foto de Niccolo Parigini

O Sr. Sediqi, nascido em 1956 e com vários problemas de saúde, viajou de carroça para cruzar a fronteira. Ele foi jardineiro anos atrás e reencontra a família que já está na Itália. Tem sido acompanhado nos últimos meses – superando obstáculos de todo o tipo e várias vicissitudes – por um rapaz de apenas 17 anos, que essencialmente se encarregou dele. “Viramos uma família”, disse, olhando para o smartphone, como qualquer adolescente. Ele abraçou sua mãe, que havia conseguido partir em julho passado com o primeiro vôo dos corredores humanitários, em Fiumicino, alguns dias depois de nosso encontro, ela trouxe para ele uma poinsétia.

Ele vem de Bamiyan – que era “famosa pelos direitos humanos, pela participação das pessoas na vida pública, um dos centros mais democráticos e avançados do país” – HS, jornalista, fotojornalista, ativista de direitos humanos, também trabalhou como intérprete e fixadores. Ele conta de muitos colegas que ficaram lá e não conseguiram se comunicar. “Depois de 2001 eu tinha esperança de que nosso país pudesse ser um lugar de liberdade e eu estava fazendo todo o possível, como ativista, para que isso acontecesse, mas com a chegada do Talibã perdemos tudo, tudo o que conquistamos em termos de direitos. “, explica. As mulheres não podem “participar da vida pública, ir à escola, não podem fazer nada”, as minorias “são alvos, constantemente em perigo”. Quem protesta é. Ele fala de “tortura pública”, julgamentos sumários, negação de todos os direitos. “O Afeganistão será um problema para o mundo inteiro se as coisas continuarem assim: precisamos acabar com essa ditadura, apoiar verdadeiramente os valores dos direitos, e não com slogans”, conclui.

Foto de Niccolo Parigini

Nisar, que ensinava inglês para meninas em Cabul, também fala de mulheres e por isso teve que fugir. Mora com a mãe, ela gostaria de se colocar à disposição dos outros, trabalhou em salão de beleza quando era mais nova, diz saber costurar e cozinhar, principalmente o Bor pilau, prato feito com arroz e carne. “Tive que me esconder, mudei de casa e de endereço constantemente, até conseguir chegar ao Paquistão”, explica o filho.

Porque “ninguém sabe o que realmente está acontecendo naquele país, agora”, acrescenta Hakim Bawar, um jovem que partirá com seu irmão para Roma, que trabalhou durante anos com organizações locais e internacionais, ONGs, pelos direitos humanos. “Acredite ou não, às vezes penso que teria sido melhor morrer no Afeganistão, com meu povo, do que fugir. Existem milhões de pessoas que não têm escolha, têm que ficar lá. Mulheres. Que hoje elas não têm chance, senão de sofrer, senão de serem submetidas à violência”. E ele aponta o dedo para os governos ocidentais. “As pessoas se sentiram traídas. Mulheres, milhões de mulheres, foram entregues nas mãos do Talibã, é um inferno para elas. O Oeste? Vieram há vinte anos e prometeram-nos democracia, prosperidade e, em vez disso, trouxeram-nos o Talibã”. O que deveriam, poderiam, os países europeus, o Ocidente, de fato, fazer? “É tarde demais. Não confiamos mais neles.”


O projeto dos corredores humanitários do Afeganistão é realizado por: Federação de Igrejas Evangélicas (FCEI), Tavola Valdese, Arci, Caritas, Sant’Egidio, OIM.

Os corredores humanitários das igrejas evangélicas são financiados pelo Otto per mille das igrejas metodistas e valdenses; o acolhimento dos beneficiários é administrado e executado pela Diaconia Valdense e pela FCEI.

Para maiores informações:

do Programa de Migrantes e Refugiados da Federação das Igrejas Protestantes na Itália, Mediterrâneo Esperança) e


Nota do editor, os nomes das pessoas entrevistadas foram alterados, aparecem apenas como siglas ou não estão completos com nome e sobrenome por motivos relacionados à sua segurança e à vulnerabilidade de suas situações, de suas famílias e daqueles que permaneceram no Afeganistão.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dossiê Estatístico de Imigração 2022, apresentação amanhã

Dossiê Estatístico de Imigração 2022, apresentação amanhã

Roma (NEV), 26 de outubro de 2022 – Está de volta o encontro com a apresentação do Dossiê Estatístico de Imigração 2022. O evento será realizado no dia 27 de outubro, às 10h30, no Nuovo Teatro Orione, em Roma, e será aberto com a introdução do moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta, cuja fala será seguida da projeção de um vídeo. O conteúdo do Dossiê será então ilustrado por Luca Di Sciullopresidente do Centro de Estudos e Pesquisas IDOS. AQUI o programa do dia e o debate, coordenarão os trabalhos Cláudio Paravati. No mesmo dia, o dossiê será apresentado em toda a Itália. No encontro agendado em Aosta, a partir das 17h30, participarão da conexão Giovanni D'Ambrosio e Laura Guanidois operadores do Mediterranean Hope, um programa de refugiados e migrantes da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, de Lampedusa. Aqui o cartaz do encontro na capital do Valle D'Aosta. ...

Ler artigo
Faculdade Valdense.  Abertura do ano letivo 2021/22

Faculdade Valdense. Abertura do ano letivo 2021/22

Roma (NEV), 6 de outubro de 2021 – A abertura do ano acadêmico 2021/22 da Faculdade Valdense de Teologia (FVT) será oficialmente realizada no sábado, 9 de outubro, às 17h30, com a Prolusão na Aula Magna pelo professor Oswald Bayer (Tubinga). Tema de seu discurso: . A Prolusão pode ser acompanhada em transmissão ao vivo na seguinte página: (Participação no local é limitada a pensionistas, alunos da Licenciatura em Teologia residentes em Roma, alunos Erasmus e Melantone Center, funcionários e professores do corpo docente, párocos. Green Pass necessário para log em). Domingo 10 de Outubro, habitual Culto de Abertura, a partir das 11. Pregação do pároco Lothar Vogel. O culto é realizado na Igreja Valdense na Via IV Novembre, participação no culto de abertura somente no local. Nos próximos dias, estão previstas várias iniciativas para a “Semana introdutória”. No site da faculdade todos os detalhes. Reportamos na segunda-feira, 11 de outubro, horário: 9 a 11, a apresentação dos cursos da Faculdade. 11-13 e 15-17, Fulvio Ferrario sobre: ​​“A teologia cristã na presença das ciências. Cinco teses. Zoom ao vivo ativado Terça-feira, 12 de outubro, às 9h, a introdução à Biblioteca. 11-13, com Lothar Vogel sobre: ​​“Considerações históricas sobre a gênese do problema fé-ciência”. Às 15h, encontro com estudantes internacionais. Zoom ao vivo sempre para cima Quarta-feira, 13 de outubro, de 9 com Lothar Vogel: leitura de passagens selecionadas das Cartas Copérnicas por Galileu Galileizoom direto em Aos 18, a apresentação do livro "As palavras da fé" (de José LorizioFúlvio Ferrario Germano Marani) Por motivos de organização, por favor, confirme a participação no local enviando um e-mail para: [email protected] Green Pass necessário para acessar. Acompanhe a transmissão ao vivo em Finalmente, na quinta-feira, 14 de outubro, haverá uma excursão para os alunos da Licenciatura em Teologia, Erasmo, Centro Melantone. Cursos “Tudo o que você pode aprender” Na oferta formativa da Faculdade, também os cursos abertos a todos, segundo a modalidade “All you can learn”: ao inscrever-se como “auditor” durante um ano letivo completo, tem acesso a todos os cursos indicados no FVT catálogo e programa. Os cursos “Tudo que você pode aprender” já agendados para este ano são: História do Cristianismo na época da Reforma (1400-1650), com Lothar Vogel. Curso de teologia feminista e de gênero "Construindo a igreja juntos, pessoas de todas as cores e gêneros", com Letizia Tomassone. “Que proveito tira o homem do esforço com que trabalha debaixo do sol? (Qoh 1,3)” – Leitura completa do Eclesiastes ou Qohelet, Curso de exegese do Antigo Testamento, com Daniele Garrone. Por fim, com Fulvio Ferrario, haverá: “Ao som da última trombeta. Introdução à doutrina cristã da esperança". “O problema teológico na filosofia grega. Das suas origens a Sócrates". “História da teologia moderna e contemporânea. Momentos e figuras da teologia do século XX". “Introdução à Teologia Sistemática. Estruturas fundamentais da fé cristã”. A Faculdade Valdense de Teologia A Faculdade Valdense de Teologia é o instituto mais antigo da Itália para o estudo universitário de teologia evangélica. Foi fundada em 1855 na Torre Pellice (TO), e depois mudou-se para Florença para o Palazzo Salviati de 1860 a 1921, e para Roma, na via Pietro Cossa, ao lado da igreja valdense na Piazza Cavour. A Faculdade representa um ponto de encontro e diálogo, dada a participação de muitos estudantes estrangeiros e em virtude de uma acentuada sensibilidade ecuménica. ...

Ler artigo
Ratzinger, um papa muito ‘papal’.  Entrevista com Fúlvio Ferrario

Ratzinger, um papa muito ‘papal’. Entrevista com Fúlvio Ferrario

Foto Wikimedia Commons Roma (NEV), 3 de janeiro de 2023 – Consultamos o teólogo Fulvio FerrarioProfessor Titular de Dogmática na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, um dia após a morte de Bento XVI. Do ponto de vista protestante, quais foram as características marcantes, positivas e negativas, do pontificado de Bento XVI? Eu não quero oferecer classificações. Diria que Ratzinger foi um papa muito "papal" que, no século XXI, quis e soube propor um modelo de catolicismo extremamente perfilado, a nível eclesial, disciplinar e teológico. Isso não constituiu um problema particularmente grave para as Igrejas evangélicas: pelo contrário, criou dificuldades para as tendências, dentro da Igreja de Roma, que teriam querido entender o Vaticano II como ponto de partida e não como ponto de chegada. É justo dizer que Ratzinger foi o papa do inverno ecumênico, um inverno que talvez tenha começado quando ele era prefeito da Congregação para a Propaganda da Fé? Não creio que Ratzinger fosse contra o ecumenismo: na verdade, ele repetidamente se mostrou aberto à discussão e, em Erfurt, em 2011, disse talvez as palavras mais profundas que um pontífice já proferiu sobre Lutero (embora um observador malicioso pudesse insinuar que o a concorrência, afinal, não era muito forte...). Certamente, porém, concebeu o confronto em termos estáticos, como clarificação recíproca e não como contaminação, uma troca de carismas. Em todo caso, Bento XVI foi mais atento e perspicaz do que muitos de seus fanáticos, crentes e não (há também ratzingerianos ateus), que fizeram dela, pura e simplesmente, uma bandeira do conservadorismo ou mesmo da reação. Uma personalidade conservadora que, no entanto, surpreendeu a todos com sua renúncia, um gesto corajoso e um tanto revolucionário. Como você avalia esse aspecto? Espero não parecer irreverente se disser que ser emérito aos 85 anos me parece, entretanto, um gesto de bom senso. O fato de ser revolucionário diz algo sobre a instituição da Igreja Católica. Bento XVI era certamente um conservador, mas tinha uma consciência de fé muito lúcida, que lhe permitia distinguir pessoa de função em termos pouco usuais para a sua Igreja, mas dos quais, a partir de agora, creio que os seus sucessores terão de levar em conta. Depois de Bento XVI, foi eleito o Papa Francisco, de papa alemão para argentino. Ratzinger foi o canto do cisne da teologia européia em um mundo onde o cristianismo tem cada vez mais raízes no hemisfério sul? Não é apenas uma questão de teologia: é precisamente o centro de gravidade do cristianismo que se deslocou para o outro hemisfério. Claro que não posso dizer se isso significa o fim do papado europeu. O que é certo é que a verdadeira periferia do cristianismo hoje é a Europa; ou, dito positivamente, as igrejas européias podem ser concebidas como postos avançados missionários in partibus infidelium. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.