Religiões do G20, Kitanovic (KEK): “Mais e mais casos de violação da liberdade religiosa”

Religiões do G20, Kitanovic (KEK): “Mais e mais casos de violação da liberdade religiosa”

Elle Leontiev, antisplash

Roma (NEV), 23 de setembro de 2021 – Elizabeta Kitanovićsecretário executivo para os direitos humanos da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) é o protagonista da terceira e última entrevista realizada à margem do G20 das religiões, em Bolonha.

A Conferência das Igrejas Europeias, juntamente com o Centro de Segurança e Crise (SACC) do Congresso Judaico Europeu (EJC), Faith Matters e a União Budista Europeia, recebeu uma subvenção de 3 milhões de euros da Comissão Europeia para a Proteção de locais de culto na Europa em maio passado.

O CEC está muito comprometido com a questão da liberdade religiosa. Qual é a situação na Europa? Quais projetos estão em andamento?

O nosso principal compromisso, graças ao contributo da Comissão Europeia, é dar formação sobre segurança nos locais de culto, para sensibilizar os cidadãos, através de diversas atividades de literacia religiosa. Dentro desse programa tão amplo, produzimos um guia para as agências de aplicação da lei: um documento dirigido aos “insiders”, de advogados a policiais, para tentar explicar como o cristianismo, o budismo, o ‘slam e o judaísmo, nos vários países, como comunidades vivem e se organizam. O segundo passo, novamente em termos de advocacia e informação, foi produzir orientações para líderes religiosos e fiéis sobre a proteção de locais de culto. Não importa se você é crente ou não, porque ter mais informação e consciência pode salvar a sua vida e salvar a vida de outras pessoas.

Construímos então um website, www.sasce.eu, e promovemos centenas de cursos de formação. Os dirigidos aos líderes das igrejas, para os ajudar a tomar consciência dos riscos: isto significa que as igrejas e símbolos eclesiásticos em edifícios religiosos devem ter planos específicos de segurança. E também significa que os líderes religiosos devem manter relações muito estreitas e constantes com as forças da ordem, para prevenir qualquer ataque e episódio de possível risco. Além disso, no âmbito deste projeto, produzimos e enviamos mensalmente à Comissão Europeia um relatório sobre episódios de violação da liberdade religiosa. Uma questão particularmente importante é a da incitação ao ódio na esfera pública, com base religiosa, alarme que infelizmente registramos em constante crescimento.

Queremos garantir, desta forma, que a União Europeia esteja a par das informações e denúncias que recebemos, dos relatórios que nos chegam das igrejas de todo o continente. E em maio de 2021, pela primeira vez, o executivo da comunidade produziu um guia real sobre segurança em locais de culto.

Então, as violações da liberdade religiosa estão aumentando na Europa?

Infelizmente, há um aumento dramático nas violações da liberdade religiosa na Europa, em todas as comunidades. Um fenómeno que, infelizmente, muitas vezes conduz ao anti-semitismo e à islamofobia, a formas gravíssimas de discriminação e, por vezes, de forma dramática, a atentados terroristas que causam mortos e feridos. Mas agora temos uma nova consciência, uma abordagem inter-religiosa para tais violações. Até recentemente, parecia que cada comunidade tendia mais a se proteger e, de fato, um mecanismo de “competição” foi acionado de alguma forma entre as vítimas. Trabalhamos em sentido ecumênico justamente para dizer que toda violação do direito de professar a própria fé conta, que todos devemos lidar com ela juntos, independentemente da confissão a que pertençamos. Este é o grande desafio que nos espera”.


O projeto SASCE visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como entre as comunidades. As quatro organizações desenvolverão ferramentas para fortalecer a conscientização sobre segurança e o gerenciamento de crises. Uma rede coordenará cursos de treinamento e briefings para comunidades religiosas. Campanhas de comunicação também serão ativadas.

Por fim, o projeto pretende promover a confiança e a cooperação entre a sociedade civil e as autoridades nacionais e é financiado pelo Fundo de Segurança Interna da Comissão Europeia “ISF-P” e terminará em 2023.

Para saber mais sobre o tema:


Outras entrevistas do G20 das religiões:

Jim Winkler, presidente do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA)

Philip Vinod PavãoSecretário Geral Interino para Programas da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

a liberdade é concreta se diz respeito a todas as mulheres

a liberdade é concreta se diz respeito a todas as mulheres

Foto Sammie Vasquez - Unsplash Roma (NEV), 21 de março de 2023 – Poucos dias antes do XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que está prestes a começar em Florença, entrevistamos o presidente cessante, pastor batista Gabriela Lio. O Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália será realizado em Florença de 24 a 26 de março: ainda é possível participar? Como? Sim certamente. Você ainda pode participar presencialmente. O que não podemos garantir é o lugar na pousada Gould. A conexão online do Congresso não está prevista, porém estamos tentando registrar as duas Mesas Redondas. Para informações clique aqui. Gabriela Lio. Foto de Laura Caffagnini Uma avaliação destes 4 anos de trabalho e presidência: dos dossiês às campanhas, da formação às reflexões sobre a prostituição e a luta contra a violência, dos encontros sobre as mulheres nas religiões e na igreja às numerosas colaborações em toda a Itália com as realidades locais. Na sua opinião, quais foram os momentos mais marcantes? Os momentos mais significativos decorrem do compromisso assumido pela FDEI com a inclusão, no seu Estatuto, de um artigo que a obriga a trabalhar “continuamente na questão da violência de género”. A primeira foi aderir à campanha global "Quinta-feira Negra" promovida pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em apoio ao movimento global que se opõe a todas as formas de violência e injustiça, oferecendo às igrejas cartazes e broches para promover o campo localmente. Isto porque nos interessa que os irmãos e irmãs das nossas igrejas a que pertencem possam encontrar na FDEI apoio e estímulo para uma reflexão comum não só sobre a questão da violência de género, mas também sobre o papel da mulher no igreja e na sociedade. É por isso que continuamos a publicar as nossas Newsletters da FDEI, não só como elo entre as mulheres federadas, mas também como informação sobre o nosso empenho e sobre as iniciativas da FDEI e dos vários movimentos que a integram. O mesmo vale para o Dossiê dos 16 dias pela eliminação da violência contra a mulher, concebido como um acervo de material útil para reflexão, oração e debate sobre essas questões nas igrejas. São muitos momentos significativos, porque cada encontro enriquece, seja online ou presencial, porque nos confrontamos, mas também com mulheres cristãs, mulheres de outras religiões e com associações de mulheres engajadas em várias frentes. Claro, a pandemia nos fez parar, tivemos que nos adaptar, mas não desanimamos. Mas pensamos que poderíamos estar próximos um do outro em um momento tão difícil e também conseguimos trazer momentos de reflexão e debate sobre o futuro. O projeto "Recomeçar com você", para dar outro exemplo, nos ajudou a voltar às igrejas, nos deu a oportunidade de nos abraçarmos e de recomeçarmos na tentativa de ativar mulheres e cada vez mais homens para a compreensão dos fundamentos da desigualdade de gênero. Foi um projeto importante, onde o networking entre nós e com a área local permitiu o envolvimento de muitas pessoas. No domingo, você passará o bastão para um novo presidente. Que mensagem você sente que quer compartilhar para o presente e o futuro do FDEI? A mensagem que o Comitê Nacional cessante da FDEI quer compartilhar está contida no texto bíblico escolhido para o nosso Congresso: “Onde está o Espírito de Deus, aí há liberdade”. E também o subtítulo, que juntamente com Dorothee Sölle afirma: "Onde está o Espírito cresce a libertação, cresce o desejo combativo de libertação e a experiência de uma maior concretude da liberdade". Continue a ser todas as testemunhas de ruah/pneuma, em meio às dificuldades da vida. Deixe o "espírito"/ruah [il termine in ebraico è femminile, ndr] definem nossa vida, determinam que nossas relações mútuas sejam respiração, brisa suave, vento, coragem. Libertação crescente até que a liberdade seja alcançada pelos outros e por nós mesmos; até que estejamos livres das armas, livres da violência; da discriminação, do racismo, de um trabalho alienante. Devemos crescer "na experiência de uma maior concretude da liberdade" porque o mundo deseja a liberdade/libertação em sentido profundo e não pode ser alimentado apenas com palavras de liberdade. Lá spirita/ruah motiva a nossa luta pelos direitos e encoraja o nosso esforço para responder ao chamado ao serviço, promove a vida e cria comunidades de solidariedade, numa rede de relações com outras irmãs, amigas, companheiras de intenção. Quais foram os pontos críticos do seu mandato e que soluções conseguiu implementar? A maior criticidade durante o mandato foi durante o período de confinamento, devido à pandemia de Covid 19. Com o Comitê Nacional nos reunimos várias vezes online, juntamente com as lideranças e presidentes dos grupos denominacionais de mulheres, para refletir sobre a delicada situação. Compartilhamos nossas preocupações - poderia dizer com lágrimas - e nossas reflexões com os executivos de nossas igrejas, com alguns ministros italianos, com os líderes locais dos movimentos, conscientes de quanto a pandemia agravou as desigualdades para as mulheres em nível social atingindo suas vidas mais fortemente. E decidimos juntos nos comprometer com uma necessária mudança de paradigma. Também passamos por momentos difíceis quando tivemos que implementar as diferentes moções do Congresso. Por exemplo, cabe ao Comitê “colaborar para a criação de cursos de capacitação em igrejas evangélicas”. E não sabíamos quanto tempo duraria o confinamento. No entanto, organizamos o primeiro curso bíblico teológico a distância: "Violência e poder - as mulheres e a Bíblia" atingindo muitas pessoas de diferentes denominações evangélicas e católicas, nativas e migrantes. Pessoas que se inscreveram da Itália, Europa e América Latina. Além das nossas expectativas! Quais foram os momentos mais felizes e gratificantes? Acredito que para mim, mas também posso dizer para o Comitê Nacional da FDEI, os momentos mais felizes são aqueles em que todos estamos envolvidos e juntos organizamos encontros significativos para a vida e o testemunho da Federação. Ciclone Pam II: 13 de março de 2015. Pintura de Juliette Pita. Uma mãe que ora protege seu filho. As ondas quebram atrás deles, mas uma palmeira se curva e os protege também. A saia da mulher é inspirada nas roupas tradicionais de Erromango. No horizonte, pequenas cruzes representam as vítimas causadas pelo ciclone Pam em 2015. Levaremos em nossos corações o encontro organizado online junto com o Observatório Inter-religioso sobre a violência contra a mulher (OIVD) com Edith Bruck – Lembrete para “Deseducar para odiar”; o encontro com o Comitê do Dia Mundial de Oração (GMP), com a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), com as Comunidades de Base, com mulheres ortodoxas e religiosas católicas, por ocasião da Celebração Ecumênica do GMP preparada por mulheres de Vanuatu. Esta experiência abriu-nos a possibilidade de começarmos a organizar juntos diferentes celebrações ecumênicas no Pentecostes, Natal e Páscoa. Assim como foram apreciados os convites que recebemos para participar de eventos já organizados ou para serem organizados em conjunto. Penso na nossa participação nas iniciativas do Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX), daquelas organizadas pela Coordenação Teológica Italiana (CTI). E a possibilidade de conceder bolsas para 30 mulheres participarem de seu curso online. Depois, os vários convites para conferências organizadas pelo Centro de Estudos sobre Liberdade de Religião, Crença e Consciência (LIREC). Nossa participação na conferência "Casais e religiões: unidos na vida, diferentes na fé" organizado pelo grupo Mulheres de Fé em Diálogo - Religiões pela Paz Itália, em colaboração com a Comissão de Igualdade de Oportunidades do Município de Roma. E novamente os encontros online organizados junto com a OIVD sobre o tema da prostituição, que então surge para nós em uma reflexão a ser compartilhada com as igrejas por ocasião do dia 25 de novembro. Foi com muita felicidade que fomos contactados em 2021 pela RvS, que nos ofereceu um espaço na rádio para um dos nossos programas Donne FDEI – Donne in rete. Sentimos a mesma alegria quando o Centro Cultural Protestante de Torre Pellice convidou a FDEI para organizar conjuntamente quatro encontros sobre "Histórias Femininas", em diálogo com Bruna Peyrot E David Rosso. ...

Ler artigo
Hospitalidade eucarística e medo do ecumenismo

Hospitalidade eucarística e medo do ecumenismo

Roma (NEV), 24 de maio de 2021 - Na edição de maio da "Hospitalidade Eucarística", um Kirchentag especial fala sobre o terceiro Congresso da Igreja Ecumênica (Ökumenischer Kirchentag - ÖEKT). O Kirchentag ecumênico aconteceu de 13 a 16 de maio em Frankfurt. Em parte presencial, em parte numa plataforma virtual, esta importante nomeação viu os protestantes como co-presidentes Bettina Limperg e o católico Thomas Sternberg. “Nos dias que antecederam o Kirchentag – lê-se no boletim – houve rumores de que a hospitalidade eucarística seria praticada publicamente nas celebrações conclusivas, fortemente invocada pelos cristãos alemães, tanto católicos como protestantes, também devido à grande difusão dos casamentos interconfessionais” . Ele havia intervindo diretamente sobre o assunto Georg Batzingpresidente da Conferência Episcopal Alemã. Em vários momentos, o Terceiro Kirchentag representou uma forte unidade de propósitos, apesar das polêmicas e indicações contrárias vindas de algumas partes católicas e do Vaticano. Neste número de "Hospitalidade Eucarística" estão disponíveis alguns artigos publicados na imprensa alemã, traduzidos pelo Luterano Gisela Salomão. Esta é uma série de insights que fornecem uma visão geral do ambiente no campo ecumênico, especialmente na Alemanha, e dos desafios enfrentados. Algumas concluídas, outras por concluir, no caminho da partilha. As diferenças na interpretação da comunhão não impediram que protestantes, católicos e ortodoxos se apresentassem, por exemplo, juntos no altar durante o Kirchentag. “A participação recíproca na Ceia do Senhor é um elemento de dissensão teológica essencial na relação entre católicos e protestantes” continua uma das percepções. Várias igrejas e autoridades religiosas pedem a superação do "medo do ecumenismo". Ainda há muitas perguntas sem resposta. É uma questão de dogmas, mas também de consciência, que envolve teólogos, crentes individuais e casais mistos. Não é mais apenas uma questão de doutrina, mas de fé. Baixe aqui Hospitalidade Eucarística - nº 28 - maio de 2021 “Hospitalidade Eucarística” é um boletim cujas páginas refletem sobre a aceitação recíproca da “Santa Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica”. A edição de maio de 2021 está disponível em pdf, cortesia dos editores Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urciuoli (Católico). ...

Ler artigo
O Papa Emérito Bento XVI deixa um legado de diálogo ecumênico

O Papa Emérito Bento XVI deixa um legado de diálogo ecumênico

Foto Observatório Romano Roma (NEV/CEC), 31 de dezembro de 2022 – “Em nome do Conselho Mundial de Igrejas, expresso nossas mais profundas condolências pelo falecimento do falecido Papa Emérito Bento XVI. Ele foi o primeiro papa a vir de um país, a Alemanha, que vê protestantes e católicos quase em igual medida, bem como um país no centro da Reforma do século XVI. Com estas palavras o Secretário Geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Pe. Ioan Saucaexpressou as condolências do corpo mundial, após o anúncio pela Santa Sé da morte do Papa Emérito Bento XVI. Bento XVI também foi o primeiro papa a servir em um comitê do Conselho Mundial de Igrejas, entre os membros católicos da Comissão de Fé e Constituição. Pouco depois de Bento XVI se tornar papa, as queixas de longa data que impediam as reuniões da Comissão de Diálogo Católico-Ortodoxo foram superadas. Em 2007, a Comissão elaborou a "Declaração de Ravenna", como um primeiro passo para superar a velha divergência sobre o papel do papado. Curiosamente, várias figuras-chave neste processo foram todos membros da Comissão de Fé e Constituição do CMI. “Benedetto demonstrou coragem em sua liderança, em seus escritos e em suas declarações”, disse Sauca. E acrescentou: “No movimento ecumênico unitário, ele afirmou constantemente o profundo envolvimento da Igreja Católica Romana no ecumenismo como irreversível, especialmente em responder às questões que envolvem a Igreja no mundo”. Também o moderador do Comitê Central do CMI, o bispo Heinrich Bedford-Strohm, divulgou um comunicado: “Compartilho minhas mais profundas condolências pela morte do Papa Emérito Bento XVI, com o Papa Francisco e toda a sua Igreja. Quando pensava na sua vida, muitas vezes me lembrava das palavras que pronunciou no seu 85º aniversário, 16 de abril de 2012, na Capela Paulina do Vaticano. Juntamente com uma delegação bávara, tive o privilégio de participar deste pequeno serviço muito pessoal”. Naquela ocasião, o papa emérito disse: “Agora estou enfrentando o último capítulo da minha vida e não sei o que me espera. Eu sei, porém, que a luz de Deus existe, que ele ressuscitou, que sua luz é mais forte que qualquer escuridão, que a bondade de Deus é mais forte que qualquer mal neste mundo”. Bedford-Strohm concluiu: “Benedict provavelmente não teria pensado em viver mais dez anos completos. No entanto, estou certo de que agora ele experimenta a verdade dessas palavras ditas então”. Para saber mais: CMI expressa respeito pela renúncia do Papa Bento (comunicado de imprensa CEC 11 de fevereiro de 2013) As contribuições do Papa Bento XVI para a unidade cristã (comunicado de imprensa do WCE em 27 de fevereiro de 2013) O Papa Bento XVI e o líder do CMI reafirmam objetivos comuns para a unidade visível da Igreja (comunicado de imprensa do CEC em 4 de dezembro de 2010) O secretário-geral do CMI expressa confiança no progresso da unidade cristã (comunicado de imprensa do CMI em 25 de janeiro de 2008) Bento XVI: Kobia reza por um renovado compromisso de abertura ecumênica e um diálogo de conversão (comunicado de imprensa do CEC de 20 de abril de 2005) Relatório da seção de Joseph Ratzinger à Comissão de Fé e Constituição do CMI em Louvain - 1971 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.