Milão, o prêmio de jardins urbanos ao jardim na cobertura da igreja

Milão, o prêmio de jardins urbanos ao jardim na cobertura da igreja

Roma (NEV) 19 de abril de 2022 – Medalha de ouro para o jardim urbano no telhado da igreja metodista de Milão. O primeiro prémio do concurso online “Premia il tuo verde” do projeto Clever Cities foi, de facto, atribuído ao espaço na via Porro Lambertenghi (de que falámos neste artigo).

873 foram os votos para a iniciativa desejada e gerida pela comunidade metodista da capital lombarda. A horta, criada com bancos de madeira apoiados nos pés, é cuidada justamente pelos frequentadores da igreja metodista e pelos condomínios do prédio onde foi criada.

“Estamos muito felizes sobretudo pelo número de preferências que recebemos – declara o pároco Cristina Arquidiácona – , ficamos muito emocionados com tanta participação. Significa que quando nos mobilizamos, quando estamos unidos, podemos fazer muitas coisas. E seria bom poder fazer isso também em outras coisas que são importantes para a nossa humanidade, como a paz e a justiça”.

Segundo lugar (com 240 preferências) para o telhado verde Precotto, terceiro lugar para a videira Via Avezzana.

O concurso online foi aberto a projetistas, proprietários e condôminos de edifícios com coberturas verdes, uma forma de promover a criação de coberturas ajardinadas na cidade. Dezoito candidaturas admitidas chegaram até 25 de março, enquanto 2.882 preferências foram expressas no site priamiailtuoverde.it, onde todos os jardins em competição são visíveis. A votação foi encerrada no dia 14 de abril.

O prémio para os vencedores é o apoio financeiro (5 mil euros, em particular, irão para o jardim metodista) da Câmara Municipal de Milão para a manutenção do verde. “Todas as cidades – declarou o vereador para a regeneração urbana Giancarlo Tancredi – presta-se a aumentar a presença do verde, não apenas projetando novos, mas também trabalhando no existente com o envolvimento de todos, e o Milan pode estar na vanguarda nisso”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ética digital.  Salve o planeta, salve-nos

Ética digital. Salve o planeta, salve-nos

Foto de José Martín Ramírez Carrasco / Unsplash Roma (NEV), 30 de maio de 2023 – Que bem-estar para as sociedades digitalizadas e no trabalho? Isso foi discutido no dia 24 de maio em encontro promovido pela rede “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” (CONVOCAÇÃO* – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida). O encontro reuniu algumas das dezenas de pessoas que colaboraram na publicação das Diretrizes no âmbito do projeto”Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados”. A rede CALL trabalha há anos nestas questões, envolvendo vários profissionais e competências de toda a Europa, tanto no seio das igrejas como simpatizantes. Harmonia, bem-estar digital, ética digital, sustentabilidade, valores ecológicos, económicos e sociais no planeamento da digitalização são apenas alguns dos temas desenvolvidos pela rede CALL, que vê a própria digitalização como intimamente ligada, e por isso orientável, ao serviço da sociedade. Ele esteve presente pela Itália Stefano Frache, engenheiro, um dos fundadores de uma empresa de desenvolvimento de software e equipamentos eletrônicos, com doutorado em Eletrônica e Telecomunicações em Torino e Lausanne. “Foi maravilhoso participar nesta experiência, numa dimensão de estímulo ao diálogo e ao crescimento pessoal” disse Frache à Agência NEV. As diretrizes são desenvolvidas em três seções: ética, economia e sociedade. “A reunião do dia 24 foi uma oportunidade para retomar alguns temas, os pontos fortes do documento e quais aspectos, por outro lado, ainda precisam ser trabalhados – disse Stefano Frache -. Foi um importante momento de síntese, resultado de anos de trabalho, comparações e discussões. É preciso uma certa coragem para emitir um documento”. Na verdade, publicar expõe a julgamentos e críticas, mas ao mesmo tempo é uma forma de "dar o tom" para a discussão. No primeiro ponto sobre ética, continuou o engenheiro, "foram incluídos aspectos relativos à relação de todos os seres vivos com o planeta e uma referência explícita ao justiça climática. É bom refletir sobre evidências científicas para guiar nosso pensamento. Não é uma questão emocional: realmente temos um problema com o clima." Durante muito tempo, segundo Frache, “houve um mal-entendido muito amplo. Nosso compromisso climático está salvando o planeta? Não, fazemos isso para nos salvar." Eras glaciais e interglaciais com transgressões marinhas ocorreram várias vezes na Terra, mas em períodos extremamente longos. “Agora estamos aqui e estamos perturbando o equilíbrio do planeta. Os efeitos não são iguais para todos, mas a questão da justiça climática não pode ser reduzida a uma inspiração temporária. Só mais um pouco de tempo, para estragar bastante, e aí o problema será o mesmo para todos”. O problema da desigualdade deve ser enfrentado rio acima: “Não é bom sermos todos iguais diante da catástrofe. Mesmo de barriga cheia, não estou segura. O risco alimentar, a dificuldade de acesso aos alimentos e à água potável, que até poucos anos atrás pareciam preocupações distantes de nós, agora começam a nos preocupar de perto”. Refletir sobre esta dimensão ética implica também “sair da retórica antropocêntrica de sermos os salvadores do mundo. É mais sensato pensar que estamos fazendo algo por nós mesmos e pelos nossos semelhantes, tanto do ponto de vista cristão quanto do ponto de vista humano”. Recentemente, no âmbito do Sínodo Luterano, o decano Carsten Gerdes ele falava da natureza não como um "presente", mas como um "empréstimo". Mesmo para os nativos americanos, a terra é transmitida de geração em geração, “mas cada geração a toma emprestada da anterior. Com esse espírito, devemos fazer bom uso dele e depois devolvê-lo intacto aos que vierem depois de nós. A ganância e a gula não dão frutos. Do ponto de vista cristão, mas não só, esses comportamentos primitivos e irracionais certamente não são dignos e, muitas vezes, causam desastres”. A rede CALL também falou em sustentabilidade, destacando a substancial indissociabilidade dos seus elementos nos domínios económico e social. “O impacto das escolhas é transversal. Tudo está interligado”, disse Frache. Durante o encontro também foram discutidos acessibilidade, inclusão digital, custos e benefícios do que poderíamos definir como “planejamento ético”. Finalmente, segurança. “Em termos de TI, segurança significa privacidade e atenção à coleta de dados, mas não só – concluiu Stefano Frache -. Segurança também significa proteger-se de informações falsas. Por simples engenhosidade corre-se o risco de ser enganado na formação das próprias opiniões, de ser manipulado. Um uso incorreto ou inconsciente de ferramentas digitais é muito diferente dependendo se somos sociedades abertas ou fechadas. Se quisermos nos manter como sociedades abertas e democráticas, temos o dever de lidar com elas, porque as ameaças são graves. Às vezes damos por certo, mas a liberdade de pensamento termina em uma sociedade fechada e, portanto, também a liberdade de pensamento cristão”. *CALL é uma rede europeia que trata da reflexão sobre sustentabilidade, trabalho, economia e sociedade desde um ponto de vista cristão. O projeto "Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados” é apoiado com financiamento da Comissão Europeia. ...

Ler artigo
O dia em que o mundo disse não à guerra

O dia em que o mundo disse não à guerra

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – “As manifestações antiguerra deste fim de semana nos dizem que podem restar duas superpotências no planeta: os Estados Unidos e a opinião pública mundial”. Foi assim que o New York Times descreveu a onda de 110 milhões de pessoas que saíram às ruas em 15 de fevereiro de 2003 em todo o mundo, de acordo com seu próprio fuso horário, para se manifestar contra a guerra iminente no Iraque. “Uma superpotência de que o mundo ainda precisa”, disse ele Alfio Nicotraco-presidente da associação "Un ponte per", na abertura da conferência "Deserto a terceira guerra mundial em pedaços" - realizada em Roma na igreja metodista na via XX Settembre por iniciativa de "Un ponte per" e o “Rete paz e desarmamento” – que com exatos vinte anos quis relembrar aquelas manifestações para tentar refletir sobre o presente. Chris Nineham “Depois o movimento pacifista viu-se em ligação com a maioria da população mundial, propondo uma análise partilhada da realidade e uma clara rejeição da guerra”, recordou Chris Nineham, por Stop the War Coalition, via link de vídeo de Londres. Um contexto muito diferente do atual em que “a análise da guerra na Ucrânia é controversa e não há consciência de que o Ocidente segue uma política de guerra que se faz passar por uma luta de libertação”. “As manifestações de 2003 não impediram a guerra, mas certamente a detiveram. Os governos sabiam que estavam sob o escrutínio da opinião pública”, destacou. Piero Bernocchi Porta-voz do COBAS, recordando o papel crucial desempenhado pelo I Fórum Social Europeu realizado em Florença em 2002, do qual nasceu a ideia de um dia mundial de mobilização contra a intervenção no Iraque. Se aquela experiência rendeu frutos, a rede que hoje a sustentava encontra-se dispersa pela crise económica que mudou as pautas da opinião pública, pelo vício de duas décadas de guerras permanentes, mas também pela dificuldade de identificar um antagonista claro se opor: “Em 2003, o poder de oposição era claro: os Estados Unidos; enquanto deve ser dito que o anti-imperialismo e a hostilidade à guerra sempre funcionaram menos bem quando a URSS ou a Rússia lideravam as guerras”. Na realidade, voltou a sublinhar Bernocchi, "hoje existem muitos 'bandidos'" porque o mundo está repleto de conflitos regionais que podem ser percebidos como distantes, mas todos potencialmente capazes de gerar um efeito em cadeia e desencadear um conflito global . Bernocchi não tem ilusões sobre o cessar-fogo na Ucrânia: “Terminará quando os Estados Unidos decidirem que não podem mais apoiar esse oneroso apoio militar à Ucrânia. A essa altura, o desafio será definir um acordo negocial que não humilhe a Ucrânia e não recompense a Rússia, distinguindo os agredidos dos agressores”. Também segundo Raffaela Bolini, chefe de relações internacionais da ARCI, "o mundo de hoje não pode ser interpretado com as velhas visões", é preciso saber relê-lo. Nisso, porém, “a experiência de vinte anos atrás ainda pode nos ensinar muito. Antes de tudo a capacidade de não sucumbir à narrativa dominante, mas de desconstruí-la”. Em 2003 significou, por exemplo, resistir ao chamado daqueles que "identificavam o Islã como o inimigo"; hoje, pode ser afirmando que na "Ucrânia não se deve buscar a vitória, mas a paz". A tarefa do movimento pacifista, então como agora, é, segundo Bolini, "estar do lado das vítimas e do direito internacional, não do lado dos governos" e promover uma "segurança comum compartilhada: somente quando meu inimigo se sente seguro, estou seguro também." Filadélfia Bennis Muitas contribuições internacionais propuseram diferentes pontos de vista sobre a guerra na Ucrânia: o dos EUA Phyllis Bennis, do Instituto de Estudos Políticos, recordou os gravíssimos custos colaterais da guerra: a crise alimentar em várias partes do mundo, o drástico recuo das políticas ambientais, a crise energética que provoca uma maior utilização dos combustíveis fósseis, o perigo de um conflito nuclear. São consequências que devem pesar ao se pensar no conflito na Ucrânia. da América do Sul Edgardo Landerdo Transnational Institute and Global Dialogue, convidado a distinguir a guerra travada na Ucrânia, cuja responsabilidade recai sobre a Rússia, da guerra geopolítica global travada pelos EUA no confronto com a China de que também faz parte o conflito na Ucrânia. o iraquiano Ismaeel Daewoodda Iniciativa de Solidariedade da Sociedade Civil Iraquiana deu seu testemunho sobre as consequências de longo prazo da guerra no Iraque. No link do vídeo, Alexandre Belikdo Movimento Russo de Objetores de Consciência, contou como as autoridades russas não respeitam o direito à objeção de consciência e reprimem as "manifestações de luto" pelas vítimas da guerra. Eles também participaram Marga FerréTransformar a Europa; Moussa ThangariEspaço Alternativo Citoyens; Ada DonnoAssociação de Mulheres da Região do Mediterrâneo; Emanuele Genovesesextas-feiras para o futuro; Parisa Nazariativista iraniano; Sérgio Bassoli, Europa para a Paz. Ele moderou a reunião Fábio AlbertiUma ponte para. A reunião aconteceu na igreja metodista na via XX Settembre em Roma, em nome da qual o pároco cumprimentou Mirella Manocchio. ...

Ler artigo
A utopia do amor no TEDx em Spoleto, com Gianluca Fiusco

A utopia do amor no TEDx em Spoleto, com Gianluca Fiusco

Roma (NEV), 11 de novembro de 2022 – Uma edição especial do TEDx, um conhecido formato de conferência sobre inovação e tecnologia, foi realizada em 5 de novembro em Spoleto. Este ano, entre as várias intervenções, o tema da utopia do mundo novo, daágape que, em grego, significa amor. Para falar sobre isso foi escolhido Gianluca Fiusco, ex-diretor do Serviço Cristão de Riesi. Fiusco falava em "utopias possíveis". “Construir uma aldeia alpina, chamada Agàpe-amor fraterno – que no verão e no inverno pode receber muitos jovens de todos os lugares para conferências e acampamentos. Que AGAPE seja a efígie do amor verdadeiro entre as rochas de nossas montanhas que conheceram a feiúra da guerra…” Túlio Vinay Começando com a história da amizade entre Túlio Vinay E Leonard Ricci, até a história de uma "utopia do mundo novo, do agápe". Vinay (teólogo, pastor valdense, senador da República, antifascista) foi o criador do centro ecumênico internacional "Agape" na província de Torino e do mesmo "Servizio Cristiano" na Sicília, junto com seu amigo arquiteto Ricci. Ambos os lugares, ainda ativos, são um ponto de referência para o mundo internacional desde o século passado, um viveiro de cultura e ideias, tanto local quanto globalmente. Onde encontrar utopias possíveis… “Se você me perguntasse – começou Gianluca Fiusco – o que é a utopia, eu lhe responderia o seguinte: o lugar ainda não alcançado, mais a intuição”. É a utopia possível do Serviço Cristão e da última intuição realizada e realizada durante os anos de gestão em Riesi: o laboratório humano LURT de regeneração territorial. O LURT representa um exemplo concreto de como a contaminação entre ideias, culturas, profissionalismo, experiências ou simplesmente curiosidade pode contribuir para a mudança de pessoas e lugares. “É na ação coletiva e no encontro de nós mesmos fora de nossas zonas de conforto e autossatisfação que as utopias nos encontram”, disse Fiusco. E acrescentou: “A utopia não é nosso sonho porque se descobre e se modela no compromisso coletivo; não é algo nosso, mas vem ao nosso encontro no encontro com os outros, no caminho para os outros e com os outros». Este “testemunho secular” leva a visão do “agápe” para além dos perímetros convencionais.“A utopia possível é, portanto, caminhar em uma praça imensa e lotada, que é o mundo: de braços abertos”, concluiu Fiusco, citando o slogan criado em 2015 para a inauguração do Museo del Servizio Cristiano. TED Nascido em 1984 como um único evento em Design de entretenimento de tecnologia (este é o significado da sigla), desde 1990 i Ted fala eles gradualmente se desenvolveram em direção a temas mais díspares. O objetivo é o compartilhamento de ideias, intuições, descobertas e pistas motivacionais voltadas para o aperfeiçoamento humano e social. A missão resume-se, portanto, na fórmula "ideias que valem a pena espalhar”, ou ideias que valem a pena espalhar. Espalhados pelo mundo, os TEDs reúnem falas de personalidades que de alguma forma impactaram a sociedade. Entre eles, chefes de estado e autoridades religiosas, ganhadores do prêmio Nobel, cientistas e mulheres cientistas, homens e mulheres autores... O formato, replicado em eventos temáticos organizados de forma independente, deve obedecer às diretrizes do TED. A edição Spoleto, com o título “O homem, o gênio”, ofereceu ao público experiências e ideias que mudaram e podem mudar a vida das pessoas e das sociedades. Para o melhor. Spoleto convidados 2022 Além de Gianluca Fiusco, foram 13 participantes nesta edição do TEDx Spoleto: Mohamed Ba (ator e educador), Renato Brignone (Inventor), Daniele Cassioli (atleta paralímpica), Gloria Chiocci (UX Designer), Lara Citarei (Autora e Gestora) , Alessandro Fanni (Inventor e Empreendedor), Andrea Gatto (Professor Universitário), Alessandro Giuliani (Empreendedor), Gian Franco Grassi (Engenheiro e Psicólogo), Francesco Sgaramella (Segurança U-nfluencer), Andrea Sisti (Agrônomo e Prefeito de Spoleto), Giovanni Tomassini (Engenheiro), Flavia Trupia (Especialista em retórica). Para mais informações, aguardando a publicação dos discursos: O TEDx Spoleto foi realizado no Teatro Caio Melisso. Vá para o arquivo NEV em Tullio Vinay. FORMA. Túlio Vinay ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.