“Ouse pela paz pela fé”

“Ouse pela paz pela fé”

Sunguk Kim, antisplash

24 de fevereiro de 2022 – “Vamos dizer não à guerra, sem ses e mas. Expressamos toda a nossa preocupação e consternação com o que está acontecendo na Ucrânia e pedimos a todos os atores envolvidos que trabalhem imediatamente pela paz – declara Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – Estamos próximos da população e rezamos para que retornem ao caminho da diplomacia e da resolução negocial dos conflitos. A UE e a Itália fazem todos os esforços pela paz. Como igrejas evangélicas apoiamos e apoiaremos todas as iniciativas que possam evitar a violência e a dor, no pleno respeito ao direito à autodeterminação dos povos e indivíduos. Intercedemos para que as igrejas cristãs dos países envolvidos no conflito possam identificar e promover caminhos de reconciliação para além dos nacionalismos. Façamos nossas as palavras do teólogo luterano Dietrich Bonhoeffer que na década de 1930 exortava a “ousar a paz pela fé”, fé no Deus de Jesus Cristo que proclama “bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus”.

artigo anteriorUE e Igrejas protestantes pedem cessar-fogo na Ucrânia
Próximo artigoUcrânia, Mesa de Asilo: “Bem-vindos, refugiados de guerra”

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Amazônia. Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV), 25 de outubro de 2019 - Pastor presbiteriano da Igreja Presbiteriana Evangélica Reformada do Peru, Pedro Arana Quiroz faz parte da congregação “Pueblo libre” que pertence ao Presbitério Juan Calvino. Sua participação como delegado fraterno ao Sínodo para a Amazônia nasceu de uma longa e frutífera experiência de trabalho ecumênico que ele mesmo define como “fraterno e respeitoso”. “Fui diretor geral da Sociedade Bíblica Peruana. Em 2002 a Sociedade foi contatada pela Conferência Episcopal Peruana e durante uma reunião com o bispo Anjo Francisco Simão Piorno, presidente da Comissão de Pastoral Indígena e Catequese Bíblica, iniciou uma colaboração na redação do material para o programa de estudos bíblicos. Assim, começamos a trabalhar juntos e vivenciamos pessoalmente os elementos fundamentais de um caminho ecumênico: um encontro pessoal que nos deu uma amizade fraterna que durou ao longo dos anos e, no estudo conjunto da Bíblia que se seguiu, pesquisa e prática do maior respeito e apresentação honesta de nossas ideias. O detalhe que talvez seja o mais significativo do ponto de vista ecumênico é que, naquela ocasião, me pediram para redigir um texto sobre a doutrina da justificação pela fé e esse texto foi aprovado sem nenhuma observação”. Como o fator ecumênico entra nas discussões do Sínodo? O fato de estabelecer um diálogo ecumênico não significa que ignoremos que existem diferenças; estamos tentando ter uma relação fraterna que nos permita discutir também questões críticas. Existem diferenças e semelhanças teológicas entre o catolicismo romano e o protestantismo, e mesmo em nossas semelhanças existem diferenças. Portanto, não devemos nos negar ao diálogo. No entanto, o diálogo deve ser conversa, não negociação, não contratualismo. Sobre questões especificamente relacionadas à Amazônia, que contribuição as igrejas protestantes estão trazendo para esses Sínodos? Acho que até agora, neste Sínodo, foi ignorado o trabalho que os grupos evangélicos na Amazônia fazem há mais de oitenta anos. No entanto, pude dar ao papa um livro do Instituto linguístico de Verano (organização pertencente ao Cristianismo Evangélico Protestante, ed.) sobre as populações indígenas da Amazônia peruana. O trabalho do Instituto linguístico de Verano tem raízes muito antigas, estudou as línguas orais locais e deu-lhes uma forma escrita, traduziu o Novo Testamento em várias línguas locais, estudou as culturas locais e as tradições dos povos indígenas . Os protestantes tiveram uma atenção mais marcada e uma atitude respeitosa para com as culturas locais que, através da evangelização, também contribuíram para preservar. O que, mesmo a nível pessoal, se tira deste Sínodo? O tema do ecumenismo é-me muito querido, mas só encontra o seu sentido mais elevado num diálogo significativo. E o mais significativo que tive nestes dias foram as breves conversas com o Papa Francisco. Em particular sobre o tema da cidadania e participação na vida social. Eu disse a ele que seria importante que houvesse uma referência à cidadania no documento final. Como posso participar como cristão para transformar a sociedade em que vivo? A resposta está na carta que Paulo escreveu da prisão aos filipenses: “Vivam como cidadãos dignos do Evangelho de Cristo”. Cidadania, humildade e participação é a resposta. E isso para mim é o ponto central do que é chamado no documento de "conversão ecológica". Um detalhe importante desta passagem do Evangelho é que Paulo escreve da prisão, lugar onde acabou por ter libertado uma escrava que era vidente; isso irrita seus senhores que, privados de uma fonte de renda, o denunciam aos magistrados da cidade. Paolo é preso e detido quando toca no poder econômico. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

A delegação do Comitê Nacional Alemão da Federação Luterana Mundial com Mons. Mathias Turco. A primeira da esquerda é Cordelia Vitiello da Igreja Evangélica Luterana na Itália (Foto: DNK/LWB) Roma (NEV), 4 de junho de 2018 - "Nunca devemos voltar a 2017". Ele disse para Papa Francisco o bispo luterano Gerhard Ulrichchefe da delegação do Comitê Nacional Alemão (CNT) da Federação Luterana Mundial (FLM) recebeu hoje em audiência no Vaticano. Referindo-se ao 500º aniversário da Reforma Protestante iniciada pelo monge agostiniano Martinho Lutero, por ocasião da qual a FLM e o Papa Francisco assinaram uma declaração conjunta em Lund (Suécia), Dom Ulrich admitiu que "há questões eclesiológicas que ainda preciso esclarecer, mas já hoje diante do mundo podemos dar juntos respostas diaconais”, como, por exemplo, o compromisso comum a favor dos migrantes e dos explorados, e no campo da promoção da paz e salvaguarda da Criação. Para o bispo, “o Jubileu da Reforma é um dos maiores dons de Deus do nosso tempo”. Sobre a recente abertura da Conferência Episcopal Alemã sobre a possibilidade de admitir à Eucaristia os cônjuges protestantes de fiéis católicos, Ulrich disse que observava o debate em curso com "atenção e grande esperança". Sua esperança é que uma solução "unânime e aceitável" seja encontrada sobre o assunto. O tema surgiu também em Lund e foi retomado na declaração final, onde a FLM e a Igreja Católica expressaram como responsabilidade pastoral conjunta a de "responder à sede e à fome espiritual" de muitos de seus membros "que desejam receber a Eucaristia na mesma mesa, como expressão concreta da plena unidade”. Para o Papa Francisco, católicos e luteranos devem continuar em suas relações recíprocas "não com o entusiasmo de correr para alcançar objetivos cobiçados, mas caminhando juntos com paciência, sob o olhar de Deus" - conforme relata Vaticano Insider – porque “nenhum diálogo ecumênico pode avançar se ficarmos parados”. Alguns temas – continuou o Papa, citando os três elementos teológicos mais divisores das tradições católica e evangélica (a concepção do termo “igreja”, a Eucaristia e o ministério eclesial) – “merecem reflexões pontuais e bem compartilhadas. O ecumenismo pede também para não ser elitista, mas para envolver na fé o maior número possível de irmãos e irmãs, crescendo como comunidade de discípulos que rezam, amam e anunciam”. Portanto, para Papa Bergoglio, a ideia é continuar garantindo o apoio mútuo também continuando o diálogo teológico. O encontro foi concluído com a oração do Pai Nosso. Ele também fez parte da delegação Cordelia Vitiellovice-presidente do Consistório da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e membro do Conselho da FLM. Ontem, domingo, 3 de junho, a delegação do Comitê Nacional Alemão da FLM teve sua reunião oficial com o CELI. Bispo Ulrich, pregando durante o culto de domingo no igreja de cristo da via Sicilia em Roma, sublinhou a importância do pluralismo das tradições: “A diversidade é uma vantagem, não um obstáculo. Pelo contrário: a diversidade reconciliada é uma pré-condição para uma comunidade bem-sucedida”. Para Ulrich, a Igreja de Jesus Cristo é aquela da unidade vivida na diversidade. "Vielfalt ist Reichtum, nicht Störung. Freiheit im Glauben gibt es nicht ohne Vielfalt."Zum Auftakt der Begegnungsreise des DNK/LWB predigt unser Vorsitzender LB Ulrich in der Christuskirche in Rom. #ökumene #EinheitinVielfalt #freiheit @nordkirche_de @VELKD_Presse pic.twitter.com/A7YfaaXJ12 —DNK/LWB (@DNKLWB) 3 de junho de 2018 A visita italiana do Comitê Nacional Alemão (CNT) da FLM segue até 7 de junho. (Para mais informações sobre a visita consulte o nosso artigo aqui). (gc) ...

Ler artigo
uma bela temporada

uma bela temporada

Os participantes do encontro ecumênico reunidos na Basílica Superior de Assis Roma (NEV), 24 de outubro de 2018 – Como parte das reflexões propostas pelo NEV para a próxima Assembleia da FCEI, entrevistamos o pastor Luca Baratto, chefe de relações ecumênicas internacionais e secretário executivo da Federação de Igrejas, sobre o tema do ecumenismo igrejas em Itália (FCEI). Qual é a sua avaliação do triênio de diálogo ecumênico? Foi realmente criado um clima ecumênico favorável? Sim, eu diria que sim. Certamente não em todos os lugares - basta pensar na brecha recente criada entre os patriarcados de Moscou e Constantinopla devido à autocefalia da Igreja Ortodoxa Ucraniana - mas certamente na Itália estes últimos três anos de atividade confirmaram que a temporada ecumênica é voltada para o bom tempo , tornando mais fraterno e aberto o encontro entre as várias Igrejas cristãs e, quanto mais nos interessa, entre as Igrejas protestantes e a Igreja Católica Romana. Um encontro paradoxalmente facilitado pela celebração dos 500 anos da Reforma Protestante, de marcado perfil ecumênico, impressionada antes de tudo pelos protestantes e resolutamente acolhida, depois de algumas hesitações iniciais, pelos católicos com a participação do Papa Francisco em a abertura do 500º aniversário em Lund (Suécia) em 31 de outubro de 2016, talvez o evento ecumênico mais importante do triênio. Que frutos trouxe este início de "boa estação"? Os frutos mais significativos são dois. A primeira consiste na participação da FCEI, juntamente com outras igrejas evangélicas e, posteriormente, com as igrejas ortodoxas presentes na Itália, na organização das três últimas conferências promovidas pelo Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso (UNEDI). A primeira, sobre os 500 anos da Reforma Protestante, realizada em 2016 em Trento, cidade conciliar que no século XVI sancionou a divisão teológica entre catolicismo e protestantismo; o segundo, sobre a ideia de reforma nas várias tradições cristãs, em Assis em 2017. O terceiro está programado para Milão, de 19 a 21 de novembro de 2018, sobre a salvaguarda da criação. Trata-se da retomada de uma colaboração que existia no passado com a organização de conferências ecumênicas nacionais, interrompida em 2006. A outra novidade, mas que ainda não é um fruto, mas está amadurecendo, é a proposta que surgiu da conferência de Assis 2016, do estabelecimento de uma mesa de reunião permanente das igrejas cristãs na Itália. A maturidade deste projeto é certamente uma das prioridades para os próximos três anos. Considerando as colaborações entre as várias Igrejas no campo da diaconia, por exemplo no acolhimento dos migrantes, alguém falou de um ecumenismo do fazer. O que você acha dessa definição? Com efeito, fala-se de um “ecumenismo do fazer” baseado na atividade diaconal das Igrejas. Eu preferiria falar de um "ecumenismo de testemunho" que compromete todos os cristãos a transformar a fé anunciada em escolhas precisas na sociedade. A escolha da hospitalidade, a da defesa do ambiente e a afirmação de estilos de vida para um futuro sustentável são, de facto, os três elementos que há décadas sustentam o caminho ecuménico: a paz, a justiça e a salvaguarda da criação que sempre se articulam de diversas maneiras – e que não representam um retrocesso, ante, por exemplo, o diálogo doutrinal que não avança, mas sim uma força de ecumenismo. Não é por acaso que o projeto Corredores Humanitários tem uma clara dimensão ecumênica, envolvendo a FCEI, as igrejas Valdenses e Metodistas e a Comunidade de Sant'Egidio. Também não é por acaso que em janeiro de 2017, pela primeira vez, católicos e protestantes celebraram juntos a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos na ilha de Lampedusa. Um pequeno evento que destaca o outro valor ecumênico do trabalho da FCEI em favor dos refugiados e migrantes. Em junho passado você participou da Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa sobre o tema do futuro da Europa. Que mensagem emergiu desse fórum ecumênico? A FCEI esteve presente na Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias que reuniu as Igrejas Anglicanas, Protestantes e Ortodoxas do continente. Foi um momento de grande participação, debate e partilha de conteúdos. Os oradores de alto nível expuseram a visão de uma Europa aberta ao acolhimento e à paz, na qual os cristãos possam expressar o seu testemunho como construtores de pontes e de diálogo. Mas, saindo da sala do plenário e conversando com os representantes das várias Igrejas, pode-se dizer que não emergiu dos cristãos do continente uma imagem clara e unívoca da Europa e do seu futuro. O certo é que onde quer que haja pessoas que entendem o cristianismo como uma questão de fé e obediência ao Evangelho, há outras que vivenciam seu cristianismo como uma questão de identidade que deve nos defender da emergência de sociedades multiculturais e multirreligiosas. Talvez esta seja a próxima linha divisória real no debate ecumênico. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.