“Covid não existe só”

“Covid não existe só”

Roma (NEV/CELI), 29 de abril de 2021 – Quatro anos como deputado e desde outubro de 2020 Presidente do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Ele é Wolfgang Pradere como seu antecessor Georg Schedereit, é originalmente do sul do Tirol e, portanto, bilíngüe desde a infância. Prader espera importantes impulsos para o futuro da 2ª Sessão do XXIII Sínodo. Segundo ele, a Covid comprimiu demais o campo de visão e é hora de retomar os temas que são de absoluta importância para o futuro, como meio ambiente ou injustiça social.

É diferente planejar um sínodo como vice-presidente do que ser totalmente responsável por ele como presidente?

Sim, caso contrário! Embora trabalhemos juntos de forma extremamente construtiva e sejamos uma equipe muito boa, no final, a decisão final cabe a mim. E sim, isso faz a diferença!

Você é uma pessoa que toma decisões facilmente?

Vamos colocar desta forma: quando tomo uma decisão, eu a mantenho. Mas nunca tomo decisões precipitadas e certamente sou antes de tudo um trabalhador em equipe; acima de tudo sei ouvir. O que nunca faço é me fixar em algo, prefiro ponderar bem as coisas antes de chegar a uma conclusão.

Em comparação com os últimos Sínodos, qual foi a maior dificuldade em organizar o seu primeiro Sínodo como Presidente?

Tivemos apenas uma oportunidade de nos encontrar pessoalmente, na primeira reunião do consistório imediatamente após nossa eleição em outubro passado. Depois disso, todas as reuniões aconteceram em modo digital, telefone, e-mail, Zoom, Teams… planejar um evento como um sínodo dessa forma é realmente cansativo e trabalhoso. Uma conversa direta deixa mais espaço, é mais espontânea, põe em movimento outros fios de pensamento, deixa mais espaço para a espontaneidade, inspiramo-nos uns aos outros. Reuniões digitais são extraordinariamente eficientes para isso, mas falta a possibilidade dos bastidores, que muitas vezes trazem algo a mais.

Você mesmo é um especialista em TI…

Sim certamente. E certamente continuaremos a usar muitos dos formatos digitais que já experimentamos e que se mostraram eficazes. A pandemia simplificou e acelerou muitas coisas nesse sentido. Esperando verdadeiramente que este seja o primeiro e também o último sínodo virtual, não podemos deixar de perceber que, para o que se costuma definir como heterogênese de fins, existem também alguns efeitos “colaterais” positivos. Por exemplo, economia de tempo para quem pode participar de casa ou a oportunidade de todos os membros da igreja acessarem o sínodo, independentemente de onde estejam. Quem sabe para o futuro talvez possamos pensar em um modelo híbrido, ou seja, um sínodo presencial com conexão parcial ao vivo, por exemplo.

Normalmente nesses primeiros seis meses ele teria que viajar muito mais, como “embaixador” do CELI.

Isto é verdade. E isso também é um aspecto que pesou um pouco nesses primeiros seis meses. Tivemos um encontro digital com os valdenses. Participamos da conferência dos presidentes das comunidades do CELI. Consoante a evolução da pandemia, o próximo encontro da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), em junho, para o qual somos convidados a participar, será também online. E ainda não está claro o que acontecerá no verão e no outono.

Decisões de longo prazo são esperadas de um sínodo. Na sua opinião, quais são os desafios que precisam de uma resposta mais urgente?

No momento tudo, mesmo tudo, está focado no Covid. eu diria demais. Na verdade, há tantos problemas que precisam de respostas imediatas. Mesmo perante um desafio global como o Covid-19, temos de ocupar todo o espaço de que necessitamos para podermos lidar com outras questões, não menos importantes para o futuro, senão ainda mais urgentes. Estou a pensar no ambiente e no desenvolvimento sustentável, em suma, em todas as questões abordadas pela Agenda 2030. Este é também um dos grandes desafios do nosso tempo, que nos diz respeito a todos e que exige não só intervenções imediatas e coletivas, mas também a nível individual, cada um de nós é chamado a assumir responsabilidades diretamente! Depois, há a questão da justiça social. O fosso social devido à pandemia está a aumentar globalmente, mas também nas nossas sociedades, nas nossas cidades. E depois há a questão do acesso à educação: também aqui a Covid agravou a situação de muitas famílias, de muitas crianças e jovens. Sem falar na questão da saúde e do acesso à assistência médica. Todos os campos onde vejo uma grande responsabilidade individual, mas também das igrejas, da nossa igreja.

Na sua opinião, o papel da Igreja mudou após a pandemia?

Eu formularia de forma diferente. Através da pandemia talvez tenhamos nos tornado mais conscientes do papel da Igreja em relação às nossas tarefas na pastoral e na sociedade. Quando o aspecto da comunidade falha e a igreja é experimentada digitalmente, duas coisas acontecem. Por um lado, percebemos que de repente algo está faltando, algo que tínhamos como certo. Por outro lado, entendemos que a igreja também é um elemento social importante e que, ao contrário do que pensávamos antes, ela pode muito bem e deve ser vivida em diferentes formatos. Mesmo virtuais!

O que você espera concretamente deste sínodo?

Espero que do diálogo dos seis grupos de trabalho – virtualmente reunidos em “salas” menores – surjam decisões que possam determinar os rumos do CELI no futuro. Todos os seis temas são importantes e requerem respostas concretas para o trabalho comunitário: Meio Ambiente, Justiça de Gênero, Diaconia, Juventude, Processamento do Período Pandêmico e Digitalização.

A questão da justiça de gênero não é isenta de controvérsia no meio protestante. Como é a abordagem do CELI?

Estamos abordando esse assunto com muita seriedade, mas com calma, franqueza e sem preconceitos. Convocamos todas as comunidades a participarem da elaboração do documento, envolvendo todos. A comissão fez um excelente trabalho, que resultou na declaração conjunta que espero que seja votada.

A hospitalidade eucarística é um tema muito controverso, especialmente na Alemanha. Não estará entre os temas que o Sínodo abordará?

Para nós não é um problema, ou melhor, não é vivido como tema de conflito, nem para os teólogos nem para as Comunidades. Simplesmente cumprimos o acordo de Lund: aqui todos os batizados são bem-vindos à mesa do Senhor.

Onde você vê a necessidade de ação imediata?

Precisamos apresentar melhor nossas comunidades externamente, dar a conhecer suas atividades também por meio de plataformas digitais. Maior visibilidade é um pré-requisito para poder crescer.

em 28.04.21

Leia no site do CELI

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ucrânia, jovens protestantes: “Perseguir um caminho para a paz”

Ucrânia, jovens protestantes: “Perseguir um caminho para a paz”

Foto de Candice Seplow, unsplash Roma (NEV), 17 de março de 2022 – “À luz do recente conflito resultante da invasão militar da Ucrânia pelo exército russo, que parece não querer parar mesmo diante dos apelos da comunidade internacional, como jovens Protestantes, membros deFGEI - Federação da Juventude Evangélica da Itália, queremos nos unir à condenação deste enésimo ato de violência, que se manifesta em solo ucraniano e russo, atingindo civis inocentes e aqueles que manifestam sua dissidência a esta política imperialista".O Conselho FGEI escreve em um comunicado: Gabriel Bertin, Annapaola Carbonato, Emanuele DeBettini, Briga Gerard, Rebeca Malla, Roberta Pacílio.“Expressamos preocupação com a extensão e destrutividade que este conflito pode assumir, considerando a ameaça decorrente do uso de armas nucleares – continua a nota -. Além de nos unirmos à oração por todo o povo ucraniano, unimo-nos ao apelo dirigido às instituições europeias e locais para garantir o acolhimento e apoio às pessoas forçadas a fugir ou permanecer em zonas de conflito. Esperamos que as práticas de ajuda humanitária implementadas neste momento de emergência possam abrir caminho para projetos de acolhimento transversal para garantir a cada pessoa o direito de determinar seu próprio futuro, e não criar discriminação contra aqueles que são forçados a abandonar o próprio país, seja qual for a razão.As nossas palavras surgem também à luz do valor que o cidadão da União Europeia tem para a nossa geração, que cresceu também através de oportunidades de intercâmbio a nível internacional que se baseiam nos princípios comuns da democracia, liberdade, igualdade e respeito pela dignidade e pelos direitos humanos, bem como uma cultura voltada para a construção e manutenção da paz para todos.A FGEI, enquanto parte ativa numa rede de federações juvenis a nível europeu e mundial, manifesta proximidade e apoio às federações irmãs e igrejas dos territórios afetados pelo conflito, partilhando os convites para momentos de oração ecuménica propostos por diversas realidades e reconhecendo neles o instrumento para redescobrir irmãos e irmãs amparados e guardados pelas mãos do Senhor em todo lugar e em toda situação. Neste momento queremos fazer nosso o apelo que nos é dirigido a ser luz nos momentos de escuridão e a reconhecer que não são os planos de violência dos poderosos de hoje que fecham o horizonte, mas que este se abre na esperança e na certeza que vem do Senhor e da sua promessa de paz e justiça. Sabemos que isso já se manifestou para nós no rosto e na história de Jesus de Nazaré, que nos ensinou que só a fé e a partilha podem verdadeiramente transformar o mundo, como nos recordam as palavras de Zacarias no Evangelho de Lucas: “Bendito seja o Senhor , o Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo, e nos deu um Salvador para iluminar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, a fim de guiar os nossos passos no caminho da paz”. Cabe a nós hoje – concluem os jovens protestantes – saber prosseguir juntos aquele caminho já traçado rumo à paz”. ...

Ler artigo
O Deus dos migrantes em Milão, apresentação do livro amanhã, 29 de maio

O Deus dos migrantes em Milão, apresentação do livro amanhã, 29 de maio

Milão (NEV), 28 de maio de 2019 – “O fato histórico é que nenhum movimento migratório jamais foi reversível. […] Não só isso: além de irreversíveis, os processos migratórios nunca foram decorrentes, mas apenas interpretáveis. E sua interpretação mudou seu significado e destino”, escreve o professor de História do Cristianismo Alberto Melloni no prefácio do livro "O Deus dos Migrantes". Três pesquisas sobre a experiência e a prática religiosa dos imigrantes em nosso país estão no centro do volume, publicado por Il Mulino, que será apresentado amanhã, quarta-feira, 29 de maio, às 18h, na Biblioteca Claudiana, em Milão. “Quantos imãs existem na Itália? Como eles se preparam? Como vivem as diferentes igrejas cristãs em nossa metrópole? Quais são as atividades e ações realizadas pela Igreja Ortodoxa Romena, que na Itália tem uma população de mais de um milhão de pessoas?” – lê-se na contracapa – Três caminhos até agora inexplorados, que mostram como a imigração constitui um dos vetores mais incisivos de um processo de pós-secularização e de um novo movimento de efervescência religiosa”. Os três curadores da obra participarão do encontro amanhã à tarde, na via Francesco Sforza 12/A, Maurizio Ambrosini, Paulo Naso E Cláudio Paravati do Centro de Estudos Comparados, com Júlio Giorelloprofessor da Universidade de Milão, conselheiro de políticas sociais, saúde e direitos do município de Milão, recém-eleito para o Parlamento Europeu, Pierfrancesco MajorinoE Madalena ColomboUniversidade Católica do Sagrado Coração de Milão. ...

Ler artigo
4 de abril às 10. Adoração evangélica de Páscoa no Eurovision na Rai2

4 de abril às 10. Adoração evangélica de Páscoa no Eurovision na Rai2

Foto de Bruno van der Kraan Roma (NEV), 29 de março de 2021 – Domingo de Páscoa, 4 de abril, de 10 a 11, o culto evangélico de Páscoa será realizado na Rai 2 no Eurovision, transmitido pela Igreja Evangélica Batista de Grosseto. “Que pensamentos devem ter acompanhado as mulheres na madrugada daquela manhã, enquanto se dirigiam ao túmulo de Jesus? Por que os onze discípulos estão céticos sobre a notícia da ressurreição, relatada a eles pelas mulheres? Da história que os dois discípulos de Emaús contam ao andarilho desconhecido - que mais tarde se tornará o Ressuscitado - a resignação, o desespero, a incompreensão emergem no trágico fim de um sonho... Os personagens desta história voltam à vida num contexto sugestivo que reconstitui, em estilo narrativo, as horas dramáticas que precederam e sucederam aquela madrugada de Páscoa”, lê-se na apresentação do culto. O culto será presidido pelo pároco da comunidade, além do presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Luca Maria Negro. A coordenação musical será de Alberto Annarilli E Francesco Iannitti, do Ministério de Música da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI). na flauta Jana Hildebrandtvioloncelo Michael Lanzinipiano Francesco Iannitti Piromallosoprano Silvia Striatocontralto Amanda Ferritenor Matteo Bagnibarítono Gabriel Spina. Lá fora, elementos da associação musical Luigi vão cantar Antonio Sabatini de Albano Laziale e do coro Voz da Graça de Ariccia, dirigido por Alberto Annarilli. na percussão Mateus Martizzi. Edição editada pelo programa de televisão "Protestantesimo-Raidue". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.