Brexit.  Conferência das Igrejas da Europa (KEK): o compromisso ecumênico não muda

Brexit. Conferência das Igrejas da Europa (KEK): o compromisso ecumênico não muda

Roma (NEV), 31 de janeiro de 2020 – Uma mensagem conjunta dos líderes da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi emitida hoje, com o objetivo de unir-se em oração e expressar solidariedade à medida que o Reino Unido deixa a União Europeia.

Segue a mensagem da presidência do CEC, na pessoa do pároco Christian Krieger (Presidente da Igreja Protestante Reformada da Alsácia e Lorena), do bispo anglicano Guli Francis-Dehqani (vice-presidente da Igreja da Inglaterra), e del Metropolita Cleopas da Suécia e toda a Escandinávia (vice-presidente do Patriarcado Ecumênico).

“O Reino Unido sai oficialmente da União Europeia em 31 de janeiro. Esta data marca o fim de um longo período de debate e hesitação, abrindo negociações sobre as futuras relações entre o Reino Unido e a UE. Isso não muda o mútuo compromisso ecumênico das Igrejas européias, um compromisso que cresceu ao longo do último século em diferentes contextos políticos. Pelo contrário, somos chamados a intensificar o empenho das Igrejas pela reconciliação, cooperação e solidariedade na Europa.

À medida que nossos países avançam em direção a um novo acordo político, encorajamos todos os cristãos a orar por nossos políticos, que tomarão as decisões que moldarão nosso futuro comum.

Mais uma vez, «reafirmamos os laços de comunhão eclesial e ecuménica que unem as Igrejas em toda a Europa. Respondemos ao mesmo chamado: seguir o único Cristo e ser movidos pelo mesmo Espírito Santo. São laços que nos unem no tempo e na história e nos fazem avançar juntos na esperança e no testemunho’, afirma a mensagem da Presidência da CEC sobre o Brexit em 2019”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ecumenismo.  Fase V do diálogo entre católicos e luteranos concluída

Ecumenismo. Fase V do diálogo entre católicos e luteranos concluída

Participantes do encontro em Kligenthal (França) Roma (NEV), 31 de julho de 2018 – O último encontro da quinta fase de diálogo da Comissão Católica Luterana para o estudo da unidade foi realizado em Kligenthal (França) de 17 a 24 de julho. Promovida pela Federação Luterana Mundial (FLM) e pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC), esta fase de diálogo foi concluída após nove anos de trabalho. Com base em documentos anteriores sobre o batismo, a doutrina da justificação, a Eucaristia, o ministério e a apostolicidade da igreja, esta última reunião foi dedicada à relação entre o batismo e a comunhão eclesial. Em particular, tentou-se responder à pergunta sobre que tipo de comunhão eclesial deriva da compreensão compartilhada por católicos e luteranos sobre o batismo. Uma pergunta, sublinhou o pároco luterano Kaisamari Hintikkaque pede uma resposta também a partir dos compromissos expressos pelo então presidente da FLM, Munib Younane de Papa Francisco em Lund (Suécia) em 2016, por ocasião da abertura do 500º aniversário da Reforma, a respeito da divisão contínua na mesa da Ceia do Senhor – especialmente em referência a casais inter-religiosos. O relatório será agora recebido pela FLM e pelo PCPUC e será publicado no início de 2019. A Comissão Luterana-Católica – atualmente co-presidida pelo bispo luterano finlandês Eero Huovinen e pelo bispo católico britânico William Kenney – foi instituída em 1967 e, ao longo dos anos, produziu documentos de grande importância, como a “Declaração Conjunta sobre a doutrina da justificação pela fé”, assinada em Augusta em 1999, e “Do conflito à comunhão” de 2013 que definiu a possibilidade de uma celebração ecumênica dos 500 anos da Reforma Protestante. ...

Ler artigo
Construindo a paz na transição ecológica

Construindo a paz na transição ecológica

Detalhe do cartaz do XIX Seminário de Estudos sobre a Custódia da Criação Roma (NEV), 11 de abril de 2023 – Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), é convidado como palestrante no 19º Seminário de Estudos sobre a Custódia da Criação intitulado "Construindo a Paz na Transição Ecológica". Garrone, que também é pároco e estudioso da Bíblia, propõe uma intervenção a partir do salmo "O amor e a verdade se encontrarão, a justiça e a paz se beijarão". Juntamente com os outros oradores, traçará “um amplo horizonte de referência, indicando algumas coordenadas bíblicas no signo da expressão shalom – lê-se no folheto – explorando as muitas relações que existem entre a guerra e a degradação ambiental”. Mônica Lugatodelegada da LUMSA para a Rede de Universidades pela Paz, falará sobre "Paz e meio ambiente: a contribuição do direito internacional". Enrico Giovannini, ex-ministro do Trabalho e Políticas Sociais, professor de Desenvolvimento Sustentável, Estatística e Economia da Tor Vergata, falará sobre o Plano Nacional de Recuperação e Resiliência, com uma palestra intitulada "PNRR e além: oportunidades para a transição ecológica". Moderado Alessandra Vischi da Universidade Católica do Sagrado Coração de Brescia. “Trata-se de oferecer algumas chaves interpretativas para compreender como a guerra e a crise ecológica se alimentam e – vice-versa – uma ação clarividente pela casa comum pode ser sinérgica com uma ação positiva pela paz”, escrevem ainda os organizadores, que acrescenta: “O que significa trabalhar pela paz no Antropoceno? E, por outro lado, como cuidar da casa comum num tempo marcado pela guerra? O XIX seminário sobre a Custódia da Criação pretende colocar-se na encruzilhada dessas duas questões”. O Seminário estará aberto de Maurice Gardini, presidente da Confcooperativa. Seguir-se-á a leitura do Cântico das Criaturas de Francisco de Assis, com a voz de Margarida Mazzucco, atriz principal do filme “Chiara”. Apresenta: don Bruno Bignami, diretora do Escritório Nacional de Problemas Sociais e Trabalho do CEI. Seguem-se apresentações e debate. À tarde, dois “espaços de discernimento para a transição ecológica”. Um sobre a emergência hídrica, introduzido por Justin Mezzalira (Veneto Agricultura). Coordenada Mateus Mascia da Fundação Lanza. A outra, sobre energia e solo, com Stefano Masini, responsável pela Área de Meio Ambiente da Coldiretti. Coordenada Marco Marchetti da Universidade de Molise. Segue-se uma assembléia plenária moderada pelo teólogo Simone Morandini e as conclusões, como contribuição aos canteiros de obras de Betânia do caminho sinodal da Igreja italiana, de dom Juliano Savinadiretor do Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso (UNEDI) do CEI. A nomeação é para sexta-feira, 14 de abril de 2023, em Roma, na sede nacional da Confcooperative (Via Torino, 146 em Roma). Organizado pelos dois escritórios nacionais da Conferência Episcopal Italiana (CEI), o dos problemas sociais e do trabalho e o do ecumenismo e do diálogo inter-religioso, em colaboração com a Fondazione Ente Spettacolo, o seminário representa "uma contribuição aos canteiros de obras sinodais da igreja italiana ”. Para mais detalhes clique aqui. Faça o download do cartaz: Folheto-Seminário Criado 2023 ...

Ler artigo
Homossexualidade, a Igreja Valdense escolhe direitos e aceitação

Homossexualidade, a Igreja Valdense escolhe direitos e aceitação

Roma (NEV/chiesavaldese.org), 25 de novembro de 2022 - "Sobre o assunto de receber e abençoar casais homossexuais, a Igreja Valdense expressou repetidamente uma posição clara e cristalina". Assim, o moderador do Tavola Valdese, Alessandra Trottaintervém nas declarações do senador Lúcio Malan (expoente dos Irmãos da Itália e membro da Igreja Valdense) sobre o tema dos direitos dos casais homoafetivos também em relação à Bíblia, para responder àqueles que se perguntam por que a Igreja Valdense não fala. “Vamos decepcionar todos aqueles que esperam a censura pública do senador Malan. A censura não faz parte do nosso jeito de ser igreja – diz Trotta -. Mas isso não significa que nossa Igreja não fale. A nossa Igreja fala através dos pronunciamentos oficiais do nosso Sínodo que, ao final de um amplo e participativo processo de discussão e partilha, expressou uma posição cristalina sobre o tema do acolhimento e bênção dos casais homossexuais e não o fez por ceder ao 'espírito do mundo', mas colocando-se com seriedade e sentido de responsabilidade diante da Palavra, com um questionamento atento das Escrituras e confiando na guia do Espírito Santo; em outras palavras, como crentes". Trotta continua: “Nossa Igreja também fala através da prática diária de compromisso das igrejas locais, de centros de reunião e treinamento (como o ecumênico da Ágape), de nossos trabalhos diaconais; e, por último, mas não menos importante, com os inúmeros projetos de acolhimento, apoio, inclusão plena e proteção dos direitos das pessoas discriminadas por sua orientação sexual ou identidade de gênero. E faz tudo isto suportado todos os anos também pela quota de oito por mil que muitos contribuintes nos atribuem, com a confiança no uso que dela fazemos. Temos a humilde e confiante convicção de que a continuidade deste compromisso concreto é e deve continuar a ser a única resposta possível a dar neste momento, face a posições pessoais que não comprometem a nossa Igreja e não implicam uma mudança das próprias convicções e compromisso, em palavras e ações concretas, para batalhas civis que continuarão a nos distinguir na linha de nossa fé. 'Palavras' diferentes dessas seriam incompreensíveis também e sobretudo para os membros das igrejas valdenses e metodistas que não compartilham da interpretação da Bíblia de seu irmão Lúcio Malan e, no entanto, não acreditam que a Igreja possa se constituir como um tribunal das consciências, mesmo onde expressa ideias em contraste com as assumidas oficialmente pela própria Igreja". A análise de Trotta se estende: "Ao mesmo tempo, aproveito para dizer uma palavra sobre o debate da mídia de hoje que vê um mal-entendido, para não mencionar um ridículo do significado profundo da Bíblia, tanto do Novo Testamento quanto do Antigo Testamento. ou Bíblia Hebraica. A cultura bíblica em sua totalidade (sem cesuras perigosas entre Antigo e Novo Testamento) contribuiu substancialmente para a abordagem jurídica de hoje, marcada pelo reconhecimento e defesa dos direitos humanos e proteção dos mais fracos, acolhimento e assistência universal de quem é marginalizado e quem sofre. A Bíblia não é um código de leis para ser aplicado como um manual de instruções, mas é o rastro de um caminho de fé que sublinha a importância da relação entre os seres humanos e destes com Deus; caminho continuado hoje por milhões de mulheres e homens. A própria Bíblia defende-se de uma interpretação unívoca e superficial ao relatar posições em dialética entre si, promovendo assim o diálogo ao longo do caminho como possibilidade de seguir o Deus de Israel e Jesus, por isso as Escrituras ainda desempenham um papel fundamental na vida. hoje das pessoas e das Igrejas, que nela encontram sobretudo um anúncio de graça e de salvação para todos e todos". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.