Milão, o prêmio de jardins urbanos ao jardim na cobertura da igreja

Milão, o prêmio de jardins urbanos ao jardim na cobertura da igreja

Roma (NEV) 19 de abril de 2022 – Medalha de ouro para o jardim urbano no telhado da igreja metodista de Milão. O primeiro prémio do concurso online “Premia il tuo verde” do projeto Clever Cities foi, de facto, atribuído ao espaço na via Porro Lambertenghi (de que falámos neste artigo).

873 foram os votos para a iniciativa desejada e gerida pela comunidade metodista da capital lombarda. A horta, criada com bancos de madeira apoiados nos pés, é cuidada justamente pelos frequentadores da igreja metodista e pelos condomínios do prédio onde foi criada.

“Estamos muito felizes sobretudo pelo número de preferências que recebemos – declara o pároco Cristina Arquidiácona – , ficamos muito emocionados com tanta participação. Significa que quando nos mobilizamos, quando estamos unidos, podemos fazer muitas coisas. E seria bom poder fazer isso também em outras coisas que são importantes para a nossa humanidade, como a paz e a justiça”.

Segundo lugar (com 240 preferências) para o telhado verde Precotto, terceiro lugar para a videira Via Avezzana.

O concurso online foi aberto a projetistas, proprietários e condôminos de edifícios com coberturas verdes, uma forma de promover a criação de coberturas ajardinadas na cidade. Dezoito candidaturas admitidas chegaram até 25 de março, enquanto 2.882 preferências foram expressas no site priamiailtuoverde.it, onde todos os jardins em competição são visíveis. A votação foi encerrada no dia 14 de abril.

O prémio para os vencedores é o apoio financeiro (5 mil euros, em particular, irão para o jardim metodista) da Câmara Municipal de Milão para a manutenção do verde. “Todas as cidades – declarou o vereador para a regeneração urbana Giancarlo Tancredi – presta-se a aumentar a presença do verde, não apenas projetando novos, mas também trabalhando no existente com o envolvimento de todos, e o Milan pode estar na vanguarda nisso”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Erica Sfredda é a nova presidente da Secretaria de Atividades Ecumênicas

Erica Sfredda é a nova presidente da Secretaria de Atividades Ecumênicas

Erica Sfredda trabalha na Divisão de Finanças do Município de Torino e é membro ativo da Igreja Valdense, onde ocupa o cargo de pregadora local. Fizemos algumas perguntas a ela. É a primeira vez que a presidência da SAE é assumida por um protestante. O que esses dados representam na sua opinião? A associação sempre teve membros protestantes dentro do Comitê, pois a interdenominacionalidade, incluindo a gestão, sempre foi uma prioridade. O presidente é sobretudo a pessoa que representa publicamente a associação, dado que as decisões são sempre colegiadas e remetidas a toda a Comissão Executiva, que também ouve os dirigentes dos grupos locais. Ter escolhido um presidente protestante significa ter maturidade para acreditar plenamente que a associação é interconfessional e que, mesmo em um país de maioria católica, a interlocução pode estar totalmente a par dos mundos ortodoxo e católico romano. Quando nasceu seu interesse pelo diálogo ecumênico? E que lugar ocupa no seu caminho de fé? Meu pai era metodista e minha mãe valdense, então, em certo sentido, nasci em uma família que fez do ecumenismo um de seus pilares. Meus pais também experimentaram o ecumenismo com outras confissões cristãs com grande intensidade desde a época do Concílio Vaticano II, e por isso sempre respirei um ar de abertura, de escuta, de atenção uns para com os outros. Aos 16 anos vim pela primeira vez para a SAE, que na época realizava suas sessões no Passo della Mendola, e foi uma experiência que me marcou para sempre. Ano após ano, cresci na minha fé e na minha identidade como valdense, através do diálogo com muitos pastores (na época eu vivia na diáspora e, portanto, para mim as Sessões também foram uma oportunidade preciosa para conhecer minha igreja melhor), mas também com os religiosos das outras confissões e sobretudo com os jovens e as jovens que, como eu, procuravam a sua fé e o seu lugar num mundo em constante turbulência e mudança. Hoje, com uma identidade que se tornou clara e profunda, só posso afirmar que minha fé foi forjada e desenvolvida em meu caminho ecumênico, à luz daquelas passagens bíblicas que nos pedem com absoluta clareza para trabalharmos juntos na busca da um só Senhor, para não ser escândalo para o mundo, para sermos dignos da vocação que nos foi dirigida. Na 57ª formação ecumênica da SAE, realizada em julho passado, o número de jovens participantes foi crescente: um interesse renovado pelo diálogo ecumênico? Eu gostaria de poder responder que sim, mas estaria blefando. O número de jovens foi absolutamente o habitual, mas numa percentagem superior porque muitos dos idosos não participaram devido ao Covid. A sessão deste ano foi particularmente bonita e intensa e eles tiveram uma presença significativa. A esperança do novo Comitê Executivo é tornar os jovens mais protagonistas e, portanto, aumentar seu número e importância: eles não são o futuro do associativismo e do ecumenismo na Itália, mas são já hoje a Igreja; precisamos de sua voz fresca, crítica, animada e curiosa para continuar a crescer, jovens e velhos. É uma aposta no futuro, ao invés de uma realidade já hoje. Quais são os projetos futuros da SAE? A SAE quer continuar a ser sal e fermento na terra. Assim, procuraremos trabalhar com pessoas e comunidades tendo em mente o conceito de diferenciação: não somos todos iguais e o que atrai alguém pode não ser compreendido ou adequado para outra pessoa. A nossa tentativa será diferenciar as nossas propostas: a par da Summer Session, um momento fundamental de crescimento e formação para todos e todos aqueles que dela sintam necessidade, e da Spring Conference, em que a associação também se reflecte, queremos poder desenvolver algumas linhas específicas, por exemplo sobre a salvaguarda da criação ou a questão do género. Partindo da bagagem de experiências pessoais, laborais e comunitárias, qual será a sua contribuição específica para o trabalho do Sae? Sou uma mulher muito ocupada porque sou esposa e mãe, trabalho na Divisão de Finanças do Município de Turim e sou membro ativo da Igreja Valdense, onde ocupo o cargo de pregadora local: digamos que esta a presidência da SAE é uma aposta que alguns membros quiseram fazer focando em mim e “abordando minha vocação” como dizem em nossas igrejas. Sei que não estarei sozinho, tenho uma boa equipe ao meu lado, Simone Morandini, Donatella Saroglia, Lívia Gavarini E Frances Del Corso, e conto também com o trabalho de muitos e muitos parceiros que se disponibilizaram para dar continuidade a esta obra visionária iniciada há 60 anos por Maria Vingiani. A contribuição, portanto, não será apenas minha, mas de muitos e muitos: juntos tentaremos trabalhar à luz daquela única esperança que é o nosso único Senhor. Ser ecumênico não é algo mais, uma vitrine que alguns querem e da qual outros podem abrir mão. Ser ecumênico faz parte da própria essência do ser cristão: em primeiro lugar porque é o próprio Senhor que nos chama à unidade. Tudo isso a partir da minha individualidade de mulher européia e valdense, criada em uma comunidade multicultural que viveu o processo de "Ser igreja juntos", onde aprendi que a contaminação é uma graça, porque a diversidade e a diferença são uma riqueza inestimável, uma preciosidade dom que nos enriquece espiritualmente, mas também existencialmente. entrevista por Marta D'Auria Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
Igreja Evangélica Reformada na Suíça.  Um “Sínodo de crise” em andamento

Igreja Evangélica Reformada na Suíça. Um “Sínodo de crise” em andamento

Foto Gaëlle Courtens Roma (NEV), 15 de junho de 2020 – O Sínodo da Igreja Evangélica Reformada na Suíça (ESRB) está em andamento em Berna. De forma distanciada e respeitando as normas anticontágio, o primeiro Sínodo da Igreja Reformada na Suíça, antiga Federação das Igrejas Evangélicas Suíças (FCES), foi aberto com um discurso do presidente do Sínodo, pároco Pierre de Salisque falou de um "Sínodo de crise". “O debate promete ser animado, após a renúncia do presidente Gottfried Locher para questões a serem apuradas”, tuitou a jornalista do Voce evangelica Gaëlle Courtensque está acompanhando os trabalhos. O Sínodo da ESRB será encerrado hoje, ocorrendo em um único dia conforme anunciado pela própria Igreja no final de abril, após a emergência do coronavírus. O trabalho do Conselho foi complexo desde a manhã. Foi rejeitado um ponto de ordem sobre a possibilidade de reunião à porta fechada e que exigia uma maioria de dois terços. A transparência prevalece, apesar da dificuldade, que parece não desestabilizar a assembléia, convocada para discutir tanto questões processuais quanto o relatório da Comissão Examinadora, que avalia os trabalhos do Conselho. PARA #Berna começa em #Kursaal no modo #coronavírus o primeiro Sínodo da Igreja Evangélica. reformado em #Suíço ⁦@EKS_EERS(antiga Fed. das igrejas evangélicas) - o debate promete ser animado, após a demissão do pres. Gottfried Locher para perguntas pouco claras. pic.twitter.com/OKkh7Cpwa0 — Gaëlle Courtens (@gaelle14juillet) 15 de junho de 2020 ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Roma (NEV), 9 de setembro de 2020 - "Cada vez mais o terceiro setor olha para as igrejas valdenses como um ponto de contato "seguro" para poder garantir seu compromisso. E por isso mesmo sentimos cada vez mais a responsabilidade perante o mundo sem fins lucrativos, de contribuir da melhor forma para a sua atividade”. Como Manuela Vinaychefe do escritório Otto per mille, após a publicação dos projetos financiados este ano pelas igrejas valdenses e metodista. As realidades que se voltam para o OPM valdense são de fato cada vez mais numerosas, uma tendência que já havíamos destacado nos últimos meses. “Embora os critérios de alocação de recursos e de avaliação das atividades individuais tenham mudado, por exemplo, com um limite mais rígido para as iniciativas que cada instituição pode solicitar para serem financiadas – confirma Vinay -, o número de solicitações continua aumentando. Em 2013 foram 1313, em 2017 chegamos a 3918, hoje, em 2020 estamos em 4671”. As assinaturas dos contribuintes também estão crescendo, ou seja, o número de pessoas que escolhem as igrejas valdenses em suas declarações fiscais. Em 2019 – durante o ano fiscal de 2018 – foram 569.638, e desde 2015 têm crescido constantemente, em média 3% ano a ano. A emergência da Covid influenciou apenas relativamente a forma como as iniciativas de solidariedade são avaliadas. Conforme afirma o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta"Temos trabalhado tentando não focar nossa atenção apenas na emergência sanitária, acreditando que manter - mesmo em um ano tão particular - o mesmo nível de atenção que sempre nos distinguiu em cultura, educação, projetos sociais no sentido mais ampla é, por si só, uma forma de contribuir com os esforços do país para sair da fase emergencial e promover o desenvolvimento na direção de maior justiça social, proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e ainda maior participação democrática, urgência de que a própria emergência nos fez sentir”. No entanto, foram financiados 9 projetos no exterior que de alguma forma dizem respeito à emergência de saúde e ao pós-coronavírus: "Do Egito ao Iraque, até a Índia, optamos por doar para quem gastou é gasto contra os danosos e mais duradouros consequências do vírus e do confinamento, sempre a favor das camadas mais vulneráveis ​​da população". Já nos campos atendidos pelas realidades que receberam aval e recursos do OPM, o meio ambiente ganha maior peso, passando de 13 para 27 projetos. “Nossos beneficiários lidam muito com deficiências físicas e mentais, mas também com cultura e infância”, acrescenta Vinay. E trabalham principalmente nas grandes cidades, de norte a sul, com um grande número de empresas sediadas em Roma. Até o final do mês serão lançados os projetos, que foram apresentados em janeiro por associações, ONGs, cooperativas (o prazo era 31 de janeiro, portanto antes da emergência sanitária). Para saber mais: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.